A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

quinta-feira, março 13, 2014

Neri Geller o Ministro da Agricultura escolhido em Cuba tem por objetivo levar a Embrapa para lá


O novo Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Neri Geller, assumiu a Secretária de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em 3 de janeiro 2013.

Agricultor e empresário, o gaúcho de Selbach Neri Geller está na região de Lucas do Rio Verde, em Mato Grosso, desde 1984. Conhecedor do mercado agrícola, desenvolve atividade de plantio e comercialização de grãos, como soja e milho, em sua propriedade. Geller também tem empresa no setor de combustíveis e foi deputado federal em 2007 e 2011. Além disso, exerceu o mandato de vereador em Lucas do Rio Verde (1996 e reeleito em 2000).

O presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho (Aprosoja) de Mato Grosso, Carlos Fávaro, aprovou o convite ao secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller para que assuma o comando da pasta. 'Sabemos que o compromisso só aumenta como ministro da Agricultura, mas por Neri ser um agricultor nato e competente não precisaremos convencê-lo dos problemas que o setor enfrenta', disse Favaro em nota

Segundo ele, pesou no convite feito nesta quarta-feira, 12, pela presidente Dilma Rousseff 'a união e o amadurecimento das forças políticas do setor, o papel do senador Blairo Maggi e o próprio desempenho de Geller como secretário de Política Agrícola'.

A principal missão de Geller é alavancar  o acordo entre os governos brasileiro e cubano para aprimorar a cooperação entre os dois países na área de pesquisa agropecuária e capacitação, envolvendo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a Embrapa e a Embaixada de Cuba.

A cooperação governamental entre Brasil e Cuba foi iniciada em 1987, com a assinatura do Acordo de Cooperação Científica, Técnica e Tecnológica. O estreitamento dessa parceria para a área agrícola veio em 2000, quando foi assinada uma carta de intenção com a Embrapa para pesquisas envolvendo gado de leite, pastagens e espécies forrageiras.

De lá pra cá, a interação técnico-científica entre os dois países vem crescendo significativamente em prol da agropecuária e hoje já envolve pesquisas para o melhoramento de cana-de-açúcar, tabaco, citros, café, arroz, batata, feijão e gado, que são os principais produtos da economia cubana, além de tecnologias voltadas à sanidade animal e vegetal, biotecnologia, biossegurança e propriedade intelectual.

Na Presidência, Lula assegurou a Cuba os financiamentos do BNDES que bancaram a maior obra de infraestrutura da ilha comandada pelos irmãos Raúl e Fidel Castro, o Porto de Mariel. Coisa de US$ 682 milhões em três anos. No usufruto da condição de ex-presidente, ele deseja catapultar a produtividade da agricultura cubana.

Em viagem encerrada nesta quinta-feira (27), Lula fez uma visita sentimental às instalações de Mariel, inauguradas pela pupila Dilma Rousseff há um mês. Depois, acompanhado do senador Blairo Maggi (PR-MT), um dos maiores produtores de soja do mundo, foi à cidade de Ciégo de Ávila. Ali, inspecionou a fazenda da Cubasoy, uma estatal agrícola militar. Assumiu novos “compromissos” com a ditadura companheira. “Começa agora um novo tipo de cooperação”, disse. Envolve duas iniciativas. Numa, Lula comprometeu-se em satisfazer o “desejo dos companheiros de Cuba de que a Embrapa mande técnicos seus para ficar aqui mais tempo.” Não especificou os prazos, a quantidade da mão de obra nem os custos. “Eu acho que o governo brasileiro vai permitir”, limitou-se a dizer, como que se autoinvestindo na condição de presidente paralelo do país.

Noutra iniciativa, Lula assumiu o papel de intermediário do acesso dos cubanos às modernas lavouras de Maggi no Mato Grosso.

“O nosso companheiro Blairo Maggi, já avisou aos ministros da Agricultura e da Defesa que ele está disposto a receber quantos companheiros cubanos quiserem ir ao Brasil para acompanhar o ciclo —do plantio até a colheita— da soja, para ver o que pode ser feito para aumentar a produtividade da soja e do milho” plantados em Cuba.

Na avaliação de Lula, com mais Embrapa e com o auxílio do agronegócio do Brasil, a produção cubana dará um salto.

“O melhor jeito de ajudar é levar conhecimento, fazer com que as pessoas tenham acesso a tecnologias modernas.”

Maggi saberá o que fazer para ajustar a ajuda às conveniências da caixa registradora.

Resta informar que vantagens o contribuinte brasileiro leva com o envolvimento da Embrapa no negócio.

Embrapa: uma empresa de sucesso, mas ainda contaminada pela ideologia companheira


A Embrapa é uma realização brasileira que poderia ter emergido em quaisquer circunstâncias, pois corresponde ao que pode ser chamado de especializações ricardianas, ou seja, as vantagens comparativas relativas, inteiramente cobertas pela teoria do comércio internacional de David Ricardo (uma teoria rejeitada por companheiros mais obtusos, que a confundem com alguma fatalidade do essencialmente agrícola).
 
Quis o destino -- e nossa trajetória política e tecnológica -- que ela surgisse durante o governo militar, mais exatamente em 1971. Ela se fez, como ocorreu com a "substituição de importações" na pós-graduação de maneira geral, com base na formação de quadros, ou seja, de capital humano, no exterior e no desenvolvimento de tecnologia própria, adaptada ao Brasil.
 
Trata-se do maior sucesso técnico em matéria de agricultura tropical do mundo, e sua experiência pode ser estendida a todas as demais regiões com biótipos relativamente semelhantes aos do Brasil, e mesmo diferentes, pois o essencial está na P&D adaptada ao ambiente geográfico, ecológico.
 
Com os companheiros no poder, quiseram transformar a Embrapa em auxiliar da pequena agricultura camponesa, o que é uma estupidez monumental, pois agricultura responde a condições técnicas e a dados de mercado, independente de quem está atrás da máquina ou da propriedade. Agricultura de sucesso é aquela que produz ao menor custo com o maior volume possível, ponto.
 
O mercado se encarrega do resto, e guia, justamente, os passos dos técnicos que precisam responder aos incentivos e estímulos de mercado para orientar a agricultura.
 
Tentar transformar a Embrapa em instrumento de justiça social, de redistribuição de renda é criminoso, pois ela foi feita para resolver problemas técnicos, não sociais, que devem ser resolvidos na esfera das políticas públicos, ao maior nível de eficiência possível.
 
Essa coisa da "diplomacia Sul-Sul" é uma estupidez em si, para si, e para o Brasil, pois é ideologia misturada ao interesse nacional.
 
A Embrapa deve colaborar com outros países da mesma faixa de latitude pois é nisso que residem suas vantagens comparativas, não porque se pretenda fazer política da agricultura, ou de uma instituição como ela. Ela deve disseminar sua tecnologia pois é do interesse da humanidade, não do governo companheiro. 

Ela deve ajudar na produtividade agrícola de outros povos pois é nisso que reside sua vocação, sem qualquer exploração política ou ideológica, ou restrição de natureza partidária.
 
Enfim, uma Embrapa liberta das loucuras companheiras seria uma Embrapa melhor, e mais eficiente.

Paulo Roberto de Almeida no Blog Diplomatizzando


SINPAF estreita relações com causa trabalhista em Cuba


O SINPAF foi fundado em 1989, com o Brasil recém-saído do Regime Militar. A inflação medida pela Fundação Getúlio Vargas atingiu o índice de 1.700% e a moeda em vigor era o Cruzado Novo. O Brasil se acostumava à Constituição Cidadã e se preparava para eleger seu primeiro presidente por voto direto desde o golpe militar de 1964.

O sindicato foi fundado por um grupo de trabalhadores da Embrapa, com o nome de Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Instituições de Pesquisa Agropecuária e Florestal. O objetivo de seus fundadores era criar uma entidade que representasse os trabalhadores das instituições brasileiras de pesquisa e desenvolvimento agropecuário, que somente com a Constituição de 1988 tiveram direito à organização sindical.

Nos seis primeiros meses de fundação, o SINPAF organizou a primeira grande greve dos trabalhadores da Embrapa por melhoria salarial. Por seus resultados positivos, o sindicato chamou a atenção de outras categorias, como as da área de desenvolvimento agropecuário, fomento e abastecimento. Logo, tornou-se também sindicato dos trabalhadores da Codevasf, distritos de irrigação, Pesagro e Emepa.

Em 2000, o SINPAF lutou para manter a existência da Embrapa e da Codevasf, ameaçadas pela PEC nº 20, do governo FHC, que previa a extinção de empresas públicas dependentes do Tesouro Nacional. Oito anos depois a entidade enfrentava nova ameaça: o projeto de lei complementar 222/08, que autoriza a abertura de capital da Embrapa. Mais uma vez, a atuação do sindicato foi fundamental para a manutenção da Embrapa como empresa pública. A matéria é de autoria do senador Delcídio Amaral e ainda tramita na Câmara, embora contenha vício de origem.

Em 2010, a eleição de uma nova Diretoria Nacional garantiu a continuidade do espírito combativo e formulador que caracterizou o sindicato em seus primeiros anos de existência. “Novas lutas e desafios certamente demandarão outras mobilizações e novas bases tendem a somar-se ao SINPAF. Nesse contexto, novas vitórias serão contabilizadas. Que venham outros 22 anos!”, disse Vicente Almeida, em sua posse como presidente do sindicato.

O SINPAF foi convidado para participar de uma missão em Cuba, durante as comemorações do 1º de maio de 2013. O convite partiu da Central dos Trabalhadores de Cuba (CTC) e do Sindicato dos Trabalhadores Científicos, organização que engloba trabalhadores do setor de pesquisa agropecuária. 
 
“O interesse é que nossas organizações aprofundem as relações, a solidariedade e as experiências na área de formação sindical e que nossos colegas do sindicato dos (trabalhadores) científicos possam trocar delegações em vários eventos”, disse, via e-mail, Ernesto Rodríguez, dirigente sindical do CTC.
 
Para o SINPAF, o intercâmbio é importante tendo em vista a presença de estatais brasileiras, como a Embrapa, em dezenas de outros países. “Queremos trocar experiências com outros trabalhadores em realidades dieferentes. O SINPAF tem que iniciar suas relações com organizações de trabalhadores dos outros países dada a internacionalização da Embrapa. Por que não começar pelos países vizinhos da América Latina? Além de Cuba, a Venezuela já manifestou interesse em receber uma delegação do SINPAF por reconhecer sua atuação em defesa dos interesses dos trabalhadores, mas também por suas bandeiras de luta pela reforma agrária, Campanha Contra os Agrotóxicos e pela Vida, pela democratização da gestão nas empresas públicas, pela liberdade de expressão científica, saúde, entre outras que são defendidas pela classe trabalhadora em qualquer parte do mundo”, avalia Mirane Cosa, diretora de saúde do trabalhador e meio ambiente do SINPAF.
 
A aproximação também se relaciona com o Plano de Lutas do SINPAF, estabelecido no 10º Congresso da categoria, no que tange à cooperação internacional e à troca de experiências entre os sindicatos latino-americanos. “Ainda não foi definido o perfil dessa missão, mas ela pode se estender à área da pesquisa, da saúde do trabalhador e da formação sindical”, adiantou Mirane.


Fonte: SINPAF

Arquivo do blog