A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

quinta-feira, novembro 20, 2014

UCHO HADDAD: Sem mobilizar a base de aluguel, governo não consegue votar projeto que derruba meta fiscal




Tiro no pé – A situação política de Dilma Vana Rousseff, a presidente reeleita, não é das mais confortáveis, até porque há uma crise institucional crescente no Palácio do Planalto. Desde que venceu a corrida presidencial, Dilma vem colecionando derrotas fragorosas no Congresso Nacional. A primeira delas foi a derrubada do decreto que cria os conselhos populares, projeto eu tropeçou na Câmara dos Deputados e deve seguir o mesmo caminho no Senado Federal. A segunda derrota, que atingiu muito mais o PT do que a presidente, foi a aprovação da quebra dos sigilos bancário e telefônico de João Vaccari Neto, tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, acusado de envolvimento no escândalo do “Petrolão”.

A terceira derrota aconteceu nesta quarta-feira (19), no momento em que o presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), anulou a sessão da Comissão Mista de Orçamento realizada na noite anterior e que aprovou o PLN 36/2014, que derruba a meta de superávit fiscal estipulada na Lei de Diretrizes Orçamentárias. Os partidos de oposição alegaram violação do regimento interno do Congresso e prometeram recorrer ao Supremo Tribunal Federal, mas Calheiros foi mais rápido e evitou uma nova e enorme crise.

A matéria voltou para votação na Comissão Mista de Orçamento na tarde desta quarta-feira, mas o governo não conseguiu mobilizar suas bancadas, mesmo que de aluguel sejam. De tal modo, o PLN 36 não foi incluso não pode ser incluso na pauta de votação da CMO. Ou seja, Dilma tentou comprar, sem sucesso, a aprovação de um projeto que joga no lixo a legalidade do País e inocenta um governo corrupto e paralisado.

Líder do Democratas na Câmara dos Deputados, Mendonça Filho (PE) afirmou que o governo está desarticulado e que a oposição continuará se posicionado contra o mérito do projeto que representa um atestado de incompetência da política econômica.

“A oposição cumpriu rigorosamente o acordo para retomarmos a votação hoje na Comissão de Orçamento. Apenas, não podemos ir para uma sessão da comissão para tomar conta do governo. O governo cochilou vergonhosamente. Isso é básico do regimento. Precisaria de maioria absoluta dos membros da Câmara e do Senado para incluir a matéria. Não vamos fazer o dever de casa da oposição e do governo ao mesmo tempo”, opinou o líder do Democratas.

Com o fracasso de hoje, a proposta será apreciada na próxima terça-feira (25/11) na Comissão de Orçamento, devendo ser votada em sessão do Congresso Nacional após o destrancamento da pauta, com a deliberação de 38 vetos presidenciais. “A disposição da oposição é derrotar o governo no que se refere ao mérito da proposta porque é o descompromisso com o equilíbrio das contas públicas que significa mais inflação, menos crescimento econômico, mais desemprego. É falta de compromisso com a estabilidade econômica”, completou Mendonça Filho.

Fonte: Ucho.info

Nenhum comentário:

Arquivo do blog