A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

sexta-feira, junho 08, 2018

CNC - Balanço Semanal de 04 a 08/06/2018


BALANÇO SEMANAL — 04 a 08/06/2018

Plano Agrícola e Pecuário confirma R$ 4,96 bilhões do Funcafé na safra 2018, redução de juros e traz novidades nas operações

PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO — Na quarta-feira, 6 de junho, o Governo Federal anunciou o Plano Agrícola e Pecuário 2018/19, destacando a sustentabilidade do agronegócio brasileiro que, nos últimos 26 anos, mais do que triplicou sua produção, alcançando 232,6 milhões de toneladas, enquanto a área plantada sequer duplicou de tamanho, situando-se em 61,5 milhões de hectares, o que evidencia a capacidade do produtor ao investir em pesquisa, tecnologia e, principalmente, em preservar sua principal fonte de renda, que é o meio ambiente.

O volume total de recursos programados é de R$ 194,3 bilhões, implicando alta de mais de 3% em relação aos R$ 188,4 bilhões anteriores. Desse montante, R$ 191,1 bilhões são para o Crédito Rural (R$ 153,7 bilhões a juros controlados e R$ 37,4 bilhões a juros livres), R$ 600 milhões para Seguro Rural e R$ 2,6 bilhões para apoio à comercialização (AGF, Opções, PEP, Pepro). O Plano também apresentou redução para todas as taxas de juros, conforme tabela abaixo.

FUNCAFÉ 2018 — No caso específico da cafeicultura, o Governo confirmou os R$ 4,96 bilhões do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira solicitados pelo Comitê Diretor de Planejamento Estratégico do Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC), em 8 de fevereiro, quando o CNC alinhou o posicionamento do setor privado junto às demais lideranças da cadeia produtiva para que fossem elevados os recursos destinados à linha de Custeio e, consequentemente, o total. Dessa maneira, a distribuição dos recursos do Fundo para a safra 2018 ficou da seguinte forma:

i) R$ 1,862 bilhão para a linha de financiamento de Estocagem;
ii) R$ 1,100 bilhão para Custeio;
iii) R$ 1,063 bilhão ao Financiamento para a Aquisição de Café (FAC);
iv) R$ 925,2 milhões para Capital de Giro
         - R$ 425,2 milhões às Cooperativas de Produção
         - R$ 300 milhões às Indústrias de Torrefação
         - R$ 200 milhões às Indústrias de Solúvel
v) R$ 10 milhões para a linha de Recuperação de Cafezais Danificados

Em relação aos juros do Funcafé, as taxas acompanharam a redução observada nas demais linhas do Plano Agrícola e Pecuário, recuando de 8,5% para 7% ao ano no caso de Custeio, Estocagem e FAC Cooperativas e de 11,25% para 9,5% ao ano nas linhas de Capital de Giro e FAC (com exceção às cooperativas).
NOVIDADES
— Taxa pós-fixada: entre as novidades apresentadas pelo Governo no PAP 2018/19 relacionadas ao Funcafé está a opção dada ao produtor pela taxa de juros pós-fixada para operações com prazo acima de 12 meses. O cálculo toma como base, nesse caso, a variação do IPCA do período de contratação até o do vencimento, acrescido de até 1,28% para Custeio, Estocagem e FAC Cooperativas. Para as linhas de Capital de Giro e FAC – exceto cooperativas –, o fator é de até 3,67% mais a variação do IPCA no intervalo.

— Remuneração do Funcafé e spread: a partir deste ano, o Funcafé será remunerado em 4%, com o spread bancário sendo definido pela diferença entre esses quatro pontos percentuais e a taxa de juros estipulada no empréstimo. Entendemos que essa novidade é fundamental para aumentar a flexibilidade do agente financeiro na negociação com os mutuários.

— Prazo de contratação: também a partir deste ano, todas as linhas de financiamento do Funcafé terão prazo de contratação vigente por um ciclo de 12 meses, com o período sendo aberto em 1º de julho de 2018 e fechado em 30 de junho de 2019.

QUESTÕES TRABALHISTAS — Conforme anunciamos em nosso boletim anterior, causou surpresa e indignação a decisão do Comitê de Peritos da Organização Internacional do Trabalho (OIT), tomada durante a 107ª Conferência da entidade, em Genebra, na Suíça, que inseriu o Brasil como o 15º país na lista curta das nações que seriam investigadas por não respeitarem os direitos trabalhistas.

Contudo, na quinta-feira, 7 de junho, a alegação dos peritos para inclusão do Brasil na "short list", de que o país supostamente teria problemas relacionados ao cumprimento dos termos da Convenção nº 98, que se refere a direito de sindicalização e negociação coletiva, com a aprovação da Reforma Trabalhista, foi revista.

Em seu relatório final, a Comissão de Normas da OIT reconheceu que o caso do Brasil foi analisado fora do ciclo regular de apresentação de memórias da Organização, com a decisão tendo sido tomada de forma equivocada. Assim, os membros desse comitê recomendaram ao governo brasileiro que preste informações a respeito da negociação coletiva livre e voluntária na nova legislação trabalhista e que as submeta à consulta tripartite até novembro de 2018.

INSCRIÇÃO NO CAR — Na terça-feira, 5 de junho, o Conselho Monetário Nacional (CMN) prorrogou, em reunião extraordinária, de 1º de junho de 2018 para 1º de janeiro de 2019 o prazo para o cumprimento da obrigatoriedade de apresentação de recibo da inscrição no Cadastro Ambiental Rural (CAR) quando da concessão de crédito rural para o financiamento de atividades agropecuárias.

O CMN também prorrogou, para até 31 de dezembro deste ano, o prazo da excepcionalidade para substituição do CAR, no Bioma Amazônia, por declaração individual do interessado, atestando o cumprimento do previsto na Lei nº 12.651, de 2012, relativo à existência ou à recomposição ou regeneração de Área de Preservação Permanente (APP) e de Reserva Legal (RL).

MERCADO — O mercado internacional de café viveu uma semana de pressão sobre as cotações, à medida que a disparada do dólar contribuiu para a baixa. Ontem, a divisa norte-americana ganhou força na comparação com as moedas de países emergentes, principalmente frente ao real, e os investidores se afastaram de ativos de risco, recorrendo à segurança de títulos da dívida dos Estados Unidos.

Internamente, notou-se uma queda generalizada nas ações de empresas brasileiras, com investidores liquidando posições, o que elevou o dólar a quase R$ 4,00. O Banco Central realizou intervenções injetando recursos, mas sem muito êxito. No fechamento de ontem, a moeda foi cotada a R$ 3,9258, acumulando ganhos de 4,2% sobre o real na semana.

A colheita no Brasil começa a encorpar, mas o cenário de escoamento é nebuloso devido à conjuntura logística no País. O setor produtivo nacional e os caminhoneiros estão analisando valores para o frete, porém ainda não há consenso, o que não afasta a possibilidade de uma nova greve dos motoristas.

Em relação ao clima, uma frente fria avança para o Espírito Santo e a chuva diminui consideravelmente na Região Sudeste, limitando-se a Rio de Janeiro, Espírito Santo e leste de Minas Gerais, mas com fraca intensidade, segundo a Somar Meteorologia.

Para as demais regiões produtoras, o serviço meteorológico informa que o sol predominará. Contudo, no domingo, a Somar aponta o retorno de fortes precipitações em São Paulo devido a áreas de instabilidade, as quais darão origem a uma frente fria que chega ao Sudeste na segunda-feira, dia 11.

Na Bolsa de Nova York, o contrato futuro do café arábica com vencimento em julho/18 acumulou perdas de 705 pontos, negociado a US$ 1,1570 por libra-peso. Na ICE Futures Europe, o vencimento julho/18 do conilon encerrou a sessão de quinta-feira a US$ 1.733 por tonelada, com declínio de US$ 17 frente ao fechamento da semana passada.

Ontem, conforme o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), os preços dos cafés arábica e robusta se valorizaram no Brasil, puxados pela força do dólar. Por outro lado, a queda internacional gerou incertezas, o que mantém a maioria dos agentes afastados do mercado.

Os indicadores calculados pela instituição para as variedades arábica e conilon foram cotados, na quinta-feira, a R$ 465,92/saca e a R$ 342,21/saca, com valorizações de 1,4% e 1,8%, respectivamente, na comparação com o fechamento da semana antecedente.



Atenciosamente,
 
Deputado Silas Brasileiro
Presidente Executivo
CNC - Sede Brasília (DF)
SCN Qd. 01, Bloco C, nº 85, Ed. Brasília Trade Center - Sala 1.101 - CEP: 70711-902
Fone / Fax: (61) 3226-2269 / 3342-2610
E-mail: imprensa@cncafe.com.br

quarta-feira, maio 30, 2018

CNC - Balanço Semanal de 28 a 30/05/2018


BALANÇO SEMANAL — 28 a 30/05/2018

Trabalho das entidades do agro junto ao Governo possibilita prorrogação do prazo para adesão ao PRR do Funrural

FUNRURAL — O trabalho do CNC e das demais entidades da agropecuária nacional, reunidas no âmbito do Instituto Pensar Agro (IPA), junto ao Governo Federal surtiu efeito positivo no que se refere à prorrogação do prazo para adesão ao Programa de Regularização Tributária Rural (PRR), que refinancia a dívida de produtores com o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural).

Com a publicação da Medida Provisória 834/2018, no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira, 30 de maio, o prazo foi ampliado para o dia 30 de outubro deste ano, ante a data anterior, que expirava hoje.

De acordo com o presidente do CNC, deputado Silas Brasileiro, a extensão do prazo é uma vitória para o setor e possibilitará que o produtor regularize seu cenário com maior segurança jurídica, pois possuirá mais tempo para a realização de todos os trâmites, dentro de um escopo que gera condições especiais de pagamento, redução de juros, encargos e multas.

Assim como o entendimento do IPA, cremos que se destacam na Lei 13.606/18 itens como: (i) redução de 100% nas multas e encargos legais; (ii) cobrança em cascata, com o produtor podendo pagar o imposto em várias etapas; e (iii) redução da alíquota de 2,5% para 1,7% aos produtores rurais Pessoa Jurídica.

QUESTÕES TRABALHISTAS — Nesta semana, causou surpresa e indignação uma decisão do Comitê de Peritos da Organização Internacional do Trabalho (OIT) tomada durante a 107ª Conferência da entidade, em Genebra, na Suíça. O Brasil foi inserido como o 15º país na lista curta das nações que serão investigadas por não respeitarem os direitos trabalhistas.

A alegação dos peritos para inclusão do Brasil na "short list" foi pelo fato de o país supostamente ter problemas relacionados ao cumprimento dos termos da Convenção nº 98, que se refere a direito de sindicalização e negociação coletiva, com a aprovação da Reforma Trabalhista.

O CNC discorda e repudia completamente a equivocada decisão adotada pelo Comitê de Peritos e desconfia que entidades enviesadas ou com interesses político-partidários, as quais, em tese, atuam em defesa dos trabalhadores, possam ter interferido diretamente nessa deliberação.

A preterição do CNC em relação à referida decisão também se embasa no fato de a Reforma Trabalhista — ao contrário do especulado na Conferência da OIT — permitir que o país amplie os temas que podem ser objeto de negociação entre trabalhadores e empregadores.

RENOVAÇÃO NA COLÔMBIA — Há tempos, a Colômbia iniciou um processo de renovação de seus cafezais e vem contando com apoio de diversas frentes para o financiamento, como o recém-anunciado repasse de US$ 13,5 milhões do Governo Federal e o suporte que a illycaffè vem dando em assistência técnica e na garantia de compra dos cafés produzidos por ex-combatentes das Farc.

Além da renovação das árvores, as iniciativas visam a melhorar a produtividade, por meio de variedades mais resistentes a pragas, doenças e adversidades climáticas, e, principalmente, a qualidade do café colombiano.

Diante desse cenário, entendemos que é necessário os produtores do Brasil se atentarem, cada vez mais, à gestão de suas lavouras e à qualidade do café produzido, de maneira que permaneçamos competitivos e preservemos ou ampliemos nossa fatia de mercado.

Ao mesmo tempo, seguiremos desenvolvendo nossos trabalhos, no Brasil e internacionalmente, para que toda e qualquer iniciativa de aumento de produção esteja obrigatoriamente atrelada a ações de elevação do consumo da bebida.

Nesse sentido, está em vias de ser confirmada a realização do 2º Fórum Mundial de Produtores de Café, em 2019, no Brasil. Como realizadores, conduziremos os debates para que o mundo cafeeiro, em especial os países importadores, que cada vez mais demandam responsabilidade sustentável aos produtores, comprometam-se em trabalhar na ampliação do consumo da bebida e paguem o valor justo pelos cafés sustentáveis cultivados respeitando o meio ambiente e o social.

Atenciosamente,
Deputado Silas Brasileiro
Presidente Executivo
CNC - Sede Brasília (DF)
SCN Qd. 01, Bloco C, nº 85, Ed. Brasília Trade Center - Sala 1.101 - CEP: 70711-902
Fone / Fax: (61) 3226-2269 / 3342-2610
E-mail: imprensa@cncafe.com.br

sexta-feira, maio 25, 2018

CNC - Balanço Semanal de 21 a 25/05/2018


BALANÇO SEMANAL — 21 a 25/05/2018

CNC participa do Café com Tudo, evento que mobiliza o setor cafeeiro no Sul de Minas Gerais

CAFÉ COM TUDO — Nesta semana, o presidente do CNC, deputado Silas Brasileiro, participou de evento de lançamento do Café com Tudo, em Varginha, no Sul de Minas Gerais. Na oportunidade, ele ministrou palestra sobre o mercado cafeeiro e as medidas que a entidade tem adotado em relação ao cenário atual, visando a manter o equilíbrio entre oferta e demanda, de forma que os preços não fiquem aviltados.

O Café com Tudo é um evento que foca na geração de negócios ligados à cafeicultura e conta com diversas atividades promocionais e de valorização do produto na região. É realizado pela Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e Serviços de Varginha (ACIV) e tem como correalizadores a nossa associada Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Varginha (Minasul) e o Sicoob Credivar. A Minasul, na oportunidade, também fez o lançamento oficial de sua nova marca de café "Perfetto Grano".

Entendemos que o evento é uma oportunidade ímpar e de extrema relevância para a promoção e à otimização da imagem do café na região de Varginha, situada no coração cafeeiro do País e que tem 55% de sua economia movimentada pela cafeicultura e seus impactos no comércio e geração de empregos. Também por isso enaltecemos a contribuição dada pela presidente e pela diretora da nossa associada BSCA, Carmem Lucia Chaves de Brito e Vanusia Nogueira, respectivamente, com informações sobre as tendências do mercado.

Ao tempo em que nos sentimos honrados em contribuir para o avanço da bebida mais querida do Brasil na principal região produtora do País, também parabenizamos a organização do Café com Tudo nas figuras de Anderson de Souza Martins, presidente da ACIV, José Marcos Magalhães, presidente da Minasul, e de Ricardo Borges, diretor administrativo do Sicoob Credivar, além dos apoiadores Centro do Comércio de Café do Estado de Minas Gerais (CCCMG), presidido por Archimedes Coli Neto, e Sebrae-MG, representado pelo gestor Arrisson Nogueira Tavares.

Aproveitamos para agradecer o convite e enaltecer a realização do evento, que mobiliza todos os setores da sociedade varginhense, valorizando o café e apresentando informações e novidades sobre o produto em sua programação, que inclui palestras, ações promocionais no comércio e nos hotéis, cardápios especiais em bares e restaurantes, shows, distribuição de brindes promocionais, degustação de cafés especiais, exposições e eventos culturais. Nesta sexta-feira, 25, o presidente do CNC, Silas Brasileiro, dirige-se a Monte Carmelo (MG) para participar do VI Simpósio de Mercado e Certificação de Café.

CAMPEONATOS MUNDIAIS DE BARISMO — O maior país cafeeiro do mundo será palco das principais competições internacionais de barismo do planeta, conforme comunica a nossa associada BSCA. De 7 a 9 de novembro de 2018, o Brasil sediará, pela primeira vez, quatro modalidades dos Campeonatos Mundiais de Barismo, dentro da Semana Internacional do Café (SIC), em Belo Horizonte (MG).

Essa conquista é resultado dos trabalhos da organização do evento e integra as ações do projeto "Brazil. The Coffee Nation", desenvolvido pela Associação Brasileira de Cafés Especiais em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Segundo a BSCA, centenas de competidores, de mais de 40 países, virão à capital mineira representar sua nação na "copa do mundo" de preparo e prova da bebida.

Os quatro campeonatos atendem a diversas maneiras de fazer café: "World Latte Art Championship" é o desenho no café com leite; o "World Coffee in Good Spirits Championship" é o preparo do café com drinques alcoólicos e outros ingredientes que harmonizam com a bebida quente ou fria; o "World Brewers Cup" é a avaliação da performance do barista ao preparar café em método filtrado; e o "World Cup Tasters Championship" é destinado a provadores de café.

Organizados pela World Coffee Events (WCE), empresa que responde à Specialty Coffee Association (SCA), a Associação de Cafés Especiais mais relevante do mundo, os Campeonatos Mundiais de Barismo têm o objetivo de agregar a comunidade internacional apaixonada pelo café e mostrar como o mercado tem profissionais diferenciados no preparo da bebida mais querida no planeta.

MERCADO — Os contratos futuros do café arábica tiveram uma semana de recuperação internacional, impulsionados pelo mercado climático, à medida que a aproximação do inverno no cinturão produtor do Brasil eleva o risco de geadas.

Na Bolsa de Nova York, o vencimento julho/2018 do contrato "C" subiu 255 pontos, encerrando a sessão de ontem a US$ 1,2055 por libra-peso. Já na ICE Futures Europe, o vencimento julho do café robusta encerrou o pregão de quinta-feira a US$ 1.755 por tonelada, com leve queda semanal de US$ 7.

De acordo com a Somar Meteorologia, a partir de hoje a massa de ar polar começa a perder intensidade e o risco de geada, inclusive nas áreas mais altas, é menor. O serviço meteorológico explica que essa massa de ar polar diminuiu as temperaturas e dificultou a formação de nuvens carregadas, tornando os dias recentes mais secos na maior parte do cinturão cafeeiro.

O dólar comercial é outro fator que está no radar dos players. Esta semana, a divisa recuou 2,4% ante o real, cotado a R$ 3,6483. Contudo, registrou boa ascensão recente sobre a moeda brasileira, o que pode incentivar as exportações do País e pressionar as cotações.

No mercado físico, os pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) comentaram que os preços dos cafés arábica e robusta recuperaram parte das perdas com o suporte internacional e do dólar.

Ainda assim, a liquidez é limitada, influenciada também pela greve dos caminhoneiros no Brasil. Os indicadores do Cepea para as variedades arábica e robusta foram cotadas a R$ 454,34 por saca e a R$ 333,95 por saca, com variações negativas de 0,3% e 0,1% respectivamente.



Atenciosamente,
 
Deputado Silas Brasileiro
Presidente Executivo
CNC - Sede Brasília (DF)
SCN Qd. 01, Bloco C, nº 85, Ed. Brasília Trade Center - Sala 1.101 - CEP: 70711-902
Fone / Fax: (61) 3226-2269 / 3342-2610
E-mail: imprensa@cncafe.com.br





Café: Brasil sediará Campeonatos Mundiais de Barismo em novembro


Brasil sediará Campeonatos Mundiais de Barismo em novembro

Baristas de mais de 40 países virão a Belo Horizonte em busca do título de campeão mundial de 'Coffee in Good Spirits', 'Latte Art', 'Brewers Cup, e 'Cup Tasters'


O maior país cafeeiro do mundo será palco das principais competições internacionais de barismo do planeta. De 7 a 9 de novembro de 2018, o Brasil sediará, pela primeira vez, quatro modalidades dos Campeonatos Mundiais de Barismo, dentro da Semana Internacional do Café (SIC), em Belo Horizonte (MG). Essa conquista é resultado dos trabalhos da organização do evento e integra as ações do projeto "Brazil. The Coffee Nation", desenvolvido pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Centenas de competidores, de mais de 40 países, virão à capital mineira representar sua nação na "copa do mundo" de preparo e prova da bebida. Os quatro campeonatos atendem a diversas maneiras de fazer café: "World Latte Art Championship" é o desenho no café com leite; o "World Coffee in Good Spirits Championship" é o preparo do café com drinques alcoólicos e outros ingredientes que harmonizam com a bebida quente ou fria; o "World Brewers Cup" é a avaliação da performance do barista ao preparar café em método filtrado; e o "World Cup Tasters Championship" é destinado a provadores de café.

Os Campeonatos Mundiais de Barismo são organizados pela World Coffee Events (WCE), empresa que responde à Specialty Coffee Association (SCA), a Associação de Cafés Especiais mais relevante do mundo. O objetivo das competições é agregar a comunidade internacional apaixonada pelo café e mostrar como o mercado tem profissionais diferenciados no preparo da bebida mais querida no planeta.

"A realização dos campeonatos mundiais no Brasil é mais do que uma conquista, é uma honra! Estamos de braços abertos para receber as centenas de baristas e visitantes internacionais, disponibilizando uma estrutura fantástica para que os profissionais possam dedicar sua atenção total nas competições, assim como os visitantes possam conhecer o que há de melhor no mundo cafeeiro", comenta Vanusia Nogueira, diretora da BSCA.

O diretor da Café Editora – uma das realizadoras da SIC –, Caio Fontes, entende que a vinda dos mundiais para o País é fruto de uma combinação de diversos fatores presentes na Semana Internacional do Café. "Conexão entre todos os elos do setor, diversidade de públicos nacionais e internacionais, amadurecimento do mercado interno e relevância no incentivo a novos negócios de café especial. Para nós, é uma grande oportunidade", revela.

BRAZIL. THE COFFEE NATION
O projeto setorial é desenvolvido em parceria por BSCA e Apex-Brasil e tem como foco a promoção comercial dos cafés especiais brasileiros no mercado externo. O objetivo é reforçar a imagem dos produtos nacionais em todo o mundo e posicionar o Brasil como fornecedor de alta qualidade, com utilização de tecnologia de ponta decorrente de pesquisas realizadas no País. O projeto visa, ainda, a expor os processos exclusivos de certificação e rastreabilidade adotados na produção nacional de cafés especiais, evidenciando sua responsabilidade socioambiental e incorporando vantagem competitiva aos produtos brasileiros.

Iniciado em 2008, a vigência do atual projeto se dá entre maio de 2016 a este mês de 2018, tendo como mercados-alvo: (i) EUA, Canadá, Japão, Coreia do Sul, China/Taiwan, Reino Unido, Alemanha e Austrália para os cafés crus especiais; e (ii) EUA, China, Alemanha e Emirados Árabes Unidos para os produtos da indústria de torrefação e moagem. As empresas que ainda não fazem parte do projeto podem obter mais informações diretamente com a BSCA, através dos telefones (35) 3212-4705 / (35) 3212-6302 ou do e-mail exec@bsca.com.br.

SEMANA INTERNACIONAL DO CAFÉ
A SIC é uma iniciativa do Sistema FAEMG, Café Editora, Sebrae e Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Estado (Seapa) e da Codemig. De 7 a 9 de novembro, reunirá, no Expominas, toda a cadeia produtiva do setor cafeeiro nacional e internacional, em prol do crescimento social e economicamente sustentável do produto brasileiro. O encontro envolve cafeicultores, torrefadores, classificadores, exportadores, compradores, fornecedores, empresários, baristas, proprietários de cafeterias e apreciadores. Durante os três dias, serão realizados mais de 25 eventos simultâneos focados nas áreas de Mercado & Consumo, Conhecimento & Inovação e Negócios & Empreendedorismo.

Em 2018, receberá os mundiais de barista "World Coffee in Good Spirits Championship", "World Latte Art Championship", "World Brewers Cup" e "World Cup Tasters Championship", organizados pela World Coffee Events e com o National Body da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA).

Mais informações para a imprensa
BSCA – Assessoria de Comunicação
Paulo André C. Kawasaki
(61) 98114-6632 / ascom@bsca.com.br
BSCA - Brazil Specialty Coffee Association
Telefones: (35) 3212-4705 / 3212-6302
E-mail: ascom@bsca.com.br


terça-feira, maio 22, 2018

BSCA realiza curso de Processamento de Café CQI no Brasil


BSCA realiza curso de Processamento de Café CQI no Brasil

Certificado confere a profissionais formados reconhecimento mundial sobre as noções dos métodos e tecnologias de processamento pós-colheita


Aprofundar conhecimentos sobre os principais métodos e tecnologias de processamento pós-colheita, agregando boas práticas dentro da cadeia de ações que envolvem a busca da qualidade do café ao final dos processos. Esse é o objetivo da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) e do Coffee Quality Institute (CQI) ao firmarem parceria para a realização, no País, dos cursos de Processamento de Café "Q-Processing" em 2018.

São três cursos confirmados para este ano, havendo a possibilidade da realização de outras turmas, conforme o interesse dos participantes. O treinamento tem duração de seis dias e será ministrado por Joel Shuler, da Casa Brasil, nas origens produtoras da Denominação de Origem do Cerrado Mineiro, na região Sul de Minas e na Indicação de Procedência da Alta Mogiana de São Paulo.

Os cursos serão realizados em propriedades cafeeiras e abrangem os benefícios da produção pelas vias úmida (cereja descascado, lavado e/ou despolpado) e seca (natural), com aulas teóricas e práticas em campo e posteriores degustações sensoriais em laboratórios de qualidade e aplicação de testes para a obtenção do certificado de Processamento de Café CQI, reconhecida internacionalmente.

Também serão debatidos tópicos considerados essenciais no processo de pós-colheita, como anatomia do fruto do café e suas formas de classificação; impacto da forma de processamento na xícara; cupping comparativo dos principais métodos e dos protocolos de fermentação; fermentação dos cafés lavados, desmucilados e naturais; processo de secagem; comparativo de secagem natural e secagem mecânica; questões de sustentabilidade, como aquecimento global e poluição da água, entre outros.

De acordo com a BSCA, o curso de "Q-Processing" integra um programa educacional mundial do CQI e os profissionais aprovados na avaliação final receberão o certificado que, brevemente, acredita-se que tenha a mesma visibilidade e a importância que atualmente caracteriza o Certificado Q e os próprios Q-Graders.

SERVIÇO
Cursos de Processamento de Café "Q-Processing" CQI
Data: 13 a 18 de junho, na Fazenda São José, em Patrocínio (Cerrado Mineiro)
Data: 26 de junho a 1º de julho, na Fazenda Santa Cruz, em Paraguaçu (Sul de Minas)
Data: 02 a 07 de julho, na Fazenda O'Coffee, em Pedregulho (Alta Mogiana)
Mais informações e inscrições: http://.bsca.com.br/qprocessing

Mais informações para a imprensa
BSCA – Assessoria de Comunicação
Paulo André C. Kawasaki
(61) 98114-6632 / ascom@bsca.com.br
BSCA - Brazil Specialty Coffee Association
Telefones: (35) 3212-4705 / 3212-6302
E-mail: ascom@bsca.com.br


CNC - Balanço Semanal de 14 a 18/05/2018


BALANÇO SEMANAL — 14 a 18/05/2018

CNC coordena seminário para aprimoramento interno e alinhamento internacional das estatísticas do café

 
ESTATÍSTICAS — Na sexta-feira passada, 11 de maio, o CNC realizou o Seminário "Estatísticas Brasileiras de Café – Aprimoramento Doméstico e Alinhamento Internacional", no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em Brasília (DF). O evento contou com a participação de todos os representantes da cadeia produtiva, do Governo Federal, de renomadas instituições de ensino e pesquisa, representantes do agro com passagem relevante pela cafeicultura e do diretor executivo da Organização Internacional do Café (OIC), José Sette.

O presidente executivo do CNC, deputado Silas Brasileiro, anota que a realização do Seminário é consequência do trabalho de longa data do Conselho Nacional do Café de acompanhamento e participação nas ações de política cafeeira mundial, no âmbito da Organização Internacional do Café (OIC), principalmente em relação ao aumento da credibilidade das estatísticas do setor cafeeiro.

Desde setembro de 2016, em decorrência das discussões ocorridas na 117ª Sessão do Conselho Internacional do Café, a OIC está realizando um profundo exame nos dados estatísticos que publica. No boletim trimestral estatístico de janeiro de 2017, os volumes produzidos pelos países exportadores foram revisados, inclusive retroativamente. Desde essa data, a Organização deixou de publicar os números oficiais de safra fornecidos pelo governo do Brasil, estimados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), mas também não divulgou claramente a metodologia empregada para chegar aos novos números de safra e estoques brasileiros e dos outros países produtores.

Frente a esse cenário, o objetivo do CNC ao organizar o Seminário foi de promover um debate sobre as metodologias adotadas no Brasil para estimar dados de produção, estoques e consumo de café, que entendemos ser o primeiro passo no sentido de alcançar alinhamento entre as estatísticas domésticas e internacionais.

Após as explanações, avaliamos que um dos principais encaminhamentos do evento foi o engajamento do setor privado no sentido de apoiar o Governo Federal a aprimorar as estatísticas geradas, sendo evidenciado o interesse de criação de um fórum permanente, no âmbito do Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC), para promover o ajuste no quadro de oferta e demanda do Brasil, com foco inicial na melhoria, principalmente, dos dados de estoques.

No que se refere ao volume armazenado, o CNC sugeriu a apresentação de um Projeto de Lei para tornar obrigatória a informação ao Governo dos estoques carregados por todos os segmentos da cadeia do agronegócio café.

Também houve comprometimento dos representantes dos diferentes segmentos da cadeia produtiva em apoiar a divulgação, junto às suas respectivas bases, da metodologia adotada pela Conab para estimar as safras cafeeiras, cuja acurácia surpreendeu os presentes nos quesitos uso de sensoriamento remoto e tecnologias de geoprocessamento e tratamentos estatísticos.

Como presidente executivo do CNC, entendemos e manifestamos que a parceria público-privada é fundamental para garantir a atualização permanente das tecnologias e o mapeamento que embasam as previsões de safra de café realizadas pela Conab.

Após as apresentações e debates realizados, as principais conclusões tomadas foram:
  1. Promover internalização da metodologia aplicada pela Conab nos levantamentos de safra nas regiões produtoras e entre os associados das entidades de representação nacional dos diferentes segmentos da cadeia produtiva e divulgar essa metodologia internacionalmente, pois o Brasil está muito avançado em relação a outros países produtores de café. Essa é uma forma de ampliar a credibilidade dos números gerados pela estatal, visto que há amplo desconhecimento sobre a forma como são executados os levantamentos de safra de café;
  2. Estimular a parceria entre o setor privado e a Conab para que haja agilidade na atualização e na incorporação de novas tecnologias nos levantamentos de safra. Em relação ao aprimoramento do volume armazenado pelo setor privado, representantes da cadeia se comprometeram a efetivar esforço conjunto para o levantamento dos estoques e vendas de associados no mercado interno, propondo, futuramente, a assinatura de um termo de cooperação com a Conab;
  3. Avaliar a possibilidade de contratação de auditoria independente para validar os resultados dos levantamentos da safra e do consumo brasileiros de café;
  4. Estimular parcerias com universidades para o desenvolvimento de um modelo estatístico padrão de amostragem das propriedades dentro dos municípios e de modelo 'agrometeorológico spectral' para estimativa de produtividade;
  5. Fortalecimento do papel da Conab como entidade responsável por efetuar o fechamento/balanço, por ano safra ou ano civil, do fluxo de oferta e demanda dos cafés brasileiros, para validação nacional e internacional dessa importante informação estratégica;
  6. Criação de um ambiente permanente de diálogo entre os setores público e privado, no âmbito do CDPC, visando ao aprimoramento das estatísticas brasileiras de café.
  7.  Proposta de auditoria internacional nas estatísticas de safra, estoques e consumo do Brasil, com o objetivo de "marketing mundial", a qual, diante do cenário de inconsistências dos quadros de oferta e demanda, pode ser um dos mecanismos de recuperação de credibilidade.
Por fim, esperamos que este seja um primeiro passo em direção a um trabalho coordenado entre a cadeia produtiva e o Governo Federal para, juntos, alcançarmos a tão sonhada credibilidade de nosso sistema de estatísticas cafeeiras.

MERCADO — Os contratos futuros do café registraram perdas moderadas nesta semana no mercado internacional, à medida que as cotações registraram recuperação, na quarta e na quinta-feira, em função de ajustes técnicos.

Na ICE Futures US, o vencimento julho do contrato "C" recuou 150 pontos, encerrando a sessão de ontem a US$ 1,1790 por libra-peso. Já o vencimento julho do café robusta, negociado na ICE Futures Europe, fechou a quinta-feira a US$ 1.750 por tonelada, apresentando declínio de US$ 8 ante a semana anterior.

O dólar comercial teve mais uma semana de avanço frente ao real, sendo impulsionado, em parte, pela saída de investidores estrangeiros da bolsa brasileira. Os ganhos da moeda norte-americana permaneceram também após o mercado "digerir" a surpresa da manutenção da Selic em 6,5%. A divisa fechou ontem a R$ 3,7012, avançando 2,8% na semana.

De acordo com a Somar Meteorologia, o clima nas regiões produtoras de café do Brasil muda neste fim de semana, com a passagem de uma frente fria trazendo chuva ao cinturão, que variará entre 15 milímetros e 30 milímetros. Há, ainda, previsão de ventos fortes e possibilidade de queda de granizo em municípios situados acima de 1.000 metros.

Posteriormente, uma massa de ar frio, cujo centro sobre o oeste de Santa Catarina terá intensidade de 1.021 milibares, provocará queda da temperatura. "Não há potencial para geadas, já que a mínima alcançará valores em torno de 5 graus no sul de Minas Gerais na segunda-feira", prevê a Somar.

Na quinta-feira, 17 de maio, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou seu segundo levantamento para a safra 2018 de café no Brasil, estimando a colheita em 58 milhões de sacas de 60 kg. Esse volume ficou superior à projeção do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que, em 10 de maio, previu a safra nacional em 55,3 milhões de sacas.

As cotações do arábica e do robusta subiram no mercado físico, impulsionadas pela elevação do dólar e acompanhando a recuperação de quarta e quinta-feira nos mercados futuros internacionais. Segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), vendedores estiveram mais ativos e alguns negócios foram fechados com o conilon. Os indicadores calculados pela instituição para as duas variedades ficaram em R$ 444,31/saca (arábica) e a R$ 326,88/saca (robusta), com ganhos de 0,8% e 1,8%, respectivamente.



Atenciosamente,
Deputado Silas Brasileiro
Presidente Executivo
CNC - Sede Brasília (DF)
SCN Qd. 01, Bloco C, nº 85, Ed. Brasília Trade Center - Sala 1.101 - CEP: 70711-902
Fone / Fax: (61) 3226-2269 / 3342-2610
E-mail: imprensa@cncafe.com.br

Arquivo do blog