A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quarta-feira, setembro 17, 2014

FMVZ/Unesp promove V Simpósio Internacional de Emergências em Animais de Companhia



Estão abertas as inscrições para a quinta edição do Simpósio Internacional de Emergências em Animais de Companhia, a ser realizado de 17 a 19 de outubro, no auditório da Fazenda Experimental Lageado, em Botucatu/SP.


Realizado pelo Grupo de Estudos em Pequenos Animais (GEPA) da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Unesp, o evento tem como objetivo aprimorar os conhecimentos e trazer atualização científica para graduandos, pós-graduandos e profissionais, na área de cuidados com o paciente crítico.


O curso será ministrado pelos professores Edward Cooper (Ohio State University), Kaleizu Rosa (USP) e Francisco José Teixeira Neto (FMVZ/Unesp).


Dentre os temas abordados no evento estão: fisiopatologia, reconhecimento e tratamento dos traumas craniano e torácico; atualização sobre as últimas diretrizes para uma administração efetiva da ressuscitação cardiopulmonar; edema pulmonar agudo; fisiopatologia, reconhecimento e tratamento da obstrução uretral felina e emergências cardíacas.


Mais informações, programação completa e inscrições na área de eventos do site www.fmvz.unesp.br




FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - UNESP - CÂMPUS DE BOTUCATU/SP
Assessoria de Imprensa 
imprensa@fmvz.unesp.br
Fone (14) 3880-2240

ABCSEM promoverá Encontro de Viveiristas no Rio Grande do Sul


Em sua primeira edição no estado gaúcho, o evento reunirá produtores de mudas da região e demais profissionais da área para capacitação técnica e troca de experiências

Promovido pela Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas (ABCSEM), o Encontro de Viveiristas, tradicionalmente realizado em São Paulo, acontecerá pela primeira vez no estado do Rio Grande do Sul, na cidade de Caxias do Sul, dia 10 de outubro, no Hotel Intercity.

Com foco em gerenciamento de viveiros, o encontro busca promover a capacitação e atualização dos produtores de mudas de hortaliças. O principal objetivo é contribuir para aprimorar a gestão do negócio, com a tecnificação e profissionalização de seus viveiros.

Dentre o público esperado, também estarão presentes estudantes, pesquisadores e demais profissionais da área, que terão a oportunidade de conhecer exemplos inovadores e as principais tendências para o segmento.

A programação do evento contemplará os seguintes temas: Como obter mudas de alta qualidade através da nutrição; Mudas enxertadas com qualidade; Mudas sem doenças: prevenção e proteção.

SERVIÇO:
Data: 10 de outubro de 2014
Horário: das 8h às 18h
Local: Sala de Eventos do Hotel Intercity – localizado na avenida Therezinha Pauletti Sanvito, 333 - Desvio Rizzo, em Caxias do Sul (RS)
Valores: Associados ABCSEM: R$ 120,00 | Viveiristas: R$ 150,00 | Outras Categorias: R$ 200,00
Inscrições: As inscrições podem ser feita online por meio do link:
www.infobibos.com/viveirs/inscricoes/fichainscricao.asp

As vagas são limitadas e as inscrições encerram-se no dia 30 de setembro.

Para mais informações acesse www.infobibos.com/viveirs/inscricoes.html ou entre em contato pelo telefone: (19) 3243-0396.




MyPress & Co. – Comunicação Corporativa

Café: CNC e CNA se posicionam sobre anúncio de safra da Conab


logo
 Conab: dois anúncios extemporâneos para as safras de café

Ao longo dos últimos dias, fomos surpreendidos com um prognóstico e com uma estimativa para as safras brasileiras de café anunciadas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Para 2015, técnicos da estatal, absurda, incoerente e inconsequentemente, apontaram uma produção de 48,8 milhões de sacas de 60 kg, algo que o Conselho Nacional do Café (CNC) e a Comissão Nacional do Café da CNA repudiam veementemente, levando em conta os impactos que isso pode trazer na vida dos milhões de produtores de café do Brasil.
É incabível que um órgão federal divulgue dados para o ciclo cafeeiro futuro com base em tendências e estatísticas históricas, haja vista que essas tendências foram consideradas da mesa do escritório, sem sequer irem a campo, e que dados históricos servem para o passado e não para projeções futuras, principalmente considerando os aspectos fitossanitários e climáticos e os próprios tratos culturais a serem aplicados nas lavouras.
Pensando-se na safra 2015, qualquer análise ou estimativa séria, poderá ser desenvolvida somente a partir de dezembro, quando poderemos observar o pegamento ou não das floradas e quais foram os efeitos do veranico do primeiro bimestre e dos baixos índices pluviométricos e das altas temperaturas que assolam o parque cafeeiro ao longo de praticamente todo este ano.
Os pesquisadores sérios e com lida direta no campo, entre eles José Braz Matiello, da Fundação Procafé, apontam que o anúncio da Conab trouxe uma dose de amadorismo, seja na metodologia usada para chegar a esse número, seja pelo reflexo que esta divulgação pode ter no mercado. "Não digo, em princípio, que o número possa ser alto ou baixo, mas, com absoluta certeza, afirmo que não é através de aplicação de índices percentuais, de expansão ou retração, calculados por séries históricas, que se chega a um volume de safra em termos confiáveis", destaca, em artigo.
A respeito da colheita de 2014, na terça-feira, 16, a estatal elevou sua estimativa para 45,1 milhões de sacas. O CNC e a Comissão do Café da CNA gostariam que a Conab esclarecesse esse aumento em meio a um dos piores cenários climáticos das últimas décadas. Isso porque todos os dados e informações que recebemos de cooperativas, sindicatos e associações de produtores de Minas Gerais, São Paulo e Paraná, principalmente, indicam quebras significativas, na casa média de 30%, com esse percentual oscilando para mais ou para menos conforme a origem produtora.
Vale recordar que os trabalhos de colheita ainda não foram finalizados, restando algo entre 10% e 15%, além do que se precisa apurar de fato o rendimento da safra total, ou a necessidade de grãos para se compor uma saca de 60 kg. E, diante das intempéries climáticas – incluindo a geada do ano passado no Paraná –, dos elevados déficits hídricos, já citados pelo CNC em seu balanço semanal de sexta-feira passada, e das altas temperaturas no parque cafeeiro, é certo que os grãos ficaram menores, murchos, chochos, quando não perderam sua valia de fato.
Dessa maneira e com o permanente cenário climático negativo para a fitossanidade das plantas, é impossível a safra brasileira ser revisada para cima. Por se tratar de um órgão do Governo Federal e que até então conta com nosso respeito como divulgadora oficial das safras brasileiras de café, a Conab precisa, urgentemente, rever seus critérios e conceitos para o levantamento e, em especial, para seus anúncios. Por fim, resta-nos dizer que o que observamos nesses dois cenários foram anúncios extemporâneos e, especialmente sobre 2015, de confiabilidade nula.
Atenciosamente,
assinaturas

p1




Café especial: cinco estados se classificam para fase nacional do Cup of Excellence - Early Harvest 2014


- Cafés cultivados nas regiões Sul, Cerrado, Chapada, Mantiqueira e Matas de MG; Planalto da BA; Montanhas do ES; Mogiana e Média Mogiana de SP; e Norte Pioneiro do PR disputam o título de melhor café cereja descascado/despolpado do Brasil nesta safra.

Os profissionais de prova e classificação que compõem o Júri Nacional do 15º Cup of Excellence – Early Harvest 2014, que corresponde à centésima edição do concurso Cup of Excellence no mundo, selecionaram 150 amostras que tiveram nota mínima de 85 pontos (em uma escala de 0 a 100) e irão para a fase nacional do certame. A avaliação dos cafés – com base em tipo, cor, aspecto, umidade, defeitos e principalmente qualidade de bebida – ocorreu em Varginha (MG), de 8 a 12 de setembro, na sede da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA). A entidade organiza o evento, que conta com patrocínio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a Alliance for Coffee Excellence (ACE).

De acordo com a apuração, 10 regiões produtoras, de cinco Estados, terão representantes na fase nacional do principal concurso de qualidade destinado a cafés produzidos por via úmida (cereja descascado ou despolpado) no Brasil: Sul, Cerrado, Chapada, Mantiqueira e Matas de Minas Gerais; Planalto da Bahia; Montanhas do Espírito Santo; Mogiana e Média Mogiana de São Paulo; e Norte Pioneiro do Paraná.

O Estado com maior número de lotes aprovados para a próxima etapa do concurso foi Minas Gerais, com representatividade de 81,33% (122 amostras) do total. Dos demais concorrentes, 12% são da Bahia (18 amostras); 3,33% do Espírito Santo (5 amostras); 2,67% de São Paulo (4 amostras); e 0,67% do Paraná, com uma amostra aprovada. A relação, em ordem alfabética, dos produtores que tiveram seus cafés classificados pode ser acessada no site da BSCA (http://bsca.com.br/cup-of-excellence.php?id=23).

Os lotes selecionados para a fase nacional do 15º Cup of Excellence – Early Harvest 2014 deverão ser beneficiados, preparados e depositados em um dos armazéns credenciados (vide regulamento no site da BSCA http://www.bsca.com.br) até o dia 22 de setembro. Após esta data, não serão aceitos depósitos de lotes participantes.

Na fase nacional, os lotes pré-selecionados irão à prova no período de 6 a 10 de outubro, com o anúncio do resultado previsto para o dia 11. Essas amostras passarão, então, pelo crivo da Comissão Julgadora Internacional, entre 13 e 17 de outubro, a qual fará o anúncio, na Universidade Federal de Viçosa (UFV) – instituição anfitriã do evento –, ainda no dia 17, dos vencedores que participarão do leilão do Cup of Excellence, a ser realizado em 26 de novembro de 2014.

AUDITORIA E APOIO
O 15º Cup of Excellence – Early Harvest 2014 é auditado pela empresa Safe Trace Café e conta com o apoio da Universidade Federal de Viçosa, da CarmoCoffees, do Centreinar e do Centro de Excelência do Café das Matas de Minas.

Mais informações: (35) 3212-4705 / 3212-6302 / info@bsca.com.br

Mais informações para a imprensa
BSCA – Assessoria de Comunicação
Paulo A. C. Kawasaki


TERRORISMO: Dilma convoca militância para um ataque virtual contra Malafaia



Desde a última quarta-feira, o pastor Silas Malafaia tem convocado seus 786 mil seguidores no Twitter para um tuitaço com início ao meio-dia desta sexta-feira. “Eu quero ver amanhã alguém me contradizer no que eu vou falar no tuitaço às 12h”, postou Malafaia. A julgar por suas últimas mensagens, não foi difícil descobrir quem seriam os alvos das mensagens: a população LGBT e a Presidente da República, Dilma Roussef.

A primeira mensagem do “tuitaço” de Malafaia, que não conta com uma hashtag, foi direcionada à proposta de criação do Dia da Família nas escolas, que na verdade contemplara crianças órfãs, criadas por avós, tios e outros responsáveis que não o pai e a mãe.

Em resposta, a equipe de comunicação da Presidente da República agiu rápido: convocou usuários do Facebook para um contra-tuitaço, com a hashtag #MenosÓdioMalafaia. A ideia foi aderida rapidamente pela militância petista e a hashtag já está em primeiro lugar nos trend Toppics Brasil, no Twitter. No Facebook, o protesto contra o discurso do pastor também ganha força.

“Atenção, militância: às 12h, simpatizantes de Silas Malafaia farão um tuitaço contra Dilma. Vamos todos para o Twitter mostrar que o País não aceita o discurso do ódio, da homofobia e da ignorância”.





O pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus, convocou seus seguidores no Twitter para participarem de um tuitaço contra o “ativismo gay” e a presidente Dilma Rousseff, nesta tarde. O objetivo era criticar iniciativas que pretendem substituir datas comemorativas como dia das mães ou dos pais, por um “dia da família”, nas escolas.

Apesar da convocação, Malafaia não criou uma hashtag – mecanismo usado para destacar algum assunto específico – para que seus 786 mil seguidores pudessem aderir à mobilização.

Preocupados com a repercussão que a iniciativa poderia atingir, petistas chegaram a convocar a militância para organizar um “contra-tuitaço”, no mesmo horário, com a hashtag #MenosOdioMalafaia. Resultado: a expressão tornou-se um dos assuntos mais comentados da rede social e ofuscou a manifestação do próprio pastor, que tentou, então, emplacar a hashtag #roubalheiraePTtudoaver.

A equipe da presidente Dilma Rousseff (PT), por meio de uma postagem no Facebook oficial da presidente, convocou seus seguidores para um "contra-tuitaço" direcionado ao pastor Silas Malafaia.

Na postagem, a hashtag #MenosÓdioMalafaia, tem o objetivo de "mostrar que o país não aceita o discurso do ódio, da homofobia e da ignorância". A campanha começou a ser promovida ao meio-dia e já se encontra em primeiro lugar nos trending topics do Twitter no Brasil.

A ação organizada pela candidatura de Dilma é uma resposta ao pastor que, na mesma rede social, convoca os seus seguidores para que retuitem uma postagem feita em seu perfil onde afirma que o "ativismo gay" financiado pelo Governo Federal quer acabar com as celebrações do Dia dos Pais e Dia das Mães nas escolas.



Fonte: O Globo/Poder Online

LUCIANO AYAN: Avaliação do debate dos presidenciáveis na CNBB em 16/09


POR LUCIANO AYAN17 DE SETEMBRO DE 2014
O terceiro debate dos presidenciáveis, patrocinado pela CNBB (e transmitido pelo site UOL) na noite de ontem, 16/09, foi o mais fraco de todos. O formato foi péssimo. Vejam os blocos:
  1. Todos respondiam a mesma pergunta padrão (sobre reforma política).
  2. Cada um respondia a uma pergunta diferente de líderes religiosos.
  3. Cada um respondia a uma pergunta diferente de jornalistas.
  4. Candidatos em confronto. Cada um perguntava, outro respondia, com réplica e tréplica. O detalhe aqui é que tanto o candidato que fazia a pergunta como o que respondia eram sorteados.
  5. Cada um fazia suas considerações finais.
Ora, nos outros debates haviam dois (e não apenas um) blocos onde os candidatos entravam em confronto. Ou seja, a única parte interessante do debate. Nos outros debates, nas perguntas dos jornalistas, havia sempre um candidato que respondia e outro que comentava, com réplica. Enfim, era muito melhor e mais interessante.
Com as regras desse debate, por exemplo, não existiu nenhum confronto entre Dilma e Marina, pois em sorteios não havia nenhuma situação onde uma perguntava e outra respondia, e vice-versa. Lamentável.
Diante dessa morosidade toda, pouco se aproveitou dos blocos 1, 2, 3 e 5.
Luciana Genro como sempre parecia histérica, mas assertiva. Eymael finalmente apareceu em um debate, mas suas intervenções foram confusas e excessivamente formais, até mais que as de Levy Fidelix, que teve uma participação típica, mas cometeu um erro bizarro que comentarei em seguida. O Pastor Everaldo teve alguns bons posicionamentos. Já Eduardo Jorge estava mais “bravinho” que de costume. No geral, não tivemos muitas novidades aqui.
Do pelotão de frente, Dilma não foi bem. Marina usou um tom monocórdio (que me lembrou uma benzedeira dos tempos de infância) e saiu praticamente ilesa. Aécio proporcionou os poucos bons momentos lá no final, em uma “aliança” com Pastor Everaldo. Entendo que Aécio e Marina ficaram próximos de um “empate”, com ligeira vantagem para a última, até por que dividendos tendem a ser mais colhidos mais por Marina.
Falarei apenas de alguns poucos exemplos, pois a coisa realmente caminhou em banho maria.
Em um dado momento, questionaram Pastor Everaldo sobre censura de mídia (que os bispos da CNBB chamam de “democratização de mídia”, ou seja, são parte do truque), e ele repudiou veementemente a proposta, dizendo que não há acordo quanto a isso e que o estado não deve interferir no que devemos ver na mídia. Parabéns para ele!
Me decepcionei muito com Levy Fidelix, que recebeu o seguinte questionamento de Dilma: “Candidato, alguns candidatos estão defendendo a independência do Banco Central. Eu sou contra essa tese. Acredito que o BC tenha de ter autonomia operacional”. Mas veja o texto que publiquei há algumas horas, mostrando que Dilma defendia a independência do Banco Central em 2010. Ou seja, a oportunidade para demonstrá-la como mentirosa. Mas veja a resposta miserável de Levy Fidélix:
Discordamos em muitas coisas, mas nessa concordo. Sou contra a independência do Banco Central. Temos de ter uma economia integrada. Tenho certeza de que a macroeconomia tem de ser conduzida pelo ministro da Economia, o ministro da Fazenda. O que os bancos dão para a sociedade senão subtrair delas: nada. O controle do Banco Central tem de ser do Estado.
Inacreditável! Mas o tal candidato “de direita” não se informou sobre a contradição de Dilma e a endossou em uma mentira. Um momento que beira à desonra. Decepcionante para um candidato que chegou a fazer participações no mínimo inusitadas e incômodas (para o governo) nos debates anteriores.
Mas o melhor momento mesmo foi o ataque de Aécio à corrupção na Petrobrás, após responder pergunta do Pastor Everaldo:
Pastor Everaldo: Mensalão 2 e corrupção na Petrobras. Durante a duração desse esquema de corrupção, Dilma foi presidente do conselho da estatal, ministra de Minas e Energia e Presidente da República. E diz que não sabia de nada. O que o senhor acha disso?
Aécio Neves: Os brasileiros se sentem representados pela minha expressão de indignação do que vem acontecendo no governo federal. A Petrobras é a parte mais visível de um governo que abandonou o projeto de um país, o projeto transformador, e se permite hoje usar de todas as armas apenas para se manter no poder. Apenas o que diz esse diretor da Petrobras, que quantas vezes sentou à mesa com a atual Presidente da República, só que ele diz, que foi desviado nessas propinas distribuídas para a base de apoio da candidata, da então Presidente da República, permitiria abrir 450 mil vagas em creches as mesmas creches que a candidata não construiu, seriam 50 mil habitações novas no Brasil, 50 mil famílias vivendo com mais dignidade. Portanto eu estou aqui hoje como candidato a presidente da República para encerrar este ciclo e iniciar um outro, onde a decência e…
Réplica: O mensalão 1, o ex-presidente disse que não sabia de nada. Nós vemos aí milhões indo pelo ralo da corrupção. Alguns que foram presos levantam o braço e manifestam como se fossem heróis. A população brasileira concorda com isso? A pessoa rouba o seu suor, o seu trabalho, você dá o sangue e depois é roubado, e ainda sai com punho erguido dizendo que é um herói brasileiro. Esta é uma situação que envergonha o brasileiro, envergonha a cada um de nós. A empresa que foi orgulho nacional, querida Petrobras, o petróleo continua sendo nosso, o petróleo é nosso, mas a Petrobras lamentavelmente não o é. Uma empresa que perdemos nos últimos anos o valor dela que era de torno de R$ 190 bilhões, está em torno de R$ 120, já perdemos quase R$ 70 bilhões no seu valor. Dívida ultrapassando os R$ 400 bilhões. E não sabíamos de nada. Não sabiam de nada. Eu não acredito que o povo brasileiro quer continuar desta forma por mais tempo. Este ralo da corrupção tem que ser estancado.
Tréplica: Caro candidato, os brasileiros estão envergonhados, indignados com aquilo que vem acontecendo com a nossa mais importante empresa pública, submetida a sanha de um grupo político que para se manter no poder permitiu que um vale tudo fosse feito na nossa maior empresa. Eu, no nosso primeiro debate, o senhor se lembrará, eu disse à candidata oficial, atual Presidente da República, que ela tinha ali uma oportunidade de se desculpar com os brasileiros, pelo que havia acontecido com a nossa maior empresa, já que ela, como ministra das Minas e Energia, depois como chefe da Casa Civil, era presidente do Conselho de Administração da empresa. E como Presidente da República sempre fez questão de mostrar de forma muito clara quem é que mandava naquela empresa. De lá para cá, caro candidato, uma outra denúncia, uma outra gravíssima denúncia surgiu que fez com que o mensalão parecesse coisa pequena, uma denúncia feita pela Polícia Federal que disse que existe uma organização criminosa atuando no seio da nossa maior empresa. A partir daí um diretor nomeado pelo governo do PT e confirmado pela atual Presidente da República disse de forma muito clara que durante todos estes últimos anos financiava com propina, com participação, com parcela dos recursos das obras sobre sua alçada a base de sustentação desse governo. O que eu acho, caro candidato, e nós estamos aqui no local, talvez mais adequado, na casa da padroeira do Brasil, para dizer: Não é possível que o Brasil continue a ser administrado com tanto descompromisso com a ética, com a decência, com os valores cristãos. A vida pública não é para ser exercida dessa forma, e acho que quem não teve condições de administrar a nossa maior empresa, não tem condições de administrar.
A coisa foi tão contundente e danosa para Dilma que a presidente pediu direito de resposta, o qual foi inconvincente (ela ficou nitidamente nervosa). A coisa foi sempre naquela linha de “eu investiguei mais” (uma bobagem tão grande que nem ela mesmo acredita nisso), com um ataquezinho, dizendo que nos tempos de FHC havia um “engavetador-geral da República”.
Em seguida, Aécio pôde fazer uma pergunta para Luciana Genro, questionando-a sobre educação. O show prosseguiu:
Aécio Neves: Todos nós sabemos que a educação está na base da transformação de qualquer sociedade. Qualquer ranking em que o Brasil é comparado com outros países, o Brasil está sempre na lanterna. Quais são as suas propostas para essa área?
Luciana Genro: Os investimentos na educação, candidato Aécio, mas eu não posso deixar de comentar o seu debate agora com o Everaldo. Porque o senhor fala como se no governo do PSDB nunca tivesse havido corrupção, quando na realidade nós sabemos que o PSDB foi o precursor do mensalão, com o seu correlegionário e conterrâneo Eduardo Azeredo e o PT deu continuidade a essa prática de aparelhamento do Estado que o PSDB já havia implementado durante o governo do Fernando Henrique. Também foi pública e notória a corrupção que ocorreu durante o processo de compra da reeleição do mandato, do então presidente Fernando Henrique, amplamente divulgada pela mídia. Também foi público e notório o processo de corrupção nas empresas públicas que foram privatizadas, num processo que ficou conhecido como privataria tucana, o senhor falando do PT é como o sujo falando do mal lavado, porque o senhor é de um partido que tem promovido a corrupção, que tem inclusive se beneficiado dos financiamentos de campanha da mesma forma como PT, da candidata Dilma e o PSB da candidata Marina. As empreiteiras que fizeram o escândalo de corrupção da Petrobras são as mesmas empreiteiras que financiam a sua campanha, financiam a campanha da Dilma, financiam a campanha da Marina. As mesmas também que realizaram as obras superfaturadas da copa, inclusive aquela que desabou lá em Belo Horizonte. E que com certeza estão lá naquelas empreiteiras os seus amigos, porque o senhor é um dos políticos que têm vinculação com esses sentimentos mais parasitárias da política nacional. Então fale do PT, mas fale do seu partido também, porque o PT lamentavelmente cedeu para o mesmo modo de fazer política que o Fernando Henrique desenvolveu no seu governo.
Réplica: Tenho que saudar o retorno da candidata Luciana Genro às suas origens atuando como linha auxiliar do PT  e não tenha apresentado nenhuma proposta para a melhoria da qualidade de educação do Brasil. Pois eu quero me dirigir ao telespectador que nos ouve até essa hora e atento ao que os candidatos são, mas sobretudo ao que os candidatos têm a dizer. Pois bem, depois de ter levado ao estado de Minas Gerais a ter a melhor educação fundamental no Brasil nós construímos sem improviso, com a participação de brasileiros e brasileiras extremamente qualificados, de todas as partes do país, um projeto que começa pelo resgate de 20 milhões de jovens abandonados no Brasil, que não concluíram ou o ensino fundamental ou o ensino médio. Nós estaremos lançando o mutirão de oportunidades e esses jovens receberão uma bolsa de um salário mínimo para concluírem o ensino fundamental e depois concluírem o ensino médio. Nós vamos fundar a nova escola brasileira, uma escola qualificada, adequadamente equipada, com professores valorizados e bem treinados, uma escola que tenha no ensino médio um currículo muito mais avançado do que o atual, um currículo na verdade regionalizado para que possa atender às realidades locais de cada um das regiões brasileiras. O que me anima, o que me encanta, o que me faz estar aqui nesse debate é a vontade enorme de fazer um governo que honre, que orgulhe cada um.
Tréplica Com todo respeito linha auxiliar do PT uma ova, candidato Aécio, porque o PT aprendeu com o senhor, aprendeu com o seu partido. O mensalão do PT foi iniciado no governo do PSDB. E o senhor não tem resposta para debater comigo sobre corrupção, até porque o senhor foi que protagonista de um dos últimos escândalos, antes desse da Petrobras, porque um escândalo é abafado pelo outro, o senhor foi o protagonista do escândalo do aeroporto, onde o senhor utilizou dinheiro público para construir um aeroporto nas fazendas, próximas das fazendas da sua família, e inclusive entregou a chave para seu tio. Então o senhor é tão fanático das privatizações que consegue privatizar um aeroporto e entregar para sua própria família, e tão fanático da corrupção que consegue utilizar dinheiro público para construir um aeroporto beneficiando exclusivamente a sua família. É realmente escandaloso o que o PSDB faz no Brasil.
Embora com alguns ataques fortes contra Aécio, Luciana parecia totalmente descontrolada, principalmente após ter sido ridicularizada pelo mineiro ao ser chamada de “linha auxiliar do PT”. É evidente que os ataques dela foram vagos e muito menos direcionados do que os da dupla Aécio/Everaldo sobre Dilma.
Alias, o direito de resposta de Aecio (para responder os chiliques de Luciana) foram estes abaixo:
Uma palavra pra quem nos ouve até essa hora. Uma palavra de confiança para o brasil. Política é isso. Tem que ouvir isso. Impropérios, irrelevantes não tem propostas para o brasil. Eu tenho orgulho da minha origem católica, de São João Del Rey. E foi vencendo a intolerância e o radicalismo da candidata, que nós representamos uma obra no governo de minas que foi reconhecida.
No momento em que interagia com meus leitores no Facebook, eu escrevi a resposta que ele poderia ter dado: “Os líderes do PT foram condenados. Lembro que o PT é o partido no qual o pai de Luciana é um dos líderes. Fim. Nada foi provado contra meu governo, e a questão do aeroporto foi uma desapropriação lícita, e além de tudo Luciana mentiu ao dizer que houve benefício à minha família. Por mentir assim, já temos um exemplo de como o PT e sua linha auxiliar não tem como se defender de escândalos como Mensalão e o novo Mensalão 2. E dizer que o PT aprendeu a fazer corrupção com outros? Não menospreze a inteligência do espectador. Não há nada na história da república que se compare ao Mensalão e, muito pior, o novo Mensalão 2″.
Mas entre mortos e feridos, Aécio saiu com alguns arranhões, assim como Luciana Genro. Mas Dilma saiu mais quebrada que arroz de terceira.
E qual o resultado final disto tudo? Muito provavelmente Marina deve estar rindo à toa, pois saiu muito pouco chamuscada do debate hoje. Se não fosse a ajuda involuntária (e vergonhosa) de Levy Fidelix à Dilma, Marina teria saído como vencedora disparada. Por causa da pisada na bola de Fidelix (ao não desmascarar a farsa de Dilma sobre “ser contra independência do Banco Central”), pode-se dizer que Marina venceu o debate com ligeira vantagem sobre Aécio, enquanto Dilma hoje se deu mal. E olhe que o ambiente era propício para ela, pois a CNBB é um antro de marxistas.
No canal do YouTube do TV Aparecida, os vídeos podem ser acessados.

OSSAMI SAKAMORI: Aécio sobe, Dilma e Marina descem!



Pesquisa do IBOPE realizada entre dias 13 a 15 de setembro, aponta a queda das candidatas Dilma Rousseff e Marina Silva. Ascensão da intenção de voto para Aécio Neves está visível comparado com o índice de queda das duas candidatas mais cotadas.


Sou eleitor desde 1962. Acompanho de perto as eleições presidenciais desde o pleito que levou Jânio Quadros à presidência da República. Acompanhei de perto as homologações pelo Congresso Nacional as eleições de todos os presidentes militares. Acompanhei a eleição indireta do Tancredo Neves e seu vice José Sarney. 


Acompanho como ex-militante político, as eleições do meu estado e do estado de São Paulo. Acompanho e analiso os resultados, para poder entender o "movimento das massas". Concluo que a política é, justamente, o contrário da minha formação de engenheiro civil. No entanto, a minha curiosidade e militância me dá condição de emitir opinião sobre os pleitos, ainda que como leigo.


A política é como vento. E como vento vai mudando de direção e intensidade conforme o "movimento de massas". É um "estado" coletivo. É como movimento de migração dos "gnus". Não se sabe o que motiva o início da migração. Apenas, no caso do "gnus" que a migração acontece naturalmente, ao sabor da "percepção" coletiva da manada.


A ascensão repentina da Marina Silva, aconteceu com a morte trágica do seu titular o Eduardo Campos. O País entrou em estado de choque. Apareceu a Marina e nela, o povo descarregou a sua solidariedade e indignação. Mas isto tudo passa. Os ventos da política mudam a cada dia. A Marina Silva, nua é irmã de sangue da Dilma. 




A Dilma carrega a estigma do "petrolão". Dilma já não soube explicar adequadamente o episódio da compra superfaturada da refinaria Pasadena. Agora, vem a operação Lava Jato, revelar o recebimento de "propinas" pelos nomes importantes do seu base de apoio. O "petrolão" é mais do que um mensalão, mas base de enriquecimento ilícito dos mais próximos colaboradores da sua equipe e da equipe do seu antecessor Lula.


Marina Silva se apresentou como representante da "nova política" combatendo a "velha política". Esqueceu-se a Marina Silva de que fez 24 anos de militância no PT, ocupando cargo importante no governo PT, como ministra do Meio Ambiente do governo Lula. A repaginação não deu certo. A mentira tem pernas curtas. O povo já descobriu que Marina Silva é cópia xerográfica da Dilma Rousseff. Por isso, a queda de intensão de votos para com ela.


No outro lado, se apresenta o candidato Aécio Neves que não promete nada de "mágica". Aécio, apenas, promete o que é viável. Apresentou aos eleitores, o seu formulador da política econômica, o Armínio Fraga com vasto conhecimento e credibilidade no mercado financeiro. Aécio Neves assumiu a postura de um candidato à presidência. Aécio Neves, não se apresentou como "salvador da pátria".


O povo parece despertar sobre a realidade. O povo está a mudar a direção e o sentido do vento do cenário político nacional. O povo já descobriu que o vento mudou a favor do candidato Aécio Neves. E isto pode virar tufão da virada.


A pesquisa IBOPE realizado entre os dias 13 e 15 de setembro aponta a queda de 3% da candidata Dilma Yousseff e queda de 1% da candidata Marina Silva. O nosso candidato Aécio Neves cresceu 4% em relação à pesquisa anterior do mesmo Instituto. Aécio está com 19% de intenção de voto. O que vale, neste momento, ainda faltando 19 dias para eleições, é o crescimento vertiginoso do Aécio Neves. 




Enfim, a primavera está cegando!


ALOÍSIO DE TOLEDO CÉSAR: O risco de Lula se perder a eleição




O ESTADO DE S.PAULO - 16/09


É muito provável que o ex-presidente Lula esteja vivendo o mais tormentoso período de sua vida política, porque pela primeira vez, desde que assumiu a Presidência da República, 12 anos atrás, percebe que o plano de perpetuação no poder existente nas raízes de seu partido ameaça ir por água abaixo.

Realmente, nunca Lula e o seu partido viveram antes incerteza igual à que se instalou no quadro político brasileiro com a morte do candidato Eduardo Campos e o consequente crescimento de Marina Silva. As coisas sempre transcorreram suaves para o Partido dos Trabalhadores desde que ganhou a primeira eleição que o levou ao Palácio do Planalto.

Houve um momento de risco, quando Lula disputava o segundo mandato, e se deu mal, muito mal, num debate pela televisão com outros candidatos. Naquela ocasião, amaldiçoou ele os assessores, em quem pôs a culpa, e permaneceu em estado de insegurança, mas não tão acentuada como a dos dias presentes.

Agora, é curioso perceber que a sua sucessora, a quem ele atribuía enorme competência, vem mostrando um despreparo de assustar, pois desde que assumiu o cargo atua de forma tão desastrosa que coloca o País no plano inclinado, ladeira abaixo. No exterior, principalmente, percebe-se que o Brasil encolhe de tamanho e perde credibilidade, sobretudo em face de dever muito mais do que dispõe nas reservas e de viver inflação alta com baixíssimo crescimento econômico.

É possível admitir que Lula realmente acreditasse na competência de Dilma Rousseff, mas agora, vendo suas atrapalhadas, talvez esteja arrependido da escolha feita quatro anos atrás. O pior é que não pode deixar transparecer isso, sob pena de fortalecer ainda mais os dois candidatos concorrentes.

Vê-se obrigado, enfim, a jogar todas as suas fichas em Dilma, porque essa é a única forma de salvar a própria pele. Ele sabe que eventual derrota dela poderá significar o ocaso da carreira política de ambos, bem como o encolhimento do Partido dos Trabalhadores e do sonho de perpetuação no poder, cujo objetivo final sempre pareceu ser fazer do Brasil uma enorme Cuba.

Não há exagero quando se afirma que o propósito dos petistas sempre foi realmente nos impor uma República popular e sindical governada pelo partido. Na visão petista, quem tem de mandar é o partido, e não "a elite branca e reacionária". Como parte principal do programa está a necessidade de disciplinar a imprensa, ou seja, torná-la dócil e obediente como a imprensa cubana.

Em Cuba há mais de 20 jornais de maior importância, porém em nenhum deles se lê notícia alguma sobre descontentamento dos seus habitantes. Tudo naquela ilha está uma maravilha e o que não está bom é culpa dos Estados Unidos. Lá foi totalmente sufocada a "elite branca e reacionária", aquela que no linguajar petista não aceita a participação do povo na missão de governar. Quem manda é o partido - e por isso mesmo a ilha, tão bonita, ficou pobre e sem nenhuma perspectiva de desenvolvimento.

A elite incômoda, segundo os adeptos de Lula, precisará se submeter a necessárias modificações nas leis que regulamentam o exercício das atividades de comunicações no País. Sim, seria necessário fazer que obedeçam ao poder central e passem a divulgar o que interessa ao partido que está no poder, como ocorre em Cuba.

A pressão por tais mudanças transcorria nessa direção - inclusive com o estímulo de exemplos de sufocação de jornais na Venezuela, na Argentina e no Equador - até que a própria imprensa brasileira, a "elite branca e reacionária", passou a denunciar e a ridicularizar o plano.

Num país onde a imprensa é livre as forças totalitárias não conseguirão jamais manter-se no poder. Isso porque as injustiças e os desmandos, quando perpetrados, são denunciados para o grande público, o que provoca revolta e faz ampliar os ressentimentos contra os governantes.

Exemplo claro disso está na circunstância de o Partido dos Trabalhadores haver transformado a Petrobrás, a maior empresa do Brasil e uma das maiores do mundo, num cabidão de empregos e de negócios sujos. Ali, atividades que deveriam ser exercidas unicamente por pessoas comprovadamente habilitadas acabaram delegadas a apaniguados políticos, com voo livre para atos de corrupção e de enriquecimento pessoal.

Isso teve começo quando Lula era presidente da República, mas Dilma Rousseff estava lá e agora procura figurar como inocente ou desinformada, circunstância que faz lembrar o milenar princípio jurídico, insculpido em nosso Código Penal, de que existe crime tanto por ação como por omissão.

Algumas pessoas conseguem escapar da penalidade por omissão, como o próprio Lula no caso do mensalão, em que autorizou pelo consentimento tácito o avanço no dinheiro público para seduzir os congressistas e fazê-los aprovar as leis de interesse do programa político petista de perpetuação no poder.

Dilma também está escapando, mas tão somente quanto ao aspecto penal. Do ponto de vista político e eleitoral tornou-se evidente que os exemplos de corrupção na Petrobrás a atingem em cheio, sobretudo agora, quando é candidata de si mesmo e tem de contar com as próprias pernas. Na eleição anterior Dilma era tão somente a figura feminina de Lula e ganhou a eleição sem fazer nenhum esforço.

No momento presente o quadro é outro e para sair vitoriosa a candidata à reeleição precisa demonstrar melhor preparo do que seus dois principais concorrentes - e isso não está nada fácil, pois o que a atrapalha é o seu próprio despreparo. Não há como esconder que a sua gestão na Presidência da República está afundando o Brasil. Nós hoje somos muito menores e menos importantes do que dez anos atrás.

RODRIGO CONSTANTINO: Autoritarismo coronelista na terra dos Gomes: imprensa censurada!


Cid Gomes, o mentiroso autoritário e burro, com “Paulinho”, que ele “não conhece”. Fonte: GLOBO

A juíza Maria Marleide Maciel Queiroz, de Fortaleza, determinou no fim de semana que a edição desta semana da Revista Istoé seja impedida de circular em todo o país ou, caso já tenha sido distribuída, que seja imediatamente recolhida das bancas de jornais. Segundo informações do site “Consultor Jurídico”, a magistrada tomou a decisão após o governador do Ceará, Cid Gomes (Pros), ir à Justiça relatando ter recebido e-mail da reportagem da revista citando o seu nome como um dos delatados pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa.

O processo corre em segredo de Justiça. Segundo o “Consultor Jurídico”, caso desobedeça a ordem, a revista pagará multa de R$ 5 milhões.

“Entendo que a veiculação de seu nome com os fatos ligados à operação Lava Jato poderá lhe causar (ao governador) dano irreparável ou de difícil reparação, vez que exerce um cargo público da mais alta relevância, governador do estado do Ceará”, escreveu a magistrada, na liminar concedida.

Na ação, Cid Gomes acusa a publicação de “calúnia, difamação e dano moral”. Ele ainda diz que são falsas as informações prestadas por Paulo Roberto Costa à Polícia Federal (PF), e acrescenta que a investigação sobre a estatal ainda está em curso.

Trata-se de uma censura explícita, nos moldes do que a família Sarney fez no Maranhão. Como podemos ver, o nordeste ainda sofre do velho coronelismo. O Brasil inteiro tem acesso aos nomes citados por Paulo Roberto Costa em sua delação premiada, e é direito do eleitor saber quem o poderoso ex-diretor da Petrobras apontou como participante do esquema.

Se ficará ou não provada tal participação, isso é outra coisa. Mas a liberdade de expressão preserva – ou deveria preservar – o direito de expor a lista dos nomes citados. Os cearenses estão impedidos de tal liberdade, pois Cid Gomes apelou à censura togada.

Como disse Ricardo Noblat, Cid Gomes tem vocação a ditador. Mas não só isso: seu ato autoritário saiu pela culatra. Faltou inteligência também, como diz o jornalista: “Cid Gomes, governador do Ceará, tem vocação de burro. Sua ofensiva contra a ISTOÉ é responsável pela corrida atrás de exemplares da revista. Esgotou-se, no Ceará, a edição da ISTOÉ. Em breve quando outra instância da Justiça revogar a decisão da juíza, a venda da revista se esgotará outra vez”.

Para piorar, Cid Gomes apelou para uma mentira ridícula ao afirmar que nem conhecia Paulo Roberto Costa. Como novamente mostra Ricardo Noblat, Cid Gomes e “Paulinho” posaram até para fotos juntos na cerimônia de lançamento da pedra fundamental da Refinaria Premium II, no Ceará, que nunca saiu do papel.

É realmente um espanto como esses projetos de tiranete continuam mandando tanto pelo nordeste. Cid Gomes é irmão de Ciro Gomes, aquele que cospe no PT, acusa o PMDB de “quadrilha”, e faz campanha para a chapa de Dilma (PT) e Michel Temer (PMDB). O Brasil precisa se livrar dessas pragas políticas…

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog