A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

terça-feira, abril 29, 2014

VIOLÊNCIA NO CAMPO: Dois agricultores são mortos em suposto confronto com indígenas no Norte do RS


Corpos dos agricultores foram encontrados em um matagal na Linha Coxilhão Foto: José Bertoldi / Especial
O conflito agrário que assola o norte do Estado teve um capítulo violento nesta segunda-feira. Dois agricultores foram mortos em um suposto confronto com indígenas em Faxinalzinho, na região de Erechim.

 Vítimas teriam tentando liberar uma estrada bloqueada por índios em um protesto

Conforme o Comandante da Brigada Militar (BM) do município, sargento Valdecir Golfetto, um grupo de cerca de 50 índios bloqueou a estrada que dá acesso às Linhas Faxinal Grande e Coxilhão, no interior da cidade, em um protesto para reivindicar a demarcação de terras indígenas na região. O grupo reside em um acampamento chamado Candoia e, segundo a Fundação Nacional do Índio (Funai), aguarda há 12 anos pela publicação da portaria que declara a área como indígena. 

Por volta das 17h, segundo a BM, um grupo de agricultores tentou liberar a estrada para a passagem de um caminhão carregado com ração, o que teria iniciado um confronto. Segundo Golfetto, dois agricultores teriam sido mortos a tiros durante o conflito.

— Houve vários bloqueios de estradas no interior do município desde a manhã, e estávamos monitorando os protestos. O conflito nessa estrada aconteceu quando não estávamos mais no local — explica o sargento.

De acordo com a Polícia Civil de São Valentim, as vítimas foram identificadas como os irmãos Anderson e Alcemar Souza. Até o momento, a polícia não confirmou as idades das vítimas.

Devido ao clima tenso no município, a BM teve de pedir auxílio para três cidades da região. Policiais militares de Nonoai, Erechim e Passo Fundo se deslocaram a Faxinalzinho para reforçar a segurança. A Polícia Civil de São Valentim e a Polícia Federal de Passo Fundo também foram acionadas para atender a ocorrência.

Os corpos dos agricultores foram encontrados em um matagal na Linha Coxilhão, às margens da estrada onde o conflito aconteceu. A área foi isolada pela BM até a chegada dos peritos do Instituto-Geral de Perícias (IGP) de Passo Fundo.
Veja no mapa onde ocorreu o conflito:


Funai deve enviar especialista para mediar o conflito em Faxinalzinho

Após a notícia de que dois agricultores foram mortos em um suposto confronto com indígenas em Faxinalzinho, no norte do Estado, o coordenador regional da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Passo Fundo, Roberto Perin, solicitou ajuda à direção do órgão para mediar o conflito. Ele afirma que solicitou à sede da Funai em Brasília o auxílio de um especialista em conflitos com violência.

 Segundo Perin, o órgão não tinha conhecimento do protesto realizado pelos índios no município.

— Foi uma mobilização que nos pegou de surpresa, e ainda não temos notícias do que realmente aconteceu. Soube que teria havido uma troca de tiros no local — relata.

Conforme o coordenador, este seria o primeiro conflito com morte naquela região:
— Lamentamos muito o que aconteceu. Somos a favor das manifestações, mas contra a violência.

Conflito teria ocorrido durante o bloqueio de uma estrada

Conforme o Comandante da Brigada Militar (BM) do município, sargento Valdecir Golfetto, um grupo de cerca de 50 índios bloqueou a estrada que dá acesso às Linhas Faxinal Grande e Coxilhão, no interior da cidade, em um protesto para reivindicar a demarcação de terras indígenas na região. O grupo reside em um acampamento chamado Candoia e, segundo a Funai, aguarda há 12 anos pela publicação da portaria que declara a área como indígena.

Por volta das 17h, segundo a BM, um grupo de agricultores tentou liberar a estrada para a passagem de um caminhão carregado com ração, o que teria iniciado um confronto. Segundo Golfetto, dois agricultores teriam sido mortos a tiros durante o conflito.
De acordo com a Polícia Civil de São Valentim, as vítimas foram identificadas como os irmãos Anderson e Alcemar Souza. Até o momento, as idades deles não foram confirmadas pela polícia.

"Alertamos os governos que isso poderia acontecer", diz representante da Fetraf sobre morte de agricultores no Norte

O representante da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Região Sul do Brasil (Fetraf-Sul) na região Norte do Estado, Sidimar Luiz Lavandoski, afirmou que a entidade vem alertando os governos Federal e do Estado há anos para o risco de mortes envolvendo a disputa agrária:

— Queríamos estar errados, mas alertamos os governos há anos que isso poderia acontecer. O risco de conflitos cada vez mais violentos devido à disputa agrária é muito grande — lamenta o agricultor.

Segundo ele, agricultores familiares residem na área reivindicada pelos índios em Faxinalzinho: — Sempre trabalhamos com uma estratégia de diálogo, mas os governos não conseguiram resolver o impasse — lamenta Lavandoski.

A Brigada Militar de Faxinalzinho informou houve diversos protestos envolvendo o conflito agrário no município, mas nenhum havia terminado em confronto como o desta segunda-feira.

Morte de agricultores acirra disputa entre índios e colonos em Faxinalzinho

Caingangues isolaram as estradas de acesso à cidade do norte do Estado

A cidade agrícola de Faxinalzinho, no norte do Estado, está com as estradas isoladas do resto do país. Índios caingangues bloquearam os principais acessos à município com toras de madeira. Comércio e escolas estão funcionando parcialmente.



No final da manhã, a comunidade ergueu na praça uma faixa com os dizeres "Faxinalzinho está em luto". O prefeito da cidade, Selso Pelin, recomendou que as pessoas ficassem em casa.

A tensão na cidade cresceu na segunda-feira à noite quando dois irmãos, os agricultores Alcemar Batista de Souza, 41 anos, e Anderson de Souza, 26 anos, foram mortos a tiros e a pauladas ao tentarem furar o bloqueio.

Três agentes da Polícia Federal (PF) estão na cidade fazendo um levantamento da situação.
— Estamos levantando informações para termos um quadro claro do que está acontecendo — disse o agente Paulo Ricardo Xavier, um dos policiais federais mais experientes em assuntos indígenas no RS.

Eles conversaram com o sargento da Brigada Militar (BM) Valdecir Golsetto que disse que, conforme a situação situação evoluísse, tropas da Brigada que estão acantonadas em cidade vizinhas podem rumar para Faxinalzinho.

Ido Antonio Marcon, presidente da associação dos moradores de Faxinalzinho, disse que os índios estão criando tensão ao pressionarem o governo federal para que desaproprie 2.734 hectares para assentar 198 famílias indígenas. Atualmente, nesta gleba, vivem 140 famílias de agricultores.
— Os índios não tem direito a esta terra — disse Marcon.

Zero Hora esteve na comunidade indígena acampada à beira de uma estrada de chão batido, que liga Faxinalzinho a Erval Grande. Os índios estão armados com lanças, facões e pedaços de pau.

O cacique Deoclides de Paula, 42 anos, disse que a morte dos agricultores ontem foi um fato isolado.
— Não há intenção da comunidade de defender seus interesses pela violência, já que o seus direitos são líquidos e certos. Ali existia a comunidade do Votoro, que foi desalojada pelo governo nos anos 40 e vendida aos agricultores brancos.

O cacique justificou o bloqueio das estradas, alegando possuir um compromisso assinado pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, de vir a Porto Alegre no último dia 25 para tratar das reivindicações dos índios. Como o ministro não veio, o cacique disse que a comunidade ficou revoltada e, por isso, trancou a cidade.
— Se existe alguém responsável pela morte dos agricultores, é o ministro. No momento em que ele não veio, gerou um momento de incerteza entre a comunidade — disse o cacique. — Sou da comissão nacional de política indigenista, ligado ao Ministério da Justiça. Imagine como é que eu fiquei quando o próprio ministro desonrou a sua palavra.

A família das vítimas
A comunidade de agricultores está revoltada e reunida na cidade. Muitos estão prometendo vingança. Os corpos dos irmãos que morreram ontem estão sendo necropsiados em Erechim e não podem voltar para a cidade porque os acessos seguem bloqueados.

Zero Hora falou com a irmã, Sandra Mara de Souza, e a mãe, Lebrantina Batista de Souza, dos agricultores mortos. As duas mulheres, sentadas em um sofá, estavam muito abatidas e choravam bastante. A Sandra disse que os irmãos só sabiam trabalhar e que tentavam levar ração para os porcos:
— Eu não sei o que aconteceu. Só sei que os meus manos estão mortos.

A mãe disse que sua maior preocupação no momento era conseguir trazer os corpos dos filhos para o cemitério que fica em Coxilhão Aparecida, interior de Faxinalzinho.
— Não sei se nós vamos conseguir velar os piás lá, porque os índios estão bloqueando tudo. Estou rezando para conseguir trazê-los.

Índios retiram bloqueio das estradas de Faxinalzinho

Decisão foi tomada para retirada dos corpos. Cacique diz que morte dos irmãos foi uma fatalidade

Para permitir que as famílias dos agricultores enterrem os irmãos mortos no conflito que aconteceu na noite dessa segunda-feira em Faxinalzinho, no norte do Estado, o cacique caingangues Deoclides de Paula, 42 anos, mandou retirar o bloqueio de toras que isolava a cidade do resto do país:

— Eu fiz isso porque no meu entendimento a morte dos agricultores foi uma fatalidade.

No final da tarde de segunda, Alcemar Batista de Souza, 41 anos, e Anderson de Souza, 26, foram mortos a tiros e pauladas pelos indígenas por tentar furar um bloqueio na estrada. O grupo fechou as rodovias reivindicando a demarcação de terras indígenas na região.



Fonte: ZERO HORA

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog