A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

segunda-feira, novembro 17, 2014

CONTAS ABERTAS: Empresas da Lava Jato receberam R$ 576,1 mi de fundo de pesquisa da Ciência e Tecnologia




Por Dyelle Menezes e Gabriela Salcedo no CONTAS ABERTAS


As empresas denunciadas na operação Lava Jato receberam R$ 576,1 milhões da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), empresa pública vinculada ao Ministério de Ciência Tecnologia e Inovação. Ao todo, os valores celebrados em contrato chegam a R$ 682,4 milhões. Dentre os financiamentos, três foram concedidos a “fundo perdido”, quando não há reembolso.

O contrato de maior valor foi celebrado com a Queiroz Galvão, relativo ao projeto “Atlanta”, campo na Bacia de Santos de onde se extrairá petróleo e que, possivelmente, dobrará a receita da empresa. A iniciativa tem o custo total de R$ 266,1 milhões, dos quais R$ 252,8 milhões já foram liberados. O presidente da Queiroz Galvão, Ildefonso Colares Filho, foi um dos presos da Polícia Federal na última sexta-feira (14).

Confira aqui os valores!

Outro contrato de grande vulto também diz respeito à esfera petrolífera. Ele foi celebrado com a Odebrecht Participações e Engenharia com o valor total de R$ 103,1 milhões. A empresa deve realizar a transferência de tecnologia para a construção de sondas para o pré-sal. Cerca de R$ 63,8 milhões já foram liberados. O contrato tem vigência até junho de 2016. Além desse, a empresa possui mais três contratos fechados com a Finep.

O maior deles é de R$ 16 milhões para a construção do “Field Support e Torre de Riser” que, por enquanto, já obteve R$ 8 milhões. Em seguida, R$ 2,1 milhões de R$ 8,3 milhões já foram liberados para implantar biorrefinaria de etanol celulósico. O menor contrato celebrado com a empresa foi de R$ 3,7 milhões, dos quais de R$ 408,6 mil já podiam ser usados para a projeto de comunicação acústica submarina.

Os dois últimos contratos citados não são reembolsáveis. Isto é, o financiamento foi realizado em modalidade de apoio a projetos na qual os recursos obtidos pela empresa não precisam ser devolvidos à Financiadora. O outro contrato celebrado a “fundo perdido” é com a Engevix Engenharia, de R$ 1,4 milhão de para sistema de monitoração automática do Composto Odorante presente no Gás Natural, que teve vigência entre 2006 e 2010.

A OAS, por sua vez, possui o valor de R$ 183,3 milhões em contratos celebrados com a Finep, todos reembolsáveis. Do total, R$ 55,5 milhões são destinados à transferência de tecnologia para a construção de sondas para o pré-sal. A empresa já recebeu R$ 31,2 milhões da previsão estimada para a iniciativa.

A empreiteira, que teve o presidente José Adelmário Pinheiro Filho preso pela Polícia Federal, também recebeu R$ 51,3 milhões por estudos e projetos para pré-investimento em infraestrutura. O contrato teve vigência entre agosto de 2011 e fevereiro de 2014. Outros R$ 80,5 milhões foram pagos à OAS para estudos e projetos para pré-investimento e modernização entre 2009 e 2012.

As empresas restantes já receberam R$ 81,4 milhões dos R$ 101,8 milhões celebrados em contratos, que representam 14% do total de recursos disponibilizados. As verbas são de responsabilidade das construtoras Camargo Corrêa, Engevix e UTC. Entre os projetos estão, por exemplo, estudos de viabilidade ambiental de usinas hidrelétricas.

Este ano, a Financiadora elevou seus recursos disponíveis para R$ 12 bilhões. Do montante, cerca de R$ 7 bilhões a R$ 8 bilhões são voltados para crédito a empresas que investem em inovação. Outros R$ 800 milhões a R$ 900 milhões para startups (empresas recém criadas), pequenas e médias empresas e apenas R$ 2,2 bilhões para atividades de centro de pesquisa e universidades.

Tais créditos concedidos pelo governo federal, por meio da Finep, a instituições públicas e privadas tem como objetivo promover, pelo fomento à ciência, o desenvolvimento econômico e social do país. Para tanto, a empresa fornece recursos reembolsáveis e não reembolsáveis para atividades de inovação, considerados, pela Financiadora, essenciais para o aumento da competitividade no setor empresarial.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog