A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quarta-feira, janeiro 31, 2018

Café especial: Thiago Sabino é o campeão brasileiro de baristas em 2018


Thiago Sabino é o campeão brasileiro de baristas em 2018

Profissional da cafeteria Cafés Especiais do Brasil, de São Paulo, Sabino superou 23 concorrentes e representará o Brasil no campeonato mundial, em Amsterdã, Holanda

No elegante ambiente da Casa Camolese, situada no Jardim Botânico, Rio de Janeiro (RJ), Thiago Sabino (ao centro na foto), da cafeteria Cafés Especiais do Brasil, de São Paulo (SP), foi eleito, no domingo, 28 de janeiro, campeão do 17º Campeonato Brasileiro de Baristas. Esse é o segundo título do profissional, que alcançou sua primeira conquista na 14ª edição da competição. Como ação do projeto setorial "Brazil. The Coffee Nation", o evento é realizado pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a Alliance for Coffee Excellence (ACE).

Ao superar outros 23 concorrentes, Thiago Sabino será o representante do Brasil no campeonato mundial, o World Barista Championship, que ocorrerá em Amsterdã, na Holanda, entre 20 e 23 de junho, durante a feira World of Coffee. O segundo lugar da competição nacional ficou com o barista João Augusto Michalski, da Cafe du Coin (à esquerda na foto), e a terceira colocação com André Martinelli (à direita na foto), da Baden Torrefação. A fase final do campeonato brasileiro foi supervisionada pelo norueguês residente na Áustria John Stubberud, juiz certificado e representante da organização World Coffee Events (WCE), e teve como juízes principais Luiz Salomão, representante da BUNN no Brasil, e José Renato Figueiredo, barista, torrador e produtor, de São Sebastião do Paraíso (MG).

Para a diretora da BSCA, Vanusia Nogueira, cada vez mais os baristas brasileiros demonstram sua constante capacitação, o que é fundamental para a promoção da excelência dos cafés do País. "Nossos profissionais vêm evoluindo constantemente e é um orgulho para a BSCA poder contribuir com esse processo através dos campeonatos. Os baristas são fundamentais para que o café seja mais valorizado junto aos consumidores finais e, também, para a criação de uma cultura cada vez mais forte relacionada aos cafés especiais no Brasil", destaca.

Na 17ª edição do Campeonato Brasileiro de Baristas, os 24 participantes prepararam, em cada etapa, quatro espressos, quatro bebidas com leite vaporizado e quatro bebidas originais de assinatura, sendo avaliados por juízes sensoriais e técnicos. Com base em critérios como sabor, qualidade e persistência da crema (espresso), harmonia entre café e leite, criatividade (bebida de assinatura) e manipulação profissional dos ingredientes, do moinho e da máquina de espresso, o júri elegeu os campeões da competição.

BRAZIL. THE COFFEE NATION
O projeto setorial "Brazil. The Coffee Nation" é desenvolvido em parceria por BSCA e Apex-Brasil e tem como foco a promoção comercial dos cafés especiais brasileiros no mercado externo. O objetivo é reforçar a imagem dos produtos nacionais em todo o mundo e posicionar o Brasil como fornecedor de alta qualidade, com utilização de tecnologia de ponta decorrente de pesquisas realizadas no País. O projeto visa, ainda, a expor os processos exclusivos de certificação e rastreabilidade adotados na produção nacional de cafés especiais, evidenciando sua responsabilidade socioambiental e incorporando vantagem competitiva aos produtos brasileiros.

Iniciado em 2008, a vigência do atual projeto se dá entre maio de 2016 ao mesmo mês de 2018 e os mercados-alvo são: (i) EUA, Canadá, Japão, Coreia do Sul, China/Taiwan, Reino Unido, Alemanha e Austrália para os cafés crus especiais; e (ii) EUA, China, Alemanha e Emirados Árabes Unidos para os produtos da indústria de torrefação e moagem. As empresas que ainda não fazem parte do projeto podem obter mais informações diretamente com a BSCA, através dos telefones (35) 3212-4705 / (35) 3212-6302 ou do e-mail exec@bsca.com.br.

Mais informações para a imprensa
BSCA – Assessoria de Comunicação
Paulo André C. Kawasaki
(61) 98114-6632 / ascom@bsca.com.br
BSCA - Brazil Specialty Coffee Association
Telefones: (35) 3212-4705 / 3212-6302
E-mail: ascom@bsca.com.br


sexta-feira, janeiro 26, 2018

CNC - Balanço Semanal de 22 a 26/01/2018


BALANÇO SEMANAL — 22 a 26/01/2018

CNC define composição do conselho diretor e elege coordenador e presidente executivo para a gestão 2018-2020

GESTÃO 2018-2020 — Nesta sexta-feira, 26 de janeiro, o Conselho Nacional do Café (CNC) realiza Assembleia Geral Ordinária (AGO), em Brasília (DF), para prestação de contas do exercício de 2017, análise da proposta de orçamento para este ano e eleição dos membros do Conselho Diretor, do coordenador e do presidente executivo da entidade para o próximo mandato entre fevereiro de 2018 e janeiro de 2020.

Após a AGO, o CNC realizará reunião de seu Conselho Diretor, oportunidade na qual será debatida a proposta de planejamento estratégico para a entidade e apresentada a agenda de trabalho para 2018, assim como informações referentes ao programa PAM-Agro e à Plataforma Global do Café para avaliação dos conselheiros. O resultado dos debates e a nova composição da diretoria do CNC serão comunicados na próxima semana.

OFERTA E DEMANDA


Na quinta-feira, 25 de janeiro, o presidente executivo do CNC, deputado Silas Brasileiro, e os conselheiros diretores José Marcos Magalhães, presidente da Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Varginha (Minasul), e Francisco Sérgio de Assis, presidente da Federação dos Cafeicultores do Cerrado, reuniram-se com o ministro interino da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Eumar Novacki.

Os representantes da produção apresentaram ao governo sua preocupação com relação ao equilíbrio entre oferta e demanda no mercado. A manifestação se deu em função de o CNC ter identificado, recentemente, anseio, por parte de vários agentes públicos dos três níveis da Federação e também de bancos oficiais, em destinar recursos e apoio institucional para estimular o aumento da área plantada com café no Brasil.

Entendemos que essas iniciativas incentivam a introdução de novas variedades, com potencial de alto rendimento em campo, o que é desejável para garantir a competitividade, porém tendem a gerar um excedente produtivo. Esclarecemos que somos favoráveis a uma renovação gradual e planejada do parque cafeeiro nacional, mas apresentamos nosso receio ao ministro porque as iniciativas identificadas não estão integradas a um planejamento de longo prazo e que seja embasado em metas de produção e programas de incentivo ao consumo, tendo como foco o equilíbrio entre oferta e demanda para evitar o aviltamento dos preços aos produtores.

Os representantes do CNC alertaram, ainda, que preços aviltados de café não são bons para a cadeia produtiva, que se desestrutura, e nem para o governo, uma vez que será demandado a alocar os escassos recursos do Tesouro Nacional para a sustentação da renda dos cafeicultores, além de disponibilizar espaços nos armazéns públicos para a estocagem do produto.

Para evitar tal cenário de depreciação dos valores do café, sugerimos planejamento e maior sinergia entre os agentes públicos e a representação da cadeia produtiva antes de se autorizar a liberação de recursos públicos para apoiar a ampliação da área cultivada, haja vista que a representação oficial da classe produtora possui conhecimento e vivência no setor e está capacitada a orientar a respeito de ações necessárias para garantir o delicado equilíbrio entre oferta e demanda no mercado cafeeiro.

O ministro recebeu nosso pleito e informou que adotará medidas a respeito, comunicando o setor em breve. Por fim, também entregamos a Novacki um exemplar do Relatório Anual de Gestão do CNC, que evidencia as principais realizações e conquistas do Conselho ao longo de 2017.

FALECIMENTO ALBERTO FERREIRA — É com extremo pesar que tomamos ciência do falecimento de nosso amigo Alberto Ferreira, presidente do Conselho de Administração da Crediriodoce e da Central Crediminas. Ele sempre será lembrado como um símbolo do sistema cooperativista e uma liderança ímpar, dotado de caráter único, lealdade, transparência e ética.

Não obstante vivenciarmos a perda de um grande líder, temos orgulho e satisfação por termos convivido e compartilhado momentos profissionais com o amigo Alberto, que, indubitável e saudosamente, deixará um exemplo e o legado de competência, respeito e dedicação.

Manifestamos, em nome do Conselho Nacional do Café, nossos mais profundos votos de pesar para toda a família, ao Conselho Administrativo e ao staff da Central Crediminas, às cooperativas que a compõem e a todos nós que ficamos saudosos de um homem e de um profissional exemplar nos trabalhos aos quais se dedicou.

MERCADO — Os preços futuros internacionais do café registraram leve recuperação nesta semana, puxados pela depreciação do dólar frente a outras moedas, ao passo que inexiste novidades no lado dos fundamentos.

A divisa se desvalorizou internacionalmente devido às declarações de Steven Mnuchin, secretário do Tesouro dos Estados Unidos, para quem a fraqueza do dólar é "bem-vinda", uma vez que favorece o comércio para os EUA. Ele também não demonstrou muita preocupação com a decisão de Japão e outros dez países fecharem o Acordo de Parceria Transpacífico, promovendo livre comércio, sem a participação norte-americana.

No Brasil, o dólar encerrou o pregão de quinta-feira a R$ 3,15, com depreciação de 1,6% na comparação com a semana anterior, pressionado pelo ingresso de fluxo financeiro em função da aposta dos investidores na manutenção da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O vencimento março/18 do contrato futuro do café arábica negociado na Bolsa de Nova York acumulou alta de 240 pontos, encerrando a sessão de ontem a US$ 1,2365 por libra peso. Na ICE Futures Europe, o vencimento março/18 do café robusta subiu US$ 7 ante a semana anterior, negociado a US$ 1.763 por tonelada.

Em relação ao clima, o serviço Climatempo informa que muitas áreas de instabilidade se espalham hoje por São Paulo, Rio de Janeiro e centro-sul de Minas Gerais, havendo risco de temporais. Para o Espírito Santo e o nordeste de Minas Gerais, não há previsão de chuva, ao passo que sol, aumento de nuvens e pancadas de chuva são esperados a partir da tarde nas demais áreas da Região Sudeste.

Já a Somar Meteorologia espera que os próximos cinco dias sejam de pancadas de chuva frequentes entre Paraná, São Paulo e sul de Minas Gerais, com acumulados atingindo de 40 a 70 milímetros em sete dias. Para Rondônia, a previsão é de chuva mais generalizada e, no Espírito Santo, as precipitações só devem atingir o sul do Estado.

No mercado doméstico, os indicadores calculados pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) para as variedades arábica e robusta foram cotados a R$ 441,12/saca e a R$ 316,48/saca, respectivamente, apresentando leves retrações de 0,6% e 0,7% em relação à semana passada. De acordo com agentes consultados pela instituição, o mercado físico segue com baixa liquidez, em meio à ausência de atores.

Atenciosamente,
Deputado Silas Brasileiro
Presidente Executivo
CNC - Sede Brasília (DF)
SCN Qd. 01, Bloco C, nº 85, Ed. Brasília Trade Center - Sala 1.101 - CEP: 70711-902
Fone / Fax: (61) 3226-2269 / 3342-2610
E-mail: imprensa@cncafe.com.br

BSCA abre inscrições para primeiro curso de formação de Q-Graders


BSCA abre inscrições para primeiro curso de formação de Q-Graders

Q-Graders são provadores e classificadores de café reconhecidos mundialmente pelo Coffee Quality Institute – CQI

A Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) informa que estão abertas as inscrições para o seu primeiro curso de formação de Q-Graders em 2018. A capacitação será realizada entre 19 e 24 de março, na sede da entidade, em Varginha (MG), das 8h às 18h, com aulas ministradas pelo instrutor Joel Shuler, da Casa Brasil.

Os profissionais que obtêm o certificado de Q-Grader se qualificam como provadores e classificadores de café mundialmente reconhecidos pelo Instituto de Qualidade do Café (Coffee Quality Institute – CQI), entidade internacional, sediada nos EUA, que trabalha para a evolução da qualidade cafeeira global através de treinamentos e exames práticos, os quais permitem o desenvolvimento de competências para a análise sensorial, além da habilidade em avaliar os defeitos da bebida.

O curso é limitado a 20 vagas e os alunos serão submetidos a treinamentos e exames desenvolvidos com base na metodologia da antiga Specialty Coffee American Association (SCAA), atualmente Specialty Coffee Association (SCA). As aulas contêm exercícios teóricos e práticos. Ao final, os alunos realizam exames para buscarem a obtenção da "Licença Q-Grader", que os capacitará para atuarem no comércio de cafés com qualidade certificada.

O EXAME
A formação de um Q-Grader envolve o conhecimento de todas as etapas da produção de café. O curso é composto por 22 ações sobre assuntos relacionados com o produto, como a classificação, a identificação de torra, as habilidades sensoriais e a triangulação sensorial.

Os itens abordados nos exames são: conhecimentos gerais do café, testes de habilidade sensorial, olfativo, de triangulação, de ácidos orgânicos, de torra e testes de xícaras, além de identificação de amostras de torras e café verde.

PRÉ Q-GRADER
A BSCA também realizará, neste ano, de 26 a 28 de março, o curso "Pré Q-Grader", que é um preparatório para o curso principal, também focando o desenvolvimento de competências para a análise sensorial e avaliação dos defeitos da bebida. Em ambos, os alunos também se tornam aptos a identificar cafés de várias origens, como, por exemplo, Etiópia, Quênia, Indonésia, Colômbia, Guatemala e Brasil.

Nessa preparação prévia, o aluno conta com informações para realizar a prova teórica, mas não efetiva sua realização, que se dá apenas no curso de formação de Q-Graders. O diferencial desse treinamento é que o aluno obtém uma bagagem de conhecimento que facilita a realização do curso oficial e também a obtenção do certificado de Q-Grader.

CALIBRAGEM E RETAKES
A BSCA realizará, ainda, a Calibragem de Q-Graders, no dia 25 de março, sob a instrução de Joel Shuler. Esse processo é necessário porque os profissionais já certificados precisam passar por uma atualização a cada três anos, que permita a continuidade da participação nos processos de certificação de cafés Q-Grader e da utilização do logotipo "Q" e da nomenclatura "Licensed Q-Grader". Para os alunos que já participaram do curso de Q-Grader e precisam refazer seus exames, a Associação também disponibilizará vagas para "retakes". Para se inscrever, o interessado deverá entrar em contato diretamente com a BSCA, através do e-mail Simone@bsca.com.br.

Mais informações: http://bsca.com.br/qgrader.

Mais informações para a imprensa
BSCA – Assessoria de Comunicação
Paulo André C. Kawasaki
(61) 98114-6632 / ascom@bsca.com.br
BSCA - Brazil Specialty Coffee Association
Telefones: (35) 3212-4705 / 3212-6302
E-mail: ascom@bsca.com.br


terça-feira, janeiro 23, 2018

FMVZ/Unesp é contemplada com 32 bolsas de residência


Resultado de edital dos Ministérios da Saúde e da Educação.
 
O ano de 2018 começou com uma excelente notícia para a Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da Unesp, câmpus de Botucatu. O Programa de Residência em Área Profissional da Saúde em Medicina Veterinária da unidade foi contemplado com 32 novas bolsas, por meio da aprovação no edital nº11, lançado em novembro do ano passado de maneira conjunta pelo Ministério da Saúde e pelo Ministério da Educação.

O resultado do edital, publicado na edição de 23 de janeiro de 2018 do Diário Oficial da União, deve ter um impacto significativo no atendimento realizado pelo Hospital Veterinário da FMVZ e em todas as atividades de ensino e extensão vinculadas ao curso de graduação em Medicina Veterinária da unidade.

Criado em 2013, o Programa de Residência em Área Profissional da Saúde em Medicina Veterinária da FMVZ conta atualmente com seis bolsas. Como a residência tem duração de dois anos e as bolsas são conferidas anualmente, o Programa tem hoje 12 residentes atuando. Com as novas 32 vagas, a FMVZ chegará a ter 76 residentes bolsistas atuando.

O processo seletivo para o preenchimento dessas vagas deverá ter inscrições abertas nas próximas semanas. A previsão é que os novos residentes iniciem suas atividades já no mês de março. “Além da ampliação da quantidade de médicos veterinários residentes trabalhando na rotina do Hospital Veterinário, a concessão dessas bolsas significa um salto substancial para que o Programa de Residência da FMVZ seja procurado pelos melhores alunos do país, que terão uma remuneração equivalente à oferecida pelas instituições federais e receberão uma certificação federal do Ministério da Educação e do Ministério de Saúde”, explica o professor Celso Antonio Rodrigues, diretor da FMVZ. “A Coordenação do Programa de Residência, na pessoa do professor José Paes de Oliveira Filho foi fundamental na elaboração e encaminhamento dessa proposta”.

O professor Oliveira Filho lembrou que a FMVZ foi a primeira instituição brasileira a criar um programa de residência em Medicina Veterinária, no ano de 1973. “Tivemos o pioneirismo no passado e hoje temos um dos maiores programas de residência em Medicina Veterinária no país em número de bolsas e, com certeza, o maior de toda a Unesp. Com essa massa crítica que virá, a FMVZ tem a chance de mudar o seu rumo, melhorando o nosso Hospital e a unidade como um todo. É preciso saber onde estão nossas dificuldades, distribuir bem essas bolsas nas nossas áreas de atuação, de uma forma que nos permita avançar em qualidade e colher os benefícios”.  

O professor Celso Rodrigues, diretor da unidade, agradeceu a comunidade da FMVZ. “Esse fato é um divisor de águas para nós. É fruto do trabalho árduo de todas as pessoas que estão envolvidas com a Faculdade nesses 54 anos de história”. O professor Oliveira Filho complementou. “O empenho de nossos docentes, servidores técnico-administrativos, Diretoria, Seção de Pós-Graduação e Conselho de Residência, bem como a qualidade dos nossos egressos, fez a diferença para que tivéssemos sucesso”.

O coordenador do Programa de Residência também fez questão de agradecer alguns colaboradores. “Agradeço a professora Marisa Aparecida Cabrini Gabrielli, integrante da Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde, que sempre ressaltou a importância do papel da Unesp no âmbito dos programas de residência. Também somos gratos ao apoio da professora Cristina Maria Garcia de Lima Parada, coordenadora da Comissão de Residência Multiprofissional em Saúde e em Área Profissional da Saúde da Unesp (Coremu), da servidora Carla Donini, da Pró-Reitoria de Pós-Graduação da Unesp, além da Secretaria Municipal de Saúde de Botucatu”.

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - UNESP - CÂMPUS DE BOTUCATU/SP
Assessoria de Imprensa 
imprensa@fmvz.unesp.br
Fone (14) 3880-2240

segunda-feira, janeiro 22, 2018

BSCA divulga finalistas do concurso de melhores cafés especiais de colheita tardia


BSCA divulga finalistas do concurso de melhores cafés especiais de colheita tardia

Melhores cafés especiais de colheita tardia do Brasil são originários das Montanhas do Espírito Santo, das Matas de Minas e da Indicação de Procedência da Mantiqueira de Minas Gerais

Acaba de ser revelada a lista com os finalistas do "Programa Destaque Brasil", concurso de qualidade destinado aos cafés especiais naturais (colhidos e secos com casca) e aos produzidos por via úmida (cerejas descascados e/ou despolpados) de colheita tardia, realizado pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a Alliance for Coffee Excellence (ACE).

São 23 amostras classificadas para a etapa final da competição, oriundas das origens produtoras: Montanhas do Espírito Santo, com 13 lotes; Matas de Minas, com sete; e Indicação de Procedência da Mantiqueira de Minas Gerais, com três amostras. Desse total, 16 cafés são produzidos por via úmida e sete são naturais (confira a lista no site da BSCA - http://brazilcoffeenation.com.br/contest-edition/show/id/7).

Essas amostras serão avaliadas, de 1º a 3 de fevereiro, por especialistas de comprovada reputação mundial e as melhores classificadas, com base no nível de qualidade dos lotes apresentados e da pontuação média mínima a partir de 87 pontos (escala de zero a 100), serão eleitas as vencedoras da competição e serão leiloadas em pregão presencial de venda do "Programa Destaque Brasil", em 3 de fevereiro.

BRAZIL. THE COFFEE NATION
O "Programa Destaque Brasil" é ação integrante do projeto setorial "Brazil. The Coffee Nation", que é desenvolvido em parceria por BSCA e Apex-Brasil, e tem como foco a promoção comercial dos cafés especiais brasileiros no mercado externo. O objetivo é reforçar a imagem dos produtos nacionais em todo o mundo e posicionar o Brasil como fornecedor de alta qualidade, com utilização de tecnologia de ponta decorrente de pesquisas realizadas no País. O projeto visa, ainda, a expor os processos exclusivos de certificação e rastreabilidade adotados na produção nacional de cafés especiais, evidenciando sua responsabilidade socioambiental e incorporando vantagem competitiva aos produtos brasileiros.

Iniciado em 2008, a vigência do atual projeto se dá entre maio de 2016 ao mesmo mês de 2018 e os mercados-alvo são: (i) EUA, Canadá, Japão, Coreia do Sul, China/Taiwan, Reino Unido, Alemanha e Austrália para os cafés crus especiais; e (ii) EUA, China, Alemanha e Emirados Árabes Unidos para os produtos da indústria de torrefação e moagem. As empresas que ainda não fazem parte do projeto podem obter mais informações diretamente com a BSCA, através dos telefones (35) 3212-4705 / (35) 3212-6302 ou do e-mail exec@bsca.com.br.

Mais informações para a imprensa
BSCA – Assessoria de Comunicação
Paulo André C. Kawasaki
(61) 98114-6632 / ascom@bsca.com.br
BSCA - Brazil Specialty Coffee Association
Telefones: (35) 3212-4705 / 3212-6302
E-mail: ascom@bsca.com.br

CNC - Balanço Semanal de 15 a 19/01/2018


BALANÇO SEMANAL — 15 a 19/01/2018

Trabalho do CNC garante R$ 10 milhões para pesquisa cafeeira; sobre a safra, cooperativas entendem que deve ser inferior aos números oficiais

ORÇAMENTO PARA PESQUISAS — Cientes da relevância da pesquisa cafeeira para o fortalecimento da competitividade da cafeicultura nacional, desde o segundo semestre de 2016 o CNC coordenou trabalhos junto às entidades nacionais da cadeia produtiva para sensibilizar o Governo Federal da necessidade de excluir a reserva de contingência do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) do Projeto de Lei Orçamentária - PLOA de 2018, atividade vital para que o setor possa implantar projetos e ações de seu interesse.

Diante da crise fiscal por que passou o Governo Federal ao longo dos últimos meses, o Ministério do Planejamento, em outubro de 2017, à revelia dos pleitos da cadeia produtiva, optou por expandir o valor da reserva de contingência do Funcafé para este ano, decisão que impactaria negativamente o orçamento disponível para o Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café, executar suas atividades em 2018.

Frente a este cenário, o CNC assumiu uma série de gestões junto ao relator setorial de Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Agrário da proposta de Lei Orçamentária 2018 no Congresso Nacional para que fosse revertido o corte dos recursos para o Consórcio Pesquisa Café em 2018.

Neste mês de janeiro, logramos êxito a respeito desse pleito. Conforme a Lei de Diretrizes Orçamentárias – LDO 2018, o Governo Federal reservou, para o Desenvolvimento da Cafeicultura Nacional, o montante de R$ 9,965 milhões do Funcafé, possibilitando o fomento dos trabalhos de pesquisa para a atividade ampliar seu leque sustentável no tripé ambiental, social e econômico.

SAFRA 2018 — De acordo com sondagem realizada pelo CNC junto a suas cooperativas associadas, a safra brasileira de café deverá se situar entre 50 e 52 milhões de sacas de 60 kg em 2018, com avanço de 11,2% a 15,6% frente à colheita anterior. Desse total, a variedade arábica responde por um intervalo entre 38 e 39 milhões de sacas e a conilon de 12 a 13 milhões de sacas.

O Conselho Nacional do Café entende que este será um ano de safra cheia, proporcionado pela bienalidade positiva da maioria das lavouras de arábica, bem como pela recuperação das plantações de conilon após praticamente quatro anos de dificuldades em função de adversidades climáticas.

A apuração junto às cooperativas apresenta volume inferior aos números oficiais divulgados pelo Governo, haja vista que a vivência direta no campo dos técnicos de nossas associadas permite uma apuração diária imediata da evolução das plantas e, por meio disso, já podem identificar dificuldade no desenvolvimento dos chumbinhos em função do período de estiagem que os cafezais de algumas localidades vivenciaram durante a fase de florada.

Conforme citamos em nosso boletim anterior, temos ciência da precocidade do período para se falar em números consolidados para a safra do ano corrente, por isso entendemos que o prognóstico oficial deverá ser revisado futuramente.

Entendemos, ainda, que o clima será vital nos próximos meses para que se chegue, inclusive, aos níveis máximos prognosticados por nossas cooperativas, pois estamos na fase de enchimento, de desenvolvimento dos chumbinhos. Portanto, é salutar o monitoramento das lavouras para podermos chegar mais próximos à exatidão da safra 2018.

Recordamos, ainda, que, nos patamares mínimos ou máximos a serem alcançados, o Brasil produzirá um volume suficiente para, somado aos estoques, honrar seus compromissos com o consumo interno e, também, com as exportações, mantendo seu posicionamento de principal produtor e provedor mundial de café.

ADIDOS AGRÍCOLAS — Com a nomeação de seis adidos agrícolas em dezembro do ano passado, o Brasil passou a contar com 15 adidos agrícolas espalhados pelo mundo e o Governo Federal anunciou que o intuito é chegar a 25 representantes até 2019.

Segundo o secretário de Relações Internacionais do Agronegócio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Odilson Silva, o papel dos adidos é fundamental para a ampliação do mercado brasileiro e também na parte de cooperação científica e tecnológica, atração de investimentos e solução de alguns problemas dos países quando querem exportar para o Brasil.

O CNC enaltece a iniciativa e parabeniza o secretário Odilson Silva, profissional que entendemos como extremamente qualificado, em especial por já ter atuado como adido agrícola do País, coincidindo com a nossa gestão como secretário executivo do Mapa, e colhido bons frutos na Europa para o Brasil.

Entendemos que essa ação permitirá, de fato, a expansão do agronegócio brasileiro no mercado mundial, evoluindo para além dos produtos de base e agregando mais valor às exportações.

Dessa maneira, salientamos a postura do secretário ao destacar que, mais do que embarcar a mercadoria, devemos exportar o conceito envolvido. Assim, certamente veremos adidos engajados em evidenciar que o produto brasileiro está atrelado à sustentabilidade e à preservação ambiental, sendo exemplo para todo o mundo.

MERCADO — Os futuros do arábica acumularam queda nesta semana mais curta em Nova York devido ao feriado do dia de Martin Luther King. O movimento dos fundos e as especulações sobre uma maior oferta brasileira de café na safra 2018/19, que é de bienalidade positiva, favoreceram essa tendência.

No Brasil, o dólar comercial foi cotado ontem a R$ R$ 3,2096, com alta de 0,11% em relação à última sexta-feira. O comportamento do câmbio foi influenciado pelo cenário externo, permeado de incertezas quanto à aprovação do projeto de financiamento do governo norte-americano e dados positivos da economia chinesa.

Em Nova York, o vencimento março de 2018 do contrato C encerrou a sessão de quinta-feira a US$ 1,2110, com desvalorização de 115 pontos ante o fechamento da semana anterior. Em tendência oposta, o contrato março/2018 do café robusta, negociado na ICE Futures Europe, ganhou US$ 65, e foi cotado a US$ 1.793 por tonelada.

Ontem, os indicadores calculados pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) para as variedades arábica e conilon foram cotados a R$ 443,82/saca e a R$ 320,88/saca. O mercado físico nacional operou em ritmo lento nos últimos dias, sendo que os preços do arábica não sofreram alteração significativa em relação ao fechamento da semana anterior. Já a saca do conilon acumulou desvalorização de 4,3%.

Atenciosamente,
Deputado Silas Brasileiro
Presidente Executivo
CNC - Sede Brasília (DF)
SCN Qd. 01, Bloco C, nº 85, Ed. Brasília Trade Center - Sala 1.101 - CEP: 70711-902
Fone / Fax: (61) 3226-2269 / 3342-2610
E-mail: imprensa@cncafe.com.br

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog