A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

terça-feira, agosto 26, 2014

PAULO CASTELO BRANCO: A MORTE DE EDUARDO E O ENTERRO DO PT




Como tudo na vida, a morte, sendo inevitável, provoca reações emotivas ou mesquinhas que transformam opiniões variadas sobre o morto. Depois do rompimento de Eduardo Campos com o governo, muitos ex-companheiros expressaram a sua frustração ao perder o líder regional que se apresentava como o novo, honesto, diligente, articulador e chefe de família exemplar.

As virtudes do candidato só eram reconhecidos em ambientes restritos e no seu estado natal onde se destacou e foi aprovado pela maioria dos pernambucanos. Quando Eduardo decidiu concorrer à presidência da República, os dirigentes do PT insistiram para que ele esperasse 2018, quando poderia ser apoiado pelo partido. Eduardo tinha pressa e saiu às ruas em busca do voto daqueles cansados da corrupção e descontrole da máquina pública.

Quase todos adversários na disputa reconheciam as qualidades do candidato, no entanto, consolidada a sua escolha pelo PSB para a disputa majoritária, imediatamente, os petistas começaram a acusá-lo de traição; de nada adiantou; Eduardo trabalhava dia e noite e assustava seus antigos aliados.

A campanha mais intensa seria o momento ideal para a divulgação das vantagens de Eduardo que, surpreendentemente, se aliou a Marina Silva com o discurso de mudança, unindo eficiência com sustentabilidade; infelizmente, o imponderável se apresentou, e tudo mudou!

Os planos de derrubada da candidatura socialista foi interrompido, e líderes petistas surgiram na mídia cantando loas ao adversário. Nos dias de luto, as boas referências e o carinho, antes recusado pelos ex-aliados, voltaram com intensidade como se fossem verdadeiros. Os falsos discursos feitos perante à urna funerária se tornarão, na campanha, boca de urna.

A realidade é que a situação da candidatura do governo se complicou. A coligação que apóia a reeleição da presidente perdeu o rumo e precisou recorreu ao seu grande líder para pedir votos, apelando para histórias da carochinha que já não se sustentam perante a maioria dos eleitores. A afirmação de que o segundo governo da era petista foi melhor do que o primeiro não é verdadeira, ao contrário, ao inventar uma candidata sem experiência eleitoral e sem capacidade de articulação política causou o desastre em que se transformou a economia do país e na desilusão que domina o povo brasileiro.

A medíocre administração pública, consequência do aparelhamento da máquina burocrática e da incompetência dos gestores, desvendou o mistério de um país que melhora, mas que está sempre na rabeira das nações em desenvolvimento.

A vontade de manter o poder a qualquer preço, diferentemente da propaganda, tem preço e está sendo, agora, cobrado. Os programas políticos que começam a ser apresentados no rádio e televisão não serão suficientes para modificar o que todos já sabem: as milhares de obras prometidas e anunciadas, como quase prontas, estão paralisadas por falta de recursos, ou por decisões do Poder Judiciário e do Tribunal de Contas da União.

Na campanha, o governo cata canteiros de obras para mostrar o andamento; logo a seguir, a oposição mostra as mesmas obras inacabadas. É fato que num país das dimensões do Brasil é difícil não apontar o certo e o errado, mas o que interessa é que o cidadão não está satisfeito com o governo, além de estar submetido a um verdadeiro toque de recolher pela insegurança que nos assola. Os números do desemprego oscila mensalmente e, em comparação com o ano anterior, apresenta tendência de baixa.

Os escândalos de corrupção que estão destruindo a Petrobrás, a nossa mais importante empresa, são estarrecedores com o envolvimento de dirigentes e doleiros em operações ilegais de transferência de dinheiro e imóveis.

Por outro lado, na base, são descobertos políticos com mandato, acusados de ligação com organizações criminosas e participação em atos de violência entre torcidas de futebol. É este descontrole moral que, mais uma vez, está enterrando o Partido dos Trabalhadores, que tem, depois de tanta gente presa, renascido como fênix, até quando não se sabe.

Fonte: Diário do Poder

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog