A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

quinta-feira, setembro 25, 2014

CIÊNCIA SEM PLANEJAMENTO: Grupo Samba Rousseff, formado por bolsistas do Ciência Sem Fronteiras, fez ‘turnê’ na Europa Dos sete membros, cinco eram estudantes com bolsas do programa do MEC!




POR LEONARDO VIEIRA em O Globo


No embalo dos pandeiros e cavaquinhos, sete universitários brasileiros que se conheceram durante intercâmbio em Portugal em 2012 prometem agora reeditar a banda que criaram na Europa. Tudo leva a crer que, para a festa de réveillon deste ano, a Samba Rousseff estará de volta à ativa, desta vez em Fortaleza (CE).

O grupo surgiu no final de 2012, da união de dois intercambistas e cinco bolsistas do programa Ciência Sem Fronteiras (CsF) que chegaram à “terrinha” para estudar na Universidade do Porto. Não por acaso, o lema do conjunto, estampado nas camisas oficiais que a banda vendeu a nove euros, era “O nosso samba é sem fronteiras”.

Com um repertório que ia de Revelação, passando por Parangolé e Thiaguinho, e terminando no já consagrado sertanejo universitário, a banda Samba Rousseff embalou estudantes brasileiros, portugueses e outros europeus até meados de 2013. No começo, quase não havia ensaio para as performances. O improviso é que dava a cadência do samba.

- A gente sempre tratou a banda como uma brincadeira. A ideia era mais integrar a galera lá do Porto, já que todo mundo tinha acabado de chegar e ninguém se conhecia - explicou o estudante de Ciência da Computação, Lucas Soares, um dos vocalistas da banda.

Mas o grupo foi ganhando fãs, o que atraiu olhares de empresários portugueses. O negócio cresceu, e o Samba Rousseff já fazia shows em clubes e boates das principais cidades de Portugal, como Porto, Coimbra e Lisboa. Nesse meio tempo, parte do grupo caiu na estrada Europa afora, passando por países como a França e República Tcheca, no que ficou conhecida, em tom jocoso, como a “pequena turnê” do conjunto. Houve até uma tentativa de gravação de DVD oficial:

- Isso foi uma casa de show que quis gravar um DVD nosso. A gente chegou a fazer o show lá, mas o cara responsável pelo som cometeu uns erros, e ficou muito ruim o produto final. Ficou só a história pra contar mesmo - disse o estudante de engenharia da PUC-Minas, Filipe Batista, responsável pelo banjo.

Em junho de 2013, enquanto brasileiros por aqui tomavam as ruas nos maiores protestos do país nos últimos 20 anos, o Samba Rousseff de pagode fazia sua despedida dos palcos, com direito a vídeo em que a trilha sonora era “O show tem que continuar”, de Arlindo Cruz. O motivo era o fim do período de intercâmbio de parte dos integrantes da banda.

Meses depois, com todos no Brasil, os pagodeiros fizeram uma reedição especial do Samba Rousseff no carnaval de Diamantina (MG). Mas como um deles mora em Santa Catarina, outro na Bahia, e um no Ceará, a banda não pode fazer mais shows ao longo de 2014. Esse período de jejum pode ser quebrado, no entanto, no réveillon de Fortaleza.

- Seria só algo pontual mesmo, porque um de nós mora lá. Mas como cada um mora em um lugar, não deu para manter - lamentou Lucas.

DILMA CRITICA FALTA DE EMPENHO NO CsF

Apesar da agenda cheia, os membros do Samba Rousseff garantem que conseguiram conciliar a parte artística com o lado acadêmico. Todos afirmaram que os shows aconteciam nas férias do Hemisfério Norte, apesar de na página do Facebook da banda constar que o grupo teve apresentações ao longo de todo o primeiro semestre de 2013.

- A galera achava que a gente só fazia pagode e tal, mas o povo da banda era bem dedicado à universidade, era mais em fins de semana mesmo, tanto que apareceram uns empresários querendo gerenciar a banda, mas a gente deixava claro que esse não era nosso foco. Mesmo porque quatro membros da banda, além de estudar, conseguiram estágio. Durante a semana a gente nem se encontrava direito - afirmou Filipe.

O mesmo relato é dado por Lucas. Segundo ele, apesar de não se aplicar aos integrantes do Samba Rousseff, houve casos de bolsistas do CsF que desviavam a finalidade das bolsas de estudo. Para ele, o controle ainda era relaxado no início do programa.

- O que faltou por parte do CNPq, na minha opinião, foi notificar de alguma forma aqueles alunos que saíam da curva. Pensando no tanto bolsista do CSF, isso obviamente aconteceria. Mas o programa estava no início, e o processo ainda não era muito bem definido. Pelo que conversei com as pessoas que foram depois de mim, essa cobrança já é feita com muito mais rigor.

Confira o vídeo de despedida do Samba Rousseff.



- Nosso foco era a faculdade e o samba aparecia como uma forma de alívio da rotina de estudos. Consegui conciliar firmemente com as cadeiras cursadas e com estágio que desenvolvia na faculdade do Porto. Realmente o samba foi um dos pontos marcantes do meu intercâmbio - garante o estudante de engenharia, Henrique Coimbra.

Em coletiva de imprensa no Palácio do Alvorada na noite desta quinta-feira, a presidente Dilma Rousseff disse que casos de estudantes que não se dedicam ao Programa Ciência sem Fronteiras (CsF) são minoria. “Os que fizerem isso são pessoas que estão desmerecendo o país, lamentavelmente”, disse Dilma, que acrescentou, “isso não é significativo em relação aos que estão lá, não é”.

Dilma referia-se à matéria publicada pela Agência Brasil sobre reclamação feita pela Universidade de Southampton, no Reino Unido. Um e-mail enviado aos alunos pela Science without Borders UK, parceira internacional do programa no Reino Unido, dizia que a instituição cogitou “deixar de oferecer estágios para estudantes no futuro” pela falta de dedicação dos estudantes brasileiros. O estágio é um componente central da bolsa e também um elemento obrigatório.

Dias depois, em novo e-mail ao qual O GLOBO teve acesso, a SWB pediu desculpas aos estudantes. Na mensagem, assinada pela diretora-assistente de Programas e Operações da empresa, Tania Lima, é dito que o alerta era para “poucos alunos”. E continua: “Por favor, aceite meu sincero pedido de desculpas por isso. Nós não queríamos inferir que você pessoalmente não está se esforçando”. Leia a mensagem na íntegra, em inglês.

No entanto, ao GLOBO, a SWB informou que o e-mail não era para ser enviado a ninguém, e que o episódio ocorrera apenas por um “erro administrativo”. A instituição parceira do CsF ressaltou que os estudantes brasileiros têm um “impacto positivo” nos campi e que, frequentemente, as universidades britânicas os elogiam.

Nesta sexta-feira, a SWB enviou novo e-mail aos estudantes, muitos dos quais já teriam até regressado ao Brasil, reiterando o pedido de desculpas devido à repercussão do episódio na imprensa brasileira. Assinada pela gerente para América Latina, Sara Higgins, a mensagem informa que, quando as reclamações foram enviadas aos alunos, a direção da empresa pediu para que novo e-mail fosse mandado, com pedido de desculpas. No entanto, este só teria sido direcionado a oito dos 38 bolsistas.

O CsF foi lançado em 2011, com o objetivo de promover a mobilidade internacional de estudantes e pesquisadores e incentivar a visita de jovens pesquisadores altamente qualificados e professores seniores ao Brasil. Oferece bolsas, prioritariamente nas áreas de ciências exatas, matemática, química, biologia, das engenharias, das áreas tecnológicas e da saúde. A meta é oferecer 101 mil bolsas até o final deste ano.



Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog