A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

quarta-feira, julho 02, 2014

PETRALHAS: PT prepara a guerrilha para o caso de perder as eleições

HAITIANOS JÁ TEM TÍTULO DE ELEITOR E FORAM INSTRUÍDOS A VOTAR NO PT



O país escancarou suas fronteiras para 50 mil haitianos entre abril e maio desse ano. Pessoas sem qualificação ou estudo vieram buscaroportunidades no Brasil. Tudo muito estranho. Qual o interesse do Brasil em receber essa gente e qual o interesse dessa gente no Brasil?O Repórter da TV Amazônia News, Roberto Oliveira, foi atrás desse mistério e descobriu, após pesquisar no cartório e nos registros do Tribunal Regional Eleitoral do Acre que esses imigrantes possuem dupla cidadania e puderam fazer o título de eleitor, dentro do prazo legal para votarem nas eleições de outubro de 2014, que terminava em 5 de maio.


O PT previu que a disputa eleitoral será muito acirrada, e que qualquer voto a mais poderá fazer a diferença. No caso de uma derrota petista (que é muito provável), sabemos que haverá uma guerra civil, pois o PT irá declarar fraude e não irá entregar o poder. O repórter conversou com um desses imigrantes, que confirmou que veio ao Brasil após ser abordado por “gente do governo” que esteve no Haiti atrás de homens que topassem votar no partido em troca de abrigo, mas dispostos a lutar em caso de guerra.




Ontem, em nossa página, levantamos a seguinte dúvida:



Como 20.000 haitianos em situação de MISÉRIA conseguiram dinheiro para comprar passagens aéreas para o Peru, e de lá para o Acre, e do Acre para São Paulo?

Os Centros de Inteligência Militares, a Polícia Federal e a imprensa não nos informam.

O preço mais barato encontrado para o trecho Port-au-Prince / Lima foi US$ 650.00 e para o trecho Lima/Rio Branco US$ 912.00. Somando os dois = US$ 1.562,00
Com o dólar a 2,30 = R$ 3.592,00 + a passagem Rio Branco / Guarulhos = R$ 500,00.

Total: R$ 4.092,00"

Hoje obtivemos a resposta, mas parece que ainda não está completa.

VERDADE OU MENTIRA, estão bancando as despesas, porque dinheiro sabemos que eles não têm. 

O Haiti está localizado a 500 km de Cuba, e ninguém vai para lá nem tampouco para a Venezuela, mas vêm para Assis, no Acre, que dista, em linha reta, mais de 4 mil quilômetros. 

Quem está bancando a viagem de 50 mil haitianos para o Acre? Quem está bancando a viagem de 20 mil haitianos do Acre para São Paulo?

ONDE HÁ FUMAÇA HÁ FOGO!!!


Fonte: OCC





Estrangeiros já são dois mil em ocupações na capital paulista


No prédio do antigo Cine Marrocos, na região central de São Paulo, 475 famílias pagam R$ 200 mensais ao MSTS (Movimento dos Sem Teto do Sacomã), criado em setembro de 2013 e responsável por sete ocupações. Dos sete andares, três estão reservados só para estrangeiros. Haitianos, o grupo mais numeroso, somam 52 famílias e ficam no segundo pavimento. Camaroneses e dominicanos estão logo acima, no terceiro. No quarto ficam peruanos, bolivianos e venezuelanos. Gays e travestis foram agrupados no quinto andar.

Às vésperas da Copa do Mundo, estrangeiros moradores de ocupações, incluindo imigrantes de Serra Leoa e de Cabo Verde que participaram de conflitos armados em seus países, estão escalados na linha de frente dos protestos de sem-teto marcados para acontecer na cidade a partir de terça-feira (10).

Atualmente, 17 movimentos de luta por moradia — entre eles MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto), LMD (Luta por Moradia Digna), MMPT (Movimento Moradia Para Todos) e FLM (Frente de Luta por Moradia) — pressionam vereadores a incluir no novo Plano Diretor proposta que reserva novos terrenos para a construção de conjuntos populares, até mesmo em áreas nobres e de preservação ambiental. Os atos prometem mais uma vez parar o centro, como vem acontecendo há três meses.

Para conseguir entrar em algum programa habitacional, como o Minha Casa Minha Vida, porém, o estrangeiro precisa ter pelo menos cinco anos de residência fixa e legal no Brasil, além de filho matriculado em escola, entre outras exigências. É essa esperança que move o haitiano Wadson Jean, de 34 anos. No País desde 2011, ele quer arrumar logo uma mulher e ter um filho. Jean mora no prédio do Cine Marrocos desde o fim do ano passado e já viveu em duas favelas.

— Não perco um protesto.

Os principais movimentos estimam que africanos e latinos representem hoje 10% dos moradores dos 50 prédios da região central que viraram ocupações desde outubro de 2012. Segundo a prefeitura, são 20 mil moradores fixos nos edifícios — dois mil são estrangeiros.

Africanos que perambularam nos últimos anos em favelas da zona leste encontraram refúgio nos prédios invadidos do centro, onde as mensalidades cobradas dos movimentos de sem-teto variam de R$ 30 a R$ 220, valores bem mais baixos do que o aluguel na periferia. O mesmo aconteceu com bolivianos e peruanos que moravam em cortiços e pensões na região central.

Os camaroneses também não param de chegar às ocupações. Sylvie Aristide Tchocgnia, de 30 anos, está no País desde 2012. Em seu apartamento de 30 metros quadrados no Cine Marrocos chama a atenção um longo sofá vermelho e dois tapetes aveludados verdes, com estampa de tigre.

— Minha patroa que deu o sofá. Ela veio aqui. Nem acreditou na organização do prédio, na limpeza. Os tapetes eu trouxe de Garoua.

Sylvie mora com a filha de três anos e trabalha na limpeza de uma galeria comercial da rua São Bento. Antes, ela morou por 15 meses em uma favela no Jaçanã, na zona norte.

— O pessoal nos bairros tem preconceito com a gente.

Sonho
Os estrangeiros também ocupam andares inteiros no número 138 da rua Marconi, no 10 da avenida Rio Branco e no 908 da avenida Ipiranga. Eles afirmam se sentir mais "confortáveis" com pessoas da mesma nacionalidade. Muitos dizem ter sofrido preconceito em outras áreas da cidade.

A divisão, segundo um dos líderes, Welita Caetano, de 29 anos, facilita a convivência das famílias e a divisão de tarefas.

— São pessoas sofridas. Chegaram ao País sem condição de trabalhar ou alugar um imóvel. Eles se sentem mais amparados quando estão perto de parentes.

Prestes a completar cinco anos de Brasil no dia 9 de setembro, o casal de peruanos Carmem Paredes, de 32 anos, e seu marido, Richard Torres, de 33, não deseja mais nada na vida além de uma casa própria. Eles moram com o filho, Luis Gustavo, de quatro anos, e nunca faltam em protestos do MSTS.

— Quando não consigo ir, por causa do filho, meu marido vai. A gente não falta em nenhum. O próprio artigo 6º da Constituição assegura moradia a todos os cidadãos do País, não diz que estrangeiro não pode.

Carmem repete um mantra adotado pelos moradores de ocupações do centro.

O texto constitucional é repetido também pelos moradores de andares reservados a homossexuais e idosos. Alessandro Feitosa, de 38 anos, trabalha no aeroporto de Cumbica e decorou seu quarto no Cine Marrocos com capas de gibis. Antes ele morava em um albergue na zona norte.

— Eu fiquei 15 dias acampado na frente da prefeitura no ano passado, quando cortaram nossa luz. Eu vou para todo protesto. Todo mundo tem direito à moradia digna.

Fonte: Estadão

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog