A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quarta-feira, setembro 22, 2004

Crédito cooperativo enfrenta obstáculos para crescer

Expansão sofre com a falta de regulamentação clara e de novas definições tributárias

“É preciso quebrar o gelo com o Governo e dar maior exposição às necessidades do cooperativismo de crédito para que a Receita Federal, os magistrados e os políticos entendam como funciona o Sistema Cooperativista”. A afirmação é de Márcio Meloni, diretor do ramo crédito da Ocesp (Organização das Cooperativas do Estado de São Paulo). Segundo o diretor, a intenção do presidente Lula de transformar o Brasil em uma nação cooperativista ainda não aconteceu. A principal evolução – abertura das cooperativas de crédito – atendeu a um pedido antigo, mas ainda é superficial porque a iniciativa só atende a algumas áreas geográficas e, mesmo assim, só até 750 mil habitantes por área de atuação. “A regra não atinge as capitais”, reclama o diretor.
Outro obstáculo para o crescimento do ramo são as indefinições tributárias. “A Receita Federal não entende ou não quer entender o funcionamento de uma cooperativa de crédito”, diz Meloni. Não há base legal para tributar uma cooperativa com PIS, Cofins, CSLL e Imposto de Renda, como vem acontecendo, porque a cooperativa presta serviços aos associados sem fazer especulação financeira.
A Ocesp mantém o registro de 207 cooperativas de crédito no estado, reunindo mais de 300 mil cooperados. Para Meloni, o Governo deveria usar o sistema das cooperativas de crédito rural para canalizar os financiamentos ao produtor. “Se o financiamento fica na mão do banco comercial, o recurso não chega na mão de quem precisa”, diz o diretor.
A solução para os problemas é expor os benefícios e o funcionamento do Sistema Cooperativista em encontros e congressos como o que será realizado pela Sicoob Central Cecresp a partir de quinta-feira, 23, em Angra dos Reis/RJ. Entre os palestrantes, representantes do Banco Central, do Bancoob e do Sicoob. Mais de 500 inscritos de todo o país já confirmaram presença no Congresso, considerado o mais importante do setor. A Ocesp é uma das apoiadoras do evento e marca presença com um estande em que apresentará as ações do Sistema para o desenvolvimento do cooperativismo em São Paulo.

Cintia Beck – cintia@libris.com.br e Flávia Arakaki
Ex-Libris Comunicação Integrada
Av. Paulista, 509 conj 602 – São Paulo – SP - 01311-000
(11) 3283-4631, 287-1997, 3266-6609

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog