A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quarta-feira, março 21, 2007

Cientistas unem-se a produtores agrícolas em apoio à votação do milho transgênico

Com mais de 50 anos dedicados à genética e um dos maiores especialistas brasileiros no estudo genético do milho brasileiro, o professor Ernesto Paterniani, da Academia Brasileira de Ciência-ABC, foi um dos destaques na manhã desta terça-feira, dia 20, durante a primeira parte da Audiência Pública convocada pela CTNBio - Comissão Técnica Nacional de Biossegurança, em cumprimento a trâmite do processo de avaliação técnica do plantio do milho transgênico no Brasil. "Se a preocupação dos opositores da biotecnologia é de preservação do patrimônio genético do milho brasileiro (há 40 raças brasileiras contra 300 raças em todo o mundo), temos que fortalecer a Embrapa/Cenargen -Centro Nacional de Recursos Genéticos, onde esse patrimônio genético brasileiro está resguardado e isso não tem nada a ver com proibir os agricultores de plantar milho transgênico", afirmou. Ele próprio doou ao Cenargen os materiais genéticos do milho brasileiro que, hoje, segundo ele, os próprios agricultores podem resgatar na Embrapa.
Para o professor Paterniani, o que está em discussão hoje é o fato de os agricultores brasileiros que desejam plantar milho transgênico estarem impedidos disso, enquanto a ciência demonstra que o milho transgênico em avaliação na CTNBio é seguro para a saúde humana e animal como também contribui para a melhora das condições ambientais. Ele citou estudo de pesquisadores ingleses Graham Brookes e Peter Barfoot, segundo o qual somente em 2005 as lavouras transgênicas contribuiram com a redução da emissão de 9 milhões de toneladas de dióxido de carbono na atmosfera do planeta, o equivalente à retirada de 4 milhões de veículos das estradas. Sérgio Bortolozzo, vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Piauí confirmou durante a Audiência a percepção do professor Paterniani a respeito dos agricultores brasileiros. " Eu só sei que eu sou um agricultor que precisa de tecnologia para poder produzir e competir e se decido plantar milho transgênico tenho que ter meu direito respeitado", desabafou publicamente.
Paulo Bertolini, membro da Associação de Produtores de Grãos Diferenciados - APGD, sediada em Castro-PR, também pensa da mesma forma. "Não é possível sermos impedidos de plantar, enquanto nossos colegas argentinos já cultivam três variedades diferentes.", acrescentou. Outro produtor presente, o presidente do Clube Amigos da Terra da região de Tupanciretã (RS), Almir Rebelo, considera que foi positivo o fato de ter ocorrido a Audiência Pública que chegou a ser ameaçada de ser suspensa por liminar. " O importante é que os membros da CTNBio recebam nosso apoio e tenham tranqüilidade para continuar fazendo seu trabalho de avaliação. Com certeza, agora, o processo terá continuidade e sairemos desse impasse", completou.
Na Audiência Pública desta terça-feira, estão sendo ouvidos os representantes das mais diferentes tendências com interesse no acompanhamento dos pedidos de liberação comercial de três variedades de milho – tolerantes a herbicidas à base de glifosato ou de glifosinato, resistentes a insetos da ordem Lepidoptera, e ainda com duas características conjuntas, a de resistência a insetos da ordem Lepidoptera e a de tolerância ao glifosinato -- a serem comercializadas no Brasil por cinco diferentes empresas (Bayer CropScience, Dow Agrosciences, Monsanto do Brasil, Pioneer Sementes e Syngenta Seeds).
Para Leila Oda, cientista da FioCruz e presidente da Associação Nacional de Biossegurança (ANBIO), se valerem os critérios técnicos nessa votação prevista para quinta-feira, "com certeza, ocorrerá a liberação para plantio dessas variedades de milho. Cientificamente está provada sua biossegurança e agora já se pode dizer que empiricamente também. Milhões e milhões de pessoas em todo o planeta vêm consumindo o milho transgênico e não existe um único relato sequer de efeito adverso nem para o homem, nem para os animais e nem para o meio ambiente".

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog