A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

sexta-feira, setembro 12, 2014

BLOG DO CORONEL: O criminoso que mudou perfis de jornalistas na Wikipedia era funcionário petista de carteirinha da Ideli Salvatti



A comissão de sindicância criada para investigar as alterações feitas em perfis de jornalistas e políticos na Wikipédia, enciclopédia virtual cujos textos podem ser editados de forma anônima, identificou o autor das modificações. De acordo com nota divulgada pela Casa Civil nesta quinta-feira (11), foi o servidor Luiz Alberto Marques Vieira Filho, que assumiu a autoria das alterações. Ele modificou os artigos sobre os jornalistas Míriam Leitão, colunista de "O Globo", e Carlos Alberto Sardenberg, da CBN e Rede Globo. 

Na nota, contudo, o Planalto não informa se ele agiu por conta própria ou a mando de alguém. Vieira Filho ocupa um cargo efetivo da carreira de finanças e controle e, na época das alterações, exercia o cargo de assessor na Secretaria de Relações Institucionais, então comandada pela ministra Ideli Salvatti (PT). Atualmente, exerce a função de chefe da Assessoria Parlamentar do Ministério do Planejamento, do qual ele já pediu desligamento. 

A exoneração dele do atual cargo comissionado, que ocupa desde maio de 2014, será publicada no "Diário Oficial" da União desta sexta (12). O servidor também responderá a um processo administrativo disciplinar (PAD), que tem prazo de 30 dias, prorrogáveis por mais 15 para ser concluído. O processo pode levar à sua demissão do serviço público. 

Vieira Filho, 32, é filiado ao PT de Ourinhos (SP) desde 1999, de acordo com registro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). A Folha não conseguiu localizá-lo. Servidor concursado do Ministério da Fazenda, o petista recebe remuneração bruta de R$ 22 mil, o que inclui o valor do cargo comissionado como chefe da assessoria parlamentar do Ministério do Planejamento, segundo registros do Portal da Transparência de julho. 


ENTENDA O CASO
As mudanças nos textos dos jornalistas ocorreram em maio de 2013 com o objetivo de criticá-los. Alterações em páginas de políticos também foram feitas no período. Reportagem de "O Globo", publicada em 8 de agosto, mostrou que o endereço de IP 200.181.15.10, da Presidência, realizou mudanças nos perfis. O IP foi usado para associar Míriam Leitão ao banqueiro Daniel Dantas, afirmando que a colunista teria feito "a mais corajosa e apaixonada defesa" dele, e para desqualificar suas análises econômicas. 

Já em relação a Carlos Alberto Sardenberg, a rede do governo incluiu comentários para atacar o jornalista pelo fato de ele ser irmão do diretor da Febraban (Federação Brasileira dos Brancos), Rubens Sardenberg. "A relação familiar denota um conflito de interesse em sua posição como colunista econômico", escreveram. 

No final de julho, a Folha revelou que esse mesmo endereço de IP foi usado para incluir elogios na página sobre o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha, candidato do PT ao governo paulista. A página do vice-presidente, Michel Temer (PMDB), também foi alterada, com a retirada de informações. 

Em resposta à época, a Presidência disse não ser possível identificar o autor, uma vez que o IP identificado trata-se de um servidor proxy, ou seja, que atende a vários computadores ao mesmo tempo. A mesma resposta foi dada após a publicação do jornal "O Globo". Entretanto, especialistas em telecomunicações consultados afirmam que seria possível identificar o autor caso os registros de conexão ainda estivessem guardados. (Folha Poder)

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog