A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

quarta-feira, junho 30, 2004

Feira internacional apresenta o melhor da produção nacional de cachaça

A segunda edição da Brasil Cachaça - Feira Oficial de Negócios do Setor - vai apresentar cachaças produzidas em 21 estados. De 22 a 25 de julho, os visitantes encontrarão, em 11 mil m2 do Parque de Exposições do Anhembi, mais de 400 marcas de nossa bebida mais típica. A expectativa é gerar R$ 12 milhões em novos negócios e receber um público superior a 25 mil pessoas nos quatro dias do evento.
Alguns atrativos são os cursos de degustação e de como identificar uma cachaça de qualidade e um alambique de cobre montado para mostrar o processo de produção. Todos os visitantes ainda ganham uma miniatura de cachaça e poderão comprar os produtos expostos na feira no Empório Brasil – um armazém típico com preços direto do produtor. No espaço TecnoCachaça, o design e a tecnologia mais avançada estarão representados por importantes empresas especializadas em rótulos, embalagens, vidros, maquinário e insumos. Produtores terão ainda uma extensa programação de palestras técnicas sobre competitividade, distribuição, exportação, cooperativismo, embalagem e design e sobre participação em feiras e eventos.
Lojistas e atacadistas poderão participar de rodadas de negócios com produtores e com distribuidores filiados à Adibe (Associação dos Distribuidores de Bebidas de São Paulo). Os expositores vão mostrar seu produto para compradores de oito países, que vêm à feira para conhecer a cachaça. Além de fortalecer a cadeia produtiva, um dos objetivos da feira é aumentar as exportações de cachaça que somam menos de 1% do total de 1,3 bilhões de litros produzidos.
“A Brasil Cachaça é a grande vitrine do setor. É a oportunidade dos produtores se atualizarem e fazerem negócios. Dobramos o espaço físico, em comparação ao ano passado, para possibilitar a participação de mais produtores”, diz Walter Caetano Pinto, da presidente da Fenaca (Federação Nacional das Associações de Produtores de Cachaça de Alambique), uma das realizadoras da feira, em conjunto com Abrabe (Associação Brasileira de Bebidas) e Tools Eventos. A feira conta ainda com o apoio da APEX Brasil (Agência de Promoção de Exportações).
Durante a feira, a Fenaca lança o selo da Cachaça de Alambique Produzida em Região Demarcada, que atestará a qualidade da bebida e deverá ser operacionalizado até o final de 2005.

Produção e exportação de cachaça
A produção do setor da cachaça tem se mantido estável em 1,3 bilhão de litros nos últimos anos. Desse total, 500 milhões de litros são resultantes da produção em alambiques, na qual Minas Gerais detém a liderança, seguido da Bahia, Paraíba, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Os demais 800 mil de litros da produção nacional ficam sob responsabilidade da indústria, concentrada em São Paulo, Pernambuco e Ceará. Terceiro destilado mais consumido no mundo, a cachaça é o destilado mais consumido no Brasil. Ocupa ainda o segundo lugar entre as bebidas alcoólicas no país, perdendo apenas para cerveja. A cadeia produtiva da cachaça gera 400 mil empregos diretos no campo, 90% de pequenos produtores, e 1 milhão de empregos indiretos.
Em 2002, as exportações de cachaça alcançaram 14,8 milhões de litros, gerando uma receita de US$ 14,5 milhões. Em 2003, as expectativas não se confirmaram e a cachaça reduziu o volume oficial exportado para 10 milhões de litros, com US$ 10 milhões. “O resultado deve-se à retração dos programas do governo federal de divulgação externa da bebida e as indefinições na legislação internacional, o que fez a cachaça ser exportada na categoria de outras bebidas”, diz Murilo Albernaz, diretor-executivo da Fenaca. “Nosso compromisso é exportar 30 milhões de litros até 2010”, completa. Para isso, a Fenaca estimula a profissionalização e a formação de cooperativas de produtores de todo o país.

Serviço:
Brasil Cachaça 2004
Data: 22 a 25 de julho de 2004
Local: Parque de Exposições Anhembi – São Paulo/SP
Horários: Quinta e sexta: 14h às 22h
Sábado e domingo: 13h às 22h
Ingresso: R$ 20,00
Abertura Oficial da feira para convidados e imprensa: dia 22/7 às 12 horas
Organização e comercialização: Tools Eventos - (11) 3167.4181
Site: www.feirabrasilcachaca.com.br

Assessoria de Imprensa da Brasil Cachaça 2004
Ex-Libris Comunicação Integrada
Jornalistas: Cintia Beck (cintia@libris.com.br) e Flávia Arakaki (flavia@libris.com.br) 11 3283.4631, 3266.6088 e 3266.9125 Av. Paulista, 509 / 6º - São Paulo/SP - 01311-000

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog