A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT

A MILÍCIA BOLIVARIANA DO PT
AgroBrasil - @gricultura Brasileira Online
Ofereci meus ombros. Como escada ele subiu. Abri o caminho para ele passar. Na hora da porrada a cara era a minha. Fui seu irmão seu amigo e companheiro... Um dia encontrou comigo. Me deu um beijo. Virou as costas e partiu. Lembrei de Jesus e as 30 moedas"
Poema do mensaleiro João Paulo Cunha que revela a mágoa em relação ao ex-presidente LULArápio.
"Anos atrás recebi do então governador de Brasília Cristovam Buarque o ‘premio manuel bonfim’, atribuído ao meu livro "Chatô, o rei do Brasil". Já pedi à Marília para localizar a placa de prata. Vou devolver. de golpista não quero nada. Nem prêmio".

Escritor Petralha Fernando Morais

“Que pena que nossos gênios estejam tão obtusos. E tão viciados no aparelhamento. O PT corrompeu mais do que a política, corrompeu a inteligência e o caráter. E aos poucos vão mostrando que a volta da Dilma por mais dois anos, com essa gente, vai embrutecer o País e seguir se apropriando do Estado. Pior que não tem juiz Moro para este tipo de roubo: da inteligência e do caráter. Ele não falou em devolver os dez mil que recebeu do prêmio. Na época eram dez mil dólares. Nem o que ele fazia no governo do Quercia".

Senador Cristovam Buarque

+ LIDAS NA SEMANA

segunda-feira, setembro 13, 2004

Inteligência biológica

Apesar de a soja ser um exemplo de sucesso quando o assunto é produtividade da agricultura brasileira – ainda que ambientalistas se oponham a essa opinião – o Brasil tem deixado de ganhar bilhões de dólares com o produto. O motivo é a ferrugem asiática, doença provocada por um fungo que está atrapalhando bastante a vida do produtor brasileiro.
“Acho muito difícil que tenha ocorrido uma corrente de ar única, que trouxe esse problema direto para o Brasil. Para mim, em algum momento, alguém teve a intenção de trazer isso para cá, mas essa é opinião minha”, disse Afonso Celso Candeira Valois, pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).
Para Valois, um dos conferencistas de sexta-feira (10/9), último dia do 50º Congresso Brasileiro de Genética, em Florianópolis, não se trata de paranóia. “O Brasil deve se preocupar com o bioterrorismo”, disse o pesquisador à Agência FAPESP.
A lista de exemplos por ele apresentada tinha vários itens, lembrando que pragas de fora do Brasil andam fazendo estragos nos campos brasileiros há vários anos. Isso ocorreu com o cacau, na Bahia, com a banana, na Amazônia, e está ocorrendo com a carambola, no Amapá. “E novas ameaças estão à nossa porta, como a monilia do cacaueiro, o besouro asiático da madeira, o mal da vaca louca e a gripe asiática das aves”, ressaltou.
Se dentro da Embrapa existem pessoas preocupadas com o que o pesquisador chama de “segurança biológica da agricultura e da biodiversidade”, fora da instituição esse é um problema ainda pouco discutido. “Acho que ainda não há muitas pessoas olhando para isso”, disse.
Uma iniciativa que nasceu na própria Embrapa gerou um plano estratégico de vigilância em segurança biológica na agricultura, que foi entregue na semana passada à Agência Brasileira de Inteligência (Abin). “É preciso que vários atores estejam envolvidos: cientistas, políticos e quem mais for preciso”, sugere Valois.
Não são apenas as ameaças vindas de fora que prejudicam a balança comercial brasileira. Problemas internos, não devidamente atacados, também estão causando um desequilíbrio financeiro. “Na safra de 2001, por exemplo, o Brasil perdeu US$ 422 milhões porque 466 toneladas de castanha foram devolvidas. As taxas de toxinas encontrada no produto estavam várias vezes acima do normal. Também tivemos problema com lotes de pimenta do reino contaminadas com salmonela”, contou o pesquisador da Embrapa.
Dentro desse plano, ele afirma que os cientistas e os geneticistas devem desempenhar um papel fundamental. “Uma das áreas em que a Embrapa trabalha, por exemplo, é no desenvolvimento de proteínas de defesa, que ajudam no combate a pragas”, disse.
A engenharia genética e todas as aplicações biotecnológicas seriam armas das mais importantes para que esse outro tipo de segurança, a biológica, possa ser garantida. “A partir da análise ampla desse problema, poderemos manejar os riscos biológicos e ambientais para a alimentação e para a agricultura”, acredita Valois, que também defende o termo “bioglobalização” para esses novos cenários.

Fonte: Agência FAPESP

Nenhum comentário:

+ LIDAS NOS ÚLTIMOS 30 DIAS

Arquivo do blog