A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

sexta-feira, maio 29, 2015

Felipe Moura Brasil: Cadê a “consternação” de Dilma com a morte dos dois brasileiros no avião abatido pela Venezuela? Cadê a nota?



Em janeiro, Dilma Rousseff ficou “consternada e indignada” ao saber da execução do traficante brasileiro Marco Archer na Indonésia e chamou o embaixador em Jacarta para consultas.

“O recurso à pena de morte, que a sociedade mundial crescentemente condena, afeta gravemente as relações entre nossos países”, dizia a nota oficial do governo do PT.

Agora, a Indonésia é logo ali, na Venezuela, parceira do PT no Foro de São Paulo.

Os dois brasileiros mortos na queda do avião abatido pela Força Aérea venezuelana seriam os amazonenses Fernando César Silva da Graça, 29, e Klender Hideo de Paula Ida (foto), 24.




A Guarda Nacional Bolivariana, sempre suspeita, disse ter encontrado os documentos dos dois e mais de 600 pacotes de cocaína de alta pureza no descampado onde se espatifou o Embraer, além de dólares, pesos colombianos e aparelhos de telefone por satélite.



Perguntas:

- Dilma não está “consternada e indignada”?

- Não vai questionar como a droga e os documentos ficaram intactos após o abate?

- Não vai chamar o embaixador do Brasil em Caracas para consultas?

- Não vai confortar as famílias dos amazonenses, que ainda tinham esperanças de os corpos não serem deles?

- Não vai nem tentar explicar as diferenças entre um abate e um fuzilamento?

- Não vai emitir notinha oficial?

- Que tal confessar que a eliminação de brasileiros no exterior só afeta gravemente as relações com países democráticos, não com ditaduras amigas do PT?






De ACRITICA.COM:

'Essa droga foi posta pra difamar meu filho', afirma mãe de piloto de avião derrubado na Venezuela



Avião com dois amazonenses a bordo foi abatido pela Força Aérea Venezuelana, da Força Armada Nacional Bolivariana (FANB), na madrugada do domingo (24)


A família de Klender Hideo de Paula Ida, de 24 anos, piloto do avião derrubado na Venezuela no último fim de semana, afirmou na tarde dessa quarta-feira (27) para reportagem da TV A Crítica que o rapaz avisou na última sexta-feira (22) que iria para o município amazonense de Itacoatiara fazer uma instrução de voo numa escola e voltaria pra casa na segunda (25).

Porém, nesta quarta-feira, o Itamaraty confirmou a informação divulgada pelo Ministério para Relações Interiores, Justiça e Paz da Venezuela, que dizia que um avião com dois amazonenses foi abatido pela Força Armada Nacional Bolivariana (FANB), na madrugada do último domingo (24). O avião teria saído do Aeroclube de Manaus.

A mãe do piloto, Telma Silva, ainda muito abalada pela notícia, afirma que esse seria o último que ele iria fazer. “Ele deixou o celular em casa e saiu. Foi a última vez que vi meu príncipe”, conta.

João Marcos Silva, tio de Kendler, afirma que o rapaz era um piloto experiente e fazia voos constantemente saindo do Aeroclube. O tio disse que não conhecia o co-piloto e ainda espera por informações mais concretas. “Até o momento a gente não sabe dar informação... É difícil né”, diz.

Ainda segundo o tio, nesta quinta-feira (28) o pai de Kendler viaja para Caracas, capital do país vizinho, para tentar entender o que aconteceu com o filho e recuperar o corpo.

Segundo a Força Aérea Brasileira (FAB), o último voo registrado da aeronave pilotada por Kendler ocorreu no dia 23 de fevereiro deste entre o Aeroclube de Flores, em Manaus, e a cidade de Borba (AM). A diretoria do Aeroclube não quis se pronunciar sobre o acidente, alegando não ter informações do piloto e nem da aeronave para repassar para a imprensa.

Caças abateram bimotor

O avião bimotor Embraer EMB-820C, de prefixo PT-RCN, foi derrubado no município de Ricaurte, no estado venezuelano de Cojedes, na Venezuela, no último domingo (24). Além de Kendler, Fernando César Silva Da Graca, de 32 anos, também estava a bordo.

No local da queda dos destroços, visitado por Irwin, presidente do Escritório Nacional Antidrogas da Venezuela, na segunda-feira (25), os corpos já estavam parcialmente carbonizados, mas documentos, como Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e passaportes dos dois amazonenses, foram encontrados, assim como US$ 500, 1,7 mil pesos colombianos e algumas moedas de real.

Ao todo, 616 tabletes de cocaína (comprovado por laudos forenses apresentados pelas autoridades venezuelanas) também estavam no avião. O local onde a droga estava armazenada e o motivo de permenecer intacta, apesar do avião estar irreconhecível, não foram esclarecidos. Também foi comprovado que a aeronave tinha um prefixo venezuelano falso "colado" em cima da identificação real.








quarta-feira, maio 27, 2015

Oposicionistas recebem do MBL o pedido de impeachment de Dilma



A marcha pela liberdade promovida pelo Movimento Brasil Livre entregou hoje aos deputados da oposição o pedido de impeachment da presidente Dilma. Foi uma longa caminhada, de São Paulo à capital federal:


Acompanhados pelo deputado Alberto Fraga (DEM-DF), integrantes do Movimento Brasil Livre (MBL), que fez a marcha de São Paulo para Brasília, entregaram nesta quarta-feira o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff a parlamentares de oposição, entre eles o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), o deputado Carlos Sampaio, líder do PSDB na Câmara, e o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ).


Depois, eles se dirigiram ao gabinete do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Em uma caixa, os manifestantes traziam assinaturas de apoio ao impeachment.


Fora do Congresso, cerca de mil pessoas, segundo a Polícia Militar do DF, protestaram contra o governo. Alguns carregavam bandeiras pedindo intervenção militar. Na segunda-feira, ativistas do movimento disseram que a estimativa era de 30 mil pessoas em frente ao Congresso.


Ativistas do MBL iniciaram a marcha em São Paulo no dia 24 de abril e chegaram na capital federal na segunda-feira.(O Globo).


FOLHA POLÍTICA: Veja vídeos da manifestação pelo impeachment de Dilma em frente ao Congresso Nacional



Vídeos publicados nas redes sociais expõem a chegada e o andamento da “Marcha pela Liberdade”, que culminou, hoje, com o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff sendo protocolado no Congresso Nacional. Veja vídeos:




Cunha não arquivará pedido de impeachment feito pelo MBL


Pedido de Impeachment da presidente Dilma Rousseff

Não adiantou a pressão contrária de certos setores da oposição parlamentar. A Marcha pela Liberdade chegou em Brasília, enfrentou uma greve de ônibus deflagrada no dia, reuniu 1 mil manifestantes na porta do Congresso e protocolou o pedido de impeachment.

Resultado da pressão? O presidente da Câmara Eduardo Cunha prometeu submeter à análise jurídica o pedido feito pelo MBL. Isso significa que a presidente Dilma ficará sob pressão durante o período de análise do pedido, se o resultado da análise for favorável, Eduardo Cunha fica livre para dar encaminhamento quando bem entender.



Diferentemente dos pareceres de Miguel Reale Jr., Ives Gandra Martins e Adilson Dallari que possuem menos de 100 páginas cada um, o pedido do Movimento Brasil Livre possui aproximadamente 3 mil páginas.

Parabéns para o Movimento Brasil Livre e para todos os brasileiros de oposição!

CORREIO BRAZILIENSE: Após caminhada com início em SP, grupo pede impeachment de Dilma no DF



O Movimento Brasil Livre pede também a a redução da máquina do Estado, privatização das empresas públicas, fim do monopólio estatal em áreas como petróleo, gás e correios

Manifestantes se reúnem na Esplanada dos Ministérios para pedir o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Após uma caminhada que se iniciou no último dia 30 em São Paulo, o Movimento Brasil Livre se concentrou em frente ao Museu Nacional, nesta quarta (27/5) e por volta das 14h, seguiu em caminhada em direção ao gramado do Congresso Nacional. Segundo o Batalhão de Trânsito Rodoviário, as duas faixas do Eixo Monumental ocupadas durante o ato já foram liberadas.


 
A Policia Militar do DF informou que cerca de 200 manifestantes participaram da concentração e, durante todo o ato, foram acompanhados por homens do 6º batalhão de polícia.



O grupo fez a primeira concentração no Parque da Cidade e, em uma caminhada de pouco mais de 4 km, foi em direção à Esplanada. Os participantes carregavam uma grande bandeira com as cores do Brasil e cartazes pedindo o afastamento de Dilma.







FOLHA POLÍTICA: Manifestantes entregam na Câmara pedido de impeachment de Dilma




Imagem: Fernanda Calgaro/G1 



Após uma marcha de um mês a pé de São Paulo a Brasília, integrantes do Movimento Brasil Livre (MBL) protocolaram nesta quarta-feira (27) na Câmara dos Deputados um pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Os manifestantes foram recebidos por deputados de partidos da oposição, incluindo PSDB, DEM e PPS, na rampa do Congresso. De lá, seguiram para uma audiência com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

"Vamos entregar um protocolo com mais de mil páginas com pareceres jurídicos sobre as pedaladas fiscais e acordos de leniências que legitimam o pedido de impeachment", disse o coordenador de unidades do Movimento Brasil Livre, Caique Mafra.

Mais cedo, os manifestantes fecharam três das seis faixas da Esplanda dos Ministérios. Segundo Mafra, representantes do movimento de várias regiões do país participam da marcha. A organização estimou em 500 o número de integrantes da manifestação. A Polícia Militar estimou entre 300 e 400 o número de participantes do ato, que reúne também o Movimento Brasil Limpo e Banda Louca, ambos de São Paulo.

Com carro de som e faixa, os manifestantes entoaram cantos contra a presidente Dilma e soltaram balões verdes e amarelos.

Os parlamentares oposicionistas comemoraram o gesto e cobraram uma posição do presidente da Câmara para que coloque em votação o pedido.

“Esperamos que o presidente Eduardo Cunha se debruce sobre esse pedido, que vem embasado em parecer de jurista de nome nacional, o Ives Gandra Martins, e, portanto, tem respaldo”, disse o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP).

“Ele [Cunha] vai ter que submeter a voto e o Brasil vai querer saber quais os deputados que votaram contra ou a favor do impeachment”, continuou Sampaio.

Integrantes do PSDB chegaram a ensaiar a apresentação de um pedido de impeachment, mas, após análises internas, o partido mudou de estratégia e entrou com uma representação na Procuradoria Geral da República contra a presidente por supostos crimes contra as finanças públicas e de falsidade ideológica. 



Veja também:








Fernanda Calgaro/G1
Editado por Folha Política

Mídia BOICOTA manifestação agora em frente ao CONGRESSO NACIONAL



A mídia televisiva mais uma vez se curvou às ameaças e se manteve completamente calada em relação ao movimento de diversos grupos de oposição que se encontraram nessa tarde para um ato contra o governo Dilma.

Dezenas de pessoas passaram a noite na Esplanada em um acampamento improvisado. Pelo menos três grandes carros de som estão agora disparando palavras de ordem contra os parlamentares e membros do executivo. Mas, as redes de TV e principalmente os canais de notícias não deram um pio sobre o assunto.

 

Ha informações que chegam pelas redes sociais nos dizendo que algumas empresas de ônibus pararam nessa tarde no Distrito Federal, o que prejudica a movimentação de pessoas e sua chegada ao Congresso Nacional.

Manifestantes defendem Impeachment, intervenção militar e “tortura na hora certa”



Um grupo de manifestantes está concentrado em frente ao Congresso Nacional e protesta contra os políticos.


Além de pedir o Impeachment da presidente Dilma Rousseff, o grupo também grita palavras de ordem contra os políticos de uma forma geral.

O PT também tem sido alvo de músicas e da raiva dos manifestantes. A polícia fez um cordão de isolamento ao redor da entrada principal do Congresso e observa o até aqui pacífico movimento.

Os manifestantes defendem intervenção imediata na política e há até aqueles que pregam “tortura na hora certa”

Assista:


Autor:  no Poder Online

MARCHA PELA LIBERDADE ENTREGA PEDIDO DE IMPEACHMENT DA DILMA NESTA QUARTA ÀS 15 HORAS NO CONGRESSO EM BRASÍLIA. VEJA UM RESUMO DO PEDIDO.

Do Blog do Aluizio Amorim

Em 15 de março e 12 de abril, milhões de brasileiros saíram às ruas em centenas de cidades para demonstrar sua insatisfação com a presidente Dilma Rousseff. Depois disso, em 24 de abril, um grupo de manifestantes iniciou uma marcha rumo a Brasília (DF) para pedir o impeachment da presidente da República. O desfecho acontecerá nesta quarta-feira às 15 horas, quando o documento será entregue pessoalmente ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Não é a primeira representação do tipo contra Dilma. Mas o documento de aproximadamente 3.000 páginas se torna o único com sustentação jurídica suficiente para não ser descartado de imediato.
A peça principal, à qual o site de VEJA teve acesso, se baseia em quatro pontos. Em todos, Dilma é acusada de negligência, nunca de ação direta. No entender dos autores do pedido, isso aumenta a probabilidade de punição, já que não será preciso comprovar a participação ativa da presidente em cada um dos atos questionados.
O primeiro item cita a omissão de Dilma diante do escândalo de corrupção na Petrobras. O pedido afirma que, ao não demitir Graça Foster do comando da empresa e Edison Lobão (PMDB-MA) do Ministério de Minas e Energia, mesmo depois de ambos se tornarem alvos dos investigadores, Dilma cometeu crime de responsabilidade.
O segundo item lembra que Dilma não demitiu Guido Mantega do Ministério da Fazenda nem Alexandre Tombini do Banco Central quando os dois executaram as "pedaladas fiscais" em 2013 e 2014, já comprovadas pelo Tribunal de Contas da União.
O terceiro afirma que Dilma não tomou providências diante da manobra fiscal gestada para maquiar o descumprimento da meta de superávit em 2014. Só em dezembro é que o Congresso alterou a lei na qual constava a meta e, assim, poupou o governo de ser responsabilizado. "Resta evidente que tal alteração foi casuística, com um único propósito, qual seja: evitar a responsabilização do governo federal pelo descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal", afirma o pedido.
O quarto ponto afirma que Dilma nada fez quando o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) concedeu empréstimos sigilosos e financiou vinte empreendimentos no exterior, o que configuraria desvio de função.
O documento se baseia, sobretudo, na lei 1.079/50, que estabelece como crime de responsabilidade do presidente da República "não tornar efetiva a responsabilidade dos seus subordinados, quando manifesta em delitos funcionais ou na prática de atos contrários à Constituição".
O professor de Economia Adolfo Sachsida é um dos 22 subscritores do pedido, que foi articulado por grupos oposicionistas como o Movimento Brasil Livre. "De maneira alguma acusamos a presidente de desonesta. O nosso pedido de impeachment não é baseado em desonestidade. Contudo, as leis são claras: negligência e imperícia são crimes", afirma ele.
O documento ainda afirma que, por uma "interpretação teleológica", Dilma pode ser responsabilizada por atos que ocorreram em seu primeiro mandato. Isso porque, quando a Constituição foi elaborada, não havia possibilidade de reeleição. Assim, mesmo que a presidente esteja em seu segundo mandato, os autores da representação defendem que o seu governo é um período único.
A epígrafe do pedido traz uma citação de Rui Barbosa: " lei, Toda vez que o presidente, o vice-presidente, ou outro funcionário que violou ciente e deliberadamente os termos expressos da Constituição, ou qualquer outra que lhe cometa funções não discricionárias, ou sendo a função discricionária, exerceu-a caprichosa, perversa, leviana, ou obcecadamente, impassível ante as consequências desastrosas desse proceder, cabe ao caso o julgamento político".
Protesto - Os organizadores da Marcha Pela Liberdade esperam pelo menos 2.000 pessoas a favor do impeachment em frente ao Congresso Nacional nesta quarta-feira. O grupo deve ser recebido por parlamentares de oposição. O primeiro passo do pedido de impeachment será a análise da Mesa Diretora da Câmara, que pode engavetar o requerimento. Se o pedido for levado adiante, terá início um longo processo que depende do apoio de dois terços da Câmara e no Senado para que Dilma seja punida com a perda do mandato. Do site da revista Veja

BANDA LOKA DETONA O PT DENTRO DO AVIÃO





Do Blog do Aluizio Amorim


La Banda Loka Liberal pousa em Brasília: faz um avião inteiro feliz e deixa um petista raivoso magoado.#MaisAmor ❤️

Posted by Marcel van Hattem na Quarta, 27 de maio de 2015

A Banda Loka detonou o PT no momento que antecedeu desembarque de avião em Brasília. Segundo consta, a Banda Loka, que é de Porto Alegre, estará em Brasília nesta quarta-feira, participando da concentração em frente ao Congresso Nacional, às 14 horas, quando a Marcha Pela Liberdade entregará o pedido de impeachment da Dilma e mais um conjunto de reivindicações aos deputados e senadores.

A grande mídia, com exceção da revista Veja e seu site, continua boicotando a Marcha Pela Liberdade.

Mas ver a Banda Loka deixando o povo feliz no avião para a infelicidade geral do PT não tem preço. Um petista que estava no avião tentou defender o PT do petrolão e do mensalão e roubos variados, mas foi sufocado pelo som da Banda Loka e as letras irreverentes de suas músicas.

O PT pensava que era sólido, mas desmancha no ar.

Veja aqui os videos!


'MARCHA PELA LIBERDADE' JÁ ESTÁ EM BRASÍLIA. ÀS 14 HORAS CONCENTRAÇÃO EM FRENTE AO CONGRESSO NACIONAL PARA A ENTREGA DO PEDIDO DE IMPEACHMENT DA DILMA.

Do Blog do Aluizio Amorim

A "Marcha Pela Liberdade" entrou pelo Eixo Monumental em Brasília. Às 14 horas desta quarta-feira e entrega do pedido de Impeachment
A Marcha pela Liberdade já está em Brasília. Chegou ontem, terça-feira, entrando pelo Eixo Monumental e hoje às 15 horas entregará umdocumento ao Congresso Nacional exigindo, entre outras coisas, o imediato impeachment de Dilma Rousseff.

Com exceção do site da revista Veja, a marcha foi boicotada pela grande mídia. A maioria dos veículos que ela se referiram normalmente deram um enfoque negativo. O destaque ficou por conta de um nebuloso acidente entre dois veículos que coincidentemente atingiu um dos líderes do movimento, Kim Kataguiri, ferindo um de seus braços e atingindo violetamente Amanda, uma moça que participadava da marcha. Os dois foram medicados e passam bem. Escaparam da morte por pura sorte. Esse acidente foi praticamente a única referência com destaque na maioria dos veículos da grande imprensa nacional.
Como não vejo televisão sei se as grandes redes cobriram a Marcha Pela Liberadade. Os estimados leitores que acompanham as redes de televisão poderão fornecer alguma informação nos comentários.

Dei uma passada rápida pelos principais sites noticiosos, inclusive os portais dos jornais de Brasília agora de manhã, e também não vi nenhuma notícia da Marcha.

Com disse, o único portal noticioso da internet que cobriu a Marcha Pela Liberdade foi o site da revista Veja. O jornalista Gabriel Castro, da sucursal de Veja de Brasília, fez uma excelente reportagem sobre a Marcha. Como esta matéria já está bem na parte final do site de Veja, já que foi postada ontem, terça-feira, faço a transcrição após este prólogo. Contém bastante informação deste movimento que na verdade deu prosseguimento e manteve na ordem do dia as mega manifestações de 15 de março e 12 de abril deste ano.
Como jornalista com mais de 40 anos de atuação tenho a dizer aos meus estimados leitores e ao público em geral, que nunca vi nada parecido no que respeita ao atual comportamento da maioria dos jornalistas e das direções dos veículos de comunicação em relação ao que está ocorrendo no Brasil. Se verifica por parte da maioria dos jornalistas e seus veículos um apoio que chega a ser fanático e, por isso até mesmo bizarro e incompreensível, como no caso da Folha de S. Paulo, ao desgoverno do PT, do acintoso e delirante ataque à democracia e à liberdade, incluindo a própria liberdade de imprensa. A par disso, todos as entidades sindicais dos jornalistas foram transformadas nos maiores aparelhos de propaganda comunista e que, em muitos casos, chegam a ser mais radicais que todo o radicalismo esquerdista já visto no universo. 

Seja como for, o fato é que a Marcha Pelo Liberdade chegou ao seu destino vencendo todos os obstáculos, inclusive o maior deles que foi o tratamento dispensado pela maioria dos veículos de comunicação e os próprios jornalistas, como protagnonizou aquela dupla da Folha de S. Paulo que seguiu parte do trajeto da Marcha e se preocupou em ver o que os seus integrantes compravam em shoppings de beira de estrada. A pauta que guiava os dois andróides escalados pelo Octávio Frias Filho era para detonar o movimento. Não conseguiram. Isto no entanto não quer dizer que o Pravda paulista desistirá do seu intento de promover, por mais ridículo e extemporâneo que isso possa parecer, a revolução comunista bolivariana no Brasil.

Transcrevo a reportagem de Gabriel Castro, do site de Veja, que reflete a realidade desse movimento que sem dúvida tem o apoio e o carinho da maioria da população brasileira. Mais uma vez recomendo aos brasileiros que não gastem seu dinheiro comprado esses jornalecos vagabundos e mentirosos, com exceção da revista Veja que além do mais não cobra um tostão para acessar o seu site integralmente. E ainda há os blogs independentes de jornalistas profissionais, como este aqui e as redes sociais. Eis a reportagem de Gabriel Castro:
OS ANDARILHOS DO IMPEACHMENT
Por Gabriel Castro/Veja
Logo depois de conceder uma entrevista na Associação Comercial de Taguatinga (DF), Renan Santos pergunta: "E aí, a gente estava parecendo esquerdista?". Ele usa uma camiseta simples, lenço amarrado ao pescoço e uma manta marrom em torno dos ombros. Tem a barba crescida e o cabelo desarrumado. De fato, poderia facilmente ser tomado por militante do raivoso PSOL. Mas é um dos líderes da Marcha Pela Liberdade, que defende o liberalismo econômico e está em Brasília para pedir o impeachment de Dilma Rousseff.
Na entrevista coletiva, concedida na última segunda-feira, Renan era acompanhado de Kim Kataguiri, um franzino nipo-brasileiro de 19 anos, Fernando Holiday, negro, 18 anos, e Fábio Ostermann, 30 anos, que apresentava sinais de insolação.
A pergunta de Renan tem sentido: o idealizador da marcha e um dos coordenadores do Movimento Brasil Livre pretende desfazer alguns paradigmas estéticos dos liberais - ou direitistas, embora o termo seja menos usado pelo grupo. "Quero criar uma confusão na cabeça das pessoas de esquerda", brinca ele. É uma revolução estética, não de conteúdo. "O liberalismo é mais antigo do que o marxismo", pontua Renan, formado em direito pela Universidade de São Paulo (USP) mas dedicado à sua empresa de marketing digital.
Kim Kataguiri, 19 anos, um dos líderes do Movimento Brasil Livre.
DOCUMENTO TEM 3 MIL PÁGINAS
Renan, Kim, Fernando e Fábio são parte de um grupo que percorre nesta quarta-feira seus últimos quilômetros de caminhada antes do "Dia D": o dia em que entregarão ao Congresso Nacional um pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. É a primeira petição do tipo com robustez e fundamentação jurídica. O documento possui cerca de 3.000 páginas, baseia-se no parecer de juristas e cita a compra da refinaria de Pasadena, as "pedaladas fiscais" e o acordo de leniência com empreiteiras da Lava Jato.
A marcha saiu de São Paulo em 24 de abril com 22 participantes. Em Brasília, são aproximadamente 40, dos quais 15 estão na jornada desde o início. O ato foi organizado pelo Movimento Brasil Livre, que nasceu em novembro de 2014. Renan, o idealizador do protesto, tem faro marqueteiro. Foi ele, por exemplo, quem enxergou o potencial midiático de Kim Kataguiri, que começou a gravar vídeos para responder as barbaridades que ouvia em sala de aula e se tornou o rosto mais conhecido do movimento. Fernando Holiday tem uma história parecida. Ambos contam com o apoio da produtora de vídeos comandada por Renan - que já prepara um documentário sobre a marcha.
A caminhada rumo a Brasília foi inspirada em protestos semelhantes comandados Martin Luther King. A ideia era dar consequência aos protestos que mobilizaram milhões de pessoas em 15 de março e 12 de abril para protestar contra o governo Dilma. O movimento também é fruto da constatação de que falta à direita algo que a esquerda sempre explorou ao máximo: a linguagem do heroísmo e do sacrifício. "É uma forma de destruir o monopólio de todos os simbolismos que hoje a nossa esquerda mantém no país", diz Kim Kataguiri.
Renan Santos concede entrevista em Taguatinga (DF). Ao fundo, Fernando Holiday e Kim Kataguiri(Facebook/Reprodução)
DIVERSIDADE DE CLASSES
Os moradores de bairros de classe média e alta de São Paulo são maioria no grupo. Mas há figuras como o jovem Jean Batista, de 19 anos, que vive em Manaus (AM) e sempre estudou em escola pública, o encanador Uilson Vieira, de 42 anos, que mora em Aracaju (SE). "O governo do PT só escraviza o povo, principalmente no Nordeste, com o Bolsa Família. Isso forma um curral eleitoral", diz ele, que alugou seu carro por 500 reais para bancar os custos da viagem até São Paulo.
Fernando Holiday, por sua vez, deixou o curso de Filosofia na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e, quando voltar a Carapicuíba (SP), onde mora, deve iniciar um pré-vestibular. Quer cursar jornalismo. Ele vive com a mãe, funcionária pública aposentada. A renda da casa não chega a 2 000 reais mensais. Hábil com as palavras, Holiday se tornou um dos oradores "oficiais" do movimento - e um bom exemplo para desmentir a tese de que apenas a "elite branca" se opõe ao governo. "Isso é lorota para tentar separar a população. Em todos os lugares por onde passamos, as pessoas não suportam mais esse governo", afirma.
Uma figura peculiar no grupo é Ian Garcez, que tem 24 anos e mora em Florianópolis. O jovem percorreu toda a caminhada usando sapato social, calça e camisa de manga longa. Ian formou-se em geografia mas, hoje, se dedica ao estudo da história da arte e ao seminário de filosofia de Olavo de Carvalho, uma das referências intelectuais do conservadorismo brasileiro.
O grupo que marchou até Brasília abriga diversidade de ideias. Há os que se intitulam liberais (defensores de um Estado restrito às funções essenciais), os que se identificam como conservadores (que também pedem mais liberdade econômica, mas dão relevância a pautas como a oposição ao aborto) e aqueles que simplesmente se indignaram com a corrupção no governo petista e decidiram reagir.
Mas, como mostram os casos de Kim (que largou a universidade no primeiro semestre), Fernando, Jean e Ian, existem alguns traços em comum: um deles é a descrença no sistema educacional, ainda muito influenciado por ideias de esquerda. Outro ponto unânime é a desconfiança nos partidos políticos - mesmo os de oposição.
O sentimento só ganhou força na semana passada, quando o PSDB decidiu não pedir o impeachment de Dilma neste momento. O senador Aécio Neves, presidente da sigla, virou alvo preferencial do grupo. Na entrevista desta segunda-feira, o nome dele foi mais citado do que o de Dilma.
PRESSÃO SOBRE POLÍTICOS
O comportamento também mostra que os integrantes do MBL possuem algo que a militância apartidária só agora começa a ter: estratégia. Os ataques ao presidente da sigla (e não ao PSDB como um todo) são uma tentativa de constranger o tucano a adotar uma postura mais incisiva. Os líderes da marcha sabem que, entre os deputados federais do PSDB, a tese do impeachment é amplamente apoiada. "Se o impeachment não for colocado em votação, ao menos a gente abre uma vala e mostra quem são os oposicionistas em sintonia com a voz das ruas e quem não está", diz Renan.
A caminhada rumo à capital federal incluiu percalços. O grupo normalmente hospedou-se em lugares cedidos por apoiadores da causa. Nem sempre havia chuveiros. Quase nunca havia camas e os participantes dormiram em colchões infláveis. Alguns optaram por hotéis de baixo custo - pagos do próprio bolso. A roupa precisou ser lavada em pias de banheiro. Mas nenhum dos participantes demonstra arrependimento. Nem mesmo depois do maior susto da marcha: Kim Kataguiri e Amanda Alves, de 28 anos, foram atropelados em um trecho de caminhada noturna, perto da cidade de Abadiânia (GO), no último sábado. Ele feriu o braço e o abdômen, mas voltou a caminhar com o grupo no dia seguinte. Amanda machucou a cabeça e levou dez pontos na testa, mas deve estar em Brasília nesta quarta, quando o pedido contra Dilma Rousseff será apresentado ao Congresso Nacional. Não faltou nada para construir a narrativa de heroísmo e sacrifício dos andarilhos do impeachment. Do site da revista Veja

quarta-feira, maio 20, 2015

JORGE OLIVEIRA: NO BRASIL DE DOIS PRESIDENTES, TODO MUNDO MANDA E NINGUÉM OBEDECE. É O CAOS






O Brasil passa por um problema sério de identidade. Ninguém sabe quem manda. A avacalhação é geral. De repente, o Lula saiu da toca e começou a juntar um monte de gente para administrar o país esquecendo que a Dilma ainda está no trono. Pretende com esses grupos políticos criar um governo paralelo e deixar a presidente falando sozinha, no vazio. Lula não admite – e já disse isso pessoalmente para Dilma – que ela mantenha sob seu guarda-chuva o ministro Aloizio Mercadante. Sabe que no cargo de chefe da Casa Civil é um pulo para o ministro disputar a presidência em 2018. Portanto, Lula não quer ninguém fazendo sombra às suas pretensões políticas.



Aos poucos, ele vai minando o poder da Dilma e do Mercadante. Exigiu que a presidente indicasse o vice Michel Temer para coordenação política do governo, uma forma de botar o Mercadante para escanteio. Ela, como sempre, obedeceu cegamente. Mas não demorou para dar o troco: não atende as demandas políticas e nenhum pedido do Michel, o que tem provocado um profundo mal estar no meio político, mas sobretudo dentro do PMDB, onde o vice já foi apelidado de chefe de departamento de pessoal.



Lula mexeu na Comunicação Social do governo. Botou de goela abaixo da Dilma seu amigo Edinho, tesoureiro da campanha, já enrolado na operação Lava Jato, para cuidar dos bilhões da publicidade, uma arma mortífera para enfrentar os donos dos jornais que pensam em fazer oposição ao seu nome em direção a 2018. Com o míssil apontado para o Mercadante, seu principal alvo no governo, ele agora juntou-se aos políticos de Brasília que também não veem o ministro com muita simpatia. Tudo de ruim no governo, Lula joga nas costas do Mercadante que resiste, não porque é um grande articulador político, mas porque a Dilma sabe que se ceder a mais essa pressão de Lula pode levá-la ao total esvaziamento do poder.



E no país de dois presidentes, tudo está indo para o fundo do poço. Eduardo Cunha, por exemplo, que até então não passava de um político de segunda linha, agora está dando as cartas. Quer, por exemplo, mudar o regimento para se reeleger na mesma legislatura; quer construir um anexo e um shopping na Câmara, mesmo com o país em crise; quer derrubar Rodrigo Janot e impedir a sua reeleição na Procuradoria Geral da República; e contratou sem licitação a empresa Kroll por 1 milhão de reais para ajudar na CPI da Lava Jato. Virou, de uma hora para outra, o popstar da política com um histórico que mal encheria uma merendeira.



Lula enxerga tudo isso e mantém-se firme no seu propósito de esvaziar a Dilma. Como a presidente está no mundo da lua com seu novo corpinho, o que pode se notar pelos seus últimos pronunciamentos quando trocou as bolas, nada melhor do que passar a imagem da sua fraqueza e da sua inércia para o país, numa bem orquestrada campanha com seus blogueiros chapas-brancas. O ex-presidente não se conforma com a limpeza que a Dilma fez no seu gabinete, expurgando os militantes mais próximos dele. Não se conforma, sobretudo, com a indicação de Fernando Levy, o Ministro da Fazenda, que não passou pelas suas mãos. Mas na disputa pelo poder, Lula não quer ficar à margem, por isso enfiou lá dentro do Planalto o Edinho que entende de comunicação como ele entende de fissão nuclear.



Nesse caos em que vive o país, cada um quer tirar uma casquinha. Até os delatores premiados já desdizem os seus depoimentos porque começam a entender que podem conviver com suas tornozeleiras de grife em casa com as contas bancárias abarrotadas de dólares lá fora. Eles sabem que no Brasil o crime compensa.



Enquanto isso, o país, sem projeto, vai se esfacelando nas mãos desse governo incompetente e corrupto.

Marcha pela Liberdade no DF: MBL CONFIRMA MEGA CONCENTRAÇÃO "OCUPA BRASÍLIA" DIA 27/MAIO E RECEPÇÃO À "MARCHA DA LIBERDADE" COM ENCAMINHAMENTO DO IMPEACHMENT DA DILMA



O Movimento Brasil Livre já criou no Facebook a página Ocupa Brasília, convidando todos a participarem a recepção à Marcha da Liberdade que segue a pé de São Paulo a Brasília. A chegada da marcha está prevista para o dia 27 deste mês de maio, quando haverá uma mega concentração em Brasília com o encaminhamento do pedido de impeachment da Dilma. O ato terá início a partir das 13 horas em frente ao Museu Nacional.

O texto-convite do MBL no Facebook diz o seguinte:

Dias 15 de março e 12 de abril fizemos história. Milhões de brasileiros indignados com os rumos políticos de seu país tomaram as ruas do Brasil para demandar o IMPEACHMENT da Presidente Dilma Rousseff.

Agora é hora de fazermos com que nossas vozes sejam ouvidas em Brasília, sem intermediários. Ocuparemos a capital federal em um grande ato público em defesa da democracia e das instituições republicanas.

Na Esplanada dos Ministérios, recepcionaremos os HERÓIS da Marcha pela Liberdade que terão caminhado mais de mil km desde São Paulo para demandar o IMPEACHMENT de Dilma.

Venha conosco, traga seus amigos e família. Ajude a escrever a história do Brasil!

Concentração a partir das 13h em frente ao Museu Nacional.



Marcha pela Liberdade no DF, divulgue, compartilhe, participe do Impeachment de Dilma!!!!

Abaixo segue um resumo do roteiro e atividades da Marcha pela Liberdade no Distrito Federal. Por favor, divulgue esse post, compartilhe nas redes sociais, comente com seus amigos e família. Vamos fazer um grande evento e acabar de vez com o pesadelo petista. Dia 27/05 é o Dia D, é o dia de pedir o impeachment da Presidente Dilma. Venha marchar conosco, venha fazer parte desse momento histórico!!! Serão três trajetos de caminhada no Distrito Federal, participe!!!!!

Dia 24/05 (domingo): 
16:00 horas: caminhada do posto da Receita Federal da BR-060 até o Parque Leão (11 km).

Dia 25/05 (segunda-feira): 
15:00 horas: carreata saindo da FACITA e passando por Taguatinga e Ceilândia.

Dia 26/05 (terça-feira):
08:00 horas: caminhada da antiga Rodoferroviária até o pavilhão de exposição no Parque da Cidade (6 km).

Dia 27/05 (quarta-feira): 

10:30 horas: caminhada do Parque da Cidade (pavilhão de exposição) até o Museu da República (4 km)

13:00 horas: caminhada do Museu da República até o Congresso Nacional (1 km).

13:30 horas: rezar o Pai Nosso na Catedral de Brasília

14:00 horas: chegada ao Congresso Nacional e assinatura do pedido de Impeachment.

Fonte: Blog do ADOLFO SACHSIDA

quarta-feira, maio 13, 2015

Procuradora desmente Lula e os blogs PeTistas: A investigação por tráfico de influência começa a tramitar no MPF









(Estadão) Responsável por conduzir as investigações no Ministério Público Federal no Distrito Federal contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a procuradora Mirella Aguiar descarta a possibilidade de pedir quebra de sigilo do petista. Integrante do núcleo de Combate à Corrupção do MPF, Aguiar foi sorteada para conduzir os procedimentos de coleta de informações sobre um suposto envolvimento de Lula em tráfico de influência no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Dentre as missões da procuradora está apurar se o ex-presidente atuou de forma indevida para induzir o banco a financiar obras da Odebrecht no exterior.


Os procedimentos preliminares, chamados de "notícia de fato", têm como origem uma representação, apresentada por um outro colega da procuradora, com base em reportagens jornalísticas.


"A quebra de sigilo é algo que a Justiça não costuma dar com base em notícias anônimas e equiparo um pouco a reportagem jornalística a uma notícia dessas porque não temos prova nenhuma. Qualquer tipo de invasão da esfera da intimidade, da privacidade do investigado tem que ser fartamente fundamentada. Quando se faz a pergunta se isso daqui poderia gerar uma quebra de sigilo, a inexistência de provas neste momento não autorizaria", ressaltou ao Estado a procuradora Mirella Aguiar.


Na análise dela, a quebra de sigilo nesta fase preliminar poderia acarretar, inclusive, anulação da investigação. "Se por acaso eu tiver esse deslize ou outro colega qualquer, de com base somente numa reportagem pedir uma quebra de sigilo e por acaso um juiz der, isso certamente será anulado no futuro. É preciso ter mais elementos. É preciso ter indícios veementes. A Constituição está certa em garantir a intimidade, senão bastava qualquer um vir aqui dizer qualquer coisa para as pessoas terem os seus sigilos afastados", afirmou.


A procuradora preferiu não dar detalhes sobre os próximos passos da investigação. A informação do início dos procedimentos foi revelada pela revista Época. Por meio do Instituto Lula, o ex-presidente rebateu as acusações e ressaltou que faz apenas palestras no exterior e não presta serviços de consultoria.


Apesar das negativas públicas do ex-presidente, a procuradora não descartou a possibilidade de Lula ter de apresentar formalmente, em depoimento ou por meio de ofício, sua versão. "Não posso dizer o que vai ser feito. Obviamente se for o caso de se investigar, se for o caso de as investigações avançarem, se for o caso de comprovar tudo aquilo que foi dito pela imprensa, as pessoas envolvidas deverão ter espaço para apresentar as suas versões", disse. "Isso pode ser feito de diversas formas, algumas vezes mandamos ofícios pedindo que esclareça alguns pontos. Outras vezes, quando tem detalhes que são mais complexos, podemos chamar para ouvir. Mas se a pessoa reside em outro lugar, podemos pedir para outro colega de outro lugar ouvir", acrescentou.


Inicialmente, a conclusão desta fase preliminar de investigação deve ocorrer no prazo de 30 dias. Para a procuradora, ainda é cedo, entretanto, para definir uma data. "Prazo pode ser prorrogado até 90 dias no caso de se configurar um crime. Se a gente achar algum outro elemento que possa configurar improbidade, os prazos são diferentes. Podemos instaurar um procedimento preliminar de 90 dias, podendo ser prorrogado por mais 90 dias. Mas precisa de muita coisa ainda para saber se [os fatos] procedem. Hoje não tem como definir uma data".

ALUIZIO AMORIM: INTEGRANTES DA MARCHA DA LIBERDADE DENUNCIAM AMEAÇA DE ATAQUE DO PT/MST EM SUA PASSAGEM PELO ESTADO DE MINAS GERAIS

Do Blog do Aluizio Amorim






O vídeo acima acaba de ser postado na página do Movimento Brasil Livre que coordena a Marcha da Liberdade que segue a pé de São Paulo a Brasília onde deve chegar no dia 27 de mês de maio quando haverá grande manifestação em Brasília em favor do imediato impeachment da Dilma. No vídeo Kim Kataguiri, do MBL, explica as ameaças do terroristas do PT em território mineiro sob o governo do amiguinho da Dilma, o Fernando Pimentel, que recentemente condecorou o chefete dos terrorista doo MST, o Stédile, com a maior comenda conferida pelo Estado de Minas Gerais. Os bate-paus do PT e do MST, segundo relatam Kataguiri e Renan, fizeram as ameaças quando os integrantes da Marcha Pela Liberdade participavam de evento na Câmara de Vereadores de Uberlândia. Num lapso Renan cita Uberaba, mas na verdade é Uberlândia, onde ocorreu a ameaça contra os integrantes da Marcha da Liberdade.

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog