A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

segunda-feira, agosto 27, 2018

RODRIGO CONSTANTINO: REAÇÃO AOS “INFLUENCIADORES DIGITAIS”, AS MERETRIZES DO PT, EXPÕE VIÉS IDEOLÓGICO DO SISTEMA



“Quem acessou o Twitter neste domingo (26) viu uma tendência incomum: o nome do Piauí aparecia entre os quatro principais “trending topics” — assuntos mais falados na rede social — nas primeiras horas do dia. Influenciadores digitais identificados com a esquerda foram convocados para exaltar a administração do governador Wellington Dias (PT), candidato à reeleição. A ação de marketing digital foi denunciada por uma das próprias personagens chamadas para a ação. Ao longo do dia, os principais envolvidos foram sumindo com a repercussão crescente do fato. 
Os elogios de tuiteiros iam da universalização do ensino técnico nos municípios piauienses até a redução expressiva nas taxas de homicídios em comparação com outros estados nordestinos. A onda tão positiva de publicações foi ridicularizada por outros usuários, que ironizavam os elogios dizendo que o Piauí era a “nova Dubai” ou uma “Suécia”. Em seguida, pediam dinheiro pela postagem. “
“Nas publicações em que denuncia o caso – que pode configurar crime eleitoral, segundo resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com multa de até R$ 30 mil – a jornalista influenciadora digital Paula Holanda contou ter participado do grupo de whatsapp que decidia quais seriam os temas das publicações. Além de Wellington, foram criados posts de elogios a Luiz Marinho e Gleisi Hoffman, com os quais ela disse ter concordado “sem resistência” por identificação pessoal. As postagens teriam sido pagas com valores em torno de R$ 1 mil, mas não há um valor preciso nem da remuneração pelas publicações e nem do total pela ação. “
O caso do “Piauígate” mostra como a esquerda usa métodos abjetos para tentar influenciar as eleições. Curiosamente, a mídia, as redes sociais e mesmo o TSE parecem mais preocupados com o engajamento orgânico da direita na internet, e basta ver o viés ideológico das “checagens de fatos” e dos banimentos ou bloqueios do Facebook para se certificar disso. O MBL passou a ser alvo de ataque constante, enquanto a real esgotosfera, aquela bancada pelo PT, é deixada de lado.
Carlos Andreazza comentou sobre a postura do TSE: “O TSE é uma espécie de grande Luiz Fux. Adora questões abstratas que jogam pra galera e cuja solução seja impossível. Daí por que esse lance concreto dos influenciadores bancados para elogiar petistas dará em nada. Muito trabalhoso. E não dá lacrada. Se fosse contra Bolsonaro…”
Leandro Ruschel também falou sobre o caso: “Queria trabalhar no Twitter só para ver os comedores de mortadela virtual apagando desesperadamente a propaganda que fizeram para o PT depois que a sacanagem veio à tona. Essa galera da esquerda é incorrigível”. Ele gravou um vídeo explicando melhor o ocorrido:
Flávio Gordon cobrou uma reação da turma de esquerda que comanda as redes sociais no país: “Aguardando o posicionamento de Daniele Kleiner, petista e gerente de segurança do Facebook Brasil”. Já a reação na esquerda foi a esperada: atacar os mensageiros, negar os fatos, ameaçar. Pablo Villaça, por exemplo, atacou Paula Holanda em tom de intimidação:


O que fica claro nisso tudo é que, uma vez mais, a esquerda é pura hipocrisia, com a cumplicidade de boa parte da mídia. Acusa os outros de “fake news” e de manipulação eleitoral, diz que os direitistas são movidos por interesses e ambição monetária, e fazem tudo isso em frente a um espelho. Ou seja, é projeção, é acusar o outro daquilo que ela mesma faz.
Esses “influenciadores digitais” são prostitutas morais pagas com dinheiro roubado do trabalhador, o que agrava ainda mais o quadro. Isso é manipulação da eleição, mas as redes sociais, a mídia e o TSE estão mais preocupados com a turma que voluntariamente, por acreditar, divulga coisas positivas do candidato da direita. O duplo padrão na reação é visível. Basta imaginar se fosse o PSL de Bolsonaro descoberto bancando essas meretrizes nas redes sociais.
Resta aguardar agora a reação do TSE. Deitado, de preferência, para não cansar muito as pernas…

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog