A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quarta-feira, abril 09, 2014

CIÊNCIA SEM PLANEJAMENTO: Excluídos do Ciência sem Fronteiras organizam manifestação no Canadá

Estudantes reclamam que, caso o cronograma para a realização do exame de proficiência fosse cumprido, eles teriam condições de passar

Estudantes que fazem parte do grupo de bolsistas do Ciência sem Fronteiras que foram excluídos do programa estão preparando uma manifestação no Canadá. O grupo quer se reunir na quinta-feira, dia 10, ao meio dia em frente ao City Hall, em Toronto.

Conforme o Estado de S. Paulo revelou nesta quarta-feira, dia 9, o governo começou a convocar de volta ao Brasil bolsistas que nem sequer começaram a exercer atividade na universidade estrangeira. Pelo menos 110 bolsistas terão de retornar do Canadá e da Austrália - onde já estão desde setembro de 2013 - por não terem conseguido proficiência em inglês. Desse total, 80 está no Canadá. O número pode aumentar uma vez que outros alunos ainda devem passar pelo exame de fluência no inglês.

Os estudantes que foram avisados para voltar ao Brasil reclamam que, caso o cronograma oficial para a realização do exame de proficiência fosse cumprido, eles teriam condições de passar. Documento encaminhado aos estudantes no dia 27 de setembro de 2013 pela coordenação do programa no Canadá, por exemplo, diz expressamente que os exames de língua seriam realizados em março e abril, mas vários estudantes tiveram que fazer em janeiro. "Tive que fazer em janeiro o exame. Agora estamos preparados para fazê-lo", disse um bolsista que está no Canadá e pediu para não ser identificado.

Ontem, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), órgão ligado ao Ministério da Educação (MEC) que faz a gestão das bolsas, informou que as provas começaram a ser realizadas em fevereiro. 


 Relembre as falhas no Programa Ciência sem Fronteiras

Atrasos no pagamento de bolsas, problemas com a qualidade das universidades conveniadas a dificuldades de candidatos com idioma marcaram programa de internacionalização do MEC


Com o objetivo de mandar 101 mil estudantes e pesquisadores para universidades do exterior até 2015, o programa Ciência sem Fronteiras foi umas das principais aposta do governo federal para incentivar a internacionalização da educação brasileira. O programa, entretanto, passou por uma série de tropeços, desde atrasos no pagamento de bolsas, problemas com a qualidade das universidades conveniadas a dificuldades de candidatos com idioma. 


Veja algumas notícias sobre o programa, lançado em 2011:

 Fonte: Estadão
 

Lula vê Congresso Nacional e sindicatos como obstáculos!

Lula resume o projeto comunista que o PT está implantando no Brasil.
Em entrevista, fazendo comparação com a China, país comunista, Lula diz que o Congresso nacional e os sindicatos são obstáculos que nós mesmos criamos, e que na China não existem.
É óbvio que no regime comunista chinês não existem sinais de democracia como o Congresso. Sua simpatia pelos comunistas estão à cada dia mais aflorada e difícil de dissimular como tem feito durante toda a sua carreira política.
Está claro a pressa de Lula em implantar uma ditadura comunista no Brasil.


Fonte: Blog BigFull

Tuma Júnior confirma escândalo BNDES/Friboi e diz que é a maior lavanderia da América Latina


Vejam o texto que circula na internet, confirmando o escândalo do apoio do BNDES a três grandes frigoríficos, ficando sócio deles e comprando debêntures. A mensagem que rola na web é estarrecedora.

PUBLICADO ORIGINALMENTE EM 09/04/2014

DENÚNCIA PELO TWITTER


Bomba! Tuma Junior diz que relação JBS Friboi com os Governos do PT é a maior “lavanderia da história da América Latina”.

É mais uma denúncia quente do delegado de polícia e ex-Secretário Nacional de Justiça do governo Lula, Romeu Tuma Junior, esquentando o debate político no Brasil em 2014. Depois de desnudar o PT através do livro “Assassinato de Reputações”, Tuminha entrou de sola nos governos do PT ao tratar das eleições deste ano.

Ao responder na rede social Twitter ao engenheiro civil e professor da Universidade Federal do Paraná Ossami Sakamori, Tuma Junior levantou a bola para um assunto de extrema gravidade. O professor Osssami Sakamori trouxe a Tuma Junior a informação da gigantesca dívida do grupo empresarial JBS Friboi com o BNDES, que beira a R$ 30 bilhões, sendo que a empresa vale apenas R$ 8 bilhões. Leia mais aqui.

A coisa engrossou quando o professor da Universidade do Paraná informou a Tuma Junior que o Grupo JBS Friboi bancará a campanha de Dilma Rousseff (PT) em 2014.

O ex-Secretário Nacional de Justiça do governo Lula, um homem dos mais bem informados da república, bateu pesado ao responder a Ossami Sakamori. Tuminha garantiu que, quando tudo vier à tona quanto à relação JBS Friboi e os governos do PT, o Brasil verá aquilo que ele diz ser “a maior lavanderia da história da América Latina”. 

CETICISMO POLÍTICO: Petição pela cassação do mandato de Jandira Feghali


Do Blog Ceticismo Político
 
No site www.peticaopublica.com.br encontra-se uma petição (com quase 7.000 assinaturas, até o momento), pedindo a cassação do mandato de Jandira Feghali. Veja o texto da petição:
Pelo desrespeito da parlamentar aos direitos e garantias individuais previstas na Constituição Federal
Art 5º da Constituição: é livre a expressão da atividade intelectual, artística, cientifica, e de comunicação, independentemente de censura ou licença.
O Brasil que presta precisa exigir a perda de mandato de Jandira Feghali, inimiga da democracia e da imprensa livre.
Porque esta deputada defende a censura, a criminalização da opinião e a perseguição da divergência. Esta deputada se aproveita dos instrumentos da democracia para promover a ditadura do pensamento único e atacar aqueles que não compactuam com suas idéias.
Esta deputada é contra a imprensa livre e contra a sua liberdade de opinião e expressão.
Esta deputada ofende o decoro da Câmara dos Deputados ao agir em completo desacordo com o que a própria existência daquela casa representa.
Por isso esta deputada merece ter seu mandato cassado, porque não tem condições morais de conviver democraticamente numa sociedade livre, logo deve ir vender suas esfirras e limitar-se a controlar o que é dito dentro de seu restaurante, mas não em uma sociedade que se diz democrática.
O Brasil que presta deve exigir que o Ministério Público ou a oposição na Câmara tome medidas contra esta senhora por constrangimento ao livre exercício do jornalismo. Que ela seja lembrada que não está em Cuba, onde suas idéias certamente se encaixam muito mais.
Lembremos que se Jandira e sua turma usarem o truque dizendo “a liberdade de opinião existe, DESDE QUE não exista incitação à violência”, estarão também cometendo o crime de denunciação caluniosa, amplificando ainda mais os motivos para sua cassação. (Aliás, ela já usou este truque, podendo então ser enquadrada por esse crime)
É importante dizermos que censores são vis e desprezíveis, e o texto acerta ao dizer que ela “não tem condições morais de conviver democraticamente numa sociedade livre”.
Eu não criei a petição, mas digo: por favor assinem e divulguem!

RODRIGO CONSTANTINO: Por falta de proficiência em inglês, 110 bolsistas do Ciência sem Fronteiras vão voltar para o Brasil. It’s time to learn English!



Deu na Veja: Por falta de proficiência em inglês, 110 bolsistas do Ciência sem Fronteiras vão voltar para o Brasil

Pelo menos 110 bolsistas do programa Ciência sem Fronteiras, organizado pelo Ministério da Educação (MEC), terão que voltar ao Brasil por não terem conseguido nível de proficiência em inglês. Os estudantes estão morando no Canadá e na Austrália desde setembro de 2013 e já custaram mais de 2,6 milhões de reais aos cofres públicos — cada um deles recebeu 12.000 dólares, além de passagens aéreas e seguro saúde. Esse investimento não retornará ao país em forma de capacitação profissional e acadêmica, que seria a contrapartida do programa.

Atualmente, cerca de 12.000 universitários estão fora do Brasil pelo Ciência sem Fronteiras. Os 110 bolsistas, que já receberam o aviso para voltar, foram aprovados em edital para universidades de Portugal, aberto em 2012.

No entanto, o governo federal decidiu excluir o país do programa por causa do grande número de estudantes que já estava lá sem dominar um segundo idioma. Atualmente, 2.343 estão em Portugal, que concentra o maior número de bolsistas do programa.  Assim, 3.445 universitários tiveram de escolher outro país e viajaram mesmo sem a proficiência.

A notícia, vergonhosa em si, trouxe-me à mente a triste lembrança de como a ideologia antiamericana tem prejudicado os brasileiros. O inglês ainda é visto por muitos como sinônimo do “imperialismo ianque”, e aprender ou usar a língua seria sinal de mente colonizada, subserviente ao controle “estadunidense”. É muita bobagem…

O inglês serve para unir povos muito diferentes, uma linguagem comum que facilita as trocas. O latim já desempenhou essa importante função no passado, e hoje o papel cabe ao inglês, uma língua objetiva e relativamente fácil de ser aprendida. O esperanto não passou de uma utopia de românticos. E o francês pode ser útil para conquistar mulheres da esquerda caviar, mas não muito mais do que isso.

Quem quer se comunicar com o resto do mundo precisa aprender bem o inglês. Fato. Mas vivemos num país que ainda trata com desconfiança toda palavra inglesa. Há colunistas, como Ancelmo Gois, que vivem repetindo que usar palavra em inglês “é o cacete”. Nossa, que nacionalistas rebeldes!

Nelson Rodrigues diria que se trata de complexo de vira-lata. Enquanto o Chile ensina inglês como sua segunda língua obrigatória, dando bastante ênfase ao seu aprendizado, o Brasil prefere flexibilizar seu uso até em provas para a diplomacia. O resultado está aí.

O “pai fundador” de Cingapura, Lee Kuan Yew, que transformou uma cidade-estado pobre e suja em uma potência com renda per capita maior do que a americana, enfatiza a enorme importância do inglês nesse processo. A língua não foi a segunda, mas a primeira em seu país. E Yew acredita que se a China não for pelo mesmo caminho, terá problemas à frente.

Graças ao inglês, qualquer um pode ler livros de pensadores importantes de praticamente qualquer nacionalidade, traduzidos para a língua de Shakespare (mas adaptada para o mundo moderno). Imagina ter de aprender alemão para ler Freud, russo para ler Dostoiévski e dinamarquês para ler Kierkegaard. Nada disso é necessário: basta o inglês.

Nem consigo pensar em como seria minha formação intelectual sem o domínio do inglês. Grande parte dos melhores livros que li não tem tradução para o português, sem falar de revistas e artigos. Quem não fala inglês hoje sofre um enorme handicap no mercado de trabalho, e também na própria educação.

O mercado tem tentado atender a crescente demanda. Basta ver a grande quantidade de cursos de inglês que surgiu nos últimos anos, assim como o valor pelo qual alguns desses grupos foram vendidos. O potencial é gigantesco. Só não esperem muita ajuda do governo, pois esse é dominado por gente que sofre da patologia antiamericana também.

Aos leitores, principalmente mais jovens, que porventura não sabem ainda falar inglês, fica meu recado: It’s time to learn English!

Rodrigo Constantino

CORONELEAKS: Aécio denuncia golpe de Dilma contra democracia. Oposição abandona CCJ.

Do Blog do Coronel

Aécio e a Oposição abandonam a Comissão de Constituição e Justiça após o golpe contra a democracia, comandado pelo PT corrupto e pelo PMDB fisiológico. Ditadura da maioria acaba com direito da minoria, previsto na Constituição. Não há mais limites para a base podre do Governo Dilma.
Além do STF, o refúgio da Oposição tem sido a imprensa que, ontem, novamente foi ameaçada por Lula, na sua entrevista aos blogueiros do esgoto, financiados com dinheiro público. As fotos são de Orlando Brito.
Em entrevista coletiva, Aécio Neves diz que governo, através de um rolo compressor no Senado, está atacando a democracia e implantando uma ditadura no Congresso Nacional. A denúncia é gravíssima e merece que seja compartilhada ao máximo com a sociedade brasileira.

Coletiva senador Aécio Neves - CPI da Petrobras - 9/04/14 

O senador Aécio Neves classificou, na manhã de hoje (9/04), como vergonhosa a decisão do Senado de impedir as investigações sobre a Petrobras por meio de CPI criada pela oposição.

 Fonte: Blog do Coronel

CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS: Desgoverno petista gastou mais de US$ 12 mil com cada um dos 110 bolsistas que terão de retornar sem fazer o estágio no exterior

MEC manda 110 bolsistas voltarem do exterior sem estágio

Estudantes do Ciência Sem Fronteiras terão de retornar depois de 6 meses por não terem fluência em inglês

09 de abril de 2014
Paulo Saldana - O Estado de S. Paulo

O governo federal começou a convocar de volta ao Brasil bolsistas do Ciência Sem Fronteiras que nem sequer começaram a exercer atividade na universidade estrangeira, foco do programa federal. Pelo menos 110 bolsistas terão de retornar do Canadá e da Austrália - onde já estão desde setembro de 2013 - por não terem conseguido proficiência em inglês.

Estudantes reclamam que a prova de certificação foi antecipada e que a permanência no país será perdida sem a realização do estágio. Além de interromper os planos dos estudantes, a decisão significa ainda um prejuízo para os cofres públicos: cada aluno já recebeu cerca de US$ 12 mil, além dos valores com passagens aéreas e seguro saúde, para o intercâmbio

Esse investimento não retornará ao País em forma de capacitação profissional e acadêmica, a contrapartida do programa.

Esses estudantes que já receberam aviso para voltar fazem parte de um grupo que, inicialmente, não se candidatou para estudar no Canadá ou na Austrália. Eles haviam sido aprovados em edital para universidades de Portugal, aberto em 2012. 

No entanto, o governo federal decidiu excluir Portugal do programa - por entender que já havia grande número de estudantes naquele país, e que, lá, eles não dominariam uma segunda língua. Assim, 3.445 estudantes tiveram de escolher outro país e viajaram mesmo sem ter proficiência no idioma.

As bolsas são geridas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), órgão ligado ao Ministério da Educação (MEC).

De acordo com as regras editadas pela Capes, esses estudantes ficariam no país estrangeiro para estudar inglês antes de ingressar na universidade. Por ora, terão de voltar 30 bolsistas que estão na Austrália e outros 80 que ficaram no Canadá. Mas o número pode aumentar, porque os exames de língua ainda estão ocorrendo.

Currículo
Taís Oliveira, de 22 anos, é uma das bolsistas do Canadá que receberam o ultimato para voltar e, organizada em grupo, tenta reverter a situação. "Deixei meu grupo de pesquisa numa mina, estava fazendo um trabalho de topografia que daria um ‘up’ no currículo. Agora, não sei calcular quanto perderia, vai ser devastador", diz ela, do curso de Tecnologia em Mineração na Universidade Federal do Pampa, no Rio Grande do Sul.

A Capes afirmou, em nota, que os prazos foram respeitados e que "a partir de fevereiro de 2014 os teste começaram a ser aplicados". Há estudantes que afirmam ter sido convocados a fazer o exame em janeiro. E o próprio comunicado encaminhado aos estudantes, em setembro de 2013, afirma que o teste seria em março ou abril.

Fonte: Estadão

ATAQUE ABERTO: DANDO A LUZ AO PT

Excelente artigo do Milton Pires no Blog Ataque Aberto


Valesca dos Santos (Rio de Janeiro, 6 de outubro de 1978), mais conhecida pelo nome artístico de “Valesca Popozuda” ou apenas Valesca, é uma cantora, compositora, produtora e empresária brasileira. Foi vocalista do grupo feminino “Gaiola das Popozudas” entre 2000 e 2012 até a metade de 2013, sendo uma das responsáveis por tornar o funk carioca dissipado e conhecido em todo o Brasil. Em 2013 lançou-se em carreira solo com a canção "Beijinho no Ombro", que atingiu a décima segunda posição na Billboard Brasil.
 
Esse primeiro parágrafo é uma das maravilhas permitidas pelo famoso Ctrl+C. Tudo o que fiz foi isso: entrar na Wikipédia para saber, afinal de contas, alguma coisa a respeito dessa moça, copiar e iniciar o texto. O que vou escrever a seguir nada se relaciona com ela e muito pouco diz respeito a isso que vem sendo chamado de funk music. A ideia aqui é bem diferente: Antonio Kubitschek é o nome do professor que elaborou uma prova de filosofia da Escola de Ensino Médio 3, no Distrito Federal, e nela havia uma questão que chamava Valesca Popozuda de "grande pensadora contemporânea" - sobre isso eu acho que faz sentido escrever.
 
Antes de começar gostaria de chamar a atenção para uma atitude da própria Valesca que, segundo o Jornal O Globo, se disse “muito honrada” pela citação em uma prova de filosofia. Tal gesto reflete, ao meu ver, a sensação de estranhamento, a ideia de distância de uma pessoa que, independente do seu caráter ou de sua atividade profissional, jamais imaginou pertencer, ela mesma, ao mundo da alta cultura ou dos grandes pensadores. Em outras palavras eu diria o seguinte: mesmo sem ter conversado com Valesca ou com o “professor de filosofia” que fez a questão, eu imagino que nenhum dos dois se conhecia antes disso e que a moça jamais quis ser citada nem pediu ou pagou ninguém para que a letra de sua música se tornasse uma pergunta de prova.
 
Fácil seria escrever dizendo que não existe mais pensamento crítico no Brasil. Isso eu já fiz antes e se o fizesse novamente aqui, nesse artigo, correria o risco de passar àquele que lê a impressão do temido discurso “moralista”, “conservador” ou “reacionário” daqueles que acreditam num ensino de filosofia “distanciado da realidade” e “vinculado às elites.” Nada sei sobre ensinar filosofia. Sequer graduado sou nessa área do conhecimento e o que escrevo não tem relação com a minha condição de médico. É como brasileiro que tento me expressar...é como alguém que não perdeu (ainda) a noção da realidade e que tem perfeitamente guardada a distinção entre a alta cultura e a vulgaridade..entre a arte e o apelo comercial. Acredito ter como parceira nessa empreitada a própria Valesca dos Santos que, no seu sentimento de lisonja, revelou toda estupefação de quem jamais pretendeu ser fonte de reflexão alguma..e que na sua gratidão revela a ingenuidade de quem foi usada por mais um militante petista dentro da educação brasileira.
 
Não tenho, nem nunca tive, qualquer procuração para defender os pensadores desse país. Não conheço Valesca e nada sei do seu caráter. Não gosto daquilo que ela canta, mas isso nada tem a ver com o ensino de filosofia no Brasil. Digo apenas que a própria filosofia nasceu da “capacidade do espanto”... da curiosidade sobre o mundo, sobre o sentido da vida e de como vivê-la da melhor e mais justa forma. O questionamento sobre a verdadeira arte e sobre a noção do belo somaram-se à essas primeiras indagações dos gregos e vem atravessando o tempo como objeto de investigação filosófica.
 
Tudo o que se faz hoje em termos culturais é reflexo de um Brasil em que não há mais espanto algum..em que a própria noção do belo desapareceu e onde a vulgaridade, o apelo rasteiro à sexualidade, e ao sucesso comercial são aquilo que restou. Nem Valesca nem a maioria dos artistas que cantam o tipo de música que ela celebra pretenderam jamais ser mais do que isso. A crise moral ou cultural não começou com eles; começou dentro das Universidades e das escolas que se entregaram completamente ao domínio de um Partido Político e a um projeto de poder no qual o belo e o justo são o que servem à Revolução..
 
Valesca e os MC's dos bailes funks nasceram no mesmo país que deu ao mundo a música de Villa- Lobos, a pintura de Portinari, e a escultura do Aleijadinho. Toda tragédia do pensamento brasileiro não está nos bailes das favelas do Rio de Janeiro; está na Educação que, em nome de um delírio revolucionário, acabou com a distância que havia entre o juízo crítico e a obscenidade cultural dos mais pobres. Nossa miséria continua original: segue autêntica e sem pretensão alguma. Ela nunca se “prostituiu” como disseram que Valesca fez.
 
Nada seria mais justo do que o funk brasileiro agradecer cantando nas suas letras a “filosofia vagabunda” da nossa Universidade. Valesca, queiram ou não, continua sendo verdadeira, mas a nossa cultura foi estuprada num baile em 1968, engravidou da revolução e morreu dando à luz ao PT.

Porto Alegre, 9 de abril de 2014.

BIGFULL: André Vargas, isolado e enrolado, ameaça “falar”!

 Gleisi Hoffmann(PT) – André Vargas(PT)

Mais uma peripécia do petista que queria dar uma cotovelada no Presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa!

André Vargas(PT), que já dispensa apresentações, responde à processo judicial onde, juntamente com o doleiro Alberto Youssef, são acusados de lavagem de dinheiro. A prática criminosa dos dois é antiga!

Vargas figura neste processo devido à comandar, em 1998, a campanha de Paulo Bernardo, atual ministro das Comunicações de Dilma, e marido da ex-ministra da Casa Civil Gleisi Hoffmann da qual é coordenador de campanha neste ano.

Revoltado com os “cumpanheiro” do partido, que Vargas acusa de ter lhe virado às costas, ele manda recado para Gleisi e Bernardo:

- “Estou sendo tratado como se fosse o único pecador em meio a uma legenda angelical de querubins e serafins”.
- “Agora esses dois (Bernardo e Gleisi) estão fingindo que não me conhecem. Se for preciso vou refrescar a memória deles”.
- “Me aguardem”

Vargas acredita que sua queda é proveniente de “fogo amigo”. Ele teria manifestado simpatia pelo “Volta Lula” e, a outra facção, fiel à Dilma, teria dado o pontapé inicial para sua derrota.
No contexto em que vive, Vargas não tem nada à perder, sua carreira política está arruinada e sua liberdade ameaçada, ele pode se tornar um “homem bomba” dentro do PT!

Fonte: Blog BigFull

UCHO.INFO: Guerra entre Lula e Dilma está apenas começando

Guerra entre petistas, com Lula e Dilma em lados opostos, está apenas começando, mas promete


A crise institucional que se instalou no País e que vem chacoalhando as estruturas do Palácio do Planalto é muito mais grave do que imaginam os brasileiros. Quem acompanha a política nacional e interpreta a crise em suas entrelinhas não demora a perceber que é perigosa e intensa a queda de braços que tem lugar nos bastidores do poder.

O primeiro recado do Palácio do Planalto aos defensores do “Volta Lula” se materializou no calvário imposto ao deputado petista André Vargas (PR), que por conta de seu envolvimento com o doleiro Alberto Youssef licenciou-se do mandato parlamentar e da vice-presidência da Câmara. Não que Vargas seja um monge tibetano, até porque seu telhado de vidro é extenso, mas o tiroteio foi um recado de Dilma a Lula.

Dilma enfrenta uma grave crise, como afirmamos, e vê as consequências alcançarem seu projeto de reeleição. Vaidosa o suficiente para não aceitar uma derrota nas urnas, Dilma começa a perder o controle em relação à atuação de Lula nos bastidores. O ex-metalúrgico nega a possibilidade de novamente disputar a presidência, mas não desautoriza os entusiastas da causa. E um desses entusiastas é André Vargas, a primeira peça do tabuleiro petista a cair.

Acontece que, em 1998, o petista André Vargas foi coordenador da campanha de Paulo Bernardo da Silva, atual ministro das Comunicações, à Câmara dos Deputados. Na ocasião, Vargas usou o doleiro Alberto Youssef para lavar R$ 120 mil da campanha de Paulo Bernardo. E por conta disso foi denunciado, juntamente com Youssef, por lavagem de dinheiro. Fosse pouco, Vargas foi escolhido para coordenar a campanha de Gleisi Hoffmann ao governo do Paraná. André Vargas surgiu em cena depois que o pedófilo Eduardo Gaievski, então braço direito de Gleisi, foi preso. Gleisi Hoffmann é muito ligada a Dilma Rousseff e pode ter seus segredos políticos revelados pro Vargas, que está enfurecido por ter sido abandonado pela ex-chefe da Casa Civil.

Chegar a essa conclusão é algo simples e não exige informações exclusivas do Palácio do Planalto, apesar de o ucho.info tê-las com frequência. A Polícia Federal há muito tinha em mãos as informações sobre o envolvimento de André Vargas com o doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava-Jato. Na Polícia Federal quem dá a última palavra é o ministro da Justiça. José Eduardo Martins Cardozo, apesar de garantir que a PF independente, mesmo depois de ter sido transformada em polícia de governo. Quem manda em Cardozo é ninguém menos que Dilma Rousseff, que cansada das estripulias da tropa de choque de Lula pode ter ordenado o vazamento das informações sobre o escândalo envolvendo André Vargas.

O próximo dessa lista de peças a serem derrubadas no tabuleiro petista é o deputado federal Vicente Cândido (SP), homem de confiança de Luiz Inácio da Silva. Cândido é outro defensor ferrenho do “Volta Lula” e por isso já teve o nome vinculado ao doleiro Youssef. É uma questão que apareçam denúncias contra Vicente Cândido, que em passado não muito distante assumiu a campanha para que o malandro Lula tivesse direito a um terceiro mandato.

Para quem acredita que esse tipo de situação é mera conjectura deste site, o ex-presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, adoçou seu discurso em relação à bisonha compra da refinaria texana de Pasadena. EM depoimento no Congresso nesta terça-feira (8), Gabrielli disse que a compra da refinaria norte-americana foi um excelente negócio e que Dilma decidiu com base em dados que retratavam a realidade econômica global da época. Por mais diversa e ácida que tenha ficado o cenário econômico mundial, comprar por US$ 1,18 bilhão uma empresa obsoleta que meses antes foi adquirida por US$ 42 milhões jamais será um bom negócio. A não ser que debaixo da refinaria de Pasadena existe uma descomunal jazida de ouro e diamante.

Quando pela segunda vez estourou o escândalo de Pasadena, a reboque de uma nota atabalhoada do Palácio do Planalto ao jornal “O Estado de S. Paulo”, o petista José Sérgio Gabrielli disse que Dilma sabia das cláusulas contratuais do negócio, classificadas como normais e usuais em transações desse naipe. Para quem adotou um discurso agressivo semanas atrás, Gabrielli se mostrou, nesta terça-feira, um obediente e adestrado cordeiro comunista.

Ao longo dos últimos onze anos, o PT mostrou ao País a sua inconteste vocação para o banditismo político. O que se vê no momento resulta de uma briga intestina do partido, porque não afirmar que se trata de um confronto de gangues que não querem perder o domínio sobe setores do governo, transformados em verdadeiras cornucópias criminosas. Essa queda de braços entre os sicários que se instalaram no poder está apenas começando. Quem frequenta as coxias da política verde-loura sabe que isso é verdade. 

Fonte: Ucho.info

UCHO.INFO: O Brasil já vive uma ditadura, sem que os brasileiros esbocem qualquer reação diante das atitudes absurdas e truculentas adotadas pelo desgoverno de Dilma Rousseff

CPI da Petrobras: desespero do PT e do governo mostra necessidade de a petroleira ser investigada


A hora é agora – O Brasil já vive uma ditadura, sem que os brasileiros esbocem qualquer reação diante das atitudes absurdas e truculentas adotadas pelo desgoverno de Dilma Vana Rousseff, que no Congresso Nacional tem estacionado o rolo compressor palaciano. O regime totalitarista a que nos referimos se faz notar com o desespero do PT e do próprio governo diante da possibilidade de criação de uma CPI específica para se investigar a Petrobras, que na última década se transformou em reduto de desmandos petistas.

No momento em que o malandro Lula, o presidente da República de fato, ordena que a tropa de choque do governo faça o impossível para evitar a criação da CPI da Petrobras, fica clara a necessidade de a petroleira verde-loura ser investigada a fundo, pois é inadmissível que um partido com inconteste vocação para o banditismo político destrua uma das maiores empresas do planeta apenas porque os interesses da legenda devem ser atendidos, até mesmo ao arrepio da lei.

Na manhã desta quarta-feira (8), a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal retomou a discussão sobre a criação da CPI da Petrobras, tendo como base dois requerimentos: um do senador tucano Aloysio Munes Ferreira (SP), que defende a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito específica, e outro da senadora petista Gleisi Hoffmann (PR), que a mando do governo insiste em criar uma CPI multifocal.

O objetivo do governo do PT é impedir que a Petrobras seja investigada, uma vez que o ano é de eleições e a revelação das inúmeras mazelas da empresa arruinaria não apenas diversas candidaturas, mas principalmente o projeto totalitarista de poder que o partido colocou em marcha tão logo Lula se instalou no Palácio do Planalto, em janeiro de 2003.

Conhecida de Norte a Sul por sua expansiva incompetência, Gleisi Hoffmann desconhece o ordenamento jurídico do País, ao mesmo tempo em que ignora o fato de que nada, em termos legais, supera a Constituição Federal, que concede às minorias no Parlamento o direito de criar CPIs. A estratégia do governo petista é inserir no escopo da CPI da Petrobras assuntos que comprometam os planos políticos de seus adversários, como o caso do cartel de trens em São Paulo e a construção do porto de Suape, em Pernambuco.

A oposição recorreu ao Supremo tribunal Federal para fazer valer o direito estabelecido na Carta Magna, que, sob a lógica do Direito, será respeitada sem direito a qualquer esperneio por parte dos governistas, que na verdade são golpistas descarados.

Há nesse cabo de guerra que se formou no Senado Federal algumas situações que devem ser analisadas com a devida atenção. O PMDB, proxeneta da democracia brasileira, não se incomoda em fazer as vontades do Palácio do Planalto, desde que seus interesses sejam devidamente atendidos e remunerados. Presidente do Senado, o alagoano Renan Calheiros tinha, por dever de ofício, determinar a instalação da CPI da Petrobras tão logo leu o requerimento de criação da comissão, mas não o fez porque foi pressionado pelo governo.

Fosse um parlamentar sem telhado de vidro, algo raríssimo no Brasil, Calheiro teria enfrentado o governo e cumprido o que determina a Constituição. Sem moral para qualquer ato mais radical de respeito à democracia, o presidente do Senado assassinou a lógica e cometeu o desvario de interpretar a legislação de acordo com a vontade de Lula e Dilma. Esse tipo de conduta precisa ser condenado com veemência pela opinião pública, que não pode concordar com o repetido vilipêndio à democracia.

O pior nessa epopeia parlamentar fica por conta da petista Gleisi Hoffmann, que tenta passar à população a impressão de ser dona de uma genialidade que simplesmente inexiste. Ao fazer uso da palavra na reunião da CCJ, nesta quarta-feira, Gleisi disse que respeita a democracia. Trata-se de uma afirmação absurda, pois a democracia está sendo violentada pelo governo e pela bancada do PT, sem que os parâmetros legais sejam levados em consideração.

Ademais, Gleisi Hoffmann nem mesmo em sonho sabe o que significa democracia, situação que fica clara com sua famosa disposição de intimidar jornalistas, como faz a petista em relação ao editor do ucho.info. Se a senadora não quer ser alvo de notícias que revelam a verdade, deveria ter se preparado melhor para o exercício de um mandato eletivo. A postura de Gleisi no caso da CPI da Petrobras deixa evidente o que pode acontecer com o Paraná caso a petista vença a corrida ao Palácio Iguaçu. 

MERVAL PEREIRA: Lula e a presidente


Acredito que o ex-presidente Lula esteja falando a verdade quando garante que não pretende se candidatar novamente à presidência da República. O que não quer dizer que não venha a sê-lo. Nada mais verdadeiro, embora trivial, do que a comparação da política com uma nuvem que vai mudando de forma à medida que passa, feita pelo ex-governador mineiro Magalhães Pinto, muito em voga nos últimos dias devido a seu papel no golpe militar de 1964.
 
Em política, o fato novo é capaz de provocar reações para que não se torne fato consumado. São tão grandes os interesses petistas, alguns até mesmo inconfessáveis, que se a presidente Dilma continuar a cair nas pesquisas eleitorais as pressões podem se tornar insuportáveis para que Lula entre em campo novamente para salvar o time.
 
Não foi assim que o ministro Gilberto Carvalho, o mais lulista dos lulistas no Palácio do Planalto classificou Lula, o reserva de luxo que está no banco pronto para entrar em caso de necessidade? Mas será possível um jogador ganhar sozinho um jogo perdido, a poucos minutos de seu final, mesmo que seja considerado o Pelé da política?
 
O próprio Pelé sabiamente recusou-se a esse papel quando, no governo Geisel, foi instado por assessores palacianos a voltar à seleção brasileira para jogar a Copa de 1974. Preferiu se preservar para manter a memória dos dias de glória.
 
Sim, por que se Lula for escalado, é por que o jogo já está dado por perdido. O fogo amigo vem de vários lados. Uns já falam em uma chapa que teria Lula na cabeça e o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos como vice. Outros dizem que a própria Dilma aceitaria de bom agrado não sair para a reeleição caso Lula queira disputar, que esse rodízio já estava previsto no acordo que a lançou candidata. Realmente seria preciso que Dilma concordasse em abrir mão de sua candidatura para que a transição fosse feita de forma pacífica, sem crise política, que enterraria até mesmo a candidatura de Lula.
 
Mas como explicar para o eleitorado a súbita mudança de posição? Ter um acordo desse tipo sem anunciar à população na ocasião mesma em que Dilma foi lançada presidente não será sentido por muitos como uma traição, um jogo político que aparta o eleitor das decisões?
 
Qual será o comportamento da presidente Dilma, ainda no Palácio do Planalto, com a caneta na mão, mas sem prestígio político, obrigada a abrir mão de seu direito à reeleição, mesmo para perder?
 
Há quem acredite que o ex-presidente Lula está agindo na vida real como o vice-presidente Frank Underwood no seriado House of Cards: oficialmente, elogia e defende o presidente Garret Walker, para nos bastidores minar suas forças políticas e tomar o seu lugar. Não creio que seja assim.
 
Lula está na melhor situação que poderia ter. Não tem os problemas de um presidente, mas todas as suas regalias. Manda e desmanda; nomeia e demite quem quiser, é recebido no mundo todo com honras de chefe de Estado. Além do mais, essa condição, reconhecida por todos, coloca a responsabilidade do governo Dilma em suas mãos.
 
Difícil não atribuir a Lula grande parte do desarranjo por que passa o governo, no mínimo por ter sido o responsável por Dilma estar onde está. Mesmo que a presidente Dilma não faça tudo que Lula sugere, as constantes reuniões de aconselhamento que dá à presidente o faz co-autor de seus atos, mesmos os que critica.
 
Lula vai querer arriscar seu prestígio em uma eleição difícil ou, pior ainda, um governo difícil, que terá que apertar o cinto logo no início para não ser levado de cambulhada por uma crise econômica anunciada? Melhor tentar salvar Dilma e, caso seja impossível, preservar-se para poder volta em 2018, se for o caso, depois que o trabalho sujo tiver sido feito pelo candidato eleito este ano.

CORONELEAKS: Lula falou duas horas e meia para blogs do esgoto e não conseguiu convencer sobre a Petrobras. FHC falou cinco minutos e desmascarou a arenga do Lula.

Do Blog do Coronel

FHC não foge da imprensa livre.
Lula só dá entrevista para blogueiros patrocinados pelas empresas estatais, inclusive a Petrobras, como hoje, a portas fechadas, no Instituto Lula
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso rebateu nesta terça-feira (8) as críticas do ex-presidente Lula à pressão da oposição para instalar a CPI da Petrobras. Hoje Lula reuniu 10 blogueiros financiados pela Petrobras e outras estatais no Instituto Lula, para atacar a inciativa da oposição de investigar a roubalheira da estatal. O tucano afirmou que as suspeitas sobre a estatal são "espantosas" e devem ser investigadas.

"Se ele (Lula) conseguir demonstrar que está tudo certo, é bom para o Brasil. É difícil. Ele está se propondo a uma tarefa ambiciosa", disse FHC, ao chegar a um seminário sobre a obra do ex-ministro Sérgio Paulo Rouanet no Rio.

O ex-presidente negou que a oposição queira transformar a CPI em arma eleitoral, como acusou Lula. "A oposição fica surpresa, pelo menos eu, em ver a que ponto chegamos. Se for verdade tudo o que está sendo publicado, é espantoso." "A oposição deve verificar os fatos. E, ao contrário do que o Lula está dizendo, não deve usar como bandeira política. É uma coisa de interesse nacional. Tem que buscar os fatos e corrigi-los."

Segundo FHC, o governo não deve explicar apenas a compra da refinaria de Pasadena, nos EUA. "Não só a questão interna, de um negócio malfeito, mas a política energética. Seguraram o preço da gasolina, arrebentaram com o etanol. A Petrobras perdeu valor. Por alguma razão terá acontecido isso", disse. (Com informações da Folha Poder)

CORONELEAKS: Lula prepara golpe contra Dilma

 
Quem não conhece, que compre. Lula, ontem, escancarou que prepara um golpe contra Dilma, para ao fim e cabo assumir o seu lugar como candidato presidencial do PT. Primeiro sinal foi procurar a esgotosfera guerrilheira e clandestina, patrocinada por empresas corruptas como a Petrobras, capaz de espalhar os dossiês mais sórdidos contra a oposição e, por alguns caraminguás a mais, até mesmo contra Dilma. Se quisesse agir às claras daria uma entrevista coletiva à imprensa. Não. Preferiu reunir uma claque amestrada para dizer o que bem entendeu, sem interrupções ou perguntas inconvenientes. 

Querem um indicativo ainda mais forte de que o golpe contra Dilma está em andamento? Analisem os "conselhos" de Lula, ontem. O ex-presidente receitou ações impossíveis para a presidência da República. Por exemplo, que crie fatos novos e positivos na economia, no momento em que Dilma torce feito louca para que as previsões não piorem ainda mais. Como criar fatos positivos na economia com PIB caindo, inflação subindo, risco de apagão, juros na estratosfera? Lula sabe que o seu pedido vai desgastar ainda mais a "presidenta". 

Lula não parou aí e fez outro pedido politicamente absurdo. Mergulhada no mar de lama das denúncias contra a Petrobras, Dilma, segundo Lula, deve partir para o embate com a oposição, o que é a decretação da sua morte política. Ir para o enfrentamento, no que ele chama de "debate político" e que é, na verdade, um caso de polícia. Lula deseja que Dilma assuma a defesa da estatal quando ela, em todos os documentos e nas pesquisas de opinião, é tida como a grande culpada pela roubalheira instalada na estatal. Muy amigo!

Lula, no final das contas, mostrou ao Brasil, ontem, uma presidente fraca, que não conduz bem a economia e que está emparedada pela oposição. Politicamente fraca. É isso que Lula deixou claro com as suas críticas. Mentiroso como é, havia avisado que iria defender o governo. Fez o contrário: atacou, criticou, minou.  A partir de agora, vai desgastar Dilma até a última ruga para, antes mesmo de junho, surgir das trevas como o salvador da pátria e aproveitar a Copa do Mundo como a grande vitrina da sua ressurreição, para deleite dos blogueiros do esgoto, dos mensaleiros e dos corruptos petistas. Bem fez Aécio Neves ao dizer que aceita qualquer adversário, pois o importante é derrotar o modelo petista. Que venham Lula, Rose, José Dirceu e companhia.

Jorge Gerdau diz que a população deveria se rebelar diante da falta de infraestrutura e da qualidade dos serviços do País


Publicado em 08/04/2014 no Estadão

Para empresário, que também preside a Câmara de Políticas de Gestão do governo, a infraestrutura e a qualidade dos serviços no País são inaceitáveis


PORTO ALEGRE - O empresário Jorge Gerdau Johannpeter criticou a insistência do Brasil em se aproximar do Mercosul, propôs que o próximo governo brasileiro tenha apenas seis ministérios e chegou a sugerir que a população se rebele diante da falta de infraestrutura e da qualidade dos serviços do País.

As afirmações do empresário foram feitas durante palestra para os participantes da 27.ª edição do Fórum da Liberdade, ontem em Porto Alegre. O evento é promovido anualmente pelo Instituto de Estudos Empresariais (IEE), entidade de jovens empresários de tendências liberais.

"Uma placa que vi e achei interessante diz que a Central do Brasil há 30 anos é igual", citou. 

"Tem de ter rebelião, gente", prosseguiu. "Quem tem esposa e uma filha e tem de enfiar dentro daquele trem não dá para aceitar."

Ao longo dos 40 minutos da palestra, Gerdau insistiu na necessidade de o Brasil aumentar sua poupança, investir em infraestrutura e melhorar sua governança e produtividade para crescer mais dos que os índices próximos a 2% dos últimos anos. Também sugeriu metas ousadas, como dobrar o Produto Interno Bruto (PIB) per capita até 2030.

O empresário - que preside, desde o início do governo Dilma Rousseff, a Câmara de Políticas de Gestão, Desempenho e Competitividade do governo -, também revelou que, na conversa reservada que teve com o pré-candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, na segunda-feira, foi questionado sobre o número de ministérios que considera ideal para o Brasil. "Eu disse que com seis dá", confidenciou. E citou cinco pastas, sem mencionar qual seria sexta: para a área social, área econômica, segurança, parte internacional e condução política.

Gerdau deu a entender, ainda, que preferiria ver o Brasil menos ligado aos países vizinhos e mais atento ao mercado global. "Enquanto os países do grupo do Pacífico têm crescimento de 5% a 6% ao ano, aproximando-se do bloco americano, que está se integrando com a Europa, nós ficamos brincando de Mercosul bolivariano", comparou. "Será que a Cristina Kirchner (presidente da Argentina) tem que dizer o que o Brasil tem que fazer? Não dá!", concluiu.

Procuradas para comentar as declarações de Gerdau, a Casa Civil e a Secretaria de Comunicação da Presidência da República não responderam até o fechamento desta edição.

Eficiência
Jorge Gerdau é conselheiro da presidente Dilma desde a campanha eleitoral de 2010. A Câmara de Políticas de Gestão, Desempenho e Competitividade, que comanda, tinha o objetivo de aperfeiçoar a condução da máquina pública, eliminando gargalos e tornando mais eficiente o atendimento ao cidadão. Sem resultados aparentes, a câmara reduziu o ritmo dos trabalhos desde o ano passado.

O colegiado chegou a elogiar programas de monitoramento remoto, por vídeo, implementados pelos ministérios da Previdência Social, da Saúde e pelo grupo de acompanhamento das obras do Programa de Aceleração do Crescimento. Gerdau sempre foi crítico do número de ministérios do governo Dilma.

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog