A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quinta-feira, abril 17, 2014

RESISTÊNCIA: Funcionários do IBGE protestam contra interferência do PT nas pesquisas. Estão destruindo a instituição — disse a líder sindical


Funcionários do IBGE protestam contra fim de pesquisa na sede do instituto, no Rio

  • Grupo de 200 sindicalizados reivindica, ainda, a revisão de salários e exige novos concursos públicos
  • Mobilizações serão constantes nas próximas semanas, mas sindicato confirma que possibilidade de greve não entrou em pauta

Cerca de 200 técnicos sindicalizados do IBGE se reuniram na porta do prédio da diretoria de pesquisa do instituto, na Avenida Chile, no Centro do Rio, na manhã desta quarta-feira. O movimento foi organizado para protestar contra a decisão de interromper a Pnad Contínua, pesquisa mais abrangente sobre desemprego, até janeiro do ano que vem, anunciada pela presidente do IBGE na última quinta-feira.

Esta é a primeira paralisação de maior porte desde o início da crise no instituto de pesquisa. Apesar de não falarem em greve, os sindicalistas afirmam que, nos próximos dias, devem voltar a organizar protestos. Eles informam ainda que já pediram um encontro com a presidente do IBGE, Wasmália Bivar, e a ministra do Planejamento, Miriam Belchior.

Para Suzana Drummond, uma das diretoras da executiva nacional do sindicato, a gestão atual está “destruindo a instituição”.

— Estamos fazendo uma mobilização diária, indo de sala em sala e falando com os funcionários do IBGE. Queremos uma conscientização de todos. Queremos que eles lutem conosco. Os que decidem pelo IBGE estão destruindo a instituição — disse a líder sindical.

Durante toda a manhã, diversos membros do instituto falaram sobre os problemas envolvendo, principalmente, a administração do atual comitê diretivo do IBGE. Segundo os organizadores do ato, os funcionários de São Paulo, Salvador, Distrito Federal, Belo Horizonte, Porto Alegre e Cuiabá também paralisaram suas atividades nesta segunda-feira.

Os questionamentos dos funcionários são divididos em quatro pontos fundamentais. Eles pedem a autonomia técnica do instituto, protestam contra cortes orçamentários, pedem mais concursos públicos e ainda exigem reajuste salarial, sem citar um percentual específico de reajuste.
 
O IBGE é um instituto que serve ao Estado, não ao governo. Precisamos ter autonomia e o conselho diretor não pode ser indicado por quem governa. O instituto é de suma importância para o desenvolvimento do país e decisões como esta (interromper a Pnad Contínua) só ferem a nossa imagem — completou Suzana.

A decisão da presidência da instituição já foi contestada formalmente em duas ocasiões. A primeira reação foi da diretora de pesquisa do IBGE Marcia Quintslr, que pediu para sair do cargo logo após o anúncio da suspensão da pesquisa. Um dia depois, um grupo de 18 coordenadores e gerentes assinaram uma carta, criticando a interrupção da pesquisa, e ameaçaram que também poderiam deixar o instituto. Nesta segunda, outros 45 pesquisadores também se posicionaram contra a paralisação da pesquisa.

Em entrevista à colunista Flávia Oliveira na semana passada, Wasmália Bivar afirmou que se responsabiliza pessoalmente pela decisão e afirmou que conversaria com a equipa para tentar solucionar a crise.

 
Fonte: O Globo

Nenhum comentário:

Arquivo do blog