A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

domingo, junho 01, 2014

PETRALHAS: Aparece a participação de José Dirceu nos negócios suspeitos na Petrobras



Dirceu estaria em negócios suspeitos na Petrobras





Para convencer a Petrobras a comprar a petroquímica Suzano, o empresário David Feffer contou com o apoio de pessoas de peso - um deles seria Dirceu


O ex-ministro José Dirceu, preso em Brasília pelo mensalão, seria o homem por trás de negócios bilionários suspeitos na Petrobras. A acusação é de um empresário do setor petroquímico que se diz vítima do esquema.


Caio Gorentzvaig já foi um dos grandes empresários do setor petroquímico no Brasil. Ele e a família eram sócios da Petroquímica Triunfo, no Rio Grande do Sul, junto com a Petrobras. Por causa dos negócios, ele ia semanalmente a Brasília e teve uma visão privilegiada de como se desenrolou um dos mais polêmicos negócios da Petrobras no país: a compra da petroquímica Suzano.


A empresa, da família Feffer, era avaliada em bolsa em R$ 1,2 bilhão e ainda tinha uma dívida de R$ 1,4 bilhão. Mesmo assim, a Petrobras resolveu comprar a empresa por R$ 2,7 bilhões e assumiu a dívida. O total da transação foi de mais de R$ 4 bilhões.


Para convencer a Petrobras a comprar a petroquímica Suzano, um de seus donos, o empresário David Feffer, contou com o apoio de pessoas de peso.


José Dirceu está preso, condenado como um dos líderes do mensalão. Mesmo longe do governo, o ex-ministro tinha trânsito livre no Planalto. Já Paulo Roberto Costa era diretor de abastecimento da Petrobras e homem de confiança do ex-presidente da estatal, José Sérgio Gabrielli. Paulo Roberto ficou dois meses preso na superintendência da Polícia Federal em Curitiba, acusado de desvio de dinheiro público e lavagem de dinheiro. Ele foi solto por determinação do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal.


Com o apoio de Dirceu e Paulo Roberto, David Feffer conseguiu fazer o negócio de pai para filho. Já a sócia da Petrobras na petroquímica Triunfo, a família de Caiu passou a ter problemas com a estatal, que teria impedido investimentos e o crescimento da companhia. Diante do impasse, Caio e o pai tentaram comprar a parte do governo. Mas os diretores da Petrobras foram agressivos e ameaçaram os sócios.


Caio e a família foram à Justiça para comprar a parte da Petrobras na Triunfo e o juiz chegou a propor um acordo. Uma contraproposta de R$ 355 cinco milhões. Mesmo assim, a Petrobras não fechou negócio. Até hoje, Caio briga na Justiça para ter o controle da petroquímica Triunfo.


O empresário garante que tem provas das irregularidades nas compras das petroquímicas Suzano e Triunfo. A procuradoria da República deve ouvi-lo nos próximos dias.


Fonte: Jornal da Band


VEJA TAMBÉM OS VÍDEOS ABAIXO!!



 

Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

O empresário Caio Gorentzvaig, da família fundadora da Petroquímica Triunfo, denuncia em vídeo que foi ameaçado por José Sérgio Gabrielli e Paulo Roberto Costa, “que lhe botaram o dedo na cara”, caso não aceitasse se desfazer de 15% da empresa – que era controlada, com 85% do capital, pela Petrobras. Gorentzvaig acusa Dilma Rousseff de ter estatizado sua empresa, sem um processo de privatização justo.

Depois de reclamar que a Petrobrás se transformou em um “condomínio político de ladrões de primeira linha”, Gorentzvaig cobra que o Ministério Público Federal e a Justiça investiguem o escândalo – que mexe com o maior grupo transnacional do capimunismo tupiniquim, a Odebrecht. Braço petroquímico do grupo, a Brasken, uma joint-venture com a Petrobras, foi a grande beneficiada com a aquisição da fatia da Triunfo.

Caio Gorentzvaig dá a cara para bater na petralhada, detonando: “Gostaria de mandar um recado a seu Gabrielli e seu Paulo Roberto Costa, que se encontra preso no porão da PF em Curitiba. Que os senhores não vão conseguir botar minha família embaixo da ponte. Ministério Público federal, onde estão os senhores? Investiguem este escândalo. É maior que Pasadena e de San Lorenzo. É o caso mais escabroso da Petrobras”.

O vídeo informa que Petroquimica Triunfo foi repassada por R$118 milhões em ações (não R$250 milhões como na reportagem da Veja) para Braskem/Odebrecht. Caio Gorentzvaig revela uma estranha recusa por parte da Petrobras de uma oferta de sua família de R$ 355 milhões em dinheiro, em troca de outra da Braskem de R$ 118 milhões em ações. Os Gorentzvaig, minoritários na petroquímica, foram obrigados a sair do negócio e a também aceitar ações da Braskem em troca de sua participação, depois de uma batalha judicial que se arrastava desde a década de 80.

Um especialista em aquisições e fusões avalia que, no acordo de acionistas, deveria ter uma clausula de drag-along. Ou seja, se a Petrobras decidir vender seus 85%, a família Gorentzvaig também tem que vender seus 15% nas as mesmas condições. Estranhamente, antes do drag-along deveria valer o shotgun clause, ou seja, a Petrobras deveria ter aceitado os R$ 355 milhões cash da família Gorentzvaig, oferta superior. Muito estranho...

Lula explica...

Luiz Inácio Lula da Silva explica por que o PT deve ter medo da CPI da Petrobras, neste vídeo editado pelo site Implicante...

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog