A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

segunda-feira, outubro 27, 2014

RODRIGO CONSTANTINO: Não é hora de união, e sim de oposição!




Vermelho é Dilma, azul é Aécio. Fonte: VEJA

A presidente Dilma, em seu discurso de vitória, disse estar preparada para o diálogo e que deseja a união em favor da pátria. Tarde demais, “presidenta”. Nem sua roupa branca convenceu, pois como disse Reinaldo Azevedo, a alma continua vermelha. Essa “pátria” que você e seu partido desejam não é a nossa, da outra metade que ama a liberdade e a democracia.

Apesar das palavras, que chegam muito tarde e de forma oportunista após uma campanha nojenta de difamação, não houve correspondência nos gestos. Aécio Neves, que lutou com dignidade, sequer foi mencionado em seu discurso. E a primeira coisa que puxou da cartola foi um plebiscito, bem nos moldes bolivarianos.

Aécio, por sinal, tentou vestir a camisa de estadista derrotado, e disse que a “maior de todas as prioridades” é unir o país. Há controvérsias. Tenho profundo respeito pelo candidato e senador, especialmente depois desse combate. Lutou a boa luta. Mas terá de aprender, junto com seu partido, a ser oposição de verdade. Agora mais do que nunca.

Quem dividiu o Brasil, que fique bem claro, foi o próprio PT. Sua campanha reforçou muito aquele discurso que já vinha de longa data, de “nós contra eles”, de criar inimigos fantasmas, como a “elite”, os “preconceituosos”, os “ricos incomodados com a ascensão dos pobres”, etc. Agora querem falar em união? Só na hora de passar o chapéu, ou melhor, de apontar uma arma e pegar nossa carteira?

Sinto muito, mas não vai rolar. O país está dividido, e não é hora de união. Que união é essa em que um lado entra com o bolso e o outro com o populismo? O povo brasileiro está rachado por que o PT rachou o povo brasileiro. E nunca ficou tão nítida a divisão, entre aqueles que não ligam a mínima para a corrupção, e aqueles que trabalham para pagar a conta dessa corrupção; entre aqueles que não se importam com o autoritarismo, e aqueles que querem preservar a democracia sólida.

Não sou daqueles que faz campanha contra o nordeste, até porque estou no Rio, que vergonhosamente deu a vitória para Dilma também. Mas é inegável que há uma divisão geográfica no país. Basta olhar o mapa acima. E não sou radicalmente contra movimentos pacíficos separatistas.

Afinal, como sabiam os “pais fundadores” dos Estados Unidos, nação democrática com a mesma Constituição há mais de 200 anos, o direito de secessão é uma prerrogativa legítima justamente para preservar a paz e a democracia. O federalismo serve para descentralizar o poder e permitir o voto com os pés.

Tiradentes, não custa lembrar, tentou exatamente isso, inspirado nas ideias iluministas. Queria Minas independente da Coroa portuguesa. E hoje, se não somos mais súditos de Portugal, somos de Brasília. A Inconfidência se rebelou contra o “quinto”, e nós já pagamos “dois quintos” a fundo perdido para um estado obeso e corrupto.

Dilma quer falar em plebiscito? Então por que seria absurdo falar em plebiscito de segregação voluntária? Não é melhor do que integração forçada? O Canadá já fez isso. A Escócia acabou de fazer. Catalunha na Espanha deve fazer em breve. Se há uma clara divisão, se um lado quer ser governado pelo PT, e o outro rejeita veementemente o PT, não seria mais democrático dar o direito a cada um de ser governado por quem deseja?

Sei que é inconstitucional e sei que não vai acontecer. Não é também o que estou defendendo aqui. Estou apenas chamando a atenção do leitor para o que realmente está em jogo: aqueles que acusam os paulistas e sulistas de “preconceito” querem, no fundo, que eles paguem a conta de sua demagogia, que explora a miséria e a ignorância país afora, especialmente no nordeste pobre. Se esses locais tivessem que pagar sozinhos a fatura, a história seria bem diferente. O PT necessita da miséria e ignorância para ser eleito, e da riqueza de baixo para pagar as contas.

Quero um Brasil unido. Quero ver o povo que fala a mesma língua (ou quase) e desfruta das mesmas raízes junto, lutando efetivamente em prol da pátria. Mas aí é que está o busílis da questão: isso é impossível com o PT no poder. O PT é o partido da discórdia, que semeia vento e colhe tempestade. E tem um projeto autoritário de poder, inspirado nos bolivarianos, que a turma do sul e boa parte do sudeste rejeitou claramente.

Que os tucanos, em vez de costurar uma união com quem quer destruí-los, saibam fazer oposição de verdade. Até porque o PT vai, agora, indicar mais ministros para o STF, e ao término do mandato poderão ser dez apontados pelo partido de onze no total. No passado, até petista de carteirinha sem qualificação técnica passou na “sabatina” do Senado. Dormiram no ponto. Que estejam mais vigilantes agora!

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog