A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quarta-feira, maio 13, 2015

JOSÉ ANÍBAL: COMO MENTEM




Por JOSÉ ANÍBAL


Raras vezes a manipulação, a bravata, o engodo e o falseamento da realidade tiveram um peso tão determinante na agenda de um governo e na imagem pública que ele projeta



No dia 17 de abril, depois da prisão do tesoureiro João Vaccari Neto, o diretório nacional do Partido dos Trabalhadores anunciou que deixaria de receber doações de empresas. Mas na quinta-feira passada, dia 7 de maio, o jornal Valor Econômico revelou que os diretórios estaduais do PT seguem buscando ajuda de empresários para quitar dívidas de campanha.

"A dívida foi contraída antes da decisão do diretório nacional do partido de vetar doações empresariais privadas", disse um dirigente do PT baiano, cujas dívidas chegam a R$ 12,5 milhões. No Ceará, onde resta a pagar R$ 11 milhões, a justificativa foi semelhante: "A decisão de o PT não aceitar mais doações privadas não vale para o que foi contraído em 2014", disse um dirigente.

Por que então o PT deu ênfase à medida em sua propaganda na TV, se já era sabido que seus diretórios não estavam cumprindo o anunciado? Que vantagens pode-se aferir da mentira senão o aprofundamento do descrédito do mentiroso? Basta ver a resolução de expulsar do partido os corruptos. Depois da volta triunfal de Delúbio Soares, quem acredita no corte da própria carne?

Atribui-se a Maquiavel a funcionalidade política da mentira. Ao franquear ao príncipe a licença para utilizar meios excepcionais, desde que os fins se justificassem, Maquiavel deu à mentira, encarada como audácia e cálculo, um estatuto de virtude. O ato de mentir confundir-se-ia com as razões de Estado. Seria algo como um atalho para o consentimento.

As mentiras dos príncipes do petismo, todavia, fariam o politólogo florentino corar. É difícil lembrar de outro grupo político que tenha enganado seus eleitores de forma tão sistemática. Raras vezes a manipulação, a bravata, o engodo e o falseamento da realidade tiveram um peso tão determinante na agenda de um governo e na imagem pública que ele projeta. A credibilidade chegou a zero.

Como se vê, a miséria acabou. A conta de energia caiu. A inflação está controlada. O PAC acelerou o crescimento e o investimento decolou. Os juros são os mais baixos da história. As contas públicas estão em ordem. O pré-sal lançou o Brasil ao primeiro mundo. Ninguém combateu tanto a corrupção. O mensalão nunca existiu. As doações são todas legais. A pátria educadora está aí.

O completo descrédito de Dilma com a população e a indisfarçável objeção do sistema produtivo ao governo resumem o quanto fez mal ao país a desmoralização continuada. Não tanto pelos resultados do Planalto, que o Brasil vai reverter, mas pelo deboche com os anseios da sociedade. A mentira desmobiliza e despolitiza, e nunca precisamos tanto da participação.

Como engajar a sociedade com esse exemplo que vem de cima? É tanta mentira que o governo se resume a falsear o presente para fazer crer que os engodos passados se realizaram. Por isso, a inconfidência do companheiro Mujica, segundo o qual Lula teria dito que o mensalão era "a única forma de governar o Brasil", não surpreendeu a ninguém. No reinado petista, a verdade é um bem escasso.

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog