A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

quinta-feira, novembro 06, 2014

No limite da responsabilidade




Por Geraldo Samor - O Globo


Qualquer leitura crítica do que aconteceu no mercado nesta quinta-feira sugere que a boa vontade dos investidores com o Governo reeleito está prestes a expirar.

O proverbial benefício da dúvida está escoando pelo ralo, na medida em que fica cada vez mais claro que a Presidente reeleita tem um mandato na mão e nada de novo na cabeça.

O Real perdeu 2,5% contra o dólar, e a Bovespa entregou 2%. Somados, esses movimentos significam que um investidor internacional com grana no Brasil perdeu, em apenas um dia, 5% do seu investimento. Melhor fazer as malas.

Nesta semana e meia desde o segundo turno, o mercado ouviu promessas de mudança, circularam nomes respeitáveis para o Ministério da Fazenda, e uma alta de juros inesperada insinuou um clima de seriedade. Em cada fragmento dessa narrativa, e a despeito das preferências pessoais da maioria de seus participantes, o mercado tentou ver a fumacinha branca — aquela que diz não Habemus Papam, mas Habemus Juízo.

Infelizmente, o blá-blá-blá dos sinais foi seguido pelo silêncio.

Ministro da Fazenda? Por que a pressa?

Metas fiscais claras e mais duras? Senta aí, menino.

(Para não dizer que o Governo não anunciou nada, saiu há pouco o aumento da gasolina. Um aumento envergonhado, de 3%, um aumento com medo de provocar o dragão que já cospe fogo no teto da meta. Too little, too late.)

A Presidente age como se a economia estivesse muito bem, obrigado. Como se não precisasse reanimar o espírito animal dos empresários e como se as oscilações do mercado fossem só um jogo sem consequências.

Enquanto a Presidente encenava a peça “Está tudo sob controle”, o Senado aprovou a mudança no índice que corrige as dívidas de Estados e municípios, permitindo que prefeitos e governadores assumam mais dívidas — isso no momento em que o Governo acaba de reportar o pior resultado das contas públicas desde o Plano Real.

Observando (de longe mas com lupa) essa esquizofrenia institucional, os gringos mandaram a ordem — “Venda” — e o dólar no mercado à vista fechou em 2.5699 reais. Guarde essa cotação; você provavelmente ainda vai olhar pra trás e achar isso barato.

O problema com as expectativas é que elas costumam se retroalimentar.

Um dia de baixa nos mercados pode, sim, ser seguido por um dia de alta. Mas se aquilo que a presidente Dilma chama de “pessimismo” (também conhecido como “realismo” por quem sabe fazer contas e as faz com honestidade) se alastrar, vai contaminar ainda mais a economia real,cujos sinais de fraqueza já eram evidentes antes do segundo turno.

A falta de urgência da Presidente Dilma — para usar uma expressão que a candidata adorou usar na campanha — está “no limite da responsabilidade”.

E isto só pode estar acontecendo porque ela não acredita na mensagem dos mercados. Ou porque se recusa a mudar. Ou, pior, porque não tem ideia do que fazer daqui pra frente.

Porque ela acha que preços de mercado não têm nada a ensinar.

Provavelmente, a Presidente vai ter que aprender do jeito mais difícil — e nós, estarrecidos, vamos pagar a conta.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog