A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

segunda-feira, dezembro 05, 2016

EMBRAPA: Curso de ILPF tem dia de campo e palestra com produtores





No último dia do 5º Curso de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), realizado de 28 a 30 de novembro na Embrapa Gado de Corte (Campo Grande, MS), os participantes foram ao campo conhecer mais sobre os temas abordados durante o curso. O produtor rural Gustavo Guimarães, que possui uma propriedade rural no Centro e outra no Sul de Minas, disse que participou do treinamento visando adquirir conhecimentos sobre Integração Lavoura-Pecuária (ILP) e que pretende implantar o sistema em uma das fazendas. 




No dia de campo, o pesquisador da Embrapa, Roberto Giolo, apresentou o projeto agrossilvipastoril, no qual são desenvolvidos estudos com três sistemas para avaliar a densidade de árvores em sistemas integrados: um de ILP, outro de ILPF com 227 árvores por hectare e um terceiro com 357 árvores por hectare. 

Ele explicou que são três sistemas diferentes, cada um com um potencial. “Para um pecuarista, estamos percebendo que os sistemas com um nível intermediário de 227 árvores por hectare, permite uma boa produção pecuária, além da produção de madeira. Quando se coloca uma densidade mais alta, a produção pecuária cai, apesar de se ter uma maior produção de madeira. Então vai depender muito do objetivo do produtor. No caso do pecuarista, nós imaginamos que a opção vai ser por aquele sistema que dê uma maior produção de gado”. 

Durante o curso, o diretor do Grupo Mutum, Moacir Reis, e o gerente do Grupo Sapé Agro, Artur Falcette, ambos parceiros da Embrapa, apresentaram suas experiências. Desde 2006 trabalhando com ILPF, Moacir Reis contou que a implantação de floresta na propriedade começou em 2004. A pecuária foi um pouco antes, entre 2000 e 2001. “O produtor tem que estar sempre consciente sobre onde plantar. Se ele está mais perto da indústria, tem que plantar um pouco mais adensado, se está mais distante, tem que colocar menos plantas por hectare”, alertou. 

Já Artur Falcette explicou como é conduzida a Integração Lavoura-Pecuária na propriedade, localizada em Maracaju e que produz soja, milho, aveia, gado de corte, cana-de-açúcar numa área de aproximadamente 5,5 mil hectares.Ele falou sobre os ganhos quando se tem uma atividade de agricultura integrada a de pecuária. “Tudo o que de uma você consegue aproveitar na outra, devido a alguns aspectos de profissionalização da agricultura, que melhora os níveis de maturidade de negócios, de trabalho, de utilização de tecnologias que é importante e, por outro lado, o que a pecuária consegue aproveitar do sistema da agricultura que seria uma perda natural do sistema” explicou. Disse, ainda, que o sucesso atual da propriedade está totalmente ligado à Integração Lavoura-Pecuária e que a pecuária ainda existe na propriedade graças à ILP.


O curso foi uma ação de um projeto de ILPF da Embrapa e da Rede de Fomento ILPF composta pela Cooperativa Cocamar e pelas empresas DowAgroscienses, John Deere, Parker e Syngenta.


Kadijah Suleiman (Analista A)
Jornalista, MTb RJ 22729
Núcleo de Comunicação Organizacional (NCO)
Embrapa Gado de Corte
Campo Grande/MS
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)


Embrapa no Facebook: www.facebook.com/agrosustentavel

quarta-feira, novembro 30, 2016

Fwd: Café especial: Adolfo Ferreira é reeleito presidente da BSCA



Associação almeja novo salto de representatividade nos próximos dois anos e já pensa na renovação ao trazer mais jovens para um de seus conselhos

Nesta quarta-feira, 30 de novembro, tomaram posse, em Assembleia Geral Ordinária (AGO), os novos conselheiros diretores da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), que, como primeira ação, reelegeram Adolfo Henrique Vieira Ferreira para a presidência da entidade. O mandato tem vigência até 1º de dezembro de 2017 e contará com Marcelo Weyland Barbosa Vieira na vice-presidência e Edgard Bressani como conselheiro secretário.

O Conselho Diretor, que, diferente da gestão presidencial, possui mandato de dois anos, terá sua composição completada por Carmem Lúcia Chaves de Brito, Cristiano Carvalho Ottoni, Guilherme Salgado Rezende, Henrique Sloper, José Francisco Pereira e Silvio Leite. Durante a AGO, também foram eleitos, para o próximo biênio, os representantes do Conselho Fiscal, que será composto por Antônio de Azevedo e Silva Jr., Andreza Elaine Mazarão, Ednilson Alves Dutra, Jack Robson Silva, Fabrício Teixeira Andrade e Marco Suplicy.

Adolfo Ferreira comunicou aos novos conselheiros a necessidade de se nomear um titular para a Diretoria Executiva da BSCA, conforme determina o estatuto. Satisfeitos com os préstimos desempenhados por Vanusia Nogueira ao longo das últimas gestões, os membros do Conselho Diretor, por unanimidade, decidiram por sua recondução ao cargo.

Segundo o presidente reeleito, as composições dos atuais conselhos vêm ao encontro dos cenários atual e futuro que a BSCA observa. "Como o momento é de muita relevância, teremos um grupo mais estratégico no Conselho Diretor, pois pretendemos dar um novo salto de representatividade nos próximos dois anos, ao passo que trouxemos uma turma mais jovem para o Conselho Fiscal, já pensando na renovação futura", explica.

Ferreira revela, ainda, que sua reeleição partiu da atenção dada a um pedido dos companheiros da Associação e que a intenção é continuar desenvolvendo ações proativas a favor dos cafés especiais do Brasil. "Continuaremos o trabalho de promoção realizado em conjunto com parceiros como a Apex-Brasil, o Sebrae e nossos associados, sempre almejando ampliar mercado, no Brasil e no mundo, ao evidenciarmos que nosso país possui qualidade em grande quantidade, além de ter diversidade de aromas e sabores devido às condições geográficas, aos investimentos realizados em pesquisa e tecnologia e à excelente gestão dos produtores com foco em sustentabilidade econômica, social e ambiental", conclui.

CoE - LEILÃO 'NATIONAL WINNERS PULPED NATURALS'
A BSCA também informa que teve início, nesta quarta-feira, 30 de novembro, o leilão dos "National Winners" do Cup of Excellence - Brazil 2016, categoria "Pulped Naturals", certame que realiza em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a Alliance for Coffee Excellence (ACE).

O preço de abertura foi estipulado em US$ 3,50 por libra-peso, o que equivale a cerca de US$ 463 por saca. Os interessados podem acompanhar o andamento do pregão, que será realizado até o dia 8 de dezembro, através do link http://www.allianceforcoffeeexcellence.org/en/auctions/national-brazil-pulped-naturals-2016.

Mais informações para a imprensa
Assessoria de Comunicação – BSCA
Paulo André Colucci Kawasaki
(61) 98114-6632 / ascom@bsca.com.br


Sakata promove o Sakata Sum Day, voltado a produtores de todo o Brasil e países da América do Sul


Empresa de sementes inova com dia de campo repleto de lançamentos e tendências para cultivo em condições tropicais



 

Com mais de 80 variedades, de sete espécies, a empresa de sementes Sakata realizou um dia de campo focado totalmente em solanáceas e cucurbitáceas – com genética adaptada ao cultivo sob condições tropicais (calor e umidade).

Mais de 1.300 produtores de todo o Brasil, além de distribuidores e demais profissionais da área, puderam conferir, entre os dias 21 e 24 de novembro, os lançamentos exclusivos da empresa, em sua Estação Experimental, localizada na cidade de Bragança Paulista, interior de São Paulo.

O Sakata Sum Day trouxe novas variedades de tomate, pimentão, pepino, abóbora, abobrinha, quiabo e berinjela, apresentando produtos mais resistentes a doenças e às intempéries climáticas, com diferenciais também no tamanho, formato, cor e sabor – tudo graças à forte equipe de Pesquisa, que visa sempre proporcionar cada vez mais produtividade, atratividade comercial e segurança ao produtor.

Segundo o Diretor de Marketing da Sakata, Paulo Koch, "o grande objetivo deste dia de campo foi apresentar aos clientes e ao mercado as novas variedades de hortaliças desenvolvidas pela empresa, especialmente para produção em períodos críticos como o verão, e antecipar as principais tendências de mercado. Tudo isso, em um ambiente bastante propício para a troca de informações entre os produtores e a equipe técnica da empresa", salienta.

Dentre os principais produtos lançados pela empresa na ocasião, estão: os tomates de alta performance Pietra, Grazianni, Ravena e Carina Star; os pimentões super resistentes Taurus e Camaro; a abobrinha com excelente durabilidade pós-colheita Adele; e o produtivo pepino Racer.

Flores para o Verão

Além do campo de produção de hortaliças, o evento contou ainda com um grande jardim,  composto por flores desenvolvidas pela Sakata, indicadas especialmente para cultivo durante o verão, pois apresentam grande tolerância ao calor.

No jardim foram plantadas duas mil mudas de flores que compuseram o logotipo do evento, sendo metade da variedade SunPatiens (nas cores Blush Pink, Royal Magenta, Eletric Orange, White e Red) e a outra metade da variedade Vincent´s 2 Choice (um girassol de miolo escuro).

Parceiros
                                                                                        
O evento contou ainda com a participação de 14 empresas expositoras: Arysta, Alltech Crop Science, Basf, Carolina Soil do Brasil, Du Pont, Dow AgroSciences, Electro Plastic, Forza Fertilizantes, FMC, Ihara, Koppert, Netafim, Tropical Estufas e Yara Brasil. As empresas apresentaram produtos, novidades e lançamentos nas áreas de defensivos, equipamentos agrícolas, fertilizantes, substratos, cultivo protegido e sistemas de irrigação.



INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA
MyPress & Co.
imprensa@mypress.com.br
(19) 3304-4833 | (19) 3304-6622

Jornalistas Responsáveis:
Isabella Monteiro
isabella@mypress.com.br
(19) 9 7410-1620

Daniela Mattiaso
daniela@mypress.com.br
(19) 9 8291-9444








terça-feira, novembro 22, 2016

Embrapa: Começa dia 28 o curso de ILPF na Embrapa Gado de Corte




Nos dias 28, 29 e 30 de novembro, acontece a quinta edição do Curso de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), na Embrapa Gado de Corte (Campo Grande, MS), no qual serão apresentados conceitos, projetos, técnicas e resultados de sistemas de ILPF. As inscrições, assim como informações detalhadas, podem ser realizadas e obtidas no endereço eletrônico http://cloud.cnpgc.embrapa.br/ilpf2016/

As cem vagas disponíveis são destinadas a profissionais das ciências agrárias de empresas públicas e privadas de assistência técnica e extensão rural, estudantes de pós-graduação e de graduação (somente formandos) das ciências agrárias, bolsistas e estagiários da Embrapa Gado de Corte.

Assim como em 2015, além da programação tradicional do curso, haverá duas palestras com depoimentos de produtores rurais. O curso é uma ação de um projeto de ILPF da Embrapa e da Rede de Fomento ILPF composta pela Cooperativa Cocamar e pelas empresas DowAgroscienses, John Deere, Parker e Syngenta.

Programação

28/11
7h30 - 8h   Abertura Cleber de Oliveira Soares      
08h - 09h Marco referencial ILPF Embrapa Ademir Hugo Zimmer/Armindo Neivo Kichel              
09h - 10h Componente Florestal André Dominghetti Ferreira/ Valdemir Antônio Laura
10h - 10h30 Intervalo 
10h30 - 11h30 Componente Animal: manejo nutricional, manejo sanitário e bem estar animal - Parte I  Fabiana Villa Alves/Paulo Henrique Duarte Cançado/Rodrigo da Costa Gomes/Sérgio Raposo de Medeiros
11h30 - 13h Almoço   
13h - 14h20 Componente Animal: manejo nutricional, manejo sanitário e bem estar animal - Parte II   Fabiana Villa Alves/Paulo Henrique Duarte Cançado/Rodrigo da Costa Gomes/Sérgio Raposo de Medeiros
14h20 - 15h10 Fitopatologia Forrageira Celso Dornelas   
15h10 - 15h30 Intervalo     
15h30 - 16h30 A experiência do produtor Moacir Reis - diretor Grupo Mutum  
    
29/11
7h30 - 9h30 Componente Forrageiro Ademir Hugo Zimmer/Denise Baptaglin Montagner/Roberto Giolo de Almeida/Rodrigo Amorim Barbosa
9h30 - 10h20 Qualidade de sementes forrageiras Jaqueline Verzignassi         
10h20 - 10h40 Intervalo             
10h40 - 11h40 Componente lavoura Gessí Ceccon         
11h40 - 13h Almoço           
13h - 15h   Componente Solo Alexandre Romeiro de Araújo/Júlio César Salton/Manuel Cláudio Motta Macedo    
15h - 15h20 Intervalo 
15h20 - 16h30 A experiência do produtor Artur Falcette - gerente Grupo Sapé Agro

30/11
7h30 - 11-30      Dia de Campo (02 grupos)

Dinapec Ademar Pereira Serra/André Dominghetti Ferreira     
Sustentável Manuel Cláudio Motta Macedo/Alexandre Romeiro Araújo
Agrossilvipastoril Roberto Giolo de Almeida  
                 
11h30 - 12h30 Almoço                                               
12h30 - 13h Entrega de questionário para avaliação do curso Edson Espíndola Cardoso                     
13h - 13h50 Produção de ovinos em ILPF Fernando Alvarenga Reis /José Alexandre Agiova                     
13h50 - 15h Componente Socioeconômico Fernando Paim da Costa/Mariana de Aragão Pereira              
15h - 15h20 Intervalo 
15h20 - 15h50 Sistemas de ILPF e empreendedorismo Ronney Robson Mamede   
15h50 - 16h30 Serviços ambientais em sistemas de ILPF - CCN Davi José Bungenstab

Serviço

Local: Auditório Nelore – Embrapa Gado de Corte
Avenida Rádio Maia, 830 – Zona Rural, CEP 79106-550, Campo Grande, MS

Coordenação técnica: Alexandre Romeiro de Araújo e André Dominghetti Ferreira

Mais informações: (67) 3368-2141 com Marilene Fonseca

Organização: Setor de Implementação da Programação de Transferência de Tecnologia – Embrapa Gado de Corte


Texto: Kadijah Suleiman, jornalista, MTb RJ 22729JP
Embrapa Gado de Corte
Telefone: +55 (67) 3368-2203



BSCA celebra 25 anos e apresenta nova identidade visual



BSCA celebra 25 anos e apresenta nova identidade visual

Entidade tem história vinculada à promoção dos cafés especiais brasileiros e apresenta nova marca para fortalecer a imagem do País no mundo

Congregar produtores, difundir sua produção de excelência, valorizar a marca dos cafés especiais do Brasil, revelando ao mundo toda a sustentabilidade da produção nacional, estimular o constante aprimoramento técnico e a maior eficiência na comercialização, agregando valor a todos os produtos. Esses são os principais frutos colhidos pela Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA) ao longo de seus 25 anos de história.

"As duas décadas e meia da BSCA refletem um trabalho muito bem executado de promoção dos cafés especiais do Brasil, suprindo uma lacuna deixada após a extinção do Instituto Brasileiro do Café (IBC). O Brasil saiu atrás na divulgação de seus cafés em relação a alguns concorrentes, mas temos orgulho de ver que somos um case de sucesso e que todo o trabalho que desenvolvemos na Associação, junto com nossos parceiros, deu ao Brasil o devido status de qualidade e excelência que nossos cafés merecem", celebra a diretora Vanusia Nogueira.

Segundo o presidente da BSCA, Adolfo Ferreira, a entidade tem por essência se atualizar e modernizar à medida que se apresentam os cenários e tendências do mercado mundial. "Temos profissionais capacitados e parceiros institucionais, como a Apex-Brasil, a Alliance for Coffee Excellence e o Sebrae, além de associados de vanguarda que nos possibilitam executar ações em todos os cantos do mundo e atuar de acordo com a realidade de cada mercado para promover os cafés especiais do Brasil", destaca.

NOVA IDENTIDADE VISUAL
Refletindo sua preocupação na busca por acompanhar as tendências do mercado nesses 25 anos, a BSCA apresentou, no dia 21 de novembro, em cerimônia de celebração de seu Jubileu de Prata, na sede da Sociedade Rural Brasileira (SRB), em São Paulo (SP), sua nova identidade visual, que será utilizada na logomarca, no selo de certificação de qualidade e nos materiais promocionais do projeto "Brazil. The Coffee Nation".

A nova "marca BSCA", desenvolvida pela empresa Place Branding, reflete os valores da Associação, retrata as mudanças do setor e expressa a força do País, intensificando a brasilidade por meio da utilização de um símbolo mundialmente conhecido, que é a bandeira do Brasil, associado a um ícone tradicional, como a saca de café.

No Certificado de Qualidade BSCA, a nova marca destaca, ainda, um símbolo universal de sucesso, que são os ramos da vitória, fazendo menção aos ramos de café, que também marcam presença no brasão imperial brasileiro. O intuito dessa identidade busca despertar o interesse de compradores e consumidores, revelando o grau de qualidade do café a ser comprado e degustado; ser um fator de decisão de compra ao gerar respeitabilidade, confiabilidade e clareza; revelar critérios objetivos do que é um café superior; e, ao identificar a pontuação do produto, trazer uma linguagem já conhecida pelo setor de cafés especiais.

CONCURSO DE QUALIDADE BSCA 25 ANOS
O 'gran finale' das comemorações do Jubileu de Prata da BSCA foi a cerimônia de premiação do Concurso de Qualidade BSCA 25 Anos – Pulped Naturals e Naturals 2016, realizado com apoio dos parceiros Bourbon Specialty Coffees, Cafebras, EISA - Empresa Interagrícola, Klabin, Super Safra Armazéns Gerais, Pinhalense e Yara. O certame foi destinado aos produtores de café arábica associados à entidade, com certificação de sustentabilidade vigente, e a premiação focou a valorização do café por qualidade, com os valores pagos crescendo conforme a pontuação alcançada pelos lotes.

O concurso elegeu os cinco melhores colocados de cada categoria, conforme notas dadas pelos profissionais de degustação coordenados pelo expert e conselheiro diretor da BSCA, Silvio Leite. Na Naturals, que se destina aos cafés naturais (colhidos e secos com casca), o campeão foi o produtor Marcio Borges Castro Alves, da Fazenda Barinas, em Araxá (MG), seguido por Henrique Dias Cambraia, da Fazenda Samambaia, em Santo Antônio do Amparo (MG), Fal Holdings Participações Ltda., da Fazenda Monte Verde, em Carmo de Minas (MG), Primavera Agronegócios Ltda., da Fazenda Primavera, em Capelinha (MG), e Ednilson Alves e Walter Cesar Dutra, das Fazendas Dutra, em São João do Manhuaçu (MG).

Na categoria Pulped Naturals, voltada aos frutos cultivados por via úmida (cereja descascado, cereja descascado desmucilado ou despolpado), o campeão foi Fal Holdings Participações Ltda., da Fazenda Santa Izabel, em Ouro Fino (MG). Na sequência, vieram Cia. Agropecuária Monte Alegre, da Fazenda Monte Alegre, em Areado (MG), Guima Café, da Fazenda São Lourenço, em Patos de Minas (MG), Décio Bruxel, da Fazenda São João, em Varjão de Minas (MG), e Primavera Agronegócios Ltda., da Fazenda Primavera, em Capelinha (MG).

A aquisição dos campeões foi garantida pelos associados Academia do Café, Bourbon Specialty Coffees, Café do Mercado, Cafebras, Cambraia Cafés, CarmoCoffees, Interagrícola, Lucca Cafés Especiais, Octavio Café e Suplicy Cafés Especiais, que pagaram entre R$ 2.181,25 e R$ 2.618,75 por saca – cada lote possui cinco sacas – vencedora nas duas categorias, conforme pontuação alcançada pelos cafés (vide tabela abaixo – clique para ampliar).

Os campeões de cada categoria também ganharam premiação adicional dos parceiros da BSCA. Além dos valores em dinheiro, o primeiro colocado da categoria Pulped Naturals recebeu o novo despolpador de café "ECO SUPER", com zero consumo de água, produzido pela empresa Pinhalense. O vencedor da categoria Naturals foi premiado, pela Yara, com produtos do Programa "Yara Nosso Café" (Yara Milla Café, YaraLiva Nitrabor, YaraVita Bortrac e YaraVita Coptrac) para a aplicação em 10 hectares de sua propriedade.

Mais informações para a imprensa
BSCA – Assessoria de Comunicação
Paulo André Colucci Kawasaki
Mtb. 43.776/SP - (61) 98114-6632 / ascom@bsca.com.br


segunda-feira, novembro 14, 2016

EMBRAPA: Pantanal alia perspectivas produtivas a demandas de pesquisa


Chefe geral da unidade pantaneira da Embrapa fala sobre desafios e oportunidades para a região


"No Pantanal, tudo se entremeia. Há muitos Pantanais formando o ambiente que conhecemos", diz Jorge Lara. O pesquisador, que assumiu no último mês a chefia geral da unidade pantaneira de pesquisa da Embrapa em Corumbá (MS), discute a realidade do bioma diverso, plural e mutável no qual a instituição se encontra – antecipando transformações significativas, favoráveis a atividades produtivas que associem eficiência e sustentabilidade na região. "Muitas mudanças, em termos de mentalidade e produção, serão exigidas pelo mercado. Há uma tendência que prevê o relacionamento de tarifas não alfandegárias ao bem estar animal, por exemplo. Há aí uma oportunidade para o Pantanal".

Há muitas oportunidades, de acordo com o pesquisador. No caso da pecuária, ele afirma que o trabalho com os animais criados exclusivamente a pasto e a produção da carne "orgânica" são diferenciais nesse contexto. Porém, é necessário alavancar o desenvolvimento com o uso de tecnologias e voltá-las à sustentabilidade. "A nossa pecuária tradicional vai ter sempre o seu lugar. Enxergar o espaço rural de outra forma é o grande desafio. O que acrescentar na propriedade rural para torná-la mais produtiva?", diz.

Para Jorge, a diversificação das atividades representa uma alternativa real de negócios para as propriedades rurais, atualmente. "A ocupação do Pantanal ocorreu há 300 anos e as fazendas vão sendo paulatinamente divididas pelo próprio processo natural de heranças. Entra aí a questão do uso multifuncional das propriedades, em que novas produções podem ser associadas às tradicionais. Mas para que isso aconteça não basta só usar novas tecnologias. Tem que haver muito convencimento e ações em políticas públicas para essa adaptação acontecer".

Participação de todos

Técnicas de conservação dos recursos naturais devem considerar questões econômicas em seu desenvolvimento, afirma o pesquisador. Porém, tecnologias voltadas à produção intensiva também devem ser analisadas sob a perspectiva ambiental. "Em ambos os casos, precisamos nos perguntar: há a inclusão social das pessoas que vão ficar ou estão à margem desse processo?", ressalta. "Além da pecuária, o Pantanal tem aquicultura, pesca, apicultura, possui uma fauna muito diversa, inúmeros recursos vegetais e um ilustre (e desconhecido) universo de microrganismos. Com tudo isso, temos uma grande chance de mostrar exemplos de produção sustentável ao mundo. Todos os elementos importantes de inclusão social, manutenção do meio ambiente e desenvolvimento econômico estão reunidos aqui".

Nesse contexto, de acordo com Jorge, a Embrapa Pantanal deverá atuar como um fórum de discussões, utilizando a experiência em pesquisa e inovação para investigar alternativas nas diversas frentes e promover o diálogo entre elas por meio do trabalho científico. "O trabalho da pesquisa é democrático. Na apicultura, por exemplo, temos um grande potencial a estimular. Já na pesca, avaliamos sua importância para o turismo, para a esfera social e para a economia da região. Também estudamos índices de sustentabilidade nas fazendas, impactos sobre mudanças climáticas, sistemas de produção intensiva (como o novilho e a desmama precoce) e participamos de projetos que incentivam a inserção de espécies arbóreas nativas nas propriedades rurais".

Jorge destaca a importância da diversificação das pesquisas para apoiar o desenvolvimento do Pantanal. "Realizamos o monitoramento de animais selvagens, cooperando na elaboração de ações de manejo. Já nossos estudos sobre raças naturalizadas – porco monteiro e cavalo, bovino e ovino Pantaneiros – mostram características únicas de adaptabilidade. Além disso, o trabalho com sistemas de produção agroecológicos nas lavouras dos assentamentos estimula a geração de renda e promove a segurança alimentar. Há também investigações em aquicultura (que devem analisar questões como a biologia muscular e o crescimento dos peixes nativos) e uma atuação tradicional em geoprocessamento, que coleta dados via satélite para contribuir com processos de gestão territorial", diz.

Alternativas como essas são apenas algumas das possibilidades desenvolvidas para atender às demandas da sociedade e todas estão disponíveis ao público em geral, segundo o pesquisador. "A Embrapa tem a obrigação de contribuir para que as pessoas conheçam o Pantanal não apenas como ponto turístico, mas como um fator de produção que possa contribuir com o equilíbrio do ambiente global, fornecendo alimentos para o mundo e aproveitando sua biodiversidade para a cura de doenças, produção de fibras e energia. Nós propomos o uso multifuncional sustentável desse ambiente para que possamos coexistir com a realidade vivida pela humanidade hoje. Para atingir esse objetivo, temos vários caminhos. Todos levam ao trabalho", finaliza.



Nicoli Dichoff (MTb 3252/SC) 
Embrapa Pantanal 
pantanal.imprensa@embrapa.br 
Telefone: +55 (67) 3234-5957

Núcleo de Comunicação Organizacional (NCO)
Embrapa Pantanal/ Corumbá - MS 
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa

pantanal.imprensa@embrapa.br
Telefones: +55 (67) 3234-5957 / +55 (67) 3234-5882

CNC - Balanço Semanal de 07 a 11/11/2016



BALANÇO SEMANAL — 07 a 11/11/2016

CNC se reúne com ministro Geddel Vieira Lima para garantir celeridade nas medidas voltadas à cafeicultura
 

CELERIDADE NAS AÇÕES — Nesta semana, reunimo-nos com o Ministro de Estado Chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, para tratarmos de assuntos inerentes à cafeicultura que necessitam de celeridade nas definições que cabem ao Governo Federal.

Em um primeiro momento, comunicamos que é equivocada a percepção de que os elos da cadeia produtiva estão em dissonância, conforme leviandade cometida nos bastidores por um parlamentar, haja vista que todas as propostas conduzidas até a esfera governamental foram consensuais e assinadas por todas as entidades de representação da produção, do setor industrial de torrado e moído e de solúvel e da exportação.

No encontro, solicitamos ao ministro, conforme acertado com todo o segmento privado, que não se pense em alterações na legislação vigente e na estrutura hoje existente para a cafeicultura, em especial no que tange ao Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC) e ao Departamento de Café, Cana de Açúcar e Agroenergia, pois são fundamentais para a tomada de decisões democráticas e proativas a favor do setor.

Em relação ao cenário mercadológico, apresentamos ao ministro Geddel que o atual patamar de preço está nos limites do livre comércio, sendo, portanto, necessária a manutenção da realização dos estoques públicos de café para o abastecimento das indústrias do setor, haja vista que essas se veem em cenário de restrição de oferta devido à quebra de safra motivada pela continuidade da seca, em especial no Espírito Santo, o que as obriga a alterarem seus blends, adquirindo maior volume de arábica, preferencialmente dos estoques públicos, em substituição aos escassos robustas.

Por fim, também demandamos uma definição a respeito da nomeação oficial de um diretor para o Departamento de Café, Cana de Açúcar e Agroenergia, recordando que toda a cadeia produtiva cafeeira, assim como as entidades de classe do setor canavieiro e de agroenergia assinaram ofício conjunto com a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) e o deputado federal Evair de Melo e o senador Ricardo Ferraço, membros da Frente Parlamentar Mista do Café, indicando nossa sugestão para o cargo.

MERCADO — Os contratos futuros do café nos mercados internacionais registraram forte movimento de correção nesta semana, apesar de terem alcançado novas máximas na segunda-feira, 7, com os arábicas atingindo seu maior nível desde janeiro de 2015. Entretanto, de lá em diante, observou-se um intenso movimento de realizações de lucro, que se alinhou à força do dólar ante o real e aos indicadores técnicos sobrecomprados na pressão sobre as cotações.

A divisa norte-americana apurou ganhos de 4,03% sobre a moeda brasileira no acumulado da semana até ontem, quando foi cotada a R$ 3,3614, sendo impulsionada pela vitória do republicano Donald Trump na eleição presidencial dos Estados Unidos. A percepção de investidores, de que os juros americanos poderão subir de forma mais agressiva devido à possibilidade de aumento dos gastos públicos e do corte de impostos no país para acelerar a economia, serviu de mola para esse avanço mundial do dólar.

Na Bolsa de Nova York, o vencimento dezembro do contrato C despencou 950 pontos na semana, encerrando o pregão de ontem a US$ 1,6185 por libra-peso. Na ICE Futures Europe, o vencimento novembro registrou declínio semanal de US$ 112, para o nível de US$ 2.133 por tonelada na sessão de quinta-feira. Do lado otimista, analistas entendem que o precário equilíbrio entre oferta e demanda pode ajudar a dar sustentação aos mercados cafeeiros internacionais.

No Brasil, os preços do café percorreram caminho próprio nesta semana, permanecendo praticamente estáveis e oscilando em proporção menos intensa em relação ao andamento dos mercados globais. Em função das incertezas relacionadas à safra 2017/18, os agentes continuam retraídos, com poucos negócios sendo efetuados.

Os indicadores calculados pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) para as variedades arábica e conilon foram cotados, ontem, a R$ 562,61/saca e a R$ 547,63/saca, respectivamente, com variações de -0,80% e 0,23% na comparação com o desempenho da semana antecedente.
 

Atenciosamente,
Deputado Silas Brasileiro
Presidente Executivo

CNC - Sede Brasília (DF)
SCN Qd. 01, Bloco C, nº 85, Ed. Brasília Trade Center - Sala 1.101 - CEP: 70711-902
Fone / Fax: (61) 3226-2269 / 3342-2610
E-mail: imprensa@cncafe.com.br




quinta-feira, novembro 03, 2016

Curitiba (PR) sediará 12º Encontro de Viveiristas





Viveiristas e produtores de hortaliças da região poderão obter informações atualizadas sobre as exigências e tendências de mercado, bem como trocar experiências sobre o setor

 
No dia 17 de novembro, a Associação Brasileira do Comércio de Sementes e Mudas (ABCSEM) promoverá mais uma edição do Encontro de Viveiristas. A 12ª edição do evento será realizada, desta vez, para produtores de mudas da região de Curitiba, no Paraná.

A programação contemplará alguns dos principais temas relacionados à produção de mudas com qualidade, dentre os quais: manejo correto da nutrição das plantas; prática de enxertia como forma de ganho de produtividade e obtenção de variedades mais resistentes; medidas de sanidade e cuidados necessários para prevenção e controle de possíveis doenças nos viveiros.

SERVIÇO:
Data: 17 de novembro de 2016
Horário: das 8h às 17h
Local: Hotel Tulip Inn São José dos Pinhais – Curitiba (PR)
Valores:
Associados ABCSEM: R$ 150,00 | Viveiristas: R$ 170,00 | Outras Categorias: R$ 230,00
Inscrições: As inscrições podem ser feitas online, por meio do link:
http://www.infobibos.com/viveipr/inscricoes.html

Para mais informações entre em contato pelo telefone: (19) 3243-0396.



MyPress & Co. – Comunicação Corporativa

segunda-feira, outubro 24, 2016

Mercado de alface cresce continuamente no Brasil



Há cinco anos consecutivos a cultura registra crescimento médio de 4% ao ano



Dentre o segmento de folhosas, a alface é a hortaliça mais consumida pelo brasileiro e representa 50% de toda a produção e comercialização nacional deste segmento. A cultura é também a terceira em maior volume de produção, perdendo apenas para melancia e tomate, movimentando 8 bilhões de reais no Varejo, com produção de mais de 1,5 milhão de tonelada por ano.

Nos últimos cinco anos, o mercado de alface tem registrado um crescimento médio de 4% ao ano. Segundo Paulo Koch, Diretor de Marketing da multinacional de sementes Sakata, empresa líder em alfaces no Brasil, o aumento se deve às novas exigências de mercado, principalmente por parte dos consumidores. "Houve uma diversificação muito grande nas preferências e formas de consumo desta hortaliça pela população. Requisitos como diferentes tipos de crocância, novas texturas, tamanhos e sabores surgiram como demandas para atender os novos hábitos do consumidor, que busca cada vez mais a saudabilidade na alimentação", esclarece Koch.

De acordo com o gestor, a Sakata investe continuamente no desenvolvimento de novas variedades para entregar ao mercado produtos diferenciados. Apenas neste ano, a empresa já lançou três novas variedades de alfaces, além de outras 11 hortaliças. "A Sakata atua fortemente em pesquisas de melhoramento genético, com foco no melhor custo benefício para consumidores e produtores, aliando alto desempenho a campo e também elevado padrão de qualidade à mesa", explica Koch.

Crespa e Americana lideram ranking

Atualmente, as duas variedades de alface mais consumidas no país são a Crespa – mais de 50% – e a Americana. Para estes dois segmentos de mercado, a Sakata desenvolveu recentemente três novas variedades de alfaces.

A primeira delas é a alface Crespa Valentina, que se destaca pela excelente qualidade visual, devido ao seu grande porte, com folhas compridas e de cor verde brilhante, preferência entre os consumidores. Já as outras duas são as alfaces Americanas de Verão, Dora e Serena, que agregam excelente qualidade de cabeça, com folhas extremamente crocantes, além de coloração verde intensa e brilhante, que é sucesso na hora da comercialização.

Os lançamentos – Valentina, Dora e Serena – agregam ainda excelentes resultados a campo, com tempo reduzido de produção e menor utilização de insumos agrícolas, além de proporcionarem alta rentabilidade, qualidade importante para o produtor que desejar investir neste mercado.

A Sakata possui também outras variedades de grande destaque no mercado como as alfaces mini, roxa, mimosa, entre outras presentes em seu portfólio de produtos.



MyPress & Co. 
imprensa@mypress.com.br
(19) 3304-4833 | (19) 3304-6622
Jornalistas Responsáveis: 
Isabella Monteiro
isabella@mypress.com.br
(19) 9 7410-1620
Daniela Mattiaso
daniela@mypress.com.br
(19) 9 8291-9444

sábado, outubro 22, 2016

FASCISTAS DE ESQUERDA OCUPAM ESCOLAS EM CURITIBA E AGRIDEM AS PESSOAS QUE REGISTRAM SEUS ATOS DE BARBÁRIE













Milicianos que agrediram MBL em Curitiba demonstram comportamento psicopático



Antes de falar qualquer coisa a respeito da agressão sofrida pelo MBL em Curitiba, é preciso tomar pé da situação.

Arthur do Val e Renan Santos foram à Curitiba. O objetivo, principalmente do primeiro, era entrevistar estudantes doutrinados e utilizados pelos movimentos de extrema-esquerda nas invasões de escolas.

Como são zumbis nas mãos de doutrinadores desonestos, era evidente que não saberiam responder as perguntas. Daí partiram para a agressão.

Veja:



Observou o comportamento completamente anticivilizado e fascista dos agressores? E tudo está gravado em vídeo.


Renan Santos conta mais:





Além do que Renan comentou aí em cima, temos a declaração de Arthur do Val:





Como vemos, os estudantes da extrema-esquerda não apenas agrediram como, depois de terem sido filmados praticando violência, colocaram algumas garotas para simular que teriam sido vítimas de “tentativa de estupro” de Arthur. Obviamente, nenhum vídeo apareceu comprovando tais alegações. Por que não estou surpreso?

O que temos aqui não é apenas a instância de agressão, como também o lançamento de falsas acusações para tentar constranger aqueles que apresentam provas contra eles.

Está provado neste evento que para a extrema-esquerda vale tudo na luta pelo poder. Mas tudo mesmo! Assim como funciona a mente de qualquer psicopata.

Você já imaginou o que significa esse tipo de gente adquirindo todo o poder que desejam? É fácil descobrir: basta ver o que estão fazendo na Venezuela, onde eles estupraram estudantes com baionetas e submetem Lilian Tintori – esposa de Leopoldo Lopez – a longas sessões de humilhação sexual a toda semana.

É isso que significa a expressão “vale tudo pelo poder” para essa gente.

Ocorreu mais do que apenas um caso de agressão em Curitiba. O que vimos ali foi a aplicação sistematizada do comportamento psicopático – e eles se esforçam para juntar esse tipo de gente – na busca de obtenção de poder.

Aliás, a própria invasão das escolas é direcionada por motivos sádicos. Eles lutam contra a PEC antipedalada pois querem que o Brasil viva em colapso financeiro, afugentando empregos. E lutam contra a reforma do ensino médio pois querem destruir a empregabilidade dos estudantes.

Gente que só se motiva por vontade de fazer o povo sofrer só podia fazer esse tipo de coisa mesmo: demonstrar comportamento psicopático diante das câmeras.

Arthur do Val e Renan Santos estão de parabéns, pois conseguiram gravar instâncias de comportamento psicopático em plena luz do dia. As imagens dessa violência ficam como testemunho de que não lutamos contra pessoas normais. Lutamos contra psicopatas.

Um partido que depende de agregar psicopatas em bando para a consecução de objetivos políticos não é uma ameaça comum. É uma monstruosidade moral em forma de agrupamento político. O padrão de organização da violência vista hoje traz o que de pior essa gente aprendeu com marxismo, fascismo e nazismo.

O PT merece tudo que tem acontecido com eles.








Michael Moore começou sua carreira fazendo “documentários” contra o capitalismo, colocando sua câmera na frente de empresários e fazendo edições comprometedoras em seguida. Sempre julguei sua tática pérfida, desonesta, e um absurdo seus filmes serem chamados de documentários. Mas sempre senti falta de alguém que fizesse uso de uma tática similar do lado direito da coisa, só que preservando a honestidade intelectual.

Ou seja, jornalistas, cinegrafistas e pessoas comuns que ligassem uma câmera e tivessem a coragem de mostrar a realidade de nossa esquerda truculenta, autoritária e despreparada, fazendo perguntas incômodas ao lado de lá. É o que tem feito o canal Mamãefalei, com ajuda do MBL. Tiro meu chapéu para o trabalho deles, e só posso torcer para que várias outras iniciativas parecidas surjam pelo Brasil todo. É a melhor forma de desnudar o esquerdismo.





Vejam o novo vídeo em que todo o despreparo e a agressividade dos “estudantes” que participam dessas ilegais e inconstitucionais “ocupações” são expostos:







Em União da Vitória, pais de alunos conseguem impedir invasão de fascistas em escola pública 


Na cidade de União da Vitória, no Paraná, pais de alunos do Colégio Estadual Túlio de França impediram, inclusive com apoio da Justiça, que militantes fascistas e de extrema-esquerda invadissem a escola, garantindo com isso o direito constitucional de seus filhos poderem estudar.

Na frente da escola, foi colocada uma faixa com os dizeres: “Aluno que é responsável não invade o colégio para obter direito. Estuda para conquistá-lo.”







Para ajudar, quem invadir a escola será multado e poderá até ser preso, segundo definição judicial. 


Fonte: Jornal Livre


+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog