A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

quarta-feira, junho 23, 2004

Pesquisadores brasileiros descobrem 'café sem cafeína'

Uma equipe de pesquisadores brasileiros descobriu uma espécie de café naturalmente descafeinado.
A descoberta foi publicada nesta quarta-feira na revista científica Nature e pode abrir caminho para a ampliação de um mercado já estimado em 10% dos consumidores do produto.
“Um café com um selo ‘naturalmente descafeinado’ e com a qualidade total da bebida certamente vai ter um espaço garantido no mercado”, afirmou um dos autores da pesquisa, Paulo Mazzafera, em entrevista à BBC Brasil.
Mazzafera, do Departamento de Fisiologia Vegetal da Unicamp, explica que a planta descafeinada é uma mutação da espécie coffea arabica, a mais consumida no mundo, e foi encontrada em meio a mudas trazidas da Etiópia para o Brasil em 1965.
A planta mutante tem 0,06% de cafeína, ou seja, 20 vezes menos do que as variedades comerciais.
O pesquisador do Unicamp e os seus dois co-autores no estudo, Maria Bernadete Silvarolla e Luiz Carlos Fazuoli, do Instituto de Agronomia de Campinas, levaram 17 anos para encontrar a planta, que é procurada por pesquisadores de vários outros países.

Menos sabor
O processo industrial atualmente utilizado para tirar a cafeína do café, explica Mazzafera, remove propriedades essenciais ao sabor da bebida. Uma planta naturalmente descafeinada preservaria essas propriedades, eliminando apenas a cafeína.
O pesquisador diz que, embora não haja provas de que faça mal à saúde, a cafeína é hoje considerada uma droga, por criar um estado de alerta e tirar o sono das pessoas mais sensíveis à substância – justamente o mercado alvo do café descafeinado.
“Dependendo da quantidade de cafeína que ingerirem, algumas pessoas têm palpitações e aceleração de batimentos cardíacos”, explica Mazzafera.
Segundo o especialista, normalmente o organismo humano leva seis horas para “se livrar” da cafeína, mas em algumas pessoas esse processo leva mais tempo. “Tudo depende da sensibilidade e da capacidade de metabolizar a cafeína.”
Ele explica que provavelmente será preciso cruzar sementes descafeinadas com uma variedade comercial de coffea arabica, uma vez que os pesquisadores estimam que a produtividade da planta descafeinada seja baixa.
“Estimamos que elas tenham 30% da produtividade das variedades comerciais.” Nesse caso, das sementes geradas pelo cruzamento, seriam escolhidas as que tivessem menos cafeína, que, por sua vez, seriam novamente cruzadas entre elas.
Segundo Mazzafera, o chamado processo de melhoramento das sementes descafeinadas poderá levar de seis a 15 anos.

Consumo
No Brasil, o consumo de café descafeinado é relativamente pequeno, cerca de 1%, mas nos Estados Unidos, chega a 20%.
Tentativas anteriores de produzir uma planta com baixo teor de cafeína falharam porque envolveram espécies que não produzem um café saboroso ou porque recorreram à modificação genética, ainda polêmica e sujeita a rígidas regulamentações.
Os pesquisadores alegam que, embora ainda não esteja clara a viabilidade comercial da planta descoberta, o fato de ela pertencer à espécie mais cultivada e consumida no mundo aumenta as chances de a planta gerar café de alta qualidade.
Para o pesquisador, o investimento no café descafeinado de qualidade poderia ajudar o Brasil no competitivo mercado mundial do produto.

Fonte: BBC

Nenhum comentário:

Arquivo do blog