A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quarta-feira, setembro 22, 2004

Programa Integração, da Pé Forte, garante rentabilidade de quase 50% ao ano na criação de avestruzes

Maior empreendimento de criação de avestruz do País, a Pé Forte desenvolve projeto para integrar produtores rurais em um sistema profissional, com segurança e retorno econômico garantido.
Os produtores rurais com interesse na criação de avestruzes estão ganhando uma opção altamente segura e rentável para fazer os seus investimentos. A Pé Forte – maior projeto de avestruzes do País – desenvolveu o Projeto Pé Forte Integração, que visa criar uma efetiva e sólida cadeia produtiva na estrutiocultura, com resultados econômicos positivos a todos os elos do negócio, com fornecimento de carne e plumas para o mercado interno e couro para exportação. É possível participar de duas maneiras: como fazendeiro (com terras) e como investidor (sem terras). Para ambos, a rentabilidade garantida supera os 40% ao ano – chega a 47% no caso dos produtores.
“Nosso objetivo é sair das 100 mil aves que o Brasil possui atualmente e chegar a 480 mil em menos de dez anos. Dessa forma, ganhamos escala para produção de carne e cumprimento regular de contratos de exportação de couro, colocando o País definitivamente no cenário mundial da atividade”, informa Joel Wolff, diretor da Pé Forte e idealizador do projeto.
O fundamento do projeto é a integração dos parceiros e segue o modelo de sucesso da avicultura e da suinocultura na região Sul. O empreendimento é dividido em pólos de criação espalhados pelo País, com infra-estrutura própria e centralizada, com assistência técnica, alimentação, manejo, saúde, gerenciamento, incubação e transporte. As aves, o know-how de criação e a responsabilidade técnica ficam por conta da Pé Forte. O produtor interessado em tornar-se parceiro do projeto precisa dispor de no mínimo cinco alqueires para criação.
O Projeto Pé Forte Integração prevê a instalação de pólos de produtores de uma mesma região geográfica. Além disso, cada grupo de nove pólos estará conectado a uma central de abate e distribuição de carne e subprodutos do avestruz (couro, plumas etc), fechando a cadeia.
“A oferta de carne de avestruz no mercado interno hoje é irregular e o comércio internacional de couro está aquecido e carente de produtos de boa qualidade. Em relação às plumas, também teremos condições de atender à demanda interna, já que o Brasil é o maior importador mundial”, explica Wolff.

Investimento garantido
No Projeto Pé Forte Integração, o produtor adquire, no primeiro ano, trinta aves de três meses, em trios (20 fêmeas e 10 machos), com pagamentos em 12 vezes. No valor, além das aves, estão inclusos suporte técnico, veterinário, incubação, alimentação, assistência do pólo etc.
No segundo ano, o produtor adquire outras 30 aves, também em trios, de um ano de idade. Essa aquisição também é financiada em 12 vezes e tem os mesmos benefícios inclusos. No terceiro ano, não há aquisição de aves, apenas a utilização do suporte técnico e know-how da empresa. No quarto ano, o produtor tem garantido 800 filhotes 20 filhotes por fêmea), que serão incubados e criados pela Pé Forte até os três meses de idade, período de maior sensibilidade para as aves. Depois desse período, os animais serão devolvidos aos produtores, onde ficarão até os 13 meses para a engorda e, em seguida, recomprados pela Pé Forte.
"O nosso parceiro terá toda a infra-estrutura da Fazenda Pé Forte e terá garantida a compra do produto. Não precisará passar pela fase inicial de qualquer negócio, que é a consolidação da marca e a conquista da confiança do cliente, pois já desfrutará de uma marca sólida e reconhecida, que é a Pé Forte", afirma Joel Wolff.
O Projeto Pé Forte Integração foi idealizado para produtores rurais, que vivem e gostam da produção animal e querem participar de uma iniciativa séria e com objetivos muito bem definidos: oferta de carne, couro e plumas para atender a demanda já existente. Tudo isso com total garantia.
“Os animais pertencem, desde o início do projeto, aos parceiros, ficando em suas fazendas, exatamente para oferecer segurança aos investidores. Além disso, todas as aves são identificadas desde o nascimento, o que garante a procedência dos animais”, informa Joel Wolff, ressaltando que isso significa aumento do patrimônio do produtor. “É mais uma garantia da Pé Forte de que o projeto é sério e voltado exclusivamente ao fornecimento de subprodutos do avestruz”.

Agende uma visita à Pé Forte
A Pé Forte está à disposição dos produtores rurais para tirar dúvidas e fazer todos os esclarecimentos devidos. Basta ao potencial parceiro inscrever-se no site www.peforte.com.br para ser convidado para uma apresentação detalhada do Projeto Pé Forte Integração. “Nossa proposta é séria e com os objetivos claros: multiplicar a oferta de carne, plumas e couro para o mercado interno e a exportação. Assim, precisamos de parceiros que estejam convencidos da viabilidade econômica do avestruz no Brasil. As reuniões periódicas visam exatamente avaliar o perfil dos interessados e apresentar-lhes todas as informações necessárias para fazer um excelente investimento, tão ou mais rentável que as atividades rurais mais disseminadas pelo País”, explica Joel Wolff.


QUADRO I – Por que Investir no Avestruz?
**** Atividade nova no Brasil (uma década)
**** Atividade bem-sucedida em outros países de clima tropical
**** Brasil: condições ideais de clima, geografia, alimentação, mão-de-obra etc
**** Gama de subprodutos: carne para mercado interno, pluma para mercado interno e couro para exportação
**** Alta rentabilidade em comparação com outras atividades produtivas
**** Produtos de alta qualidade
**** Solução para complementação de renda nas propriedades rurais, pequenos produtores, áreas secas e de difícil implantação de outros negócios


QUADRO II – Avestruz: Negócio rentável e produtivo
**** No de crias por ano: até 40 (média 30)
**** Período de gestação: 42 dias
**** Idade de abate: 13 meses (tendência a reduzir)
**** Vida fértil: 40 anos em produção
**** Produção de couro/ano: até 40 metros
**** Nº de aves por alqueire: 80 cabeças
**** Produção de carne por matriz: até 1,6 tonelada


QUADRO III – Os objetivos do Projeto Pé Forte Integração
**** Necessidade acima de 300 mil aves/ano para abate
**** Demanda do mercado interno de carne e plumas
**** Demanda do mercado externo de couro
**** Construção de cadeia produtiva no Brasil (inexistente)
**** Tornar o Brasil peso-pesado na atividade


Texto Assessoria de Comunicações: (11) 3675-1818
Jornalista Responsável: Altair Albuquerque (Mtb 17.291)

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog