A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quinta-feira, novembro 20, 2014

OPERAÇÃO CURINGA: PT COMPROU VOTOS NO NORTE DE MINAS GERAIS



Justiça Eleitoral vai investigar concessão de aposentadorias irregulares em Minas
Investigações mostram que suspeitos também prometiam atender aos pedidos de inclusão no Bolsa-Família em troca de votos


Por Luiz Ribeiro no EM.COM.BR
Publicação: 20/11/2014


O suposto uso de favores e de programas sociais em troca de votos, levantado durante a Operação Curinga, deflagrada pela Polícia Federal e Ministério Publico Federal (MPF) para investigar a concessão de aposentadorias irregulares em Monte Azul, no Norte de Minas, deverá ser apurado tanto pela Justiça Eleitoral estadual quanto pelo Ministério Público Eleitoral. A informação foi confirmada ontem pelo MPF. O esquema, que seria comandado pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais, previa a concessão de aposentadorias rurais a moradores da área urbana do município, com o uso de documentos e testemunhos falsos. Será aberto inquérito contra cada uma das 24 pessoas que receberam o benefício, causando prejuízo de R$ 200 mil aos cofres públicos.

De acordo com as investigações, o esquema também envolve lideranças do PT no município – o vice Antônio Tolentino Teixeira (PT); a presidente da Câmara, Marineide Freitas (PT), e o vereador Geraldo Moreira dos Anjos (PT), o Ladim. Teixeira e Ladim apoiaram a campanha eleitoral de Paulo Guedes (PT) e Reginaldo Lopes (PT) candidatos a deputado estadual e federal mais votados em Minas. 

Durante as investigações, por meio de escutas telefônicas, foi verificado que os envolvidos também prometiam atender aos pedidos de inclusão no Bolsa-Família em troca de votos. Por isso, o inquérito será desmembrado para a investigação dos indícios de prática de crime eleitoral.

O PSDB divulgou ontem nota, na qual manifesta “protesto e perplexidade” diante das informações sobre as investigações da PF que “apontam os indícios de pratica de crimes na disputa eleitoral em nosso estado”. Na texto, o partido informa que “trabalhará para que os fatos comprovados cheguem ao conhecimento de todo Brasil, assim como estará vigilante para que os autores de tais crimes sejam punidos”.

Ouvido ontem, o deputado estadual Paulo Guedes voltou a negar com veemência qualquer envolvimento nas supostas fraudes. “A Polícia Federal tem ampla liberdade para apurar toda as denúncias. Não tenho nadas a temer, pois nunca pratiquei nenhum ilícito”, afirmou. Quanto à informação de que as promessas de benefícios em troca de votos foi flagrada em escutas telefônicas da PF, ele comentou: “Não tenho como controlar mais de 164 mil pessoas que votaram em mim. Se alguém cometeu algum delito, a pessoa vai pagar por isso”.

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog