A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quarta-feira, fevereiro 04, 2015

Forma como saída de Graça foi anunciada gerou estranhamento no próprio governo





É de causar estranhamento a maneira como a saída da presidente da Petrobras, Graça Foster, foi anunciada, nesta quarta-feira. A notícia foi dada após um ofício da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), pedindo esclarecimento sobre as notícias que vazaram sobre a troca de comando na estatal. Até aí, tudo bem. Mas, até o fim da manhã, a equipe de comunicação da empresa parecia para lá de confusa sobre como tratar pedidos de esclarecimento dos jornalistas. Assessores da estatal transferiam sucessivamente as ligações sem responder às perguntas e pediam que a solicitação de informações fosse por emails, que ficaram sem resposta.


O comunicado da Petrobras sobre o assunto não só foi tímido, como só começou a ser distribuído nos diferentes meios de comunicação da empresa por volta do meio-dia. Com apenas uma frase, a mesma enviada à CVM: “A Petrobras informa que seu Conselho de Administração se reunirá na próxima sexta-feira, dia 06.02.2015, para eleger nova Diretoria face à renúncia da Presidente e de cinco Diretores”, diz a nota.

Um assessor palaciano dizia achar esquisito o fato de não haver um plano para divulgação simultânea da informação pela empresa e pela Secretaria de Comunicação Social do Palácio do Planalto. Afinal, prosseguiu, isso só seria compreensível se a notícia fosse extra-oficial. Mas se a Petrobras confirmou formalmente ao mercado, não haveria motivo para o governo não tocar no assunto. Outro assessor dizia estranhar o fato de o comunicado não listar os nomes dos diretores que deixarão o comando da empresa junto com Graça.


Com saída de Graça, governo vê Dilma mais exposta às denúncias da Lava Jato




Afora que foi formalizada a saída de Graça Foster do comando da Petrobras, o governo vê a necessidade de proteger a presidente Dilma Rousseff de uma exposição maior às denúncias da Operação Lava Jato. Embora a saída de Graça tenha sido defendida durante meses por integrantes do governo e mesmo pelo ex-presidente Lula, interlocutores da presidente concordavam que sua permanência servia como uma espécie de “escudo”, impedindo que a responsabilidade pelas ingerências na empresa recaíssem sobre Dilma. Ou seja, a troca de direção atende à demanda do mercado e ajuda a conter a deterioração das ações da estatal, mas deixa Dilma mais vulnerável do ponto de vista político.


Dilma desde o início foi contra a substituição de Graça, num gesto entendido por alguns de seus ministros como um reconhecimento da “lealdade” de Graça. Mas um argumento que sempre pesou a favor da permanência da executiva no comando da estatal era o de que ela já havia “apanhado o que tinha que apanhar” e que o melhor era deixar que as pancadas continuassem recaindo sobre ela. Se assim fosse, o desgaste político seria menor para o governo como um todo e, principalmente, para Dilma.

A receita só valeria até certo ponto, já que havia pressão crescente no mercado pela substituição da executiva. Na avaliação de um ministro, a substituição de Graça pode até ter demorado do ponto de vista da confiança do mercado, mas foi feita na hora certa no que diz respeito à exposição de Dilma diante da crise. A executiva sai no momento em que deixa de conseguir filtrar ao menos parte do efeito político negativo provocado pela corrupção na estatal.


Diante do novo cenário, uma preocupação do governo é manter o PT sob controle e ter o partido empenhado no apoio à presidente. O Planalto já vem agindo para conter a insatisfação dentro da legenda, por meio, em parte, da indicação de seus integrantes para postos estratégicos. Se o plano der certo, o partido pode usar sua próxima reunião do diretório nacional para aprovar resoluções de apoio ao governo e à reação do Planalto à crise na Petrobras. O encontro está marcado para ocorrer na próxima sexta-feira, em Belo Horizonte.

Fonte: Poder Online

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog