A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

sexta-feira, setembro 15, 2017

Cup of Excellence: 85 amostras de café se classificam na categoria ‘Pulped Naturals’


Cup of Excellence: 85 amostras de café se classificam na categoria 'Pulped Naturals'

Cafeicultores de 10 origens produtoras brasileiras foram selecionados para a Fase Nacional do principal concurso de qualidade para cafés cerejas descascados ou despolpados do Brasil

Após uma semana de trabalho, os profissionais de seleção da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) classificaram 85 das 354 amostras de cafés especiais produzidos por via úmida (cereja descascado e/ou despolpado) recebidas na categoria "Pulped Naturals" do Cup of Excellence - Brazil 2017, principal concurso de qualidade do País, que a entidade realiza em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a Alliance for Coffee Excellence (ACE).

Dos cafés classificados, 19 (22,4%) são originários da região das Matas de Minas Gerais; 16 (18,8%) da Chapada Diamantina (BA); 14 das Montanhas do Espírito Santo (16,5%); 11 do Sul de Minas (12,9%); 10 da Indicação de Procedência da Mantiqueira de Minas (11,8%); seis (7,1%) da Denominação de Origem do Cerrado Mineiro; quatro (4,7%) da Indicação de Procedência do Norte Pioneiro do Paraná; três (3,5%) da Média Mogiana do Estado de São Paulo; uma (1,2%) da Chapada de Minas; e uma da Indicação de Procedência da Região de Pinhal (SP). Confira os produtores classificados no site da BSCA: http://brazilcoffeenation.com.br/contest-edition/show/id/4.

As 85 amostras selecionadas participarão, agora, da Fase Nacional do Cup of Excellence - Brazil 2017 na categoria "Pulped Naturals", que ocorrerá de 1º a 5 de outubro, na sede da BSCA, em Varginha (MG). Na oportunidade, os juízes brasileiros analisarão esses cafés com base em aspectos como tipo, cor, aspecto, umidade, defeitos e qualidade de bebida. Os que obtiverem nota igual ou superior a 86 pontos (escala de zero a 100 do Cup of Excellence) se classificarão para a Fase Internacional do concurso, quando juízes de todo o mundo avaliarão as melhores amostras de cafés especiais do Brasil e definirão os vencedores desta edição.

A etapa internacional será realizada no Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), no Campus de Venda Nova do Imigrante (ES), instituição anfitriã do Cup of Excellence – Brazil 2017. Os campeões do concurso serão conhecidos no dia 22 de outubro, em cerimônia de anúncio e premiação dos vencedores no Clube Recreativo Venda Nova, no mesmo município.

BRAZIL. THE COFFEE NATION
O Cup of Excellence – Brazil 2017 é ação integrante do projeto setorial "Brazil. The Coffee Nation", que é desenvolvido em parceria por BSCA e Apex-Brasil, e tem como foco a promoção comercial dos cafés especiais brasileiros no mercado externo. O objetivo é reforçar a imagem dos produtos nacionais em todo o mundo e posicionar o Brasil como fornecedor de alta qualidade, com utilização de tecnologia de ponta decorrente de pesquisas realizadas no País. O projeto visa, ainda, a expor os processos exclusivos de certificação e rastreabilidade adotados na produção nacional de cafés especiais, evidenciando sua responsabilidade socioambiental e incorporando vantagem competitiva aos produtos brasileiros.

Iniciado em 2008, a vigência do atual projeto se dá entre maio de 2016 ao mesmo mês de 2018 e os mercados-alvo são: (i) EUA, Canadá, Japão, Coreia do Sul, China/Taiwan, Reino Unido, Alemanha e Austrália para os cafés crus especiais; e (ii) EUA, China, Alemanha e Emirados Árabes Unidos para os produtos da indústria de torrefação e moagem. As empresas que ainda não fazem parte do projeto podem obter mais informações diretamente com a BSCA, através dos telefones (35) 3212-4705 / (35) 3212-6302 ou do e-mail exec@bsca.com.br.

Mais informações para a imprensa
BSCA – Assessoria de Comunicação
Paulo André Colucci Kawasaki
(61) 98114-6632 / ascom@bsca.com.br
BSCA - Brazil Specialty Coffee Association
Telefones: (35) 3212-4705 / 3212-6302
E-mail: ascom@bsca.com.br



CNC - Balanço Semanal de 11 a 15/09/2017



BALANÇO SEMANAL — 11 a 15/09/2017

Ação de CNC, Minasul e OCB pretende estimular a realização de reportagens que enalteçam os trabalhos e o profissionalismo de produtores e cooperativas em prol de uma cafeicultura mais sustentável

PRÊMIO CAFÉ BRASIL DE JORNALISMO — Com o objetivo de agregar valor às informações da sustentabilidade da cafeicultura na imprensa e reconhecer a importância dos profissionais da mídia e o seu compromisso com o desenvolvimento de pautas sobre os pontos sustentáveis da atividade cafeeira no Brasil, o Conselho Nacional do Café (CNC), a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e a Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Varginha (Minasul) lançam a primeira edição do Prêmio Café Brasil de Jornalismo – 2017.

Com o tema "A Importância das Cooperativas na Sustentabilidade da Cafeicultura Brasileira no Campo", pretende-se estimular a realização de reportagens que enalteçam os trabalhos e o profissionalismo dos produtores e suas cooperativas em prol de uma atividade cafeeira mais sustentável nos aspectos ambiental, social e econômico.

Poderão participar jornalistas com atuação em todo o Brasil, com registro profissional comprovado junto ao Ministério do Trabalho e que tenham suas reportagens publicadas em veículos de comunicação do País (Televisão, Rádio, Impresso – jornal e revista – e Internet – portais de notícias), com exceção a blogs e redes sociais, entre 1º de janeiro e 16 de outubro deste ano.

A remuneração total do Prêmio será de R$ 90 mil, distribuída entre as quatro categorias (TV, Rádio, Impresso e Internet). O campeão de cada uma será contemplado com R$ 10 mil. O segundo colocado receberá R$ 7,5 mil, enquanto o terceiro lugar terá R$ 5 mil como gratificação. A cerimônia de premiação e anúncio dos vencedores ocorrerá em Brasília (DF), na Casa do Cooperativismo Brasileiro, sede da OCB, em horário e data a serem comunicados futuramente.

O CNC explica que, além de promover a sustentabilidade da cafeicultura nacional no campo, a realização do Prêmio também integra o cronograma brasileiro de ações comemorativas ao Dia Internacional do Café, festejado oficialmente em 1º de outubro, mas celebrado ao longo de todo o ano nas nações cafeeiras mundiais, conforme orientação da Organização Internacional do Café (OIC).

O regulamento, as inscrições e demais informações podem ser obtidas na página do Prêmio Café Brasil de Jornalismo – 2017 (http://www.cncafe.com.br/premio-cafe-brasil/).

FUNCAFÉ — De acordo com informações atualizadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) até a manhã desta sexta-feira, 15 de novembro, o volume de recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) liberado aos agentes financeiros, com data de referência de 12 de setembro, é de R$ 2,255 bilhões (clique na tabela abaixo), respondendo por 49% do total de R$ 4,598 bilhões solicitados na temporada cafeeira atual.

Do montante recebido pelas instituições, R$ 993,2 milhões foram destinados para a linha de Estocagem; R$ 537,1 milhões ao Financiamento para Aquisição de Café (FAC); R$ 394,8 milhões para Custeio; e R$ 329,5 milhões para as linhas de Capital de Giro, sendo R$ 168,6 milhões para Cooperativas de Produção, R$ 106,3 milhões para Indústrias de Torrefação e R$ 54,6 milhões para o setor de Solúvel.

MERCADO — O mercado internacional do café registrou ganhos no acumulado desta semana, sendo puxado, inicialmente, pelo enfraquecimento do furacão Irma nos Estados Unidos e pela ausência de novos testes nucleares por parte da Coreia do Norte até ontem, o que incentivou os players a investirem em ativos de risco como as commodities.

Na sequência, os ganhos foram motivados pela seca no Brasil e pelo desempenho pouco expressivo das exportações brasileiras, o que sugere aperta na oferta.

Ontem, na Bolsa de Nova York, o contrato C com vencimento em dezembro avançou 700 pontos em relação à sexta-feira passada, cotado a US$ 1,3765 por libra-peso. Na ICE Futures Europe, o vencimento novembro do contrato futuro do robusta fechou a US$ 1.993 por tonelada, com alta de US$ 33.

No Brasil, as previsões meteorológicas são preocupantes, indicando a continuidade de tempo seco, ensolarado e quente na maioria do cinturão cafeeiro. A Somar Meteorologia informa que a umidade que vem do mar pode causar chuva fraca somente entre Bahia, Zona da Mata de Minas Gerais e norte do Espírito Santo.

A informação preocupa principalmente os cafeicultores dos Estados de São Paulo e Paraná, onde as lavouras tiveram uma florada precoce, ainda em agosto, favorecidas pelas chuvas atípicas naquele período. No entanto, sem a continuidade das precipitações, há possibilidade de não pegamento dessas flores.

Segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), apesar de haver aposta em uma boa produção de robusta na safra 2018/19, as condições climáticas para as próximas semanas são essenciais ao início do ciclo e, pelos prognósticos, setembro ainda não deve ser tão chuvoso na região Centro-Sul do Brasil.

A instituição anota, ainda, que, no Espírito Santo, mesmo com as chuvas dos últimos meses, as reservas hídricas capixabas não estão em níveis confortáveis. De acordo com o Cepea, atualmente, "com a previsão de menores volumes de chuvas neste mês, produtores devem manter a irrigação nos cafezais para favorecer o pegamento das flores", enquanto seja permitida a rega de lavouras.

Em meio a este cenário, os indicadores calculados pelo Centro de Estudos acompanharam o avanço das cotações internacionais, o que motivou os agentes a serem mais ativos no spot e a realizarem alguns negócios no começo da semana.

Porém, com a preocupação com o clima no Brasil, o mercado voltou a se acalmar. Os indicadores calculados pelo Cepea para as variedades arábica e conilon foram cotados, ontem, a R$ 462,28/saca e a R$ 397,25/saca, com variações de 3,8% e 0,7% na comparação com o fechamento da semana anterior.

No Brasil, o dólar comercial avançou 1,4% frente à sexta-feira passada, sendo negociado a R$ 3,1381. A evolução foi motivada pela expectativa quanto às denúncias contra o Governo Federal, mas, à medida que o mercado interpretou que não houve novidades, a moeda devolveu parte dos ganhos a partir de ontem.

Atenciosamente,
Deputado Silas Brasileiro
Presidente Executivo
CNC - Sede Brasília (DF)
SCN Qd. 01, Bloco C, nº 85, Ed. Brasília Trade Center - Sala 1.101 - CEP: 70711-902
Fone / Fax: (61) 3226-2269 / 3342-2610
E-mail: imprensa@cncafe.com.br

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog