A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

sexta-feira, outubro 21, 2016

CNC - Balanço Semanal de 17 a 21/10/2016



BALANÇO SEMANAL — 17 a 21/10/2016

Liberações de recursos do Funcafé aos agentes financeiros chega a R$ 2,622 bilhões, ou 57,17% do total contratado

LIBERAÇÕES DO FUNCAFÉ — Nesta semana, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou a lista de repasse dos recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) contratados pelos agentes financeiros na safra 2016. Do total de R$ 4,586 bilhões acertados com as instituições, foram repassados, até 17 de outubro, R$ 2,622 bilhões, ou 57,17%.

Do montante encaminhado aos bancos e cooperativas de crédito até a última segunda-feira, R$ 1,339 bilhão são destinados à linha de Estocagem; R$ 724 milhões para Financiamento para Aquisição de Café (FAC); R$ 476,6 milhões para Capital de Giro de Cooperativas de Produção (R$ 218,5 mi), Indústrias de Torrefação (R$ 140 mi) e Indústrias de Solúvel (R$ 118,1 mi); e R$ 82 milhões para a linha de Custeio (veja planilha abaixo – clique para ampliar).

O CNC recorda que os mutuários interessados em tomar recursos do Funcafé na safra 2016 devem procurar os agentes financeiros e efetivar a solicitação, de maneira que o pedido seja feito ao Ministério da Agricultura e a Pasta faça o encaminhamento dos recursos. Os prazos finais para contratação são:
— 30 de novembro para Capital de Giro das Indústrias de Torrefação e Solúvel;
— 30 de dezembro para FAC;
— 31 de janeiro para Estocagem;
— 28 de fevereiro para Custeio, que pode ser estendido até 31 de julho quando o orçamento contiver apenas verbas destinadas à colheita; e
— 31 de março para Capital de Giro das Cooperativas de Produção.

CONSELHO DE ENTIDADES DO AGRO — Na terça-feira, 18 de outubro, recebemos, com satisfação, o convite para sermos representantes da cafeicultura brasileira no Conselho de Entidades do Agro ou Fórum Permanente da Agropecuária, iniciativa idealizada pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), que possui o duplo objetivo de apoiar a regeneração do Estado e da economia brasileira, assim como defender produtores e a produção do campo.

O Conselho Nacional do Café entende como louvável a iniciativa da sempre parceira CNA e acredita que a união das entidades neste fórum será capaz de possibilitar a defesa de interesses comuns ao setor agropecuário do Brasil, entre os quais se destacam: modernização da política agrícola oficial, dando-lhe caráter plurianual; simplificação do sistema tributário; implantação do Código Florestal; racionalização da legislação trabalhista de acordo com a realidade do campo e a evolução tecnológica; segurança jurídica de produtores e proteção à propriedade privada; políticas comerciais baseadas no interesse econômico do País; e melhora efetiva na infraestrutura logística.

Aproveitamos o ensejo para parabenizar o presidente da CNA, João Martins, pela brilhante iniciativa de unir as representações expoentes de cada setor do agronegócio brasileiro, evidenciando que a Confederação é a base da unificação do setor primário e que, assim, servirá de suporte para que se busquem soluções ao principal gerador de divisas para o Brasil ao longo dos últimos anos.

MERCADO — Apesar das perdas nos dois últimos pregões, os contratos futuros do café acumularam ganhos na semana. O comportamento do dólar, o desenvolvimento da safra brasileira 2017/18 e os indicadores técnicos foram os principais fatores que influenciaram o movimento das cotações.

No Brasil, o dólar comercial foi cotado ontem a R$ 3,139, com queda de 2,06% em relação ao fechamento da semana anterior. O significativo fluxo de entrada de divisas, dado que o prazo para regularização de recursos brasileiros no exterior encerra em 31 de outubro, explica a apreciação do real ante o dólar. O ainda atrativo patamar dos juros no País, após o corte de 0,25% na Selic, também apoiou essa tendência.

Em relação às condições climáticas que afetam o desenvolvimento da safra 2017/18 do Brasil, a Somar Meteorologia estima, até a próxima segunda-feira, redução do calor excessivo e precipitações da ordem de 30 mm a 50 mm no Paraná, São Paulo, Sul e Cerrado de Minas Gerais. Porém, na Zona da Mata, Espírito Santo e Bahia ainda predominará tempo quente e seco. Segundo a Climatempo, as chuvas devem retornar ao Espírito Santo entre os dias 29 e 30 de outubro.

Na ICE Futures US, o vencimento dezembro do Contrato C foi cotado, na quinta-feira, a US$ 1,5590 por libra-peso, com alta de 50 pontos em relação ao fechamento da semana passada. O vencimento novembro do contrato futuro do robusta, negociado na  ICE Futures Europe, encerrou o pregão de ontem a US$ 2.095 por tonelada, com valorização de US$ 51 em relação à última sexta-feira.

No mercado físico nacional, pela primeira vez os preços do café conilon superaram os do arábica, refletindo a crítica situação de escassez do produto. Os indicadores calculados pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) para as variedades arábica e conilon foram cotados, ontem, a R$ 507,50/saca e a R$ 518,58/saca, respectivamente, com variações de -0,3% e 4,7% em relação ao fechamento da semana anterior.

Atenciosamente,
Silas Brasileiro
Presidente Executivo
CNC - Sede Brasília (DF)
SCN Qd. 01, Bloco C, nº 85, Ed. Brasília Trade Center - Sala 1.101 - CEP: 70711-902
Fone / Fax: (61) 3226-2269 / 3342-2610
E-mail: imprensa@cncafe.com.br








Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog