A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

terça-feira, outubro 05, 2004

Lucro verde

Márcio Moreno*

O agronegócio brasileiro, na contramão da crise e do baixo crescimento da economia, apresentou enorme avanço nos últimos anos, batendo sucessivos recordes de produção. As vendas externas de produtos agrícolas levaram a balança comercial do setor a obter excelente desempenho.
A modernidade, eficiência e competitividade levaram o setor a ser considerado como o principal propulsor da economia nacional, respondendo por um a cada três reais gerados pelo país. Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento (Mapa) o setor é responsável por 33% do Produto Interno Bruto (PIB), por 42% das exportações e 37% dos empregos do país. Estima-se que o PIB do agronegócio brasileiro chegue a US$ 180,2 bilhões em 2004, contra os US$ 165,5 bilhões do ano passado. Entre 1998 e 2003, a taxa de crescimento do PIB do setor foi de 4,67% ao ano. No ano passado, as vendas externas de produtos agropecuários renderam ao Brasil US$ 36 bilhões, com superávit de US$ 25,8 bilhões. Neste ano, somente de janeiro a agosto, o superávit da balança comercial do agronegócio já soma US$ 22,8 bilhões.
Não resta dúvida de que esse desempenho é resultado de investimento em novas tecnologias, aumento na área plantada e aperfeiçoamento das técnicas de plantio, cultivo e colheita. Além de adquirir máquinas e equipamentos modernos, muitos produtores vão ao exterior trocar experiências e verificar as tendências do mercado globalizado. Por isso, não é sem motivo que o campo é um dos grandes responsáveis pelos superávits da balança comercial brasileira. Além do complexo soja, estão na linha de frente as carnes, açúcar, café, laranja, algodão etc.
As viagens técnicas a outros países, que vêm ganhando impulso entre os produtores rurais, são parte da estratégia de crescimento e agregam valor ao seu negócio, especialmente nos momentos mais críticos como decidir a venda e preço de sua produção.
Cada vez mais, os produtores vão para os Estados Unidos, Canadá, Austrália, Argentina e outros países que são reconhecidamente líderes na produção de determinadas commodities ou detêm tecnologias avançadas. Na volta, trazem na bagagem dados financeiros, novas técnicas de produção e amplo conhecimento sobre as últimas tendências do setor.
Para obter os melhores resultados, são contratadas empresas para a elaboração de roteiros especializados, com uma agenda técnica criteriosa e coordenadores que acompanham tudo passo-a- passo. Dependendo do país, um bom tradutor técnico é imprescindível para passar informações sobre produção, clima, solos e novas tecnologias aos grupos.
Essas empresas precisam ter vasta experiência em agronegócio, conhecer o calendário de plantio, cultivo e colheita de cada um dos produtos, ter os melhores contatos com associações, produtores, analistas de mercado, cooperativas e universidades, para viabilizar a agenda técnica e, ao mesmo tempo, permitir a observação plena do negócio. Só desta maneira o grupo conseguirá realizar todas as visitas e estudos necessários.
Não basta colocar o grupo no avião e acompanhá-lo ao exterior. É preciso, também, saber o momento ideal, o local mais adequado e selecionar os contatos no país escolhido, para realizar a viagem e cumprir os objetivos propostos. É inútil levar um produtor de laranja para conhecer plantações de trigo na Argentina ou um produtor de trigo aos laranjais da Flórida, nos EUA. O roteiro certo, na época certa, é o ponto de partida para que o agricultor volte ao Brasil com amplo conhecimento do negócio.
A empresa que atua no segmento precisa se responsabilizar pela operacionalização, coordenação e acompanhamento dos participantes antes, durante e no retorno ao país e não pode esquecer de que a viagem alia estudo e turismo. A satisfação plena tem como base a excelência no atendimento.

* Marcio Moreno é diretor de Planejamento da Traveland Eventos e Incentivo, formado em Administração de Empresas pela FAAP e pós-graduado em Hotelaria e Turismo pela FGV-SP.


Paulo Flores: (11) 3266-6088 / 9998-7043 - Denis Dana: (11) 9949-6535
Ex-Libris Comunicação Integrada
Av. Paulista, 509 conj. 602 – São Paulo – SP – CEP: 01311-000
Tels.: (11) 3266-6609 / 3266-9125 / 3284-2054 / 3284-7633

Nenhum comentário:

Arquivo do blog