A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quinta-feira, novembro 04, 2004

BUSINESS ROUND UP: Executivos debatem est ratégias de negócios para 2005

Entre os palestrantes: José Roberto Mendonça de Barros, diretor da MB Consultores; Sérgio Haberfeld, presidente do Conselho da Amcham; Hélio Magalhães, presidente da American Express do Brasil; José Tadeu Alves, presidente da Merck Sharpe & Dohme Farmacêutica; Pedro Passos, sócio diretor da Natura; Ricardo Antonio Weiss, diretor geral da Camargo Correa S.A; Geraldo Carbone, presidente do BankBoston; Mark Essle, presidente da A .T. Kearney.

Data: 08 de novembro (segunda-feira)
Horário: das 7h30 às 16h
Local: R. da Paz, 1.431, Chácara Santo Antonio, São Paulo - SP

A Câmara Americana de Comércio (Amcham) promoverá no próximo dia 08 de novembro o Business Round Up 2005. O evento, realizado anualmente pela Amcham, reunirá executivos, economistas e diretores de entidades de representação empresarial para debater os aspectos político-econômicos que têm afetado os negócios e quais são as perspectivas para o próximo ano. Os debates se dividirão em quatro painéis: "O panorama político-econômico brasileiro"; "Consumo, serviços e indústria farmacêutica"; "Agronegócios, infra-estrutura, logística e mercado financeiro"; "Atração de investimentos estrangeiros e comércio exterior: expectativas das câmaras de comércio dos principais parceiros brasileiros e de potenciais novos mercados".
Durante o evento serão divulgados os resultados da 10ª Rodada de Prognósticos, estudo elaborado pelo Grupo Estratégico (GE) de Economia da
Amcham, com a participação de economistas-chefes de bancos, empresas e de associações de classe. O estudo ratifica as previsões da maioria dos especialistas, para o final de 2004 e início de 2005, referente ao desempenho da Balança Comercial do Brasil, às taxas de câmbio e juros, Produto Interno Bruto e outras variáveis macroeconômicas.

Amcham
A Câmara Americana de Comércio é uma entidade sem fins lucrativos e com atuação independente dos governos brasileiro e americano. É a maior associação binacional da América Latina e a maior Câmara de Comércio fora dos Estados Unidos com cerca de 5.500 associados e representação em Campinas, Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Paulo. Sua missão é servir seus associados influenciando construtivamente políticas públicas no Brasil e nos Estados Unidos e promovendo o comércio, o investimento e a cidadania empresarial.


PROGRAMA DO BUSINESS ROUND UP

7h30 - 8h - Credenciamento

8h - Abertura da conferência
Sérgio Haberfeld - presidente do Conselho de Administração - Amcham

8h15 - 8h45 - O panorama político-econômico brasileiro
Quais os possíveis cenários para 2005? Como as tendências político-econômicas podem impactar os negócios? O que esperar da política econômica?
José Roberto Mendonça de Barros - diretor - MB Consultores

8h45 - 10h30 - Consumo, Serviços e Indústria Farmacêutica
Como enfrentar o desafio do emprego para aumentar a base consumidora de produtos e serviços? Estratégias para o desenvolvimento e o crescimento do mercado num ambiente competitivo que envolve redução de custos e necessidade de investimentos.
Moderador - Paulo Henrique Amorim
Hélio Magalhães - presidente - American Express do Brasil
José Tadeu Alves - presidente - Merck Sharpe & Dohme Farmacêutica
Ozires Silva - presidente - PeleNova Biotecnologia
Pedro Passos - sócio diretor - Natura
Ricardo Antonio Weiss - diretor geral - Camargo Corrêa S.A

10h30 - 10h45 - Coffee break

10h45 - 12h30 - Agronegócios, Infra-Estrutura, Logística e Mercado Financeiro
Como manter a competitividade diante dos desafios logísticos de um País exportador? A necessidade de implementar projetos de infra-estrutura para garantir a expansão de novos negócios e qual deve ser o papel do setor financeiro.
Moderador - Paulo Henrique Amorim
Alvaro Novis - diretor executivo - Odebrecht
Francisco Gros - presidente - Fosfertil Ultrafertil
Geraldo Carbone - presidente - BankBoston
Kim Gadegaard - presidente - Maersk do Brasil
Orlando González - presidente - Prisma Energy América do Sul

12h30 - 14h - Almoço - Atração de investimentos estrangeiros
Investimento estrangeiro direto: o Brasil no contexto internacional e o desafio para atrair investimentos.
Mark Essle - Presidente - A .T. Kearney

14h - 16h - Comércio Exterior: Expectativas das Câmaras de Comércio dos principais parceiros brasileiros e de potenciais novos mercados.
Quais os principais pontos críticos e de convergência? De que forma as negociações internacionais interferem no fluxo de comércio?
Moderador - Sergio Haberfeld - Dixie Toga - presidente do Conselho da Amcham
Alberto Joaquim Azuleta - diretor presidente - Câmara de Comércio Argentino Brasileira de São Paulo
Guilherme Lacombe de Góes e Vasconcellos - presidente - Agência Brasil-Índia de Desenvolvimento Econômico e Cultural
Paul Liu - presidente executivo - Câmara Brasil China de Desenvolvimento Econômico
Weber Ferreira Porto - Degussa Brasil - vice presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha

16h00 - Encerramento


Utama Campos
Assessoria de Imprensa
Câmara Americana de Comércio de São Paulo
Tel: (55) 11 5180-3818 Fax: (55) 11 5180-3777
utama@amcham.com.br
www.amcham.com.br

Sersia Brasil assume América Latina

A partir de agora, a unidade nacional da Sersia France passa a representar a organização francesa em todos os países da América Latina
O diretor superintendente da Sersia Brasil, Adriano Rubio, comandará todas as negociações de sua matriz francesa, a Sersia France, com os países da América Latina. A decisão foi tomada agora em outubro, durante reunião realizada na França, e é conseqüência dos resultados apresentados pela central brasileira, que já tem apresentado aumento de vendas em torno de 20%, em 2004, em comparação ao desempenho de 2003.
O trabalho de Adriano Rubio na América Latina já começa acelerado. Amanhã, dia 30 de outubro, o diretor viaja ao Peru, onde participará de um seminário sobre pecuária, realizado pelo Ministério de Agricultura daquele País. "No dia 2 de novembro, farei uma palestra sobre a pecuária francesa, com enfoque em seleção genética", acrescenta. Em fevereiro de 2005, está prevista uma missão na Colômbia e, até abril, também serão realizadas visitas a Argentina e Uruguai. "A Sersia France já tem negócios com estes três países, e queremos ampliar as oportunidades", comenta Rubio.
A atuação mais abrangente intensifica as alterações pelas quais a empresa vem passando. A Sersia Brasil tem se reestruturado para aumentar produtividade e lucratividade. Segundo Rubio, estão sendo revistas todas as ações e os investimentos da central, com o intuito de direcionar os esforços em busca de melhores resultados. "Estamos otimizando nossa coordenação para ampliar a eficiência", determina Rubio.


Informações:
Adriano Rubio / Sersia Brasil
(11) 4481-8820
Romualdo Venâncio
(11) 3672-7177 / 9261-2334

BELGO BEKAERT RECEBE PRÊMIO POP LIST RURAL 2004

0 A Belgo Bekaert Arames, líder no mercado de arames no Brasil e América Latina, foi premiada com o troféu Pop List Rural 2004 na categoria arames para a agropecuária, no último dia 27, em Goiânia, Goiás. A solenidade, promovida pelo jornal O Popular, foi realizada no Oliveira’s Place e contou com a presença de autoridades, empresários, publicitários e políticos. O Pop List Rural, que chegou a sua 7ª edição, foi entregue ao Gerente Geral da Belgo Bekaert, Ricardo Castilho.
A pesquisa Pop List, feita pelo Instituto Verus, é um indicador da preferência do consumidor de Goiânia. O prêmio é o reconhecimento do trabalho de empresas que investem na elaboração e consolidação de suas marcas e de profissionais de publicidade responsáveis pela criação de uma boa imagem para seus clientes.
Segundo Rodrigo Carrara, da Gerência de Marketing da Belgo Bekaert, o prêmio é resultado do trabalho de fortalecimento da marca Belgo Bekaert no Brasil, paralelo ao constante desenvolvimento de produtos para atender às necessidades do produtor rural.

Regina Perillo Comunicação – 31-3481-4888/Jornalistas Débora Farid – 031-9647-0839 e Regina Perillo – 031-9128-5616

Acácia Mangium: Estudo entomológico pode fornecer subsídios para o monitoramento ambiental savana

Roraima apresenta tipos de cobertura vegetal bastante diversificados, com uma grande área disponível para cultivo onde podem ser usadas tecnologias agrícolas ou florestais, considerando a alta fragilidade do solo presente na região. Apesar da grande área tecnicamente viável, uma pequena porção está sendo explorada com o plantio de Acacia mangium para produção de madeira e celulose.
A Acacia mangium é adaptável a solos ácidos e de baixa fertilidade, além de ter considerável importância social e industrial no reflorestamento tropical. Apesar destes pontos favoráveis alguns aspectos ainda devem ser mais estudados para que esta cultura apresente o rendimento esperado. Dentre eles podemos citar o aumento de conhecimento sobre o comportamento da cultura nas condições de Roraima, adequação de práticas de manejo e a ocorrência de pragas, como as doenças fúngicas ou o ataque de lagartas desfolhadoras.
Pensando nisso a Embrapa, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em Roraima vem desenvolvendo pesquisa com o objetivo de determinar os efeitos da cultura sobre a entomofauna local e quais os insetos associados à mesma com maior potencial para se tornar pragas-chave.
Segundo o pesquisador da Embrapa Roraima, Paulo Roberto Pereira, o estudo é feito a partir do inventário e monitoramento de pragas com o objetivo de caracterizar, por meio de amostragens, quais os insetos de maior importância nos cultivos da acácia no Estado. Com o levantamento entomológico, pelo uso de armadilhas do tipo malaise, é possível acompanhar a abundância e diversidade de insetos dentro e fora dos plantios de acácia. Iniciada em fevereiro deste ano, esta atividade visa desenvolver técnicas agroecológicas que contribuam para a manutenção da diversidade, bem como fornecer subsídios para o monitoramento ambiental da savana, usando os insetos como bioindicadores.

A Cultura
A Acacia mangium Willd. é uma fabácea nativa da região que abrange o norte da Austrália, Papua Nova Guiné e as províncias indonésias de Irian Jaya e Maluku. Esta árvore apresenta crescimento rápido com vida média de 40 anos e adaptação para uma ampla gama de solos ácidos, inclusive tolerando solos de baixa fertilidade ou com baixa drenagem. As espécies de maior utilização são as Acacia mangium e auriculiformis sendo a produção direcionada principalmente para polpa de celulose. Estas também são aproveitadas como madeira para movelaria e construção, matéria-prima para compensados, combustível, controle de erosão, quebra-vento e sombreamento.
Em Roraima a Acacia mangium foi introduzida no final dos anos 90, em uma área de aproximadamente 1.000 ha, a título de observação, com o objetivo de avaliar seu crescimento nas condições de savana. Em função dos resultados animadores e com o auxílio de investimentos estrangeiros, a área plantada cresceu significativamente, estando próxima dos 15.000 ha.


Daniela Collares (Mtb 114/01-RR)
Jornalista
Embrapa Roraima
(95) 9112-0226 - 6267125
Estagiaria de jornalismo
Twilla Barbosa

Racionalização de insumos determinará retorno econômico com soja

Os produtores brasileiros devem enfrentar três grandes desafios na safra 2004/2005, que começou a ser semeada em outubro: a ocorrência de ferrugem asiática da soja, o aumento nos custos de produção e a queda nos preços internacionais desta oleaginosa, devido à superprodução americana. Por isso, os pesquisadores da Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária alertam os produtores a dar atenção especial ao uso racional de insumos em todas as operações – do plantio à colheita – para obter lucro ou evitar prejuízo na exploração da soja.
O pesquisador Antonio Garcia, da Embrapa Soja, orienta os produtores a deixar as máquinas reguladas para iniciar a semeadura da soja, na primeira chuva. As primeiras semeaduras devem ser menos prejudicadas pela ferrugem, já que a presença do fungo (Phakopsora pachyrhizi), causador da ferrugem, será menor no início da safra. "Ao semear a soja mais cedo, os produtores também podem controlar melhor os percevejos, que têm sua população aumentada, no período de formação e no enchimento de grão", diz ele.
Em relação à ferrugem asiática, a principal recomendação dos pesquisadores é pelo monitoramento constante da lavoura. Com a expectativa de preços para a comercialização abaixo de R$30,00/saca, o cuidado com pulverizações contra a ferrugem deve ser redobrado. Além disso, os custos de produção aumentaram, em média, 20% em relação à safra anterior.

Fonte: Embrapa

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog