A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

terça-feira, abril 29, 2014

Agronegócio não é o vilão: Produtor rural preocupa-se com o meio ambiente


Rodrigo Contantino: "O presidente da Sociedade Nacional de Agricultura, Antonio Alvarenga, publicou um artigo no GLOBO defendendo a postura do agronegócio brasileiro em relação às questões climáticas. Primeiro, acusou os ecoterroristas que aproveitam toda catástrofe natural – que sempre existiu – para associá-la automaticamente às mudanças climáticas e culparem o agronegócio por elas. Em seguida, após discorrer sobre dados que mostram a produtividade nossa no campo, conclui explicando o principal motivo pelo qual os proprietários rurais levam em conta as ameaças verdadeiras."

 Artigo de Antonio Alvarenga no O Globo

Muito se fala sobre meio ambiente, emissões de gases na atmosfera e aquecimento global. São assuntos que mobilizam a atenção de grande parte da população. O interesse é justificável, uma vez que estamos todos preocupados com o futuro, a sobrevivência das espécies e a qualidade de vida.

No entanto, determinados “profetas do apocalipse” fazem previsões catastróficas sem qualquer base científica. Alguns desses terroristas ambientais mais precipitados têm atribuído os problemas climáticos do Brasil ao aquecimento global, ao desmatamento de nossas florestas e à agropecuária praticada no país. A realidade é que eventos climáticos semelhantes sempre existiram, com maior ou menor intensidade.

É bom ressaltar que, ao desmitificar informações equivocadas, não pretendemos invalidar a importância de atentar para o meio ambiente e acompanhar sua evolução, procurando incentivar medidas que reduzam os impactos nocivos ao ecossistema global.

O agronegócio brasileiro tem feito grandes progressos nos últimos anos. Somos um país campeão em produtividade e sustentabilidade. Nossa agropecuária ocupa apenas 28% do território nacional e gera, nesse espaço, 40% das exportações totais do país, 25% do PIB e um terço dos empregos brasileiros.

Temos um importante programa de agricultura de baixo carbono — o ABC — responsável por incentivar práticas que reduzem as emissões de gases do efeito estufa.

O Brasil também possui um programa de substituição de energia fóssil, poluente, por energia verde, que contribui para que tenhamos uma das matrizes energéticas mais equilibradas e limpas do planeta.

Nossa legislação ambiental é uma das mais avançadas e rigorosas do mundo. O novo Código Florestal foi aprovado após exaustivas discussões e negociações na Câmara e no Senado, com a participação de todos os segmentos da sociedade envolvidos no tema.

O Cadastro Ambiental Rural é um indiscutível avanço para o conhecimento de nossa realidade territorial. A utilização das imagens obtidas por meio de satélites irá permitir o mapeamento e o controle de todas as propriedades rurais do país, das áreas de reserva legal e de preservação permanente.

É sabido que a agricultura deve ser o setor da economia mais afetado pelas mudanças climáticas ao longo do século 21. Por essa razão, práticas sustentáveis são cada vez mais adotadas em toda cadeia produtiva de nossa agropecuária. Há resultados efetivos, principalmente no que concerne à mudança no uso da terra e das florestas — um dos principais indicadores acompanhados pelo Plano Nacional sobre Mudança do Clima.

Nosso produtor rural preocupa-se com o meio ambiente e vê os recursos naturais como seu principal parceiro. Aliás, uma preocupação justificável. É cultivando a terra que os agricultores garantem sua sobrevivência. Este é seu patrimônio, de onde tiram seu sustento, onde investem e guardam suas esperanças de progresso econômico e social.


Fonte: O Globo

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog