A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quinta-feira, abril 08, 2004

Chocolate brasileiríssimo tem patente registrada

As Páscoas futuras podem ter uma boa novidade nas prateleiras. A Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF), da Universidade de São Paulo (USP), patenteou a tecnologia de fabricação de seis produtos provenientes do cupuaçu (Theobroma grandiflorum).
Segundo os pesquisadores envolvidos, o fruto nativo da Amazônia, da mesma família do cacau, traz diversas vantagens. O preço da gordura do cupuaçu, por exemplo, custa um terço da gordura do cacau, além de ser mais saudável por apresentar menor teor de teobromina, uma substância com efeitos estimulantes.
“Apesar de ser plantado em larga escala no Brasil, o cacau é um produto muito caro por não ser uma planta nativa. A nossa formulação provou que o cupuaçu é um excelente substituto, com basicamente as mesmas propriedades do cacau e um preço inferior”, disse a responsável pela pesquisa e pelo pedido de patente Suzana Caetano da Silva Lannes, do Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica da FCF, à Agência FAPESP.
Foram desenvolvidas versões meio amargo, ao leite e branco. As formulações levaram em conta que os produtos tivessem consistência semelhante à dos chocolates tradicionais. “Foi preciso fazer uma alteração na parte gordurosa do produto para deixá-lo com uma consistência ideal, que permitisse sua comercialização no mercado”, disse Suzana. Isso devido à gordura de cupuaçu ter apresentado maciez maior do que a manteiga de cacau, fazendo com que o produto ficasse muito mole, o que poderia dificultar sua comercialização em países com clima tropical.
Os pesquisadores também patentearam achocolatados de três tipos: tradicional, adicionado de cálcio e dietético. As três variedades são instantâneas e dissolvem assim que colocadas no leite.
Se a ciência resolveu o problema dentro do laboratório, um impasse jurídico, por causa das normas brasileiras, está instalado a partir de agora. Segundo Suzana, como os novos produtos não são feitos com manteiga de cacau, eles não podem, por lei, ser considerados ou comercializados como chocolates. A patente da USP, por exemplo, saiu como “produtos alimentícios a base de cupuaçu”.
“Nós patenteamos a otimização da formulação e toda a tecnologia que envolve a produção do cupuaçu com o objetivo de desenvolver a linha industrial. O produto está com as características ideias para ser comercializado, inclusive com relação ao sabor”, disse Suzana.
Para a pesquisadora, as autoridades competentes deveriam fazer uma revisão e criar uma legislação específica para o produto. Existe interesse de indústrias estrangeiras na formulação, além de a USP ter sido consultada por empresas nacionais interessadas em comercializar o novo “chocolate” de cupuaçu.


Fonte: FAPESP

BIOTECNOLOGIA : Ministro libera R$ 2 mi para fabricar inseto

O ministro Eduardo Campos (Ciência e Tecnologia) anunciou ontem a liberação de R$ 2 milhões para a construção de uma biofábrica em Juazeiro (a 500 km de Salvador), que será mobilizada no combate à mosca-da-fruta nos pomares da região. A biofábrica vai produzir 200 milhões de machos estéreis por semana. Esses machos vão competir com os insetos silvestres, que atacam as plantações de frutas e legumes da região. O processo competitivo é simples: após a cópula com os insetos estéreis, as fêmeas colocam ovos que não foram fecundados, provocando uma redução na geração seguinte. "A idéia não é acabar com as moscas, mas reduzir os insetos", disse Cássio Peixoto, 39, diretor do Departamento de Defesa Sanitária Vegetal, órgão ligado à Secretaria da Agricultura. As atividades da fábrica também envolvem a produção de 15 milhões de insetos por semana para combater a lagarta da macieira. As obras da biofábrica começam em agosto próximo. Cerca de 200 funcionários vão trabalhar diretamente na produção -outros 300 vão desempenhar atividades de suporte.

Fonte: AGÊNCIA FOLHA

Ouro Fino participa da Expo Londrina 2004 e leva o ex-big brother Rodrigo Leonel

Será apresentada a linha de produtos, com destaque para os Endectocidas, e Rodrigo Leonel, garoto-propaganda da empresa, estará no estande
Entre os dias 07 e 18 de abril, o Grupo Ouro Fino, empresa 100% brasileira que atua no segmento de medicamentos para saúde animal, participa da segunda maior exposição agropecuária do país, a Expo Londrina 2004, que acontece no Parque de Exposições Governador Ney Braga, em Londrina. A feira tem a expectativa de movimentar entre R$ 120 a R$ 150 milhões. O ex-big brother Rodrigo Leonel, garoto-propaganda da Ouro Fino, estará no estande da empresa no próximo dia 10 (sábado). Esta é a primeira vez que a empresa participa da Expo Londrina com estande próprio.
A empresa vai apresentar produtos de todas as suas unidades de negócios, mas o destaque será a linha de Endectocidas, medicamento que atua contra parasitas internos e externos nos bovinos. A Ivermectina Ouro Fino, produto dessa linha será a principal novidade, pois é o único medicamento com bioequivalência comprovada em testes realizados por pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Jaboticabal e Universidade de Ribeirão Preto (Unaerp). Segundo a pesquisa, o produto tem ação e resultados idênticos aos da primeira marca lançada no mercado mundial.
A Ivermectina Ouro Fino age contra parasitas que são pouco perceptíveis ao criador, pois atuam no intestino, estômago e pulmão dos animais. O produto atua também contra carrapatos, bicheiras, piolhos e sarnas. Estes parasitas afetam a qualidade da criação e causam sérios prejuízos aos criadores, pois interferem no crescimento e desenvolvimento dos animais. A Ivermectina é um produto que gera economia aos produtores ao eliminar os parasitas.
De acordo com o gerente regional da empresa, Rui Pedro, a participação na feira é fundamental para apresentar a qualidade dos produtos da Ouro Fino aos produtores do país. “A Expo Londrina é uma feira muito procurada, por isso tem se tornado de fundamental importância a nossa participação, para mostrarmos a competitividade da nossa empresa” afirma.
A Ouro Fino está com um estande próximo à pista de julgamento principal e, em parceria com um dos seus clientes, a Agropecuária Londrina, também está entre os pavilhões dos animais apresentando seus produtos.

Sobre o Grupo Ouro Fino
Fundada em 1987, a Ouro Fino é uma empresa 100% brasileira, com sede em Ribeirão Preto (SP), que industrializa e comercializa produtos para saúde animal. Atualmente é a décima companhia no ranking das empresas que operam no mercado de medicamentos veterinários no Brasil. Em 2004, o Grupo se estruturou em cinco unidades de negócios: Ouro Fino Saúde Animal (grandes animais), Ouro Fino Bem-Estar Animal (pet), Ouro Fino Animal Health (exportação), Ouro Fino AgroSciences (sementes forrageiras certificadas), Ouro Fino Cuidados Domésticos (produtos para pragas domésticas). No segmento veterinário a empresa tem mais de 8 mil clientes em todo o Brasil e conta com representantes em todas as regiões do país, além de exportar para 18 países. A Ouro
Fino tem 120 colaboradores externos e 320 colaboradores internos. Em 2003, a empresa teve um crescimento de 30% em relação ao ano anterior. O site da Ouro Fino é: www.ourofino.com


Com Texto - Comunicação & Marketing
Contato: Viviane Pacheco ou Rodrigo de Sousa Pinto
Tel: (16) 3911-5501 Cel: (16) 9607-6040 e (16) 9786-0136
E-mail: viviane@ctexto.com.br; rodrigo@ctexto.com.br
Site: www.ctexto.com.br

BARDAHL FAZ DEMONSTRAÇÃO DE PRODUTOS DA LINHA AGRÍCOLA NA AGRISHOW CERRADO 2004

Evento, que acontece de 13 a 17 deste mês em Rondonópolis/MT, deve reunir 250 expositores

A Bardahl, líder do mercado brasileiro de aditivos automotivos e que comemora 50 anos de Brasil em 2004, participará pela segunda vez da Agrishow Cerrado, que este ano acontece de 13 a 17 de abril em Rondonópolis/MT. No evento, que deverá reunir 250 expositores, entre companhias de sementes, fertilizantes e defensivos agrícolas, a empresa fará demonstrações dos produtos de sua linha agrícola, lançada recentemente no mercado brasileiro, para proteger tratores, colheitadeiras e implementos agrícolas da corrosão.
Esta linha, juntamente com a náutica (outra novidade da Bardahl), deverá ser responsável por cerca de 15% do crescimento da companhia este ano. Em 2003, a Bardahl faturou R$ 60 milhões e espera que este número chegue à casa dos R$ 72 milhões até dezembro. De acordo com Nelson Schenini Moreira, diretor executivo da Bardahl, a entrada da empresa nestes mercados ratifica o pioneirismo que sempre foi a marca da Bardahl no segmento automotivo nestas cinco décadas de atuação no Brasil. “No segundo semestre de 2003, implantamos um plano de testes dos novos produtos, finalizado em dezembro. Os estados de São Paulo e Mato Grosso foram palco destes testes e os resultados foram bastante positivos”, explica.
Ainda segundo Nelson, este novo mercado passou a ter uma importância estratégica para a Bardahl, pois há uma carência de produtos específicos para este nicho. “O Brasil é um país de indiscutível potencial agrícola. Basta ver os sucessivos recordes de produção de grãos nos últimos anos”, lembra. “Vale ressaltar também que não estamos apenas colocando bons produtos para o homem do campo, mas fazendo um trabalho de conscientização da importância do uso de protetivos, aditivos, lubrificantes e graxas para manter os equipamentos funcionando bem e por mais tempo. Tratores e colheitadeiras têm um alto custo e, se bem conservados, duram mais e diminuem os custos de manutenção do produtor rural”.
Na Agrishow Cerrado, a Bardahl terá um estande de 96 metros quadrados. Em seu espaço, a empresa fará demonstrações dos produtos Agrolub (lubrificante especial para correntes de implementos), Agroprotetivo 200 (protetivo especial), B-12 Turbo (aditivo para motores diesel e turbinados) e Max Diesel (aditivo de combustível para motores a diesel). Os dois últimos são da linha automotiva da Bardahl, mas podem ser usados em quaisquer motores diesel.
Em 2004, a Bardahl planeja várias ações de marketing para consolidar sua atuação na área agrícola, que incluem a participação em dias de campo e grandes eventos do setor. A empresa esteve na Agrishow Comigo, de 30 de março a 3 de abril em Rio Verde/GO, e também participará da Agrishow de Ribeirão Preto, entre 26 de abril e 1o de maio.

“Espírito jovem”
A Bardahl comemora 50 anos de Brasil em 2004 com “espírito jovem”. A empresa vem se destacando pela alta qualidade de seus produtos e pela filosofia de inovar sempre em todas as áreas em que fabrica aditivos, óleos, graxas e outros produtos. Além das áreas automotiva, náutica e agrícola, há a linha industrial, que abrange os segmentos têxtil, metalúrgico, gráfico, alimentício e de uso doméstico.
Com uma linha formada por 130 itens, a Bardahl possui 18 distribuidores espalhados por todo o Brasil e um total de 500 funcionários; destes, 350 ficam na fábrica da empresa em Cajamar, na Grande São Paulo, que tem 40 mil metros quadrados de área total. Por ocasião de seus 50 anos no país, a Bardahl investirá em marketing de 4 a 5% de seu faturamento. Entre as ações definidas pela empresa, estão o patrocínio de pilotos (Giuliano Losacco, da Stock Car, e Daniel Serra, da F-Renault), eventos esportivos (entre eles, os raids e passeios organizados pelo Jeep Clube do Brasil), a participação em feiras como a Adventure Fair, Salão do Automóvel e São Paulo Boat Show e anúncios em veículos especializados dos quatro segmentos em que a Bardahl atua.
Mais informações sobre a Bardahl e seus produtos podem ser obtidas no site www.promax.bardahl.com.br .

Paulo Ferro (Mtb. 23.190) / Doro Jr. (Mtb. 13.209)
E-mail: paulo@zdl.com.br

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog