A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

sexta-feira, maio 12, 2017

CNC - Balanço Semanal de 08 a 12/05/2017



BALANÇO SEMANAL — 08 a 12/05/2017

CNC debate preservação do Banco de Germoplasma do IAC com secretário de Agricultura do Estado de São Paulo, Arnaldo Jardim

BANCO ATIVO DE GERMOPLASMA DO IAC
Na terça-feira, 9 de maio, o presidente executivo do CNC, deputado Silas Brasileiro, recebeu o secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, deputado Arnaldo Jardim. No encontro, ocorrido em nossa sede de Brasília (DF), demos continuidade aos debates sobre uma matéria que já vem sendo conduzida pelo coordenador do Conselho, Maurício Miarelli: a preservação das variedades de café do Banco Ativo de Germoplasma (BAG) de Cafeeiro do Instituto Agronômico (IAC).

Desde 2015, diante das dificuldades enfrentadas pela instituição, o CNC participou de diversas reuniões com representantes das entidades da cadeia produtiva, do diretor do Centro de Café do IAC, Gerson Giomo, e do staff da Secretaria de Agricultura de São Paulo. Expusemos a importância do BAG do IAC, o maior e mais representativo do Brasil, que possui plantas únicas e raras, as quais precisam ser preservadas para garantir a inovação tecnológica e a competitividade futura da cafeicultura nacional.

Mediante os trabalhos realizados pelo Conselho Nacional do Café e demonstrando ciência sobre a importância do BAG do IAC, o secretário Arnaldo Jardim citou que realizará esforços no sentido de que sejam preservadas as raras e únicas espécies do principal banco de germoplasma do País.

Ainda durante o encontro, o titular da Secretaria de Agricultura paulista nos agraciou com o convite para participação no "Sabor da Colheita 2017", ato simbólico que ocorrerá no dia 24 de maio, no Instituto Biológico, e que marca o início da colheita do café no Estado de São Paulo.
REUNIÕES ITINERANTES

Na semana passada, o CNC realizou uma série de reuniões itinerantes na sede de algumas de nossas cooperativas associadas, com o intuito de debater trabalhos que visem a fortalecer a interação para validar propostas de projetos e identificar desafios e potencialidades regionais para embasar ações de política cafeeira. Os primeiros encaminhamentos tomados se referem ao Fórum Mundial dos Produtores de Café e ao Dia Mundial do Café.

A respeito do evento que ocorrerá de 10 a 12 de julho, em Medellín, na Colômbia, as cooperativas associadas apoiaram a construção participativa de um documento com a posição do Brasil para apresentação no Fórum pelo presidente Silas Brasileiro. Este documento deverá promover a sustentabilidade social e ambiental da cafeicultura brasileira e apresentar críticas à transferência para a produção de todos os custos da sustentabilidade.

O tema do Dia Mundial do Café, em 1º de outubro deste ano, será "Coffee for you and me", com o objetivo de valorizar a característica do produto em unir as pessoas. Desde a criação dessa data pela Organização Internacional do Café (OIC), em 2015, o Brasil esteve ausente das comemorações. Frente a isso, as cooperativas associadas irão avaliar a possibilidade de realizar eventos com o tema sugerido pela OIC e o CNC coordenará a divulgação, bem como reportará ao organismo as atividades comemorativas desenvolvidas no Brasil.

MERCADO — Sem novidades nos fundamentos, os futuros do café apresentaram movimento lateral nesta semana, acumulando queda até o fechamento de ontem. As atenções estão voltadas para as condições climáticas e seu impacto no desenvolvimento da safra brasileira.

O Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) informou que os produtores de arábica da Zona da Mata e do Sul de Minas Gerais já iniciaram as atividades de colheita, limitadas à copa dos cafezais e em locais onde os grãos já adquiriram maior grau de maturação. Ainda segundo a instituição, a colheita do robusta segue em ritmo normal e a expectativa é de que os maiores volumes desta safra cheguem ao mercado no final mês.

No Brasil, o dólar comercial foi cotado, ontem, a R$ 3,1437, com queda de 1,0% em relação ao fechamento da semana anterior. O movimento do câmbio seguiu a tendência internacional, onde a alta do petróleo pressionou o índice da moeda norte-americana.

Na ICE Futures US, o vencimento julho do Contrato C foi cotado, na quinta-feira, a US$ 1,3425 por libra-peso, com queda de 145 pontos em relação ao fechamento da semana passada. O vencimento julho do contrato futuro do robusta, negociado na ICE Futures Europe, encerrou o pregão de ontem a US$ 1.984 por tonelada, acumulando perdas de US$ 18 na comparação com a última sexta-feira.

A Organização Internacional do Café (OIC) avaliou que a queda das cotações do grão observadas no último mês foi influenciada por movimentos especulativos, já que "fundos de cobertura venderam posições longas acumuladas nos últimos meses".

Em relação ao mercado físico nacional, o Cepea informou que as indústrias de torrefação voltaram a adquirir grãos de robusta e arábica de qualidade intermediária. A demanda está mais aquecida pelo arábica tipo 7 (bebida rio) remanescente da safra 2016/17, devido ao preço e à oferta ainda limitada de robusta. Já as negociações do arábica tipo 6 (bebida dura para melhor) têm sido pontuais, em momentos de valorização do mercado internacional.

Os indicadores calculados pela instituição para as variedades arábica e conilon foram cotados, ontem, a R$ 454,18/saca e a R$ 406,22/saca, respectivamente, com variações de -1,1% e 1,8%, em relação ao fechamento da semana anterior.

Atenciosamente,
Deputado Silas Brasileiro
Presidente Executivo


Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog