A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quarta-feira, outubro 19, 2016

DOUTRINAÇÃO IDEOLÓGICA NA ESCOLA ESTADUAL MAESTRO VILLA LOBOS (BELO HORIZONTE)




É de dar nojo, um militante da esquerda, que se identifica como Geraldo Luiz Ferreira Miranda (professor de filosofia da ESCOLA ESTADUAL MAESTRO VILLA LOBOS, concursado), utiliza de sua posição de "professor" para transformar estudantes do ensino médio em "idiotas úteis" dos esquerdopatas!








Ainda há quem diga que não existe doutrinação ideológica em nossas escolas. Imagina só se houvesse! Vejam mais esse caso, escancarado, tão escancarado que o “professor” sequer esconde o que faz, de um militante convocando alunos jovens para aderir a um protesto e uma greve contra as reformas necessárias para o país.

Faz seu discurso com base em mentiras, invenções, e assume: é político mesmo, pois sua luta é política (esqueçam a educação). Reparem que os alunos vibram quando descobrem que poderão matar aula. O cara de pau comunista ainda diz que isso não é o mais importante, e vejam só que doce, que tolerante: ele reconhece que não pode pegar o aluno pelo braço e levá-lo ao protesto, mas apenas sugerir. Vejam:




É para enquadrar doutrinadores como este que existe o projeto Escola Sem Partido. E é por pânico de que não possam mais fazer esse tipo de coisa indecente que tanta gente da esquerda tem se colocado contra o projeto. Não só contra, mas veementemente contra, desesperadamente contra. Por que será?



PS: Quando a reforma do ensino médio tornou aulas de humanas como filosofia eletivas voluntárias, houve chiadeira. Entendo como a filosofia é importante. Mas eis o ponto que devemos ter em mente: quando falamos em aula de filosofia, podemos pensar num Francisco Razzo despertando a paixão dos alunos pela sabedoria, pela busca individual do conhecimento, mas o que teremos, na prática, é esse tipo de “professor”, na maioria dos casos. Triste…


Rodrigo Constantino







O professor doutrinador e birrento é o maior dos covardes



Alguns discursos emitidos no espaço de debates chegam a surpreender pelo nível de desaforo e desrespeito à cidadania. Nessa categoria de afronta, um dos mais acintosos é o discurso do professor doutrinador defendendo o direito de doutrinar em sala de aula.

Revoltado com aquilo que desonestamente define como “lei da mordaça”, o professor doutrinador tem a pachorra de aparecer em público para defender o direito de – mesmo recebendo um salário pago com o dinheiro suado do pagador de impostos – usar seu tempo de aula para falar o que quiser. Se alguém reclamar, “então estamos diante do fim da liberdade de expressão do professor”.

Ou seja, qualquer profissional deve atender a um objetivo. Menos um: o professor doutrinado. Em sua visão, ele é o único profissional da face da Terra que pode fazer exatamente o que lhe der na telha. Basta ele dizer o que tiver vontade. E ainda ganha para isso.

Mas não é só: os professores doutrinadores não apenas são arrogantes o suficiente para defender em público o direito de fazer o que quiser em uma sala de aula, como também querem proibir os alunos de reclamarem caso forem vítimas de bullying e abuso na ocasião de discordarem da doutrinação.

Um aluno poderia filmar essas aulas para denunciar o doutrinador, ao menos para a opinião pública? Não na visão do professor doutrinador, que precisa ter o poder total para fazer o que quiser. De novo, foque nisso: o que quiser. Se é ele que manda em um ambiente onde pode ficar em uma sala de aula fechada com alunos, não pode ser atrapalhado em nenhuma de suas intenções, mesmo que sejam as piores possíveis.

Para fazer tudo isso, o professor doutrinador depende, então, de marcar terreno em uma sala de aula fechada, recinto onde pode se aproveitar da vulnerabilidade psicológica de seus alunos diante dele.

Na luta contra a doutrinação escolar, fica óbvio para qualquer pessoa com um olhar mais crítico de que a luta é contra o cúmulo da covardia. Só muito cinismo para que um professor doutrinador consiga defender tamanha afronta em público. E só muita apatia para que não tenhamos nos rebelado quanto a isso no tom adequado ainda.






Embrapa: Pesquisadores iniciam novos experimentos para controle de carrapatos




A chegada do período das chuvas proporciona um aumento na umidade do ar e de temperatura, ambiente propício para a multiplicação do carrapato-do-boi (Rhipicephalus microplus), principalmente nas condições do Brasil Central. Além disso, estima-se que os prejuízos causados pelo ectoparasita cheguem a 3,24 bilhões de dólares ao ano no País, com impactos negativos na produção de carne, leite e couro. Diante desse cenário, os pesquisadores da Embrapa (Campo Grande-MS), baseados em recomendações e dados de pesquisas já disponíveis, apresentam uma nova proposta de controle de carrapatos, associada ao manejo da pastagem para bovinos de corte, na fase de recria, com ênfase em animais cruzados. 



"A proposta foi construída para orientar produtores na implantação de um sistema produtivo que alia intensificação da produção à base de pasto com a minimização da infestação por carrapatos no rebanho", explica Renato Andreotti, pesquisador da Embrapa e um dos idealizadores do projeto. Ele complementa que esse manejo intensivo da pastagem, em teste, será avaliado e validado em curto prazo, a partir de março de 2017, em um projeto com aporte da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul (Fundect), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).



A metodologia consiste em dividir em quatro quadrantes, uma área fixa de 100 hectares, formada por braquiária brizantha, em plena produção, em região de Cerrado no Mato Grosso do Sul. A pastagem terá adubação de manutenção, durante as chuvas e logo após cada pastejo. Os 100 animais cruzados (Nelore x Angus), em recria, colocados na área, ficarão em rotação, por período fixo de 30 dias em cada piquete. "A finalidade de estabelecer um prazo de 90 dias para o retorno ao primeiro piquete, atende ao mínimo de 82,6 dias como período estimado para uma "limpeza da pastagem", em relação à população de larvas infestantes, permitindo que a prática seja utilizada como medida complementar para o controle do carrapato", completa Andreotti, que estuda há mais de 20 anos os ectoparasitas na Embrapa Gado de Corte. 



O excedente de forragem, segue o médico-veterinário, será armazenado em forma de feno para uso na estação seca, como volumoso. Ao final do ciclo de um ano, 365 dias, a equipe composta por Andreotti, Fernando Alvarenga Reis (Embrapa Caprinos e Ovinos), Jacqueline Cavalcante Barros, Vinícius da Silva Rodrigues e Marcos Valério Garcia espera que o ganho esperado seja além da produção de animais com peso ideal no final da recria. Os especialistas acreditam em ganhos com a redução nos custos do controle químico do carrapato, a partir da eliminação da perda decorrente da infestação, com a adoção do manejo intensivo e recria bovina. 



Andreotti lembra que não há restrições quanto ao modelo ser aplicado em sistema de produção de leite, com base ecológica ou com animais sensíveis, inclusive, em situações em que aja necessidade de reduzir o uso de produtos químicos. Após esse período de um ano, os técnicos compilarão os resultados em uma nova recomendação técnica disponibilizada na Série Documentos da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com acesso livre a produtores e técnicos.







Redação: Dalízia Aguiar (DRT/MS 28/03/14), jornalista Embrapa
Foto: Josimar Lima 

Núcleo de Comunicação Organizacional - NCO
Embrapa Gado de Corte
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)
Campo Grande/MS

gado-de-corte.imprensa@embrapa.br 
Telefone: +55 67 3368-2142 / 2144 / 2203


A PeTralha e Comunista Érika Kokay é denunciada por peculato e lavagem de dinheiro




Janot denuncia Érika Kokay ao STF por peculato e lavagem de dinheiro

Ela teria participado de desvio de recurso de sindicato e ocultado origem.
Em nota, parlamentar se disse 'extremamente surpresa' com a denúncia.



Por Mariana Oliveira, Da TV Globo, em Brasília



O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou ao Supremo Tribunal Federal (STF) a deputada federal Érika Kokay (PT-DF) pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro.



Em nota, a parlamentar disse ter ficado "extremamente surpresa" com a denúncia e afirmou que as acusações no inquérito, que remontam a 2003, partiram de uma pessoa "desqualificada, feitas após a demissão de um servidor de meu gabinete por cometer violência doméstica" (leia íntegra ao fim desta reportagem).

A denúncia foi apresentada no último dia 21 de setembro, mas, em decisão publicada nesta terça-feira (18), o ministro Marco Aurélio Mello, relator do caso, mandou notificar a deputada para apresentar resposta à acusação em até 15 dias (o prazo começa após ela ser formalmente notificada).

Segundo o documento, Érika Kokay teria participado de desvio de recursos públicos do Sindicato dos Bancários de Brasília e posteriormente ocultou a origem do dinheiro, depositando valores em uma conta de um ex-funcionário do gabinete dela.

"Afirma [a Procuradoria] ter a conduta [da deputada] consistido no desvio de recursos públicos do Sindicato dos Bancários de Brasília e na posterior ocultação da origem das verbas. Aduz existirem, nos autos, indícios de participação de diretores da entidade sindical e de outras pessoas naturais, quer transferindo os recursos públicos desviados, quer recebendo as quantias após depositadas na conta corrente mantida por Geraldo Batista da Rocha Júnior [ex-funcionário do gabinete dela]", afirma a decisão do ministro.

O ministro Marco Aurélio enviou uma parte do caso, que não envolve pessoas com foro, para a Justiça Federal de Brasília. "No tocante à competência, a do Supremo é de direito estrito. Cidadãos comuns têm o direito constitucional à atuação do juiz natural."

Confira a nota enviada pela deputada Érika Kokay sobre o tema:

"Fiquei extremamente surpresa com essa denúncia. Seguramente o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, não leu o conteúdo do inquérito. Se ele tivesse lido veria que essas acusações, que remontam a fatos do ano de 2003, partiram de uma pessoa desqualificada, feitas após a demissão de um servidor de meu gabinete por cometer violência doméstica.

Investigações da Polícia Civil apontaram o envolvimento deste ex-servidor com furto de computadores em escolas públicas, além de ligação com o ex-deputado distrital Pedro Passos, responsável pelo financiamento dessas acusações por responder, à época, a um processo por quebra de decoro parlamentar perante a Comissão de Ética da Câmara Legislativa do DF, presidida por mim naquela oportunidade. O processo na Comissão levou o deputado à renuncia de seu mandato.

Em 2003, havia cinco anos que eu tinha saído do Sindicato dos Bancários. Portanto, não tinha, como continuo não tendo, nenhum poder para decidir sobre os atos do sindicato e muito menos sobre a sua movimentação financeira.

As acusações geraram uma série de inquéritos. No entanto, fui inocentada em diversas investigações que foram feitas acerca desses fatos por absoluta falta de consistência das denúncias. Na Câmara Legislativa, após ampla investigação, o processo por quebra de decoro parlamentar foi arquivado. O próprio Supremo Tribunal Federal também arquivou um inquérito, por ausência de elementos que comprovassem a existência de financiamento via “caixa dois” do Sindicato dos Bancários para a minha campanha de 2006. Por isso, tenho convicção de que a verdade e os fatos serão devidamente esclarecidos, até porque nenhuma injustiça é permanente".

Fonte: G1


Como desmascarar a petista Erika Kokay, com Malafaia e Bolsonaro


+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog