A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quarta-feira, fevereiro 04, 2015

Ossami Sakamori: Impeachment da Dilma poderá ocorrer em 2015






Está desenhando o começo do fim da Dilma Rousseff frente à presidência da República. A estagnação da economia no ano passado, o déficit nas contas públicas e sobretudo pelo escândalo revelado da ladroagem na maior empresa estatal do País revelada pela Operação Lava Jato, pegou fundo na imagem da presidente Dilma.


Esta situação econômica do País e das operações duvidosas da Petrobras foi anunciado por mim, desde fevereiro de 2012, neste blog. Este blog veio denunciando nestes últimos 3 anos, o erro sistêmico da política econômica do governo Dilma, que só poderia terminar no que terminou. Criou-se um cipoal de problemas na estrutura econômica do País, que não pode ser resolvido por apenas algumas canetadas. 


É incrível como a imprensa e os analistas econômicos só aperceberam dos graves erros na formulação da política econômica da presidente Dilma nesse último ano do primeiro mandato. O grave problema de ladroagem na Petrobras e no BNDES, este blog vem denunciando há mais de 2 anos, sem que os agentes econômicos e políticos tomassem alguma providência.


O preço do erro sistêmico ficou visível para todos, desde o início do ano passado. A imprensa, começou levantar alguns destes problemas, sem que fosse dado caminho para correção do rumo. Precisou que a situação ficasse insustentável, agora no final do ano de 2014 para que a imprensa começar criticar os erro sistêmico da política econômica da Dilma. Mas, as críticas vieram tarde demais para a Dilma.


Com a nomeação do tucano Joaquim Levy para o Ministério da Fazenda, tive esperança no primeiro momento, de que o Brasil entraria no ciclo de crescimento sustentável com correção do erro sistêmico. Mas, as minhas esperanças na mudança da política econômica esvaíram-se nesse primeiro mês do segundo mandato da Dilma. A equipe econômica da Dilma, não mexeu no erro sistêmico ou nos fundamentos da política econômica que vem causando a estagnação da economia. 

Não vou comentar aqui os equívocos da política econômica porque demandaria série de explicações técnicas que já venho anunciando num série de matérias que já ascendem a 1.500 nestes últimos 3 anos.


O que está evidente também é a evidente consequência da revelação da ladroagem pela Operação Lava Jato da Polícia Federal e Ministério Público Federal. O assunto da Operação Lava Jato, colocou à luz a fragilidade do sistema Petrobras. O assunto da ladroagem na Petrobras que poderá fazer conexão com a ladroagem também no BNDES, Eletrobras e DNIT, poderá trazer desdobramentos inesperados. O processo poderá vai se arrastar por um período não mínimo a um ano.


Enquanto isto, a presidente Dilma, por mais que queira estar no comando, não conseguirá estar sob seu controle. Dilma continuará sangrando. A presidente Dilma não suportará, ela própria, o tamanho do desgaste político por muito tempo. Ela própria, já não consegue raciocinar e depende de recurso do teleprompter para fazer qualquer pronunciamento ou entrevista. Literalmente, ela está sob forte estresse pessoal.


Com a perda de controle político sobre a Câmara dos Deputados, a situação política da presidente ficou muito vulnerável. A Dilma terá neste ano, a situação agravante de não poder contar com a compra de votos dos parlamentares. Pelo menos neste ano, devido à exposição das ladroagens reveladas pela Operação Lava jato, não haverá dinheiro para compra de votos. Os políticos da base aliada ficarão sem o apoio financeiro, do Palácio do Planalto, diferença que presidente Dilma sentirá na sustentação do seu projeto político.


A minha previsão é de que a presidente Dilma, infelizmente para ela e felizmente para o povo brasileiro, não terá alternativa senão do mesmo destino trágico de presidentes que marcaram trágico fim dos seus mandatos. Todas situações vividas pelo País, de vacância do poder, se ocorrer na primeira metade do mandato, deverá ocorrer uma nova eleição para o cargo de presidente da República. 

A simples troca de comando da Petrobras não esgota os problemas criados pela ladroagem da Diretoria da Petrobras. Viro mico se a nova Diretoria da Companhia vão ajudar no desvendamento do esquema de ladroagem engendrado pelos presidentes Dilma e Lula. O presidente Lula e presidente Dilma são patronos da facção criminosa que agiu durante os 12 últimos anos. Eles são os cabeças da facção criminosa que atuou e atua na administração pública sob comando temporal da Dilma Rousseff.

Por tudo que foi exposto, qualquer um dos motivos apresentados é suficiente para o "impeachment" da Dilma. Justifico a minha convicção, porque o julgamento é baseado em fatos políticos. Não há necessidade de haver condenação em processos judiciais, como previsto na Lei da Ficha Limpa. O Congresso Nacional é autônomo para votar impeachment por falta de condições políticas que garanta a governabilidade.

Impeachment da Dilma poderá ocorrer em 2015.


UCHO HADDAD: Crise institucional pode derrubar governo Dilma muito antes de eventual processo de impeachment




Efeito dominó – Muito tem se falado nos últimos dias que o governo da presidente reeleita Dilma Rousseff está prestes a cair, mas por enquanto isso não deve acontecer, principalmente pela ausência de um fato determinado que respalde eventual pedido de impeachment. Juristas já consideram a possibilidade de impedimento da presidente no rastro do Petrolão, o maior escândalo de corrupção da história, mas ainda é cedo para cravar apostas. Foras isso, um processo dessa natureza demandaria tempo e turbinaria a crise econômica, que não é pequena.

O UCHO.INFO não está a firmar que o governo do PT tem respaldo institucional para seguir adiante, mas é preciso responsabilidade, pois do contrário os petistas ressuscitarão a cantilena da direita golpista. O que não interessa ao País e às próximas gerações.

Sabem os leitores que este site faz jornalismo investigativo e opinativo com responsabilidade, portanto afirmamos que o governo de Dilma Rousseff cairá pro ele próprio não por causa de qualquer ação externa. A baixíssima credibilidade do governo vem colocando a petista reeleita em situação vexatória, o que compromete a imagem do Brasil como um todo, interna e externamente.

O maior exemplo da crise institucional que chacoalha o Palácio do Planalto está na relação do governo com o Congresso Nacional, mais precisamente com a Câmara dos Deputados. Por ordem expressa de Dilma, os palacianos jogaram sujo e pesado contra a candidatura do novo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), conhecido por ser um desafeto do governo e que já deixou claro que não se submeterá às ordens da chefe do Executivo federal.

Vencida a disputa pela presidência da Câmara dos Deputados, Cunha reuniu-se com o vice-presidente Michel Temer, a quem disse que seu desejo não é comprometer a governabilidade, mas colaborar. Muitos entenderam a declaração de Eduardo Cunha como um recuo em sua postura combativa, mas o recado seguinte deu o tom dos próximos dois anos na Câmara.

Durante a campanha, Cunha disse que não reconheceria em Henrique Fontana a liderança do governo do PT, o que levou a presidente Dilma a escolher um novo representante, decisão que confirmou a fragilidade da gestão petista. A presidente convidou o deputado federal José Nobre Guimarães (PT-CE) para substituir Fontana. Guimarães é irmão do mensaleiro condenado José Genoino e esteve envolvido no escândalo que ficou nacionalmente conhecido como “Dólares na Cueca”. Não se trata de colocar em xeque a idoneidade de José Nobre, mas em momento de crise é preciso que prevaleça a teoria da mulher de César, que não basta apenas ser honesta, mas parecer como tal.

Avançando na questão das relações do governo com a Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha já deixou claro que não discutirá matérias do interesse do Palácio do Planalto com os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Pepe Vargas (Relações Institucionais). Cunha já sinalizou que só conversará sobre esses temas com a própria presidente da República. Ou seja, a pífia equipe ministerial de Dilma começa a apresentar fadiga material.

Para piorar ainda mais a situação do governo, o PT ficou sem representante na Mesa Diretora da Câmara, pois apostou todas as fichas na candidatura de Arlindo Chinaglia, protagonista de uma vergonhosa derrota que deixou os palacianos de cabelo em pé. O cenário torna-se ainda mais preocupante para o governo quando considerado o fato de que Dilma, ao escolher os novos ministros, alijou o PT e engessou o PMDB. Tanto é assim, que o PMDB já dá o troco, ao passo que alguns “companheiros” não pensam duas vezes antes de criticar o governo de Dilma Rousseff. É o caso da senadora Marta Suplicy e do ex-deputado federal Cândido Vaccarezza, que já foi líder do governo na Câmara. Ambos não têm poupado o governo de críticas ácidas e recorrentes.

Reforçando a crise que se instalou na sede do governo, Dilma Rousseff enrola-se cada vez mais nos desdobramentos da Operação Lava-Jato, da Polícia Federal, que desbaratou o bilionário esquema de corrupção que funcionava na Petrobras. A demissão atrasa de Maria das Graças Foster, presidente da Petrobras, e de toda a diretoria da estatal colocou Dilma em situação de extrema dificuldade. Sem contar que a Lava-Jato já subiu a rampa do Palácio do Planalto, colocando a presidente da República e seu antecessor, o lobista Lula, na alça de mira.

Fonte: Ucho.Info

BLOG DO CORONEL: Era só o que faltava: mensaleiro José Dirceu dá dica sobre novo presidente da Petrobras


Grubisich, à direita, com Júnior Friboi, maior doador das campanhas eleitorais do PT.


O ex-ministro José Dirceu, condenado no processo do Mensalão, disse a amigos essa manhã, que o nome mais forte para substituir Graça Foster na Petrobras é o engenheiro José Carlos Grubisich. Grubisich, ex-presidente da Braskem, dirige atualmente a Eldorado Brasil Celulose e Papel, segundo informa a coluna de Ancelmo Góis, em O Globo.



Além do absurdo de um chefe de quadrilha, que indicou o operador do PT dentro da Petrobras, estar interferindo na nomeação do novo presidente da Petrobras, é inaceitável que ele tenha ou tenha tido qualquer vínculo com as empreiteiras envolvidas na roubalheira.


Ora, a Braskem surgiu de um negócio de pai para filho promovido pela Petrobras de Lula e Dilma para a Odebrecht. Para entender o case Braskem, leia este post de 2009. 

É como entregar o galinheiro para as raposas.

Maria das Graças Foster e o ovo da serpente


Petroleiros reúnem provas dos negócios do marido de Graças Foster com Petrobrás. 
Veja abaixo os documentos e comprovações.

Maria das Graças Foster está chocando um “ovo da serpente”. No caso da Petrobrás, a expressão pode ser usada como sinônimo para o seu ardiloso Plano de Desinvestimento. Fiquemos alertas. Algo aparentemente inofensivo, como um simples ovo, esconde uma perigosa serpente, pronta para dar o golpe de morte na empresa que sempre foi orgulho do Brasil, símbolo da capacidade de luta e da vitória do povo brasileiro sobre gaviões e traíras.

Nesse momento, Dilma e Foster parecem ter sido as escaladas para decapitar a empresa. Infelizmente, duas mulheres. Ironicamente, num governo do PT.

Graça montou um plano de negócios de US$ 236 bi a serem investidos na área de exploração e produção até 2017, voltados para o pré-sal. Esse é o pretexto sacado para justificar o “desinvestimento” que representa, na prática, a venda de Petrobrás, sem sequer recorrer a concorrências e licitações.

Gostaríamos de entender a lógica da alegada justificativa, pois para financiar o pré-sal Graças Foster já vendeu 40% do campo BS-04 na Bacia de Santos ao Eike Batista; parte da Bacia Potiguar à Britsh Petrolium (BP), além de vários outros ativos no Brasil e no exterior.

Nessa liquidação sem precedentes da Petrobrás, Dilma e Graças Foster ainda estão festejando o interesse das gigantes do petróleo – Shell, Exxon-Mobil, Chevron, British Petroleum e a chinesa Sinopec – de olho no leilão de Libra, o primeiro do pré-sal, marcado para o dia em 21 de outubro de 2013. A Petrobrás deverá ficar com mínimo permitido pela lei, 30%.

Mas, espera aí. Não deu para entender direito: o “desinvestimento” não seria para arrecadar recursos e investir no pré-sal? Então, por que estamos liquidando o nosso maior campo e entregando às gigantes do petróleo a maior parte do pré-sal?

Fernando Henrique Cardoso ficaria com inveja da sabedoria das serpentes. Ou seria melhor esperteza? Pois ao contrário do que está acontecendo no comando da nossa empresa, sabedoria tem uma conotação positiva. Já a esperteza é dúbia, engana, surpreende. Como o ovo da serpente.

No governo tucano congelavam-se as tarifas e difamavam-se as empresas para permitir sua privatização. Tudo muito parecido com o que esta acontecendo com a Petrobrás. Graças Foster, com aval da presidenta Dilma, já está entregando nosso petróleo ao sistema financeiro internacional, às multinacionais de petróleo e aos mega empresários.

Afirmamos que a Petrobrás não precisa desse plano de negócios. O Brasil já é autossuficiente na produção de petróleo e deveria preservar suas reservas, utilizando-as estrategicamente, de forma planejada. O desinvestimento e a entrega das riquezas do pré-sal atendem, principalmente, aos interesses da Europa, dos Estados e da China, todos de olho no nosso petróleo.

Até 2017 a Petrobrás deverá exportar um milhão de barris por dia. Fora o que for exportado pelas petroleiras que estão abocanhando nossas reservas. O Brasil está deixando escapar a chance de tratar do petróleo de forma estratégica, planejamento o seu uso para o desenvolvimento do país nos próximos anos. Estados Unidos e China agem dessa maneira. Por isso estão no topo.

Em lugar do petróleo bruto, o Brasil deveria exportar produtos com valor agregado, combustíveis e produtos petroquímicos. Temos que investir em escolas técnicas e faculdades de engenharia para atender a essa demanda e apoiar a indústria nacional para fornecer os equipamentos necessários.

Sob o comando da poderosa Graças Foster, as ações da Petrobrás despencaram. Além disso, a presidente da Petrobrás é suspeita: ela e seu marido, Colin Foster, já foram denunciados por corrupção quando a engenheira estava lotada no Cenpes, em 1999. No entanto, a Divisão de Investigação Empresarial, antiga DIVIN, arquivou a denúncia.

Na época, Colin Foster, seu marido, teria 43 contratos de prestação de serviços com a Petrobrás, sendo 20 sem licitação. Tudo isso foi negado pela presidente da Petrobrás, em reunião com a FNP. Mas a d. Graça não é mais digna da nossa confiança.

A partir de hoje, com a colaboração da base petroleira, o Sindipetro-RJ vai divulgar o dossiê das empresas da família Foster. São negócios que vão além da mera contratação de serviços. Incluem, por exemplo, multa aplicada pelo Crea-RJ, por irregularidades praticadas e a participação em transações com a ANP.

Hoje ninguém sabe o tamanho exato do patrimônio da Petrobrás. No dia 16 de julho, a sociedade foi surpreendida com a venda de grande parte da Bacia Potiguar. A notícia “vazou” na coluna do Anselmo Goes, publicada no jornal o Globo. A fonte foi a BP, que assim conseguiu valorizar suas ações na bolsa de valores.

Inquietos e com a sensação de estarmos à mercê de autoridades vendidas, sem brios, sem respeito ao povo e sem amor à nação brasileira, nós, petroleiros, perguntamos qual será o próximo golpe na Petrobrás: a venda campos de petróleo, de terminais ou de refinarias? Será que estão matando a galinha dos ovos de ouro para tapar buracos nas contas públicas? Como fica aquele que poderia ser o nosso “passaporte para o futuro”, repetindo a expressão usada pela própria presidenta Dilma Rousseff, durante a campanha eleitoral?

O Sindipetro-RJ que já fez o enterro simbólico de Foster, agora exige a sua saída: fora Maria da Graça Foster!

Veja abaixo as comprovações das relações entre o marido de Maria das Graças Foster e a Petrobrás:









Forma como saída de Graça foi anunciada gerou estranhamento no próprio governo





É de causar estranhamento a maneira como a saída da presidente da Petrobras, Graça Foster, foi anunciada, nesta quarta-feira. A notícia foi dada após um ofício da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), pedindo esclarecimento sobre as notícias que vazaram sobre a troca de comando na estatal. Até aí, tudo bem. Mas, até o fim da manhã, a equipe de comunicação da empresa parecia para lá de confusa sobre como tratar pedidos de esclarecimento dos jornalistas. Assessores da estatal transferiam sucessivamente as ligações sem responder às perguntas e pediam que a solicitação de informações fosse por emails, que ficaram sem resposta.


O comunicado da Petrobras sobre o assunto não só foi tímido, como só começou a ser distribuído nos diferentes meios de comunicação da empresa por volta do meio-dia. Com apenas uma frase, a mesma enviada à CVM: “A Petrobras informa que seu Conselho de Administração se reunirá na próxima sexta-feira, dia 06.02.2015, para eleger nova Diretoria face à renúncia da Presidente e de cinco Diretores”, diz a nota.

Um assessor palaciano dizia achar esquisito o fato de não haver um plano para divulgação simultânea da informação pela empresa e pela Secretaria de Comunicação Social do Palácio do Planalto. Afinal, prosseguiu, isso só seria compreensível se a notícia fosse extra-oficial. Mas se a Petrobras confirmou formalmente ao mercado, não haveria motivo para o governo não tocar no assunto. Outro assessor dizia estranhar o fato de o comunicado não listar os nomes dos diretores que deixarão o comando da empresa junto com Graça.


Com saída de Graça, governo vê Dilma mais exposta às denúncias da Lava Jato




Afora que foi formalizada a saída de Graça Foster do comando da Petrobras, o governo vê a necessidade de proteger a presidente Dilma Rousseff de uma exposição maior às denúncias da Operação Lava Jato. Embora a saída de Graça tenha sido defendida durante meses por integrantes do governo e mesmo pelo ex-presidente Lula, interlocutores da presidente concordavam que sua permanência servia como uma espécie de “escudo”, impedindo que a responsabilidade pelas ingerências na empresa recaíssem sobre Dilma. Ou seja, a troca de direção atende à demanda do mercado e ajuda a conter a deterioração das ações da estatal, mas deixa Dilma mais vulnerável do ponto de vista político.


Dilma desde o início foi contra a substituição de Graça, num gesto entendido por alguns de seus ministros como um reconhecimento da “lealdade” de Graça. Mas um argumento que sempre pesou a favor da permanência da executiva no comando da estatal era o de que ela já havia “apanhado o que tinha que apanhar” e que o melhor era deixar que as pancadas continuassem recaindo sobre ela. Se assim fosse, o desgaste político seria menor para o governo como um todo e, principalmente, para Dilma.

A receita só valeria até certo ponto, já que havia pressão crescente no mercado pela substituição da executiva. Na avaliação de um ministro, a substituição de Graça pode até ter demorado do ponto de vista da confiança do mercado, mas foi feita na hora certa no que diz respeito à exposição de Dilma diante da crise. A executiva sai no momento em que deixa de conseguir filtrar ao menos parte do efeito político negativo provocado pela corrupção na estatal.


Diante do novo cenário, uma preocupação do governo é manter o PT sob controle e ter o partido empenhado no apoio à presidente. O Planalto já vem agindo para conter a insatisfação dentro da legenda, por meio, em parte, da indicação de seus integrantes para postos estratégicos. Se o plano der certo, o partido pode usar sua próxima reunião do diretório nacional para aprovar resoluções de apoio ao governo e à reação do Planalto à crise na Petrobras. O encontro está marcado para ocorrer na próxima sexta-feira, em Belo Horizonte.

Fonte: Poder Online

UCHO HADDAD: Petrobras - após desmentidos do governo, demissão de Graça Foster é antecipada e confirmada




Marcha à ré – Definitivamente o governo de Dilma Rousseff está perdido. Aliás, perdida está a presidente da República, cujos discursos têm prazo de validade curto, além de baixo grau de confiabilidade. Na terça-feira (3), Dilma abriu espaço na agenda oficial para receber Maria das Graças Foster, agora presidente demissionária da Petrobras. O Palácio do Planalto negou a informação sobre a demissão de Foster, situação que perdurou até o final do dia, mas a notícia publicada peloUCHO.INFO, ainda no período da manhã de terça-feira, era procedente e tinha como base relatos de servidores da própria Petrobras.

Com a reação positiva do mercado acionário diante da notícia da saída de Graça Foster, a demissão tornou-se inevitável e foi informalmente confirmada, depois que a petroleira recuperou R$ 1bilhões em valor de mercado apenas na terça-feira. O tempo passou e o Palácio do Planalto, que havia negado que a demissão da diretoria da estatal havia recheado a pauta do encontro entre Dilma e Foster, acabou confirmando a substituição de todo corpo diretivo da companhia. O que deveria ocorrer até o final deste mês, uma vez que o governo precisava de tempo para escolher os substitutos.

“Em resposta a esta solicitação, a Petrobras informa que seu Conselho de Administração se reunirá na próxima sexta-feira, dia 06.02.2015, para eleger nova diretoria face à renúncia da presidente e de cinco diretores”, diz o texto. Além de Graça, outros seis diretores respondem pelo comando da estatal. São eles: Almir Guilherme Barbassa (área Financeira), José Alcides Santoro Martins (Gás e Energia), José Miranda Formigli Filho (Exploração e Produção), José Carlos Cosenza (Abastecimento), José Antônio de Figueiredo (Engenharia) e José Eduardo de Barros Dutra (Serviços)”, informa a nota enviada pela estatal à BM&FBovespa.

Entre os nomes sondados para assumir a presidência da estatal brasileira, um dos mais cotados é o de Henrique de Campos Meirelles, ex-presidente do Banco Central e que conta com o apoio escancarado de Luiz Inácio da Silva, o lobista Lula.

Há na escolha desesperada do governo pelo menos dois problemas que podem fazer Meirelles recusar o convite. O primeiro deles é que Dilma Rousseff não mantém boas e cordiais relações com o ex-presidente do BC, que está acostumado a agir com independência, algo difícil na seara da mandatária brasileira. O segundo, mais complexo, é que dificilmente assumirá o comando da Petrobras sem que o balanço da empresa referente ao terceiro trimestre de 2014 esteja auditado. A companhia divulgou o documento sem o referendo da consultoria PWC, o que trouxe consequências indigestas.

Emoldurando esse cenário há a razão derradeira para a fritura da presidente da empresa. Maria das Graças Foster afirmou recentemente que o prejuízo da Petrobras com escândalos de corrupção é de aproximadamente R$ 88 bilhões, com a ressalva de que o valor pode ser maior. Depois de pressionada pelo Planalto, a Petrobras refez as contas na madrugada subsequente e anunciou que o prejuízo é de R$ 3 bilhões.

Quem aceitar presidir a Petrobras precisa saber que o fardo imundo que surgiu no rastro do Petrolão, o maior escândalo de corrupção da história da humanidade, pode cair no colo a qualquer momento. E ninguém embarcará em uma operação de risco, sabendo que os partidos da oposição e a opinião pública fazem marcação cerrada quando o assunto é a roubalheira ocorrida na estatal.

Na manhã desta quarta-feira (4), em comunicado enviado à BM&FBovespa, a Petrobras informou que Maria das Graças Foster e outros cinco diretores renunciaram aos cargos. O comunicado foi elaborado em resposta aos pedidos esclarecimentos da entidade sobre as notícias em relação à substituição da presidente da estatal, que provocaram valorização das ações no pregão do dia anterior. De acordo com o informativo, a nova diretoria da Petrobras será eleita em reunião do Conselho de Administração, marcada para sexta-feira (6).

Graça Foster renuncia à presidência da Petrobras




A presidente da Petrobras, Graça Foster, e cinco diretores da companhia renunciaram ao cargo e novos executivos serão eleitos em reunião do Conselho de Administração que será realizada na sexta-feira. As renúncias foram comunicadas pela própria estatal nesta quarta em um ofício ao mercado. 

A saída da diretoria acontece em meio às investigações de um escândalo bilionário de corrupção e a dificuldade da atual gestão da companhia para quantificar os prejuízos com fraudes em contratos de obras durante anos. 

Ações – As ações da Petrobras voltavam a disparar nesta quarta-feira reagindo à renúncia de Graça. Na terça, rumores sobre a saída da agora ex-presidente da estatal levaram os papéis da Petrobras à maior alta em 16 anos. 

Às 11h desta quarta, os papéis preferenciais da companhia subiam 6%, enquanto as ações ordinárias avançavam 6,33%. No mesmo instante, o Ibovespa tinha valorização de 0,51%. 

“Qualquer mudança na companhia tem viés benéfico, pois mostra que o governo está empenhado em fazer de tudo para que ela não perca o grau de investimento”, disse o gerente de renda variável da Fator Corretora, Frederico Ferreira Lukaisus, logo após a notícia. 

Em relatório a clientes, antes do anúncio, comentando os rumores sobre a iminente saída de Graça Foster, o analista Frank McGann, do Bank of America Merrill Lynch, ponderou que encontrar substitutos não será fácil. Para McGann, será fundamental a nova diretoria combinar força técnica e um maior nível de independência do que o visto nos últimos anos. 

Substituto – O governo busca um executivo para comandar a estatal que preferencialmente seja ligado ao setor de petróleo, afirmou à Reuters na terça-feira uma fonte do governo. O objetivo é ter uma nova diretoria composta por nomes do mercado e também da empresa, disse a fonte. 

A presidente Dilma Rousseff procura definir ainda em fevereiro o nome para comandar a estatal, após ter aceito a demissão de Graça Foster em uma reunião em Brasília na terça-feira, afirmou a fonte. 

A próxima diretoria terá a missão de apresentar o balanço do quarto trimestre auditado até o fim de abril, já com baixas contábeis necessárias devido ao escândalo de corrupção. Caso não cumpra o prazo, a diretoria terá que conversar com credores para a postergação dos resultados. 

No entanto, há credores que acreditam que a empresa já pode ser declarada inadimplente em bilhões de dólares em dívida, mesmo tendo divulgado os resultados atrasados do terceiro trimestre dentro de um prazo autoimposto.

Fonte: VEJA.com

Ossami Sakamori: A faxina do Brasil teria que começar pelo impeachment da Dilma





Presidente Dilma, segundo imprensa, resolveu demitir a Maria da Graça Foster da presidência da Petrobras. O mercado reagiu bem. As ações da Petrobras subiram acentuadamente, hoje. Particularmente, não vejo justificativa para tanta euforia, pois, os problemas da Companhia continuam os mesmos.


Graça Foster paga sozinha erros cometidos com esquema de ladroagem que vigorou nos 12 anos do governo petista. A Petrobras foi o antro de corrupção e de ladroagem nunca dantes vista na história da Companhia. A facção criminosa que tomou conta do País, comandada pelos presidentes Lula e Dilma sugaram e sucatearam a Companhia que já foi orgulho de todos os brasileiros. 


O esquema da facção criminosa vem funcionando desde o primeiro mandato do Lula. Há evidente cadeia de responsabilidade e cumplicidade envolvendo os nomes do presidente Lula e presidente Dilma. A parte operacional da facção criminosa na Petrobras, coube aos seus presidentes Sérgio Gabrielli e Graça Foster.


O esquema de ladroagem estava escondido nos 11 anos de mandato dos presidentes Lula e Dilma. O esquema de ladroagem só veio ao público com a deflagração da Operação Lava Jato da Polícia Federal e transformado em inquéritos judiciais sob o comando do juiz Sérgio Moro da Justiça Federal de Curitiba. Se não fosse a independência de atuação da Polícia Federal e da Justiça Federal, as ladroagens continuaria escondido na gigantesca estrutura da Petrobras.


É claro que um esquema que desviou mais de R$ 10 bilhões e que abasteceu partidos de sustentação dos governos Lula e Dilma, os partidos PT, PMDB e PP, não poderia ter existido sem a participação direta dos presidentes Lula e Dilma. O presidente Sérgio Gabrielli da Petrobras foi homem de confiança do presidente Lula, assim como a Graça Foster foi pessoa de confiança da Dilma. Ambos foram cabeça chave do esquema de ladroagem dos governos petistas nos 11 anos passados.


Com recusa da chancela do balanço trimestral da Petrobras pela auditoria externa é que foi revelado mais um problema adicional, a superavaliação dos ativos da Companhia em valores estratosféricos de R$ 61,4 bilhões líquidos, que não foram baixados dos ativos da Petrobras. Somado ao prejuízo mencionado, a necessária baixa de R$ 110,6 bilhões dos ativos referente ao campo de Tupi, deverá ser contabilizado como prejuízo contábil a ser acrescido em 31 de dezembro de 2014. 

Com o aumento de combustíveis em novembro e o preço internacional do petróleo ter baixado em cerca de 40% a Petrobras mantém o preço dos combustíveis em nível de refinaria para cobrir os rombos já citados e o prejuízo decorrentes da ladroagem da companhia pelos partidos de apoio da presidente Dilma. O último aumento foi decorrente à nova taxação de PIS/COFINS, preservou a margem de lucro da Petrobras para cobrir os rombos da incompetência e da ladroagem. 

O fato é que o sistema Petrobras, com Graça Foster ou sem Graça Foster, tem exposição de riscos em cerca de R$ 700 bilhões. A solução para a Petrobras e para o Brasil seria fazer a faxina na administração não só da Petrobras mas também do governo federal, cortando o mal pela raiz. 


Segundo notícias, Joaquim Levy saiu com missão de recrutar um nome para presidente da Companhia que agrade ao mercado, para não precipitar a quebra da Petrobras. O sistema Petrobras está bichado! Não tem quem conserte a Companhia no curto prazo. Há muitos esqueletos ainda para serem revelados. O risco do sistema Petrobras é de R$ 700 bilhões, como foi demonstrado na matéria anterior.

A solução para a Petrobras e para o Brasil seria fazer a faxina na administração do governo da União Federal, cortando o mal pela raiz. Teria que começar não pela demissão da Graça Foster, mas sobretudo pelo impeachment da presidente Dilma, baseado na gestão temerária sobre o futuro do próprio Brasil. 

A faxina do Brasil teria que começar pelo impeachment da presidente Dilma.


ALUIZIO AMORIM: O QUE MAIS É PRECISO PARA ABRIR O PROCESSO DE CANCELAMENTO DO REGISTO DO PT E O IMPEACHMENT DE DILMA ROUSSEFF?


Facsímile do site de O Globo. Clique sobre a imagem para vê-la ampliada.

Creio que O Antagonista, o jornal via internet editado e escrito por Diogo Mainardi e Mario Sabino, diz tudo o que teria de ser dito pelos jornalões e grandes redes de televisão. Por isso transcrevo na íntegra após este prólogo a nota de O Antagonista, que recomendo a leitura diária. Tanto Mainardi quanto Sabino são egressos da grande imprensa nacional. O primeiro articulista de Veja, o segundo chefe de redação da revista. Sempre foram dois estranhos no ninho das redações da grande mídia. Justa exceção à revista Veja que por isso mesmo os empregava. Ambos decidiram tocar outros projetos, incluindo O Antagonista que deve ser leitura obrigatória diária para conferir tudo aquilo que a grande imprensa costuma escamotear.

Seja como for, o fato é que o tamanho do escândalo do petrolão, pelas suas dimensões e agora desnudado pela operação Lava-Jato, obriga os veículos da grande mídia, dentre eles a Rede Globo, a veicular essas informações, ainda que de alguma forma tentem dourar a pílula para salvar o PT. Entretanto, como se vê pelos depoimentos dos envolvidos, já não é mais possível manter no ar essa peteca doida. 

O texto de O Antagonista está perfeito e por isso transcrevo. É também o inspirador para o título deste post. No mais, aqui está para quem desejar conferir o link para a matéria no site de O Globo. 

Eu fico com a nota de O Antagonista. Leiam:

É assombroso o depoimento dado à Justiça por Augusto Mendonça, executivo da Toyo Setal, cujo um dos videos foi obtido pelo Jornal Nacional: ele afirma -- atenção -- que Renato Duque, então diretor da Petrobras, solicitou que propinas a serem pagas pela Toyo Setal deveriam ser depositadas diretamente no caixa de campanha do Partido dos Trabalhadores, como "doação oficial". O que foi feito diligentemente, segundo Augusto Mendonça. No total, foram depositados aproximadamente 4 milhões de reais, entre 2008 e 2011.

O conteúdo do depoimento já era conhecido, mas uma coisa é ler, outra é ver e ouvir. Além disso, ele já havia dito que foram feitos pagamentos de propina a Renato Duque em contas no exterior e dinheiro em espécie.

O que é mais preciso para abrir o processo de cancelamento do registro do PT e o impeachment de Dilma Rousseff? Ah, sim, é preciso um país decente.

Nota: em compensação, o Jornal Nacional reproduziu, sem questionamento, a versão teatral de que Graça Foster pediu demissão -- pela terceira vez -- por "motivos emocionais". A verdade é que Dilma Rousseff a segurou enquanto pôde, também porque Graça Foster queria ficar a todo custo, para não sair como bode expiatório. Boa parte da reunião entre ambas, com a presença de Aloizio "Freddie Mercury" Mercadante, deve ter sido dedicada a como evitar que a atual ex-presidente da Petrobras fale demais -- e como blindá-la das investigações que seguem a toda velocidade na Justiça Federal do Paraná.Do site O Antagonista


Jorge Serrão: Investidores vão pedir na Justiça interventor para a Petrobras, após demissão de mentirinha da diretoria






Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net


Investidores minoritários da Petrobras estudam como entrar com ações judiciais urgentemente, pedindo a nomeação de um "interventor" na companhia. O administrador temporário e provisório teria a missão de impedir que se materialize qualquer prejuízo ou dano à empresa e fundamentalmente aos acionistas minoritários, até que o governo da União, acionista majoritário, indique e uma Assembleia aprove os nomes dos novos diretores e conselheiros.


Dilma Rousseff novamente erra na mão e no prazo. A tensa reunião de ontem, que selou o destino da amiga Maria das Graças Foster e demais diretores da Petrobras, foi mais um exemplo do desespero do governo diante do risco concreto de o Petrolão ferir, mortalmente, a governabilidade de Dilma. Depoimentos de testemunhas de acusação nos processos da Lava Jato já relataram que o então diretor da área de Engenharia e Serviços da Petrobras, Renato Duque, mandou pagar parte da propina negociada nos contratos fechados com a Petrobras em forma de doação oficial ao PT. Tal denúncia já basta para um pedido e impeachment de Dilma.


Um parecer elaborado pelo jurista Ives Gandra Martins indica as razões jurídicas para proposição e admissão de um eventual pedido de impeachment contra Dilma Rousseff: “Há, na verdade, um crime continuado da mesma gestora da coisa pública, quer como presidente do conselho da Petrobras, representando a União, principal acionista da maior sociedade de economia mista do Brasil, quer como presidente da República, ao quedar-se inerte e manter os mesmos administradores da empresa. Considerando que o assalto aos recursos da Petrobras, perpetrado durante oito anos, de bilhões de reais, sem que a presidente do Conselho e depois presidente da República o detectasse, constitui omissão, negligência e imperícia, conformando a figura da improbidade administrativa, a ensejar a abertura de um processo de impeachment”.
O depoimento do empresário Augusto Ribeiro Mendonça Neto, dono da PEM Engenharia (Grupo Toyo Setal), deixou claro o quanto a diretoria da Petrobras tinha peso sobre as operações da companhia: “A diretoria da Petrobras tem um peso muito importante na operação da companhia. De modo que a posição de um diretor é absolutamente crucial para o andamento de uma companhia dentro das obras da Petrobras. Eles usavam este tipo de argumentação tanto para discutir as comissões quanto também o pagamento. Ele pode prejudicar deste não convidar, ou retirar do processo licitatório com algum argumento, pode atrapalhar em muito o andamento dos contratos. Ajudar é difícil. Muitas vezes pedimos ajuda e eles não tinham poder de ajudar, mas de atrapalhar sempre tinham um poder importante. Era muito mais no sentido de atrapalhar do que de ajudar. Eu diria que seria inimaginável não contribuir”.

Outra denúncia pesada contra a diretoria da Petrobras veio de Julio Camargo - consultor ligado à Toyo Setal e à Camargo Corrêa. Indagado se “houve alguma solicitação de vantagem indevida por parte de algum diretor da Petrobras para obtenção do contrato deste consórcio?”, Julio Camargo respondeu que “sim” e citou especificamente Renato Duque e Pedro Barusco, braço-direito de Duque. O empresário Julio Camargo foi direto ao ponto: “Havia uma regra do jogo que se o senhor não pagasse propina à engenharia e ao abastecimento o senhor não teria sucesso ou o senhor não obteria contrato na Petrobras”.



Por todas essas denúncias formalizadas em depoimentos na 13a Vara Federal em Curitiba, o mercado não engoliu a esdrúxula "demissão programada" da diretoria da Petrobras. A presidenta Dilma Rousseff promete indicar, apenas em março, uma substituta para Graça Foster e seus companheiros. O mais estranho é que a empresa realizou uma assembleia geral no dia 30 de janeiro, dando amplos poderes aos mesmos diretores que, em menos de 48 horas depois, bota na rua da exoneração de cargos. Além disso, o Planalto do Palhasso informa que Dilma escalou o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, para buscar, no mercado, quem tem condições de fazer parte do novo Conselho de Administração da companhia.


A pergunta que qualquer pessoa inteligente faz é: Como se demite uma administração coletiva a mando do controlador e se permite que os diretores prossigam na gestão por mais alguns dias sem comprometimento com a transparência ou os resultados advindos dos respectivos comportamentos? Em artigo, abaixo, neste Alerta Total, o desembargador paulista Carlos Henrique Abrão, emite uma opinião como jurista: "A contradição se encerra na circunstância. A demissão é plena. A CVM precisa ser comunicada, como a Bovespa, e assim o mercado precificar o que acontecerá definitivamente. Demitir com data marcada significa o mesmo que consentir com tudo que está sendo feito de errado para destruição do capital público, construído há décadas pela sociedade brasileira".

AÉCIO NEVES: "Graça foi conivente, mas os desmandos começaram quando Dilma era do Conselho da Petrobras, no governo Lula



Ao comentar a possível demissão da presidente da Petrobras, Graça Foster, e a derrota do governo na disputa da presidência da Câmara, o presidente do PSDB, senador Aécio Neves, disse que sua vida está muito melhor que a da presidente Dilma Rousseff, que na primeira ida às ruas, nesta terça-feira, em Campo Grande, enfrentou vaias e manifestação pró-impeachment. Aécio disse também que, com a demissão de Graça, Dilma perde a blindagem na crise da Petrobras e não poderá mais contar com a amiga para “limpar a cena do crime”.

Aécio disse que é a primeira vez que no regime democrático um governo conta na Câmara com uma base de apenas cerca de 130 parlamentares, mesmo distribuindo cargos.

— A vida da presidente Dilma hoje é muito mais difícil que a de seu adversário. Apesar de ter tido a maioria dos votos na urna, é um governo derrotado. É um governo que está sendo derrotado por sua base e facilitando a vida da Oposição. Mas fico triste de ver nessa crise gravíssima um governo tão desqualificado, incapaz de ousar e tomas as medidas necessárias, que quer resolver tudo distribuindo cargos em troca de apoio. Só lamento que o Brasil não tenha iniciado um novo ciclo — disse Aécio.

Sobre a ausência da presidente na abertura dos trabalhos no Congresso, ele disse que quando o povo brasileiro esperava dela uma admissão de erros, ela mandou ao Parlamento o chefe da Casa Civil , Aloizio Mercandante dar o seguinte recado: ai invés de governar o Brasil, ela vai comandar pessoalmente o toma lá, dá cá na troca de apoio por cargos o segundo escalão.

— Quando o Brasil esperava um mea-culpa, ela manda seu chefe da Casa Civil ao Congresso dizer com todas as letras que ela vai comandar pessoalmente a troca de cargos do segundo escalão por apoios. E quem vai governar o Brasil nessa crise que se encontra, com as contas desordenadas, inflação descontrolada e indústria desaquecida. O Brasil está vivendo o governo mais fisiológico de sua História.

Segundo Aécio, com a demissão de Graça Foster, Dilma vai expor sua fragilidade , porque não terá mais a amiga para servir de anteparo a ela na crise do Petrolão.

— Dilma fez uma grande maldade com Graça, mantendo a amiga no cargo para ser blindada. Isso é uma coisa que não se faz nem com inimigo. Graça foi conivente, mas os desmandos começaram quando Dilma era do Conselho da Petrobras, no governo Lula. Assumiu sozinha uma responsabilidade que não é dela. Aceitou limpar a cena do crime, protagonizando um dos episódios mais tristes da História brasileira) — disse Aécio.

Com dificuldade para chegar ao plenário do Senado por causa de visitantes que o paravam para tirar fotos, Aécio comentou também as vaias que a presidente Dilma enfrentou hoje em sua visita a Campo Grande, numa manifestação de integrantes do MST e Contag, antigos aliados do PT.

— Além da oposição formal, a presidente Dilma encontra uma grave oposição de sua base. Quando eu falava lá atrás do descontrole das contas eu era acusado de pessimista. Ela poderia ter tomado lá atrás as medidas que está tomando agora com um custo menos doloroso para a população, mas só pensou em ganhar a eleição. Agora vai ter que encarar seu eleitorado — criticou Aécio.

Fonte: O Globo

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog