A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

quinta-feira, novembro 07, 2019

☕ Newsletter CNC - 07/11/2019


☕📰 Newsletter CNC - 07/11/2019

Café/Farnese: retomaremos cerca de R$ 500 mi não aplicados do Funcafé para fazer nova oferta
Agência Estado - Neste mês, será feita uma segunda chamada para cerca de R$ 500 milhões que estão com agentes financeiros e ainda não foram aplicados. O montante, então, será ofertado novamente para outras instituições. Saiba mais

Encafé: Mendonça de Barros crê que indústria de café deve ter um respiro a partir de 2021
Agência Estado - "A indústria tem uma vantagem: a lavoura ainda tem excesso de produção, então os preços da matéria-prima não devem subir", destacou. Saiba mais

Euromonitor: consumo total de café no Brasil deve crescer cerca de 2,5% em 2019
Agência Estado - A projeção da Euromonitor é que o consumo total de café no Brasil em 2019 seja de 20 milhões de sacas. Saiba mais

Cepea divulga análise conjuntural do mercado cafeeiro em outubro
Cepea/Esalq USP -  Após chuvas no fim de setembro e início de outubro, boas floradas ocorreram em todas as regiões cafeeiras, mas, apesar da dimensão e uniformidade, grande parte dos agentes ficou preocupada com as chuvas limitadas e dispersas de outubro. Saiba mais

Café: 'pode ser um ótimo momento para apostar em hedge e barter'
Canal Rural - As cotações do arábica subiram 8% em outubro e a tendência, segundo a CNA, é de que esse movimento continue em novembro. Saiba mais

Vantagem econômica no uso de variedades de café resistentes e produtivas 
Fundação Procafé - A maior vantagem está no aspecto econômico, pois uma variedade resistente e produtiva diminui o custo de produção e melhora a rentabilidade. Um exemplo disso pode ser observado no caso da cultivar Arara. Saiba mais

Café arábica é a nova cultura contemplada pelo SiBCTI
Embrapa - O Sistema Brasileiro de Classificação de Terras para Irrigação define o potencial do ambiente para desenvolver culturas sob determinado tipo de irrigação. Saiba mais

Bahia: lavouras de café tem mapeamento validado no estado
Conab - Serão visitadas aproximadamente 70 propriedades na região do Planalto, que engloba as microrregiões da Chapada Diamantina, de Vitória da Conquista e de Brejões. Saiba mais

Deputados e produtores rurais condenam possível fim da Lei Kandir
Agência Câmara - Participantes de audiência na Comissão de Agricultura defenderam a imunidade das exportações agrícolas brasileiras. PEC em análise no Senado revoga isenção trazida por lei de 1996. Saiba mais

Estação MasterChef: Cozinheiros homenageiam imigrantes
BAND - No interior de São Paulo, os participantes foram desafiados a homenagear os imigrantes que vieram para o Brasil no século passado. Para isso, os times terão que usar o café nas receitas. Saiba mais

O café emagrece e pode ser bebido sem limites?
ACTIVA Portugal - É o que sugerem dois novos estudos. Saiba mais

Produção de café na Colômbia cresce 5% no ano
CaféPoint - De janeiro a outubro, a produção colombiana somou 11,6 milhões de sacas. No mesmo período de 2018, o país havia registrado 10,9 milhões de sacas produzidas. Saiba mais
CNC - Sede Brasília (DF)
SCN Qd. 01, Bloco C, nº 85, Ed. Brasília Trade Center - Sala 1.101 - CEP: 70711-902
Fone / Fax: (61) 3226-2269 / 3342-2610

            

Embrapa - Adoção e inovação, não versus



Adoção e inovação, não versus
Conceitos convergentes determinados pelo usuário, o produtor rural

Dados recentes do Global Innovation Index (GII) 2019, ranking anual baseado em crescimento impulsionado pela inovação, mostram que entre as maiores empresas inovadoras do mundo, a maioria não utiliza tecnologia, de fato, nova em suas inovações. Constatação que causa inquietação entre os atores de diversas cadeias produtivas, entre eles, os pesquisadores, e reforça a busca por respostas.

No setor agropecuário não é diferente e o certo é que há fatores que determinam se uma tecnologia é inovadora ou não. A maior parte dessas condicionantes não está nas mãos de pesquisadores (ou equipes), responsáveis por desenvolver as soluções tecnológicas. "Há um gap entre a tecnologia e a inovação, que se materializa quando há determinadas condições", afirma o professor Antônio Marcio Buainain, do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp-SP). 

A primeira delas são as características socioeconômicas e pessoais do produtor rural. Isso vai do capital humano, nível de educação (formal e informal), cultural, ao capital social. A seguir estão as peculiaridades da unidade produtiva, como distância, acesso, condições de escoamento, topografia, tamanho, microclima e tantos outros elementos. 

A própria tecnologia tem seu peso. "Boas ou não, as tecnologias não são neutras e interagem com outras características e nem sempre é possível adaptar um ativo a um conjunto de condicionantes", enfatiza o economista. Por fim, há fatores sistêmicos, como indústria, mercado e investimento e a pesquisa pouco consegue alterar essas condições, mesmo intencionada. 

"A tecnologia pode atender uma necessidade, se justificar, ser prática, ser vantajosa e, ainda assim, não se difundir e nem transformada em inovação pela ausência dessas particularidades", ratifica o professor da Unicamp. Seus estudos, desde a década de 90, mostram que tais forças são capazes de transformar uma tecnologia em inovação e passível de adoção.

Atuação da Embrapa
Diante desse cenário, a Embrapa construiu um novo modelo de gestão de PD&I, baseado na inovação aberta, o qual encurta o caminho para a adoção de tecnologias porque as pesquisas são definidas em conjunto com o setor produtivo, a partir de suas demandas e necessidades. 

Segundo o secretário de Pesquisa e Desenvolvimento da estatal, Bruno Brasil, a mudança na lógica de atuação da Embrapa, antes mais focada num modelo de produção e oferta, teve como um de seus principais desafios equilibrar a disparidade entre o avanço do conhecimento científico (quantidade de artigos publicados aumentou 300% nos últimos 13 anos) e dos indicadores de inovação, especialmente as parcerias diretas com o setor produtivo, que figuravam em apenas 5,9% dos projetos até 2018. "Era preciso mudar esse cenário. Ajustá-lo às imposições de um mundo moderno e globalizado, no qual as respostas precisam ser rápidas e objetivas", frisa.

São três as principais premissas do modelo de inovação aberta da Embrapa: orientar o programa de PD&I por missões; aumentar a interação com o setor produtivo e investir prioritariamente no desenvolvimento de ativos. Para estimular a formação de parcerias público-privadas, os projetos são cofinanciados, a propriedade intelectual pode ser compartilhada e as contratações são em fluxo contínuo.

Bruno ressalta a importância da ciência para a agricultura brasileira, fazendo com que o País passasse de importador de alimentos, na década de 1970, para um dos mais importantes players do agro mundial hoje. "Essa transformação, sem precedente no cinturão tropical, se deve em grande parte aos investimentos em CT&I", destaca. Em quatro décadas, a produção de grãos aumentou cinco vezes; a produtividade de trigo e milho cresceu 240%; a do arroz 315%; o setor florestal elevou a produtividade em 140%; o rebanho bovino dobrou e a produção de carne de frango foi ampliada 59 vezes.

Os pesquisadores Antônio Marcio Buainain e Bruno Brasil falaram sobre esses assuntos durante a abertura do Simpósio Internacional sobre Adoção de Tecnologias Agropecuárias, que acontece em Campo Grande (MS), sob responsabilidade da Embrapa e das Universidades Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e da Grande Dourados (UFGD).

Sobre o Simpósio 
Durante a abertura (6), o chefe-geral interino da Embrapa Gado de Corte, Ronney Mamede, especialista em inovação e empreendedorismo, jogou ao público reflexões que antecederam as duas palestras, como "o que nos limita de alcançar nosso pleno potencial? Por que, em alguns setores do agro, em algumas cadeias específicas e em algumas regiões do país, ainda 'cavalgamos' enquanto poderíamos 'voar'?". 

Além de Mamede estiveram presentes o chefe-geral e adjuntos da Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados-MS), Guilherme Asmus, Harley Nonato de Oliveira e Auro Otsubo; o presidente do Sistema Famasul, Maurício Saito; o diretor-presidente da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de MS (Fundect) Márcio Araújo; e o superintendente da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Rogério Beretta. 

O evento, inédito no Brasil, acontece entre os dias 6 e 8 de novembro no Sindicato Rural de Campo Grande (MS), com o objetivo de promover um debate ao redor do tema, a fim de identificar prioridades para o ensino, a pesquisa e a extensão rural. O Simpósio tem  o apoio do Sindicato Rural, CNPq, Fundect, Fundapam e Agência Municipal de Meio Ambiente e Planejamento Urbano (Planurb) e patrocínio de ServSal e Caixa de Assistência dos Profissionais do Crea-MS (Mutua). 

A proposta ao final dos três dias é construir uma rede de cooperação em adoção de tecnologias e inovação, buscando colocar as necessidades do produtor rural brasileiro em primeiro plano.

Redação: Dalízia Aguiar e Fernanda Diniz, jornalistas Embrapa
Foto (Lilian Alves): tecnologias usadas na pecuária

-- 
Núcleo de Comunicação Organizacional - NCO
Embrapa Gado de Corte
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)
Campo Grande/MS

gado-de-corte.imprensa@embrapa.br
Telefone: +55 67 3368-2142 / 2144 / 2203
www.embrapa.br | twitter.com/embrapa | twitter.com/GadodeCorte
www.facebook.com/embrapa | www.facebook.com/gadodecorte


quarta-feira, novembro 06, 2019

Embrapa - Quanto custa errar no manejo do pasto?


Haroldo Pires de Queiroz
zootecnista, analista e difusor de tecnologia, Embrapa (Campo Grande-MS)
- Depende ...
- Não me enrola!
- Vai aí de uns R$ 500,00 a mais de R$ 3.000,00 por hectare, por ano.
- Tá bom. Depende do quê?
- Do peso de abate dos seus animais, do sistema de pastejo, se usa adubação ou não. Quanto mais intensivo o seu sistema de produção, mais caro sai errar no manejo. Quanto melhor a estrada e o carro e mais veloz o motorista, mais feio é o desastre!
- De onde você tirou os quinhentos e os três mil reais?
- Posso te explicar, mas você vai precisar de uma calculadora pra me acompanhar...
- Tá na mão, que eu não corro da raia.
- ...e preciso explicar primeiro o que a gente chama de manejo correto das pastagens.
- Anda logo.
- Digamos que manejo correto é aquele que leva a uma maior produção de carne por área, com maio lucro e menor impacto ambiental – sem degradar a pastagem nem o solo e com a menor emissão dos gases que esquentam o planeta.
- Continua, porque isso tá meio vago, meio filosófico demais.
- Você tem que manejar o capim dentro de alturas máximas e mínimas para cada cultivar e adubar as pastagens para repor o que foi extraído do solo pelo capim, comido pelo boi e levado embora para o frigorífico.
- Mas até há pouco eu achava que o certo era cumprir um tempo fixo de descanso depois do pastejo. Tipo Voisin.
- É que com o tempo fixo de descanso, com mais ou menos calor, chuva, adubo e luminosidade a planta pode não ter crescido o suficiente ou já passou do ponto. Tem que variar o período de descanso pra sempre chegar na proporção correta de folhas e talos, que vai resultar no maior ganho de peso individual, na maior lotação e no maior número de ciclos de pastejo por ano. Ou seja, tem que entrar com o boi na altura certa do capim.
- E o que eu faço com a calculadora?
- Vamos lá. Li num artigo da Embrapa que o capim-marandu superpastejado até chegar a 15 cm suportou uma lotação de 3,2 UA/ha e os novilhos ganharam 560 g/cabeça/dia. No final de um ano, multiplicando a lotação pelo ganho individual, deu uma produção de 428 kg de peso vivo por hectare. No manejo correto do pastejo contínuo, mantendo o capim o ano inteiro próximo de 30 cm deu uma lotação menor, 2,8 UA/ha. Mas os novilhos ganharam mais: 760 g/cab./dia, levando a produção anual para 485 kg/ha.
- Quer dizer que o pastejo correto deu 57 kg de peso vivo a mais, por hectare e por ano? Isso são 2 arrobas a mais por hectare, todo ano!
- Isso mesmo! E o subpastejo também dá prejuízo. Pra manter o marandu mais alto, a 45 cm, a lotação anual cai para 2,0 UA/ha e, o que é pior, o ganho de peso diminui pra 730g/cab./dia. Se você acha que com pasto alto, sobrando, o boi ganha mais, está enganado. O pasto alto fica passado, digere menos, o boi se alimenta mal e acaba ganhando menos peso. No final, com melhor lotação e menor ganho por animal a produção de carne cai para 344 kg/ha. São 141 kg/ha a menos, quase 5 arrobas a menos, por hectare, por ano.
- E quanto custa essa produção a menos?
- Considerando um custo de produção diário de R$ 1,80/cab./dia e o preço de R$ 4,90 por quilo de peso vivo (R$ 145,00 / @), a receita líquida para o pastejo correto é de R$ 4.425,00/ha/ano contra R$ 3.280,00 no superpastejo e R$ 3.014,00 no subpastejo.
Nesse custo já está embutidos: adubação de manutenção, depreciação das instalações e máquinas, mão de obra, taxas e os outros insumos, como medicamentos e suplementos minerais.
- Caramba, então o pasto rapado me dá um prejuízo de mais de R$ 1.000 por hectare por ano! Dá mais de R$ 570.000,00 por ano nos meus 500 ha de braquiarão.
- Pois é, e se deixar o pasto passado o ano inteiro, o prejuízo é de quase R$ 1.500,00/ha, mais de R$ 700.000,00 nos seus 500 ha.
- E sem adubação anual de manutenção?
- Os custos caem pra R$ 1,50/cab./ano, a lotação cai pela metade e o prejuízo só do manejo é de R$ 580,00 no superpastejo e R$ 840,00 no subpastejo. Comparado com o manejo correto e adubado, não adubar e subpastejar leva a uma perda de R$ 2.820,00 /ha/ano. Sem adubo e rapado o prejuízo é de R$ 2.560,00/ha. Uma traulitada de quase R$ 1.300.000,00, todo ano, nos seus 500 ha! Tá bom pra você?
- Viiiiche!!!!!

Exemplos nas tabelas abaixo:

Capim-marandu com adubação

Altura da pastagem
Lotação
Ganho de peso
* Duração do ciclo de acabamento
Lotação
Custo total
Receita
** Resultado/ciclo
 Resultado anual
*** Prejuízo
(cm)
(UA/ha)
g/cab/dia
(dias)
(cab./ha)
(R$ 1,80/ cab/dia)
(R$ 4,90/
kg de PV)
(R$)
(365 dias)
(R$/ha/ano)
15
3,2
560
500
2,9
2.610,00
7.105,00
4.495,00
3.281,35
1.144,28
30
2,8
760
368
2,5
1.657,89
6.125,00
4.467,11
4.425,63
....
45
2
730
384
1,8
1.242,74
4.410,00
3.167,26
3.013,99
1.411,64
* Tempo para um bezerro de 220 kg ganhar 280 kg e atingir o peso de abate, 17@ (500 kg): 280 kg dividido pelo ganho diário de peso.
** A receita menos o custo total
*** Diferença entre os resultados do manejo a 30 cm e dos manejos a 15 ou 45cm.


Capim-marandu sem adubação

Altura da pastagem
Lotação
Ganho de peso
* Duração do ciclo de acabamento
Lotação
Custo total
Receita
** Resultado/ciclo
 Resultado anual
*** Prejuízo
(cm)
(UA/ha)
g/cab/dia
(dias)
(cab./ha)
(R$ 1,50/ cab/dia)
(R$ 4,90/
kg de PV)
(R$)
(365 dias)
(R$/ha/ano)
15
1,6
560
500
1,5
1.125,00
3.675,00
2.550,00
1.861,50
582,18
30
1,4
760
368
1,3
718,42
3.185,00
2.466,58
2.443,68
....
45
1
730
384
0,9
517,81
2.205,00
1.687,19
1.605,54
838,13

--
Núcleo de Comunicação Organizacional - NCO
Embrapa Gado de Corte
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)
Campo Grande/MS

gado-de-corte.imprensa@embrapa.br
Telefone: +55 67 3368-2142 / 2144 / 2203
www.embrapa.br | twitter.com/embrapa | twitter.com/GadodeCorte
www.facebook.com/embrapa | www.facebook.com/gadodecorte
_______________________________________________

☕ Newsletter CNC - 05/11/2019


☕📰 Newsletter CNC - 05/11/2019

Produção de café recua o equivalente a 800 mil sacas, diz Cooxupé
Canal Rural - Agricultores temem que a próxima safra tenha perdas semelhantes a esta. Saiba mais

Chuva de granizo danifica lavouras e pode prejudicar a safra do ano que vem
Café com TV - A chuva de granizo atingiu alguns municípios da região, o que pode prejudicar a safra do ano que vem. Para prevenir e minimizar perdas, procure um técnico agrícola Minasul. Saiba mais

Cocatrel promove hackathon durante a Semana Internacional do Café
Ascom Cocatrel - Equipes disputam maratona de inovação em 48 horas durante a SIC e visam soluções para o produtor, a cooperativa e a indústria do café. Saiba mais

Drones revolucionam a agricultura e facilitam os cuidados com a lavoura
Ascom Coocafé - A inovação e a tecnologia já são realidade no setor agropecuário e estão cada vez mais acessíveis para o produtor rural. Os drones pulverizadores são mais uma das invenções que vêm para agregar ao dia-a-dia do homem do campo. Saiba mais

Cepea: chuvas aliviam parte das preocupações quanto à safra 2020 de café
Agência Estado - Cafeicultores de regiões em que as chuvas somaram baixo volume ainda não registram prejuízos, mas já começam a se atentar, à espera de mais precipitações. Saiba mais

NY: café tem dias de movimento técnico, mas operadores seguem atentos com Brasil
Notícias Agrícolas - Futuros do arábica registram altas expressivas na terça-feira (05), mas com suporte técnico. Analista de mercado da INTL FCStone, no entanto, destaca que operadores devem seguir acompanhando as informações da safra brasileira. Saiba mais

Tereza Cristina diz que assistência técnica para pequeno produtor é prioridade em 2020
Ascom MAPA - A ministra participou da abertura do Congresso Brasileiro de Gestores da Agropecuária, que ocorrerá de 5 a 7 de novembro. O objetivo é debater os desafios do setor e iniciativas para desenvolvimento do agro. Saiba mais

Ministra fala a embaixadores europeus sobre sustentabilidade na agricultura brasileira
Ascom MAPA - Os principais produtos exportados para o mercado europeu são farelo de soja, soja em grãos, café verde, suco de laranja e milho. O acordo entre Mercosul e UE também foi debatido no encontro. Saiba mais

II Encontro Sul Mineiro de Cafeicultura será no dia 12 de novembro
CaféPoint - O encontro trará ao público um panorama geral da cafeicultura sul-mineira atual além dos desafios e possibilidades de mudanças no futuro que nos cerca. Saiba mais

Da commodity ao café gourmet de alto valor agregado
Folha de Londrina - Família de Cambira cultiva paixão pela cultura cafeeira e alia tradição e inovação. Saiba mais

Exposição no Museu do Café celebra influência árabe no Brasil
Sec. Educação do Estado de SP - Mostra temporária oferece entrada gratuita a partir do dia 28 de novembro. Saiba mais
CNC - Sede Brasília (DF)
SCN Qd. 01, Bloco C, nº 85, Ed. Brasília Trade Center - Sala 1.101 - CEP: 70711-902
Fone / Fax: (61) 3226-2269 / 3342-2610

            

Arquivo do blog