A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quarta-feira, março 12, 2014

TRIBUNA DA INTERNET: Desistência de Joaquim Barbosa ser candidato foi um alívio para Dilma, Lula e o PT

Do Blog Tribuna da Internet, artigo escrito por Carlos Newton

Era o único candidato que o ex-presidente Lula, o PT e a ainda presidente Dilma Rousseff (citados aqui pela ordem de importância, claro) realmente temiam. O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, era mesmo o adversário a vencer, caso tivesse aceitado os diversos convites que partidos políticos tentaram lhe fazer.



Motivo 1: um candidato limpo, com impressionante histórico de superação familiar e pessoal, sem antecedentes políticos, com serviços prestados ao país, falando fluentemente quatro línguas e tocando dois instrumentos sofisticados – piano e violino.

Motivo 2: com esse currículo de ascensão social e intelectual, Barbosa reunia, ao mesmo tempo, as qualidades de Lula e de FHC.

Motivo 3: a imensa maioria do respeitável público está inteiramente decepcionada com os políticos profissionais e anseia pelo surgimento de uma terceira via.

Motivo 4: é verdadeiramente negro, o que atrairia a simpatia dos afrodescendentes no país mais miscigenado do mundo.

MUITOS CONVITES
Não faltava partido para acolhê-lo, seja para se candidatar a presidente da República, deputado federal ou senador pelo Rio de Janeiro, onde tem domicílio eleitoral. Em pesquisas nacionais para a sucessão de Dilma Rousseff, estava em segundo lugar, com cerca de 15% das intenções de voto. Nada mal, para quem não é político nem era candidato. E sua participação significaria segundo turno na certa.

Mas Barbosa acabou desistindo, em função das “notícias” que começaram a ser “vazadas” para a imprensa, como a nota saída em O Globo, publicada pelo colunista Ilimar Franco, anunciando que Barbosa já iniciara conversas informais com dirigentes do Partido Verde, visando a uma possível filiação.

Ilmar Franco foi traído pelo informante do PV, um partido dominado há mais de 15 anos por um grupo verdadeiramente desqualificado (assim como o demais partidos, ressalve-se). Apesar do assédio, 

Barbosa jamais havia se encontrado com qualquer representante de partido político. A notícia era rigorosamente falsa.

GOTA D’ÁGUA
Revoltado com a farsa montada pelo PV, o ministro Joaquim Barbosa então jogou a toalha. Foi uma pena. Milhões de eleitores ficaram decepcionados, não há a menor dúvida. Numa disputa presidencial, alcançar 15% de preferência tem um significado enorme.

Barbosa deve ficar no Supremo até o final de seu mandato na presidência do tribunal, no final do ano, depois pedirá aposentadoria, sendo substituído pelo petista Ricardo Lewandowski. Terá uma despedida melancólica, pois vai ser repetidamente derrotado nesta fase dos embargos infringentes.

Como se diz na linguagem política, “o cavalo passou encilhado em sua frente”, mas Barbosa não quis nem se aproximar da montaria. Mas ainda há tempo. Tem até 5 de abril para mudar de ideia.

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog