A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

quinta-feira, janeiro 15, 2015

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA




Neste país (?) de surrupiadores generalizados de erário público e de estatais e empresas públicas aparelhadas de um esquerdismo maligno, ainda há uma empresa da qual me orgulho. Herança bendita dos governos militares, a desmentir o que essa choldra que ora nos desgoverna afirma a todo instante. É a Embrapa.

Em 1970, o ministro da agricultura Luiz Fernando Cirne Lima constitui um grupo de trabalho para definir objetivos e funções da pesquisa agropecuária, identificar limitações, sugerir providências, indicar fontes e formas de financiamento, e propor legislação adequada para assegurar a dinamização desses trabalhos. Em 7 de dezembro de 1972, o então presidente da República, Emílio Garrastazu Médici, sancionou a Lei nº 5.851, que autorizava o Poder Executivo a instituir empresa pública, sob a denominação de Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura.

Desde então a empresa só fez crescer, especializando-se cada vez mais e transformando-se numa das mais importantes pesquisadoras mundiais.
Em agosto de 2012, a revista Globo Rural publicou que a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), buscava desenvolver variedades geneticamente modificadas de cana-de-açúcar, soja, milho, arroz e trigo com o objetivo de reduzir os riscos em decorrência das mudanças climáticas. A pesquisa prometia reduzir os custos na lavoura e contribuir na preservação do meio ambiente.

De acordo com o pesquisador da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Eduardo Romano, os resultados até aquele momento eram promissores. “Isolamos um gene relacionado à resistência ao estresse hídrico e o introduzimos em plantas modelo. Estas se tornaram altamente tolerantes à seca. As plantas não modificadas sobreviveram apenas 15 dias sem água enquanto que as plantas que receberam o gene sobreviveram mais de 40 dias. Agora estamos introduzindo este gene nas culturas comerciais. Esse é um processo que será obtido em longo prazo. Se tudo der certo, a estimativa de lançamento dessas variedades é para 2017″, afirmou. 
“Nossa ideia com o desenvolvimento dessas variedades é beneficiar toda a sociedade, desde o produtor que contará com uma tecnologia para auxiliar no aumento da produtividade e reduzir os custos da produção, até o consumidor”, acrescentou Eduardo Romano. Para o secretário de Produção e Agroenergia do Ministério da Agricultura, José Gerardo Fontelles, a tecnologia vai permitir que o Brasil mantenha a sua performance com um dos maiores produtores e exportadores agrícolas.

Pois bem, felizmente deu certo e antes do que previam. Em dezembro de 2014, apesar da quadrilha de vagabundos do MST sempre tentar atrapalhar, sob o manto de proteção dos governos petralhas, a mesma revista publica o seguinte:

Nos últimos dez anos o Brasil perdeu cerca de USD 27 bilhões na produção de soja apenas no RS e Paraná, onde as lavouras deixaram de produzir mais de 55 milhões de toneladas. Faltou água para as plantas de desenvolverem plenamente.

Por meio da manipulação genética, pesquisadores especialistas em ecofisiologia vegetal da Embrapa Soja (em Londrina, PR) introduziram um gene que torna a planta mais tolerante à seca. À frente da pesquisa, Alexandre Nepomuceno explica: Denominado Y, o gene é capaz de ativar e potencializar outros genes de defesa natural das plantas. Isso aumenta a capacidade delas de suportar a falta de água por mais tempo.

Na safra 2013/4, choveu muito pouco na fase mais crítica de desenvolvimento das plantas, apenas 44 mm entre janeiro e fevereiro, quando a média histórica é de 300 mm. Além da falta de chuva, as temperaturas chegaram a quase 40º C. Mesmo assim, as plantas com o gene Y tiveram mais área foliar, produziram vagem e tiveram raízes profundas e vigorosas, comparando-se com as plantas sem o gene, observa. As plantas com o gene Y tiveram aumento de 13,5% na produtividade quando comparadas às não transgênicas.

Este não é um dos motivos para se orgulhar? Alguém aí pode me apontar algo do que os petralhas possam se orgulhar, a não ser o fato de estarem tentando transformar todo o povo do país em homossexuais esquerdistas?

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog