A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quarta-feira, julho 23, 2014

ALERTA DO REINALDO AZEVEDO: Desenha-se uma campanha contra o povo

Peço aos leitores que prestem atenção à forma como vai se desenhando a campanha eleitoral. Entendo que há mostras de que ela se dá contra os interesses do conjunto dos eleitores. Por que afirmo isso? Não vou aqui fazer juízo de valor, mas apenas lidar com os fatos.

O PT resolveu apelar ao Ministério Público Eleitoral, que acatou a reclamação, contra um link que está na página oficial do senador Aloysio Nunes Ferreira, candidato a vice-presidente na chapa do PSDB. Segundo os petistas, esse link caracteriza uso da máquina pública em favor de uma candidatura. O vice-procurador-geral eleitoral, Eugênio Aragão, concordou com o reclamante e pede multa para o senador.

Muito bem! Na sabatina de que participou, promovida pela Jovem Pan, Folha, UOL e SBT, o presidenciável tucano Aécio Neves afirmou que pretende promover mudanças no programa “Mais Médicos”. Basicamente, se eleito, ele quer que os médicos cubanos recebam integralmente os vencimentos a que têm direito — os R$ 10 mil — e que lhes seja facultado fazer o exame “Revalida”, o que lhes permitira o exercício pleno da medicina no país. Hoje, os cubanos são médicos pela metade porque só podem atuar no âmbito do programa. Como é sabido, os doutores oriundos da ilha ficam com algo em torno de R$ 3 mil do salário apenas. O restante vai para os cofres da ditadura cubana. Em um ano, isso soma quase R$ 1 bilhão.

Muito bem! Um candidato de oposição tem mais do que o direito de propor mudanças. Ele tem o dever. A sociedade é que vai dizer, por meio do voto, se concorda ou não com ele. Atenção! Arthur Chioro, ministro da Saúde — e ele é ministro tanto de eleitores da situação como de oposição — veio a público não para contestar as críticas de Aécio, não para dizer que discorda por esse ou por aquele motivo, não para tentar provar que o governo está certo. Nada disso! Ele veio a público para acusar o candidato de oposição de querer “acabar com o programa”. O mesmo fez o ministro Paulo Bernardo, do Planejamento, que nem é da área.

Ora, quando os dois ministros falam, eles o fazem pelo governo; eles o fazem no comando das máquinas de suas respectivas pastas, financiadas pelo estado brasileiro. Se um mero link numa página oficial do Senado — que quase ninguém visita — caracteriza uso indevido de dinheiro público, o que fazem os dois ministros é, então, o quê?

É preciso que se estabeleça a devida distinção, acho eu, entre contestar uma crítica — e isso é absolutamente legítimo — e praticar terrorismo eleitoral. Acusar um candidato de querer extinguir um programa quando, na verdade, faz propostas para corrigi-lo, parece-me caracterizar óbvio exercício de má-fé. Fosse assim, não haveria oposição nas democracias. Afinal, o contraditório seria sempre considerado sabotagem. E, pois, por uma questão lógica, tal regime uma democracia não seria, mas tirania.

O eleitor brasileiro tem direito a um pouco mais do que isso. Tem direito a debater saídas para o país. Hoje, infelizmente, e não entro no mérito das responsabilidades, o Brasil consegue conjugar os piores indicadores econômicos da América Latina: baixo crescimento, inflação alta e juros escandalosos. Os que se dispõem a governar o país — Dilma, Aécio ou Campos, entre outros — têm de oferecer, antes de mais nada, respostas para sair dessa encalacrada. Em vez disso, vemos a disputa tomar outro rumo, a quilômetros de distância dos interesses do povo brasileiro.

Se a coisa continuar assim, este será um país só com passado — e um passado não muito bom. E sem futuro.

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog