A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quarta-feira, julho 14, 2004

Frutas brasileiras serão vendidas em hipermercados do exterior

Parceria entre a Apex Brasil, IBRAF e Grupo Carrefour vai vender e divulgar frutas nacionais no exterior, envolvendo inicialmente cerca de 60 produtores do País
Brasília - A Agência de Promoção de Exportações do Brasil (APEX Brasil), vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o Instituto Brasileiro de Frutas (IBRAF) e o Grupo Carrefour, iniciam, neste mês de julho, ação de promoção comercial em 18 países da Europa, Oriente Médio, Ásia e Américas com o objetivo de ampliar as exportações de frutas do Brasil e diversificar a pauta de comércio exterior, inserindo novos produtos e empresas, bem como novos países de destino.
É o ‘Brazilian Fruit Festival’ que divulgará frutas in natura, além de polpas congeladas e sucos processados. A campanha acontece inicialmente na Bélgica, Polônia e Espanha e, em 2005, será levada a outros 16 países onde o Carrefour atua. Estão previstas ações de marketing, exposição e venda de produtos que estarão dispostos em locais nobres das lojas e destacados nos tablóides dos hipermercados e em outdoors.
A partir de agosto, frutas e sucos poderão ser degustados nas unidades do Carrefour e demonstrados por vendedores brasileiros, recrutados localmente. Atividades de relações públicas estão previstas com a intenção de que o projeto seja também conhecido pelos formadores de opinião.
O Grupo Carrefour atende, hoje, cerca de dois bilhões de clientes. Sua bandeira está em mais de 9 mil lojas, espalhadas em 26 países – é a maior rede de varejo do mundo. "Vamos aproveitar nossa condição de rede mundial para dar oportunidade para bons produtores brasileiros mostrarem lá fora o sabor especial das frutas e sucos produzidos por aqui", afirma o diretor de agronegócios do Carrefour, Arnaldo Eijsink,
"Antes, o apoio dividia-se entre participação em feiras internacionais, cursos e produção de material promocional. Agora, as frutas chegarão nas gôndolas do varejo, direto para os consumidores. Será uma grande oportunidade de evidenciar a nossa qualidade", observa o presidente do IBRAF, Moacyr Saraiva.
O ‘Brazilian Fruit Festival’ terá a participação de cerca de 60 produtores de frutas como manga, mamão papaia, melão, uva de mesa, maçã, limão taiti, banana prata e abacaxi branco. A expectativa do presidente da APEX-Brasil, Juan Quirós, é que este número aumente significativamente ao longo da execução do programa, podendo chegar a mais de 100 empresas e várias centenas de fornecedores de frutas envolvidos. A seleção dos participantes está sendo feita pelo Carrefour, que chamou fornecedores de frutas – especialmente do Programa Garantia de Origem, e pelo IBRAF, por meio do Projeto Setorial Integrado que desenvolve com a APEX-Brasil.
Eijsink estima que os produtores credenciados no programa exportarão nos próximos dois anos o equivalente a US$ 10 milhões para as lojas do grupo. O volume é superior à exportação de frutas do Carrefour feitas em 2003, de US$ 9 milhões.
As ações do ‘Brazilian Fruit Festival’ dão continuidade ao apoio da APEX-Brasil ao setor que envolve, sobretudo, ações de mobilização e capacitação dos produtores de frutas para exportação, o desenvolvimento da Marca Setorial do Projeto – “Brazilian Fruit” – e a participação em eventos no exterior.
Ações estratégicas
Ações diretas ao consumidor têm sido importantes e efetivas na promoção comercial. Assim como o projeto 'Brazil 40 Graus' na Inglaterra, e o ‘Brésil Festival’ na França, a APEX-Brasil apóia mais uma atividade comercial voltada diretamente ao consumidor, divulgando a Marca Brazil. "Pretendemos cada vez mais trabalhar na divulgação da qualidade dos nossos produtos, estabelecendo estratégias de promoção comercial que ajudem setores como o de frutas a se manterem superavitários", explica Juan Quirós, presidente da APEX-Brasil.
A balança comercial de frutas frescas fechou 2003 com um saldo de US$ 267 milhões (US$ 335 milhões de exportações e US$ 68 milhões de importações), 39% a mais que em 2002. O incremento aconteceu, basicamente, devido a significativos aumentos nas exportações de uva (77%), limão (71%), abacaxi (59%), melão (54%), manga (44%) e mamão (35%).
De janeiro a junho de 2004, o aumento das vendas externas bateu em 23% o mesmo período de 2003. Até o final de 2004, a meta de exportação do projeto é de US$ 357,2 milhões.


Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog