A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

domingo, março 09, 2014

Partido da Causa Operária acusa Alto escalão das Forças Armadas de estar envolvido em conspiração!

Direto da Revista Sociedade Militar (Sex, 07 de Março de 2014 20:59)




Robson A.K.S. http://sociedademilitar.com.br

As acusações postadas no site do Partido da Causa Operária são levianas e gravíssimas. Uma coisa é dizer que oficiais da reserva eventualmente publicam textos que criticam duramente o governo atual, ou que estes incentivam a sociedade a manifestar-se publicamente. Outra coisa, bem diferente, é dizer que ha uma conspiração em andamento. O jornal do partido chega ao absurdo de sugerir que se crie uma “FRENTE ÚNICA” da esquerda para enfrentar a situação, que para eles é caótica. 
O jornaleco esquerdista diz que a marcha da família, marcada para o dia 22 desse mês, é uma tática para o fortalecimento de grupos de “extrema-direita”. Para o autor, o movimento seria uma articulação pré-golpe. A publicação diz ainda que a marcha é parte de um grande plano perpetrado por um “amplo setor das forças armadas”, ele não diz que amplo setor seria esse.
A notícia é apenas mais uma mostra do despreparo, covardia e desespero da esquerda. Esse mês de março traz amargas lembranças para muita gente. Basta que alguém diga que militares ou sociedade conservadora estarao reunidos para um café que a esquerdalhada aciona seus alarmes nos comitês partidários e ONGS que orbitam em torno do governo. 
A acusação do jornal é ridícula. Por causa de textos como esses é que a boataria tem corrido solta pela rede. O texto diz ainda que o General Heleno será candidato à presidência do país, um dos sinais mais claros desse “golpe”. Ora, pelo que se sabe o general em questão não é filiado à nenhum partido político. Mesmo que fosse, e se candidatasse, isso seria algo perfeitamente democrático. Por acaso Militares estão impedidos de se candidatar a cargos políticos? 
O PCO diz também que os militares tentarão intervir nas eleições de 2014, por meio do Partido militar... Ora, como assim, INTERVIR? Então mais uma vez estão dizendo que um militar, ou um partido que tem militares em sua organização não tem o direito de participar do processo político? Isso pra eles é intervenção militar. Em matéria de representatividade, o partido militar, que nem foi totalmente regularizado ainda, já seria bem mais legítimo que o PCO, pois já tem mais de 300 mil apoios. Somando seus filiados de RJ e SP, o PCO pouco ultrapassa mil pessoas. Mas, por força da legislação brasileira, goza dos mesmos privilégios de um partido grande.
A mente prodigiosa que elaborou o texto não para por aí, ele extrapola o ridículo quando diz que o alto escalão das Forças Armadas usa as esposas de militares para por em prática suas opiniões. Desafiamos qualquer um que lê jornal ou acessa a internet a mostrar uma esposa de militar que fala em nome do alto comando, as únicas que atualmente aparecem no cenário são a senhoras Kelma e Ivone Luzardo, e pelo que sabemos suas palavras tem sido sempre relacionadas à questões sociais dos militares, como salário e carreira.
Parece que para a esquerda brasileira a cidadania de todos os militares deveria ser cassada. Militares não podem se candidatar, militares não podem participar de um partido político. Talvez para eles os militares não devessem nem votar, e quanto menor força política tiverem, melhor. Qual o motivo disso? Na sociedade de ignorantes que a esquerda pretende criar não ha lugar para pessoas sensatas e que têm uma visão racional e estratégica do país. Ainda que permaneçam calados ex oficio, os militares sabem muito bem o que está acontecendo no país. São o inimigo que mora ao lado, são a pedra no sapato, são a carta que pode virar o jogo.

Veja o texto publicado no site do PCO, que pelo menos nos dá uma ideia do baixíssimo nível dos inúmeros micro-organismos vermelhos que infestam nosso país:

A movimentação pró-golpe vem crescendo e a realização da segunda edição da “Marcha da Família” e o fortalecimento de grupos de extrema-direita são exemplos claros disso. No entanto, não é apenas entre os civis que esta política pró-golpe vem se desenvolvendo. Ela vem sendo executada e colocada em prática por um amplo setor das Forças Armadas.
Um dos aspectos mais importantes se manifesta na defesa da candidatura à presidente da República do general Augusto Heleno Ribeiro Pereira, militar da reserva que esteve à frente da Minustah (missão militar da ONU no Haiti) e ex-comandante militar da Amazônia. Como os militares (assim como os juízes) podem se filiar a partidos seis meses antes do pleito, a data limite para a decisão de Heleno é o dia 5 de abril.
Esta não foi a única iniciativa de militares para intervir nas eleições de 2014. No ano passado, o Partido Militar Brasileiro (PMB) tentou, mas não consegui obter o registro necessário junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
As iniciativas que vêm da caserna tampouco (como é natural) ficam restritas às eleições.
Em julho do ano passado, o coronel do Exército (atualmente na reserva), Gélio Fregapani, afirmou que o Brasil está a três passos de uma guerra civil. Em seu artigo, “Os rumos que seguimos apontam para a possibilidade de guerra intestina”, Fregapani afirma: “O MST se desloca como um exército de ocupação. As invasões do MST são toleradas, e a lei não aplicada. Os produtores rurais, desesperançadas de obter justiça, terminarão por reagir. Talvez seja isso que o MST deseja: a convulsão social. Este conflito parece inevitável”.    
No texto fica explícita a crítica ao MST e o pedido de mais repressão. A crítica ao governo do PT está implícita quando ele diz que as “invasões são toleradas”. Embora não conste no texto é impossível não imaginar o desfecho proposto. “Governo conivente com ações subversivas” e “ameaça de guerra civil” foram dois dos pretextos para o golpe de 1964.
Outro general da reserva, Luiz Eduardo Rocha Paiva, ex-secretário geral do Exército, foi mais claro em suas pretensões.  No início de fevereiro ele publicou o artigo “Questão de Consciência”, onde contesta o que é ensinado nas escolas sobre o golpe de 1964 e pede abertamente uma nova intervenção das Forças Armadas quando diz que “o tempo para os militares reagirem ao governo da esquerda totalitária está se esgotando”.  
É importante notar que a declaração parte do alto escalão das Forças Armadas e que este setor, via de regra, usa militares da reserva ou suas esposas para expressarem suas opiniões, uma vez que evitam quebrar a hierarquia da corporação. Uma declaração destas dada por um atual comandante das Forças Armadas, por exemplo, poderia acarretar em penalidades.
Neste sentido, as opiniões que citamos nesta matéria não podem ser vistas como algo isolado. Esta postura pró-golpe deve vir à tona no próximo período quando os Clubes Militares devem marcar comemorações em razão do aniversário de 50 anos do golpe de 1964.
Todas estas manifestações mostram que é preciso desde já iniciar uma ampla campanha contra a política golpista da direita. Algo que para o movimento operário deve ser feito com a realização de uma Frente Única de todas as organizações de esquerda (partidos, sindicatos, movimentos sociais etc.) para barrar as iniciativas golpistas por meio da luta, ou seja, com a mobilização revolucionária de todos que se opõe a direita.”


+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog