A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quarta-feira, março 04, 2015

Bandilma visita os caminhoneiros que estão protestando em Brasília


Caminhoneiros desistem de buzinaço e Palácio do Planalto nega reunião
Com uma faixa onde se lia o título 'Bandilma', uma servidora pública apoiava o protesto



Por Simone Kafruni no http://www.correiobraziliense.com.br/


Após a reunião entre caminhoneiros e parlamentares no Congresso, no final desta tarde de terça-feira (3/3), um dos líderes do movimento, Ivan Schmidt disse que foi convidado para se encontrar com o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, no Palácio do Planalto. No caminho para a suposta segunda reunião, Schmidt confessou estar otimista quanto às negociações. Ele disse que a expectativa é só realizar "buzinaço" para "comemorar resultados". A assessoria da presidência, contudo, contesta a informação.

Os parlamentares convidaram líderes para audiência pública nesta tarde, quando foram visitá-los, no local onde o grupo estava concentrado, no estacionamento do Estádio Nacional Mané Garrincha. Entre os manifestantes, uma mulher, que preferiu não se identificar, estava fantasiada com roupas que faziam alusão à figura da presidente Dilma Rousseff. Desde ontem (2/2), chegaram cerca de 30 caminhoneiros preparados para o protesto, marcado para hoje.

Com uma faixa onde se lia o título 'Bandilma', uma servidora pública de 45 anos, natural de Mossoró (RN), apoiava o movimento. O pai, que trabalhou por 45 anos como caminhoneiro, faleceu aos 74 anos, em 2007, e sempre se queixou das rodovias sucateadas e do baixo custo do frete. "É uma categoria injustiçada aos olhos do governo. Meu pai sofria para trazer um pouco de dinheiro para casa. Em muitas ocasiões, fiquei mais de um mês sem vê-lo", afirmou.


A pauta dos manifestantes inclui, entre outros: a redução do percentual do último aumento do PIS/Cofins sobre o Diesel, ou seja, diminuição no preço do combustível; que o governo defina a opção por uma tabela mínima de frete nas discussões que serão realizadas no próximo 10/3; abertura de linha de crédito especial para o transportador autônomo de cargas; carência de 12 meses para pagar as parcelas de financiamento da compra dos caminhões e o perdão de multas, notificações e processos judiciais aplicados durante as manifestações.

Os caminhoneiros começaram os bloqueios no final de fevereiro. No auge das manifestações, quarta-feira (25), foram 129 trechos bloqueados em 14 estados. No dia seguinte, na quinta-feira, o governo chegou a um acordo com representantes dos caminhoneiros, após longa reunião, com a presença de empresas transportadoras e líderes dos setores afetados pelos bloqueios das rodovias. 

No entanto, havia divergência sindical - liderada por Ivar Schmidt - quanto ao acordo, e as paralisações continuaram, em menor escala. Até as 17h de ontem (2/2), tinham sido registradas 35 manifestações em seis estados — Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e São Paulo. O movimento perdeu força à noite, mas, às 19h, três estados (SC, MT, RS) ainda tinham 22 pontos de bloqueio em estradas.

A presidente Dilma Rousseff sancionou, sem vetos, a Lei dos Caminhoneiros ontem (2/3), como parte do acordo apresentado pelo governo para o fim das paralisações. No entanto, as pautas principais - a diminuição do preço do frete, do diesel e dos pedágeos - não havia sido contemplada.

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog