A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quarta-feira, abril 09, 2014

RODRIGO CONSTANTINO: Por falta de proficiência em inglês, 110 bolsistas do Ciência sem Fronteiras vão voltar para o Brasil. It’s time to learn English!



Deu na Veja: Por falta de proficiência em inglês, 110 bolsistas do Ciência sem Fronteiras vão voltar para o Brasil

Pelo menos 110 bolsistas do programa Ciência sem Fronteiras, organizado pelo Ministério da Educação (MEC), terão que voltar ao Brasil por não terem conseguido nível de proficiência em inglês. Os estudantes estão morando no Canadá e na Austrália desde setembro de 2013 e já custaram mais de 2,6 milhões de reais aos cofres públicos — cada um deles recebeu 12.000 dólares, além de passagens aéreas e seguro saúde. Esse investimento não retornará ao país em forma de capacitação profissional e acadêmica, que seria a contrapartida do programa.

Atualmente, cerca de 12.000 universitários estão fora do Brasil pelo Ciência sem Fronteiras. Os 110 bolsistas, que já receberam o aviso para voltar, foram aprovados em edital para universidades de Portugal, aberto em 2012.

No entanto, o governo federal decidiu excluir o país do programa por causa do grande número de estudantes que já estava lá sem dominar um segundo idioma. Atualmente, 2.343 estão em Portugal, que concentra o maior número de bolsistas do programa.  Assim, 3.445 universitários tiveram de escolher outro país e viajaram mesmo sem a proficiência.

A notícia, vergonhosa em si, trouxe-me à mente a triste lembrança de como a ideologia antiamericana tem prejudicado os brasileiros. O inglês ainda é visto por muitos como sinônimo do “imperialismo ianque”, e aprender ou usar a língua seria sinal de mente colonizada, subserviente ao controle “estadunidense”. É muita bobagem…

O inglês serve para unir povos muito diferentes, uma linguagem comum que facilita as trocas. O latim já desempenhou essa importante função no passado, e hoje o papel cabe ao inglês, uma língua objetiva e relativamente fácil de ser aprendida. O esperanto não passou de uma utopia de românticos. E o francês pode ser útil para conquistar mulheres da esquerda caviar, mas não muito mais do que isso.

Quem quer se comunicar com o resto do mundo precisa aprender bem o inglês. Fato. Mas vivemos num país que ainda trata com desconfiança toda palavra inglesa. Há colunistas, como Ancelmo Gois, que vivem repetindo que usar palavra em inglês “é o cacete”. Nossa, que nacionalistas rebeldes!

Nelson Rodrigues diria que se trata de complexo de vira-lata. Enquanto o Chile ensina inglês como sua segunda língua obrigatória, dando bastante ênfase ao seu aprendizado, o Brasil prefere flexibilizar seu uso até em provas para a diplomacia. O resultado está aí.

O “pai fundador” de Cingapura, Lee Kuan Yew, que transformou uma cidade-estado pobre e suja em uma potência com renda per capita maior do que a americana, enfatiza a enorme importância do inglês nesse processo. A língua não foi a segunda, mas a primeira em seu país. E Yew acredita que se a China não for pelo mesmo caminho, terá problemas à frente.

Graças ao inglês, qualquer um pode ler livros de pensadores importantes de praticamente qualquer nacionalidade, traduzidos para a língua de Shakespare (mas adaptada para o mundo moderno). Imagina ter de aprender alemão para ler Freud, russo para ler Dostoiévski e dinamarquês para ler Kierkegaard. Nada disso é necessário: basta o inglês.

Nem consigo pensar em como seria minha formação intelectual sem o domínio do inglês. Grande parte dos melhores livros que li não tem tradução para o português, sem falar de revistas e artigos. Quem não fala inglês hoje sofre um enorme handicap no mercado de trabalho, e também na própria educação.

O mercado tem tentado atender a crescente demanda. Basta ver a grande quantidade de cursos de inglês que surgiu nos últimos anos, assim como o valor pelo qual alguns desses grupos foram vendidos. O potencial é gigantesco. Só não esperem muita ajuda do governo, pois esse é dominado por gente que sofre da patologia antiamericana também.

Aos leitores, principalmente mais jovens, que porventura não sabem ainda falar inglês, fica meu recado: It’s time to learn English!

Rodrigo Constantino

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog